Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Golpe lá, golpe aqui

19 de fevereiro de 2014 2

É uma vergonha. O mesmo acontecido em Porto Alegre ocorreu agora em Curitiba: o governo estadual paranaense, que já havia pago R$ 36 milhões para a construção do estádio do Alético Paranaense, diante da falta “repentina” de dinheiro para concluir às pressas as obras, está colocando dos seus cofres, dinheiro do povo do Paraná, mais R$ 65 milhões para que se joguem no local apenas quatro jogos da Copa do Mundo, vergonheira igual à porto-alegrense.

Aqui, o Internacional, que por contrato tinha de pagar as obras, disse que não tinha como conseguir a verba e ela está sendo reposta pelos cofres públicos.

Lá no Paraná o Atlético Paranaense, à útima hora, disse que não tinha dinheiro para cumprir o contrato, a Fifa foi pessoalmente lá e arrancou os R$ 65 milhões do governo, é logico…

Que vergonha!

Foi no que deu esta Copa que há anos este colunista rechaçou como imensamente perniciosa para o povo brasileiro.

Comentários (2)

  • pedro de lara diz: 20 de fevereiro de 2014

    O cronista poderia, ao invés de ficar se repetindo ad eternum, transcrever textos mais lúcidos e informativas de seus colegas verdadeiramente atuantes. Um serviço a população, eu diria, já que a maioria de seus leitores ainda o fazem por comodidade ou preguiça de procurar. Como este do seu ex-colega Juremir:

    “Copa do Mundo, assalto à mão armada”
    Postado por Juremir em 15 de fevereiro de 2014

    Tem que ache a maior demagogia do planeta relacionar gastos na Copa do Mundo com a falta de dinheiro para educação e saúde.

    Tem quem ache natural defender o sobrenatural.

    E tem que jure ter um unicórnio em casa.

    Mais fácil ter dois.

    Dois em um.

    Li uma sequência de notícias no Correio do Povo que não deixa dúvidas: tira-se de um lugar para colocar em outro. É uma lei da física.

    A Copa do Mundo é essencial.

    O resto é acessório.

    A Copa do Mundo é sagrada. Não se pode perdê-la.

    Já a vida…

    Vida todo mundo tem.

    Copa é uma só.

    Deve ser esse o critério.

    Vamos aos fatos: “A Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores realizou uma inspeção no Hospital de Pronto Socorro da Capital e verificou diversos problemas, incluindo falta de segurança, quadro reduzido de profissionais e fechamento de leitos. Conforme o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), foram fechados 17 leitos na área clínica e 13 nos setores de atendimento buco-facial e de otorrinolaringologia”.

    O HPS está pela hora da morte: “Conforme o presidente da Comissão, vereador Thiago Duarte, existe uma déficit de 150 profissionais na área de enfermagem, o que reflete no fechamento do laboratório da instituição. O parlamentar fala, ainda, que o atendimento de emergência clínica está negligenciado”.

    Thiago Duarte é médico.

    Enquanto isso, a Copa vai bem, obrigado e não dá mole para os cofres públicos: “A Prefeitura da Capital dispõe de R$ 22,6 milhões para aplicar em estruturas temporárias da Copa do Mundo. Na manhã de hoje, o presidente do Inter, Giovanni Luigi, disse esperar do poder público estadual ou municipal o aporte para financiar os projetos não definitivos”.

    Só o Ministério Público, na figura de D. Quixote, tenta resguardar o dinheiro público. Parece que está sobrando. As tais estruturas temporárias são armações supérfluas para incrementar os ganhos da Fifa.

    Tem mais: “Em nota, o Executivo municipal justifica que a utilização do recurso, em caso de necessidade, vai ocorrer em atividades de responsabilidade da cidade, como as estruturas físicas da Fanfest – festa para quem vai acompanhar o jogo de fora do estádio – e do Caminho do Gol – deslocamento de pedestres do Centro ao estádio Beira-Rio”.

    Essa Copa do Mundo é um assalto à mão armada aos cofres públicos. O assalto do milênio. A Fifa superou Ronald Biggs. Deveria ser impedida de sair do país. Extraditar para a Suíça só a beneficiaria. Aliás, fica explicada a razão de a Fifa ter sede na Suíça. O HPS que espere.

    O Inter precisa economizar dinheiro para despesas prioritárias como o milionário salário do imprescindível Rafael Moura.

    O acessório segue o principal.

  • vanderlei diz: 20 de fevereiro de 2014

    Quando havia dúvidas se a Andrade Gutierres assinaria contrato com o Inter, Paulo Santana escreveu em sua coluna “ASSUMAM RÁPIDO E DEPRESSA QUE A COPA VAI SER NA ARENA”. Agora e somente agora ele é contra a Copa.

Envie seu Comentário