Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Amor Romântico"

O problema dos homens certinhos demais (ou a lição que vamos tirar dos atos falhos)

21 de outubro de 2011 62

Foto: sxc.hu

UPDATE: com a correria da redação, acabamos não conseguindo liberar os comentários na tarde desta sexta-feira. Por isso liberamos à noite, perto das 23h. Desculpe a quem acompanha o blog e posta comentários.

Chamou-me atenção a repercussão do post do M.R.S e a grande parte dos comentários — masculinos, claro — a respeito do protagonista da carta ser certinho demais. Grande parte dos comentários destacava o fato de o casal não ter feito sexo anal, por exemplo, como um dos defeitos do relacionamento. Segundo os samba-cancioneiros, esta questão serve como um termômetro de que a coisa era um tanto fria entre os dois na cama, e a mulher, talvez, queria algo mais caliente. Não acho que se possa medir a temperatura sexual de um casal por fez ou não fez sexo anal, mas…

O que penso é: não importa o quanto se é bom ou mau, não importa se deu motivo ou não, se a mulher tem caráter, se o amigo não era tão amigo assim, se o casamento estava uma droga, qualquer outra coisa. Não importa. Importa que ele foi correto até mesmo na hora de desvendar que sabia de tudo. Ele foi correto até mesmo na hora em que deveria ser enérgico, forte. Quando devia matar a cobra e mostrar o que você sabe que ele deveria mostrar. Ele foi íntegro. E pessoas íntegras estão em falta no mundo: homens e mulheres.

A lição disso tudo — e espero que você que sempre lê o blog aprenda de uma vez — é que homens e mulheres são falhos. Têm medos. Angústias. Necessidades. São apreensivos. Imaturos. Às vezes homens e mulheres querem simplesmente estar sozinhos. Porque sabem que quando estiverem com alguém não serão capazes de corresponder à expectativa do outro. E fazem bobagem — porque é normal que o ser humano faça bobagem. E com isso machucam outras pessoas.

O texto, a carta do M.R.S, pode ser fictício, invenção do blog — vocês já pararam para pensar que apontam sempre o dedo nos acusando de mentirosos? A lição dos mais de 200 comentários do post é: homens e mulheres, deixem de lado a eterna guerra dos sexos. Homens chamam mulheres de promíscuas e afins porque elas começaram a querer ser homens. Mulheres quiseram ser homens para mostrar que podem as mesmas coisas que eles. Um dá um murro forte na ponta da faca, o outro vê os dedos cheios de sangue mas retruca e dá o soco ou igual ou mais forte que o primeiro. Ambos derramam litros de sangue no chão. E se machucam.

Ou seja: nessa vidinha de agressões mútuas, quem perde somos todos nós.

Quem gosta de passado é museu?

17 de outubro de 2011 166

Foto: sxc.hu

Um jogador de futebol muito famoso está revoltado com o que andam falando sobre o passado da moça com quem tem um relacionamento. Coincidentemente, ela é gaúcha e alguns homens aqui de Porto Alegre — dizem — já pagaram a ela algo mais que a conta do boteco. Vocês entenderam o que eu quis dizer, então não há necessidade de explicar.

Fiquei pensando na questão “passado de uma mulher” e percebi que, em muitos casos, ele é extremamente valorizado. Alguns homens não casariam com uma moça mais “vivida”. O que não deixa de ser irônico, pois grande parte do público masculino pede a seu lado mulheres devassas, que topem tudo e saibam fazer tudo. Na teoria, quanto mais parceiros, mais desencanada a mulher seria (é isso?).

Mas voltando ao primeiro parágrafo: e se você descobrisse que sua mulher é ou foi uma garota de programa? Qual seria sua reação? Acabaria o relacionamento? Se continuasse com ela, contaria a seus amigos e familiares sobre o passado da moça? Um tema um tanto polêmico para começar a semana. Vamos debater sobre isso?

Linha cruzada: o dia em que a loira Grande e Gostosa perdeu para a morena baixinha

15 de setembro de 2011 75

Foto: sxc.hu

A Cinara era uma mulher alta, loira, encorpada. Tem implante de silicone nos seios, quadril largo. Aquela mulher que adora gargantear, dizendo-se gostosona, que pode tudo, que é bem-resolvida. É importante deixar claro que ela não é tudo o que pensa que é. Está longe. Em uma de seus devaneios, gosta de dizer que é uma mulher GG: Grande e Gostosa. Cinara tem um noivo. Ou melhor, tinha. E o verbo passou ao passado devido a um telefonema.

GG estava na casa do amado, haviam feito um sexo muito bom — na opinião dela, claro, e como contou aos amigos para explicar o fato. O cara foi tomar um banho. Tinham de voltar ao trabalho. Pelo que entendi, estavam curtindo aquele intervalinho sacana e gostoso a que todo o casal deve ter de vez em quando. O telefone tocou. Cinara atendeu:
— Oi, amor… — disse a voz dengosa no outro lado da linha.
— Como??!! — respondeu a Grande e Gostosa.
— Por favor, tu podes passar para o meu noivo?
— Como assim?
— Meu noivo, querida, o Marcos. Hummmm, a propósito, quem tu és?
— Quem eu sou? Sou a noiva dele, querida…
— Não pode ser a noiva dele, perua, se a noiva dele sou eu.
— Não, tu eu não sei quem és. Mas a noiva dele não será mais eu…

Desligou o telefone, quebrou o pau com o Marcos. Não foi trabalhar. Foi até a casa da mãe de Marcos. Mais alguém, além do safado, deveria pagar e ouvir por tudo o que ela queria falar. Chegou lá e desistiu. Na sala, uma morena, baixinha, mas muito bonita, estava sentada no sofá da Dona Manuela, chorando. A ex-sogra tinha uma xícará de chá na mão esquerda e na direita uma caixa de lenços. A outra chorava, soluçando. Até a irmã de Marcos consolava a baixinha. E parecia muito aflita. Na mão da outra, uma aliança de prata. A dela, ao menos, era de ouro, pensou.

Tirou seu anel do dedo, deixou no armário do corredor e foi embora. Afinal, que homem não gostaria de noivar com uma mulher Grande e Gostosa?

Eles apimentavam a relação transando em lugares públicos. E era como se quisessem ser flagrados

24 de agosto de 2011 79

Foto: sxc.hu

Era como se os dois tentassem ser flagrados. O tempo todo. No canto de alguma festa, no estacionamento do shopping, em alguma rua menos movimentada — e até mesmo nas que os carros cruzam com mais intensidade. Nos parques e nas visitas aos familiares. Até mesmo no trabalho, na salinha reservada do primeiro andar. Viviane e Lucas tinham como prazer extra a possibilidade de serem vistos transando em algum destes lugares.

Desculpe a palavra. Mas não posso dizer “fazendo amor”. Primeiro, porque quem consuma o sexo dessa forma não “faz amor”. Quem faz sexo dessa maneira transa. Quem faz sexo dessa maneira quer suar. Quem faz sexo dessa maneira quer ficar descabelado, levemente vermelho. Quem faz sexo dessa maneira precisa ser rápido. Mas os cinco, 10 minutos do ato proibido corresponde a uma hora de uma das maiores e mais demoradas relações. Quem faz sexo dessa maneira urra em silêncio — você já fez isso? Tente.

Viviane e Lucas transavam. Todos os dias. Acredite, samba-cancioneiro. Eu disse TODOS OS DIAS. Exploravam o sexo de uma forma que nunca tiveram feito com nenhum outro parceiro. Não tinham apenas química. Com os dois havia Química, Física, Matemática, Biologia… e, assim, iam fazendo história.

O relacionamento ficou sério, veio o namoro e a brincadeira do sexo oral no quarto com os pais e irmãos na sala. A janta de noivado e a masturbação silenciosa por baixo da mesa. O casamento e o sumiço pelos jardins da capela do Padre Jonas. Mais lugares escondidos, mais lugares desvendados, mais pimenta na relação.

Até que o sexo diminuiu, os problemas diários foram apagando o fogo, as conversas sobre o futuro diminuíram as vontades. A rotina lhes deu o primeiro gancho e eles foram à lona. Knock Down. Perceberam que a contagem estava iniciando quando visitaram Bianca, a irmã mais velha de Viviane. Observaram o sofá da sala lembrando de todo o suor e sussuros que ali viveram. Sorriram. Riram. Gargalharam.

Voltaram para casa. O deslocamento da cama box mais próxima da janela entreaberta fez renascer os cantos das festas, os estacionamentos dos shoppings, as ruas da cidade — movimentadas ou não — os parques e as visitas aos familiares. Foi a volta por cima. Não deixariam que uma vida de cumplicidade escapasse por entre seus dedos. A partir daquele instante, aquele espaço de um metro e meio por três metros seria o que eles quisessem.

As vantagens de ser amante são muitas. Mas às vezes você quer algo mais do prato principal

23 de agosto de 2011 131

Foto: sxc.hu

Edgar comia tranquilamente seu bife. Era um bife de picanha ao ponto, com uma saudável capa de gordura da espessura de um dedo. Olhava para o bife e pensava em Marta, que acabara de deixar em casa. Daqui uma hora, calculou, ela estará de banho tomado à espera do marido, enquanto ele, Edgar, estaria a caminho de casa para terminar um relatório e assistir ao VT da Copa do Rei.

Mastigou mais um pouco e imaginou aquela suculência toda de bife sem o naco de gordura que o acompanhava. O toco de graxa era responsável direto por deixar a carne saborosa e, quando ingerido junto com ela, ampliava ainda mais essa sensação. Ela prolongava a razão de existir daquele pedaço de carne.

Óbvio que se ingerida em demasia, a carne com gordura lhe causaria uma série de problemas, mas com moderação, deus, como viver sem? Como seria possível gostar de um bife de picanha sem gordura? Ainda seria o mesmo bife de picanha? Tecnicamente sim, mas em se tratando de sabor, não chegaria nem perto.

Pensou na brigas que Marta relatava no trabalho com o marido e que a levaram para os motéis com Edgar. Ela era casada há pelo menos uma década e só agora decidira se entregar a outro. No entanto, deixou claro que não largaria do marido por nada. Edgar seria uma válvula de escape para uma fase conturbada e ele estava tranquilo com isso. Até aquela noite na churrascaria…

Sua relação com Marta era como um bife de picanha sem gordura. Era gostoso, tinha seu valor e seu sabor, mas nem de longe o mesmo que teria se fosse sua mulher. A gordura que tempera e dá razão ao dia a dia ele nunca teria.

Ser amante tinha todas as vantagens que ele já conhecia de outros casos que tivera, mas estava longe de conhecer um relacionamento verdadeiro. Até aquele momento, só comera carne sem gordura. Mantinha-se saudável, era verdade, mas sentia que seu paladar nunca havia sido explorado em todo o potencial. Não sabia o que eram as brigas por ciúmes bobos, a luta por equilibrar o orçamento de uma casa, o aconchego depois de um dia difícil, a doação abnegada de tempo e sentimento, um pedido de desculpas sincero, a grandeza de oferecer uma segunda (ou terceira…) chance, a esperança pelo sol depois de uma tormenta, uma reconciliação tórrida, flores enviadas sem motivo algum…

Edgar saboreou o resto do bife como nunca havia antes. E estava decidido a saborear a vida de outra forma também.

O que leva uma pessoa a optar pela solteirice eterna?

15 de agosto de 2011 50

Foto: sxc.hu

Não pense que é uma história inventada. É a mais pura verdade: tenho um amigo solteiro. Convicto. Opção. Ele quer ser solteiro. Já tem mais de 50 anos, estabilizado financeiramente, não vai/quer casar ou se relacionar com uma mulher de forma fixa. Não sei porque isso. Uma vez até tentei entrar no assunto, mas ele só me disse “Está bom assim”. Logo, não sei se ele sofreu alguma desilusão amorosa, se já amou na vida. Deve ter, claro.

Tirando a bobagem desse negócio de Dia de Solteiro, a data de hoje me fez pensar: o que fez ele não quis um relacionamento? Tenho convicção de que todos os seres humanos querem ter alguém por perto, do lado, ter alguém para chamar de seu e/ou dizer que é de alguém. Faz parte daquele negócio chamado amor.

Mulheres, principalmente, querem casar, ter filhos, constituir uma família. O homem também, claro, mas essa necessidade parece ficar mais evidente entre as mulheres. Por exemplo: não conheço uma mulher solteira convicta como esse meu amigo. Sendo solteiro e não tendo casado, meu amigo optou, também, por não ter filhos. E é um cara legal. Inteligente. Seria um ótimo pai.

Vocês têm amigos solteiros convictos? Sabem os motivos para isso? Contem aí suas experiências. E, claro, vale tanto para homens quanto para mulheres, como sempre.

A grama do vizinho é sempre mais verde? Saiba no Pergunte aos Cuecas

12 de agosto de 2011 14

Foto: sxc.hu

Apenas para confirmar uma Teoria da Conquista da Espécie Humana: “É VERDADE que quando desprezamos um pouco, ou muito, as mulheres ficam mais interessadas? E que no imaginário FEMININO não há espaço para Homem BABÃO?” Isso é: a TEORIA DA CONQUISTA afirma que a Mulher também precisa disputar com outras para ganhar o seu Homem. Homem BABÃO ou o fácil não tem graça?
PAULO ALEXANDRE
Olha, Paulo, seguinte: quanto mais desprezo, é certo que a coisa dá uma valorizada. Assim como o homem quer conquistar o inconquistável, a mulher que ter aquele gostinho da “conquista”, da “posse”, do “tomei para mim”. Depois perde a graça? Bom, daí depende dos dois para que isso não ocorra, não é mesmo?

Gostaria de saber qual a visão de vocês: saio com um cara há mais ou menos dois anos. Não é namoro. Ele diz ser por causa dos meus pais, pela fase que estamos passando (fim de faculdade, concursos…) e que quer mais liberdade para a gente. Apesar disso, ele afirma que gosta de mim e sabe o que quer comigo. Já briguei com ele, porque já não gosto mais dessa situação, me sinto de molho praticamente. Nesse final de semana ele e um amigo se formaram. Não fui por motivos alheios a minha vontade, mas a ex dele foi. E ela add ele no face. Eu questionei ele ter aceito e ele disse que tenho que aceitar, porque não tem nada a ver, pois o mundo tem duas caras, mas que comigo é sincero. Então, samba-cancioneiros, o que vocês acham disso tudo?
S.
Isso está com cara de “sexo entre amigos” do que relacionamento, S. Se ele quer algo sério, que assuma, você não acha? Não temos muito a opinar sobre isso. E achamos simples, até: ele gosta de ficar contigo, pode ser a mulher da vida dele, mas ele não quer compromisso. Assim são os homens. Vocês, mulheres, decidem se nos aceitam ou não.

Olá meninos!
Gostaria de saber o que faz um homem, nesses tempos de “ficar”, querer namorar “oficialmente” uma mulher..
Valeu guris!
Beijos!

Maria Cristina
Sabe, Maria Cristina… O homem também gosta de se envolver de forma séria. Só que ele tem de achar que realmente vale a pena. Se o bônus de estar acompanhado é maior do que o de estar solteiro. A maioria pensa que é melhor estar solteiro. E realmente é. Mas pode ter certeza de que quando um homem quer relacionamento sério ele vai até as últimas consequências. Beijos para você também.

Quando a mulher está a fim de ficar com aquele cara lindo e maravilhoso deve deixar bem claro? E se fizer isto e ele ainda ficar enrolando? Mas, também, não deixar claro que não quer nada, deve insistir?
Carla
Ela deve deixar claro que quer, Carla. E não só isso: deve chegar no cara. Se for o caso, colocá-lo na parede. Chega de só nós termos de tomar a iniciativa e ficarmos levando fora por aí. Mas lembre-se: assim como vocês querem ser conquistadas, nós também queremos. Vai chegar no cara? Chega com classe e não como “mulher das cavernas”, ok? Abração.

Olá, meu caso é muito complicado. Minha namorada tem uma queda por outras mulheres, o que é motivo de muita discussão e brigas entre nós, e o pior de tudo da nossa atual separação. Eu amo muito ela e esta sendo muito difícil essa separaçâo. Além disso, também sinto que ela está sofrendo… mas a questão é uma coisa que ela disse: “que parte dela se aproxima de mim, mas outra parte se afasta”, mas nao sei se vale a pena levar adiante um relacionamento assim. Gostaria de pedir a opinião de vocês sobre isso. Obrigado pela atenção.
Guilherme
Olha, Guilherme. Alguns de nós diria que você é sortudo. Pois com essa queda por outras mulheres dela poderia fazer uma brincadeira a três coisa mais gostosa. O problema é que se você não consegue desencanar com isso, vocês vão ficar brigando eternamente. Você tem como não pensar que ela está olhando para aquela gata tão a fim de devorá-la quanto você? Se sim, segue em frente. Se não, acho que tu estás em um mato sem cachorro. Sorte na decisão.

O que devo fazer: conheci uma pessoa, gosto dele, só que a gente só se vê ou fala quando eu mando mensagem por e-mail. Ele retorna dizendo que tem saudade mas nunca a iniciativa é dele. Será que ele só me retorna porque eu ligo, devo esquecer essa relação?
Lu Farias
A não ser que ele seja muito esquecido, Lu, acho que ele não tomar a iniciativa significa muito, não? Sendo bem sincero: cuidado, guria! Ou então aproveita na mesma intensidade o que ele aparenta estar aproveitando.

Por que para os homens em relação as namoradas a grama do vizinho é sempre mais verde?
Dany
Porque alguns homens têm mania de valorizar o que têm em casa quando perdem. E com essa, frase, Dany, encerro o assunto. Se você tem olhos para ler, entenda. Beijos

E aí gurizada!
Sou um “peitomaníaco” de carteirinha e gostaria de saber se as mulheres apenas gostam de provocar com seus decotes cada vez mais generosos ou se realmente sentem prazer nos seios… Abraços.

EDU
Querido Edu. Elas adoram provocar e sentem muito prazer nos seios. Dá uma “brincada” com vontade – mas com delicadeza, não esqueça que é sensível – nas peitos de sua namorada/ficante/transa certa para você ver o que acontece. Depois entra aqui no blog para nos contar. Abração

Olá samba-cancioneiros. Devido ao fetiche que vocês, homens, têm em serem excitados com duas mulheres se pegando e tal, o que de fato, é comum entre os homens. O que vcs acharia se a sua namorada também fosse excitada com o mesmo estímulo? Tenho vergonha de expor isso pro meu namorado, tenho medo que ele pense errado, mas vejo que importante, princialmente, quando as preliminares não funcionam bem.
Luiza Viviane
Posso dar uma dica: pegue um filme pornô que você saiba que há cenas a três e mostre para ele o quanto você fica excitada assistindo a elas. Eu te garanto que ele não pensará nada de você e vai gostar de brincar com isso mais vezes. Use a imaginação e liberte-se. Essa é a dica.

Gostaria de saber o que realmente se passa na cabeça de um homem quando ele diz ou “rotula” mulheres que são para casar. Já ouvi algumas vezes de amigos e paqueras que eu sou mulher para casar, porém e qquando me rotulam pra casar, curtem com as outras e acabam esquecendo de mim. O que devo fazer para mudar este rótulo?
Obrigada. Adoro o blog, beijos queridos.

Mi
Olha, Mi, acho que você tem de ser o que quer ser, não o que querem que você seja. Talvez te falte só um tantinho de pimenta no feijão, sabe? Ousar mais, ser um tanto mais sensual — não vulgar, não confunda. Você será uma mulher para casar e, ainda por cima, vai enlouquecer o macharedo.

E aí samba-cancioneiros de plantão, será que vocês poderiam citar algumas atitudes que demonstram quando o cara está apaixonado? Quais são os sinais mais comuns que entregam isso? Beijos para vocês.
Viviane
Olha, Viviane, quase sempre nós ficamos mais babacas, bobinhos, rindo à toa, sorrindo para o nada. Muito homem diz que não, mas quando nos apaixonamos somos piores que mulheres.

E quando o homem decide se casar virgem?

08 de agosto de 2011 41

Foto: sxc.hu

Sempre falamos aqui da mulher para casar, da mulher para ficar, da mulher para uma noite e nada mais. Mas neste final de semana lembrei de um fato curioso e, por incrível que pareça, não é isolado: conheço dois homens que casaram e perderam a virgindade apenas na noite de núpcias. Acredito que você não vai acreditar nisso, mas é a mais pura verdade. O que interessa isso? Para minha vida, nada. Cada um faz o que bem entende de sua vida, vivo dizendo isso por aqui. A questão está no lado inverso do tema: a ridicularização dos dois e a dificuldade de as mulheres (não as noivas, as mulheres em geral) entenderem a opção deles.

Nos dois casos, o que prevalecia era a fé e a religião a qual os dois seguiam. E apenas essas duas seriam razões interessantes para se analisar e, assim, entender. Mesmo quem não segue doutrina alguma pode racionalizar sobre o tema e chegar às conclusões sobre o assunto. Mas, enfim, não é sobre isso que vim escrever.

Pois as mulheres reclamam que, nós, homens, rotulamos a ética e a postura feminina em dois caminhos: as que são para casar e as que não são. Na realidade, estou reduzindo todas as qualidades e defeitos do sexo oposto em duas nomenclaturas para não falar de mulheres castas, sem-vergonhas, puras, safadas… e por aí vai. O ponto da polêmica: as mulheres achavam bonitinha a atitude dos dois virgens mas, depois de um tempo, balançavam a cabeça negativamente, com ar de reprovação. Tanto aquelas que sabíamos que levam uma vida sexual para lá de ativa quanto as que selecionam mais o parceiro. Os dois tipos que mencionei na frase anterior debatiam em alto e bom som que seria um problema para a relação do casal o fato de o homem não ser um garanhão, de não ter conhecido várias mulheres, de não saber fazer o caminho “Porto Alegre-Gramado-Canela-Porto Alegre” sem precisar de um mapa ou consultar informações da Polícia Rodoviária.

O que me perguntava — e continuo sem resposta — é: não deveriam elas, as mulheres, não rotular os homens neste sentido pelo simples fato de elas não gostarem de serem rotuladas? Afinal, que mulher não gostaria de ter um homem exclusivo? Não deveriam gostar de ter um cara que você sabe que é apenas teu, puro e sem nenhuma memória para, inclusive, comparar X, Y e você? Um homem virgem, creio eu, poderia ser um sinônimo de “mulher para casar”, uma equivalência masculina para as virtudes que os homens veneram em uma mulher a ponto de subir ao altar com ela. Hoje, os dois homens que conheço são muito bem casados. Suas mulheres são felizes. Percebe-se que são e estão satisfeitas ao lados dos dois virgens e poderia apostar que são dois casais mais felizes que muitos dos que criticaram — e ainda criticam — a opção dos dois.

Em ambos os lados há manias, rótulos. Não adianta, samba-cancioneiro: a teoria é sempre muito fácil e a prática… ora, a prática que se dane.

Tem de tudo em #oSambaleu da semana

05 de agosto de 2011 1

Nós tínhamos certeza de que poderia melhorar a participação no #oSambaleu. Desde a semana passada, quando começamos a brincadeira, muita gente passou a deixar sua frase lá no nosso Twitter, @sambacancaoclic. Algumas, engraçadíssimas. Outras, mais didáticas. A verdade é que os samba-cancioneiros são muito criativos. Então, lá vão as frases selecionadas dessa semana. Vamos rir: é seta-feira!

Da @_mauriane, sempre muito didática:

Já a @bigrando está dando aulas de auto-ajuda:

E a @nicolemmv achou legal nos homenagear com uma frase deste post aqui:

O @GuiGasparin84 foi um dos poucos homens a participar:

No caso da @camillaseibert, a aposta foi o romantismo:

E para terminar as frases da semana, sempre a ex, não, @Jaq_line?

Imagens: reprodução Twitter

As mulheres se fazem de puritanas, mas de santas não têm nada. Vamos ficar brabos com isso?

05 de agosto de 2011 28

Foto: sxc.hu

Passei a semana toda ouvindo a seguinte frase: “as mulheres se fazem de santinhas, mas de santas não têm nada”. Até aqui no blog essa expressão costuma rondar. Não estou querendo dizer que me impressiono com isso, claro que não. Em inúmeros lugares percebe-se claramente que a mulherada está para curtir tão quanto os homens. É a menina que chega no cara na balada. A tua colega de trabalho que usa um vestidinho ou um decote que te chama mais atenção do que os negativos da contabilidade. A mulher que te seca quando passa por ti na rua, para no sinal do trânsito, em um passeio no shopping. Enfim. Inúmeras situações.

Mas, e nós, homens, vamos ficar brabos com isso? Vamos pensar que o melhor seria que elas continuassem nos servindo em casa, cuidando dos filhos, esperando que voltássemos do trabalho com a comidinha pronta? A ideia seria termos, para sempre, uma escrava ou uma serviçal? Acho que todo homem concorda que, na dose certa, essa liberação, essa falta de santidade, é muito benéfica. E nem digo em termos de curtição. Vou pegar o outro lado da moeda, o casamento. Duvido que um homem não prefira que sua mulher goste de aventuras (com ele, claro). Que procure — e queira — as mais diferentes coisas para fazer em termos de lazer, entretenimento. Qual homem não gosta de exibir sua mulher. Mostrar para todo mundo o quão linda, inteligente, culta, eloquente é a belezura que está do seu lado. E aqui a belezura pode ser gorda, magra, alta, baixa… Não importa: é a sua belezura. E isso que importa. Ah, e ainda: além de tudo isso, também ter sua comidinha pronta quando chegar em casa. Mas porque ela quer fazer, não por obrigação.

Na medida certa, essa falta de santidade feminina é benéfica para o homem. O que sinto é que muitas vezes não sabemos usar esse detalhe a nosso favor. Preferimos ser preconceituosos e chamá-las de todos os adjetivos baixos possíveis e que se encaixem no sinônimo de prostitutas. Mas, por quê, samba-cancioneiro? Você conseguiu ter três mulheres na noite passada. Por que ela não pode ter quatro? Você é o garanhão. Ela é… bem, nós sabemos o que ela é.

Mesmo que digam que este texto foi feito por uma mulher, percebo que muitos samba-cancioneiros já aprenderam que não adianta continuarmos nesta eterna guerra do sexo. Assim como já percebi, também, que algumas das mulheres que comentam confundem liberdade com libertinagem. Se todos, homens e mulheres, soubessem entender o que significa liberdade, não precisaria haver libertinagem. E garanto que todos ganhariam ainda mais. Seja em relacionamentos sérios e fixos ou, principalmente, no que mais gostamos: sexo.