Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

"Há mais de 60 anos eu tento deixar de fumar". diz Sant'Ana

28 de novembro de 2013 12

Sant’Ana conta como é escravo do cigarro.

Comentários (12)

  • Flavio Ferraz diz: 29 de novembro de 2013

    Prezado Paulo:

    resido no Rio, mas sou um admirador do Rio Grande do Sul e de seus costumes. Sempre que posso leio sua coluna no “Zero Hora”, e sei da sua longa batalha para largar o cigarro.
    Sou mineiro, e um dia desses estive nas Minas Gerais e pude ver um velho amigo “fumando” um cigarro elétrico. Não entendi nada, mas o certo é que o cara já não fuma nicotina há meses.
    Na estupidez da infância comecei a fumar aos onze, e graças a Deus o esporte, principalmente as corridas me fizeram largar o cigarro aos 28.
    Lembro-me de como foi: na primeira tentativa disse a mim mesmo que pararia por uma semana, e naquela semana eu poderia bater com a cabeça na parede todas as horas que eu não encostaria em um cigarro. Um mês depois fui sair com uma amiga, bateu nervosismo e voltei fumando o dobro.
    Usei a tática da possível cabeçada na parede novamente, e graças ao meu esforço, à minha vontade própria, e principalmente a Deus, larguei o bicho, ou melhor, o veneno que mata e “aleija” aos poucos. Paulo, não quero te ver como um vizinho daqui do 9º andar, com balão de oxigênio na beira da cama pro resto dos dias que lhe faltam de vida. Você tem um mundo de leitores e tem compromissos com eles. Você consegue, e sabe disso. Tente a tática das cabeçadas. O mundo pode cair que na primeira semana você tem um compromisso consigo que não acenderá o veneno. Depois fica fácil, pois melhora tudo, uma enormidade de coisas. Você é Grêmio, e gremista, como torcedor do Galo é forte, vence, nem que demore. O final do ano está aí.
    Vamos combinar, é só você dizer a data: eu paro com minha Coca Cola e você larga o veneno.
    Saudações atleticanas.
    Flávio Ferraz

  • João Carlos diz: 29 de novembro de 2013

    Somos dois. Coisa boa depois dum cafézinho.

  • José Renato Rodrigues Silveira diz: 29 de novembro de 2013

    Olhe, Paulo Sant’Ana: fumei dos 13 aos 43 anos quando fui diagnosticado com câncer de laringe e operei-me aí em P.Alegre, é claro que parei de fumar mas a vontade ainda era grande. Em 2001 fui diagnosticado novamente com a recidiva, operei-me novamente mas a vontade de fumar ainda continuava. Em 2008 voltou novamente o câncer e fiz uma cirurgia de traqueostomia e a laringectomia total, hoje não falo a não ser através de um aparelho e pareço um robô mas a vontade de fumar ainda continua mesmo após ter parado há 23 anos. Meu conselho para ti: não pares de fumar.

  • Ronaldo Brasilia diz: 29 de novembro de 2013

    “Desconfia dos que não fumam, estes não tem vida interior, fumar é uma maneira disfarçada de suspirar !! “.
    Quem falou isto foi aquele poeta que morava no Magestic (esqueci o nome dele agora).
    muito bonitinho, mas inteiramente falso. fumei dos 18 aos 50 vou para 4 anos de libertação. Abraço.

  • Márcio scheffer diz: 29 de novembro de 2013

    Vc precisa conhecer Jesus Cristo, pois “se o Filho vos libertar verdadeiramente sereis livres”

    O Cigarro mostra que as pessoas não tem livre arbítrio, são escravas do vício, não conseguem largar. Jesus te liberta se vc deixar, abrir teu coração pra Ele. Ler o evangelho escrito pelos testemunhas oculares, Como João, Mateus…(leia a bíblia sagrada). Jesus Cristo foi o mesmo ontem, é hoje e será para sempre…

    Abraço! Deus te abençoe!

  • Paulo César Machado diz: 29 de novembro de 2013

    E tá aí, inteiro, falando mal do cigarro. Eu não fumo, e percebo que as pessoas mais chatas, são aquelas que querem parar de fumar, ou pararam, ou bem pior, pior mesmo, os anti tabagistas, aqueles joazinhos do passo certo, os moralistas da sociedade. Voce até deveria agradecer ao cigarro, pois a mulher mais velha do planeta terra, Jeanne Calment, 124 anos, morreu fumando, Niemeyer, 104 morreu fumando, Helmuth Schmitt, ex chanceler alemão, 93 anos, fuma 2 maços por dia até hj e nunca ficou doente, os dois músicos, Fagner e Chico Buarque de Holanda, 70 anos, nem a voz afetou, tem gente aqui no estado com 111 anos, e é fumante e saudável, Djalma Sabiá, 87 anos, carnavalesco fuma até hoje, o ex presidente Lula, ganhou cancer de laringe, os anti tabagistas queriam colocar a culpa no cigarro, porém, perceberam que o irmão de Lula, o vavá, teve o mesmo cancer e nunca fumou. O cientista Aaron Wildavsky e antropóloga Mary Douglas, comprovam no livro Risco e Cultura, que os males do cigarro, não passam de exageros, mesma opinião tem o ex presidente da sociedade do cancer de NY, dr. Robert Madden, inclusive ele cita os anti tabagistas, como anti semitas, ou racistas mesmo. E na justiça brasileira, nenhum ex fumante ganha causa na justiça, por laudo médico oficial, e na justiça, voce tem de provar o que diz, tudo é scaneado,tudo é passado a limpo, a justiça contrata peritos para cada caso. Tem muito mais.

    E quem garante, que se voce não tivesse fumado a via toda, não estaria abaixo de 7 palmos. E depois, essas pessoas desinformadas, que leem qualquer matéria em jornal, saei disparando que cigarro mata. Eita povinho sem noção, vão se informar melhor, vão refletire, vão analisar……. morrem 200 mil ao ano pelo cigarro, dizem os terriveis anti tabagistas, um looby poderoso, cujo único propósito é denegrir para a população, os industriais do tabaco…só que tem um problema……esses 200 mil, morrem na mesma idade de quem nunca fumou, ou vivem até mais.

  • NIvo diz: 29 de novembro de 2013

    Caro Santana!
    Sempre que posso, escuto ou leio o que escreves. Atualmente estou em Brasília, mas sou cria de Vacaria. E ouvindo teu comentário no dia 29 de novembro de 2013 me atrevo a te escrever este pequeno relato. Fumei por quase dezessete. Comecei com Hollywood e depois passei para o Free. Eu adoro fumar. Que prazer inestimável! Então porque parei de fumar? Primeiro porque o cheiro do pós fumar é horrível. Isso tens que concordar. Segundo foi o valor do que eu estava queimando. Costumava comprar cigarros no supermercado junto às compras do mês. Não sabia e não queria nem saber o valor real de uma maço de cigarros, que durava apenas um dia. Quando comprava aleatoriamente, pagava juntos as despesas do bar e nessas ocasiões nunca fazemos as contas. Num belo dia do mês de dezembro me vi sem cigarros e entrei em um bar qualquer para comprar um maço de Free. Qual foi minha surpresa ao saber o valor que teria que pagar… Aquilo ficou martelando em minha cabeça e comecei a fazer contas. Uma maço por dia, trinta maços por mês, fora os finais de semana, que sempre são acompanhados de outros tantos, trezentos e sessenta e cinco por ano fora as festas, sete mil e duzentos maços em vinte anos ou equivalente a mais os menos R$ 36.000,00 nos dias de hoje. Mas, na época um pouco menos, de qualquer forma me assustou. Era o valor de um carro econômico zero quilômetro. Pra quem ganha pouco, é muito. Meus filhos estavam entrando na adolescência, as despesas aumentando e aquela conta não saía da minha cabeça. Pensei, vou me dar um presente… Vou parar de fumar no dia do meu aniversário, afinal teria que ser uma data para ser lembrada. Faltavam quase quatro meses. Fumar é bom demais e a cada cigarro fumado o dilema do custo daquele gosto e o presente quer iria ganhar. Nunca pensei na hipótese de não conseguir. Estava obstinado a ganhar o presente e economizar aquele carro zero quilômetro depois de vinte anos. Chegou o dia 15 de março e levei um susto ao final daquela tarde quando sala do trabalho para fumar e deparar com o último cigarro daquele maço. Que dilema, fumaria tranquilo e em casa abriria mais um maço dando por encerrado o dia quebrando minha rotina de fumar apenas um maço de cigarros por dia. Como tinha o costume de somente abrir uma nova carteira pela manhã, fiquei relutando em desfrutar aquele último sabor naquele final de tarde. E foi o que fiz. Consumi aquele que seria meu último prazer do chamado vício de maior dificuldade de se livrar que um homem é capaz. No dia seguinte, levantei e como de costume fui pegar meu sagrado vicio. E meu presente? Saí de cabeça erguida sem olhar para trás. Passei o dia agoniado, mas fiel a minha determinação. Em casa olhava aquele pacote de cigarros em cima do armário me chamando a cada manhã e eu predestinado a continuar no meu propósito. Os dias foram se passando e nem eu e nem minha mulher, filhos e D Maria (minha sogra) tocavam no assunto. O pacote lá, no mesmo lugar… A cada manhã a mesma agonia. Eu firme e eles com o maior medo de tocar no assunto. Os dias se passaram e um dia sumiu aquele pacote de cigarros. Que fim teria levado? Que maldade, por mim ainda estaria lá para que eu pudesse observá-lo e o mantivesse como um troféu. Passados uns dois meses minha mulher criou coragem e perguntou – Você parou mesmo de fumar? Ao que lhe respondi. Não, me dei um presente de aniversário. E assim já se passam quase catorze anos. A vontade de deliciar um branquinho, redondo, comprido a cada fumaça que sobe no ar me enche o espirito. E, as vezes me dou o desfrute, mas é por apenas aquele momento.
    Um grande abraço
    Nivo

  • Jorge Acevedo diz: 30 de novembro de 2013

    O Dr. Valdecir Baú em Caxias do Sul, me viu caminhando com dificuldades e me pergunto. Que ta acontecendo com você ,respondi, estou com uma hemorroidas que não aguento mais. Como era meu médico e sabia muito bem o que eu comia e bebia, me diz,larga do cigarro que passa. 3 maços de Minister por dia, não era fácil assim. Mais a dor la embaixo era demais. Larguei, em 5 dias não tinha mais nada. O “lá de baixo foi mais forte que meu vicio e mais inteligente. Fazem 40 anos que parei de fumar.

  • eduardo menezes diz: 1 de dezembro de 2013

    FUMEI DOS 20 AOS 30 ANOS E JOGAVA FUTEBOL, DETERMINADO DIA PERCEBI QUE UM GURI ESTAVA CHEGANDO PRIMEIRO NA BOLA EMBORA EU ESTIVESSE NA FRENTE, CONCLUSÃO PUS A CULPA NO CIGARRO E DEPOIS DE UMAS OITO TENTATIVAS DE PARAR, FINALMENTE PAREI, ERA TÃO DOENTE QUE QUANDO ACORDAVA NA MADRUGADA E NÃO HAVIA CIGARRO ABRIA TRÊS BITUCA FAZIA UM, MEUS LENÇÕES E ROUPAS ERAM FURADOS COM A BRASA DO CIGARRO, MAS POSSO AFIRMAR QUE SÓ OS COVARDES E FRACOS SE DEIXAM DOMINAR PELO VICIO, EM DETERMINADO TEMPO A PESSOA PARA E FAZ UMA REFLEXÃO, NESTE MOMENTO ELA DEVE TER OBJETIVO DE VIDA E FOCAR UM HORIZONTE COM SAÚDE, SE FOR DETERMINADA SAI DO BURACO, HOJE A UNICA COISA QUE ME PREOCUPA E PERDER MULHER LINDA. IA ESQUECENDO O VICIO É TÃO FORTE QUE SEIS MESES APÓS PARAR AINDA SENTIA VONTADE DE FUMAR E LAMENTAVELMENTE DEPOIS DE ALGUNS ANOS O EX FUMANTE FICA LITERALMENTE CONTRA O CIGARRO, CHEGANDO A SE AFASTAR DO FUMANTE. O CIGARRO SUPRE UMA NECESSIDADE PSICOLÓGICA, TALVEZ UMA FRUSTRAÇÃO NO SUB CONSCIENTE QUE CADA UM CARREGA NO SEU MAIS INTIMO SEGREDO, MAS POSSO AFIRMAR QUE NUM MOMENTO DE SOLIDÃO O CIGARRO É O MAIOR COMPANHEIRO, ESSE NEGÓCIO QUE CIGARRO MATA HA CONTROVÉRSIAS, ACREDITO QUE O SER HUMANO VEM COM INICIO, MEIO E FIM, TIPO CONTRATO, MAS QUEM DEFINE A FORMA DE VIDA É A PESSOA SE O CONTRATO SERÁ COM COM SAÚDE OU NÃO. UMA PESSOA PODE MORRER AOS NOVENTA ANOS FUMANDO OU AOS QUARENTA COM ENFIZEMA PULMONAR, TERMINOU O CONTRATO NÃO VAMOS CULPAR O CIGARRO.

  • Clébio Buchaim Rodrigues diz: 1 de dezembro de 2013

    Prezado Paulo Sant Ana
    Acho que não deves ter preocupação com parar de fumar, os mortais sim, tu não, tu não é mortal, um dia vais desencarnar, pode ser logo, ou pode demorar anos. Porem,
    tua obra é imortal como o nosso tricolor, como a obra se confunde com a pessoa, vocês são imortais, tua obra e tua pessoa. Um dia vais entrar para o timo dos gaúchos imortais desencarnados, como: Brizola, Jango, Teixeirinha e outros poucos. Deixe para os mortais se preocuparem em parar de fumar.

  • JAIRES DINARTE CORREA DA SILVA diz: 2 de dezembro de 2013

    FRANCISCO PAULO SANTANA, TU TENS 74 ANOS E AINDA NAO CRIOU VERGONHA NA CARA.
    TENS QUE TER “CULHAO“PARA ABANDONAR ESTE VICIOZINHO QUE ATORMENTA OS FRACOS.
    TU CONTINUAS NA VELHA E PODRE “rbs“ VOCES SE MERECEM.
    O QUE MAIS TU SABES FAZER?

  • Eduardo diz: 2 de dezembro de 2013

    O cigarro é a maldição dos índios dizimados das Américas!

Envie seu Comentário