clicRBS
Nova busca - outros

buracos nas ruas

16 nov08:46

Opinião: Contraste entre arrecadação de impostos e falta de infraestrutura nas estradas

Ivo Ricardo Lozekam, leitor-repórter

Em um país de dimensões continentais como o Brasil, o transporte de cargas e o planejamento logístico são condições fundamentais para a circulação das riquezas e da produção.

Na hipótese de ocorrer uma paralisação no transporte rodoviário de cargas, o país inteiro seria paralisado, tornando-se um caos em todos os aspectos. As atividades da indústria, do comércio e da prestação de serviços para se concretizarem, dependem diretamente do transporte. Portanto um eventual colapso neste último setor, iria gerar por conseqüência, um colapso nos outros três setores.

A estrutura das rodovias oferecidas ao setor do transporte, a nação inteira, ainda é muito precária. Duplicam-se algumas vias aqui e acolá, privatizam-se outras, mas só quem está na estrada de fato, conhece as deficiências.

Só pode falar com conhecimento de causa, quem realmente conhece a realidade na prática. Imagino se um assessor direto da presidência, fosse realizar uma viagem, pelo principal caminho de entrada e saída do Mercosul, o trecho Uruguaiana-RS a São Paulo-SP. Iria se deparar com a realidade, trechos sem sinalização, sem demarcação na pista, chuva, nebulosidade, buracos, meias-pistas em curvas com precipício, um verdadeiro caos, sem exageros, basta conferir.

E os impostos, para onde vão?

Na compra do combustível para os caminhões, o óleo diesel, está embutido um ICMS de 12%. O que equivale a dizerque para cada 100 litros consumidos o governo fica com o valor equivalente a 12 litros a título de imposto. Na compra de um caminhão a alíquota de ICMS também é 12%, ou seja, se a transportadora tem 10 caminhões, o equivalente a 1,2 caminhão ela pagou de ICMS

Se os recursos em impostos que a atividade de transporte por si só, já gera fossem aplicados na estrutura do transporte não teríamos o que nos queixar.

A duplicação de parte da 386, já não era sem tempo. Também estão ampliando os principais aeroportos do país, além da tão necessária duplicação do trecho Sul da BR – 101.

Mas e o trecho rodoviário compreendido entre Uruguaiana-RS a São Paulo-SP, o principal corredor do Mercosul, quando vai ter a devida atenção ?

Já as rodovias no estado de São Paulo, estão em perfeitas condições, trafegando-se por lá parece que estamos realmente em outro país, não há o que se queixar.

Capital dos Buracos

Estas andanças todas me fazem sentir o contraste sempre que retorno a Santa Rosa. Desconheço cidade com ruas tão feias no aspecto de conservação. Quando é que Santa Rosa vai ter ruas descentes? Começaram a recapear algumas rótulas, e pequenos trechos. Nos últimos 15 dias parece que parou tudo. Foi só fogo de palha? Quando teremos asfalto descente, ruas a altura de uma cidade rica e produtiva como a nossa? Quando é que nós contribuintes vamos nos manifestar e exigir nossos direitos? O que é mais importante, prolongamento da Avenida América ou recapear as avenidas Tuparendi, Inhacorá, Santa Rosa e Borges de Medeiros?

Gostaria que alguém me indicasse no Rio Grande do Sul, uma cidade que tenha as estradas tão esburacadas e em condições tão precárias quanto a nossa. Estive em Passo Fundo recentemente, e os vereadores tinham razão, Passo Fundo que nos desculpe, quando comparado a Santa Rosa, eles não merecem o título de Capital dos Buracos.

Bookmark and Share
1 comentário
04 out08:12

Solução para buracos: recapeamento asfáltico começará a ser aplicado em treze trechos

Rua Borges de Medeiros será uma das contempladas

Uma das maiores reivindicações dos santa-rosenses será atendida. O prefeito Orlando Desconsi assinou a ordem de início para as obras que devem ajudar a solucionar parte do problema dos buracos nas ruas de Santa Rosa.

O recapeamento asfáltico começará a ser aplicado em treze trechos. Serão contemplados trechos das Avenidas Henrique Gassen, Flores da Cunha, Rio Branco, Tuparendi, Borges de Medeiros e Largo da Praça da Bandeira.Também receberão melhorias as ruas Cristovão Colombo, Minas Gerais, Borges Fortes, Teixeira Mendes e Travessa Eugênio Marks.

O investimento é de cerca de R$ 540 mil de recurso próprio da Prefeitura. As obras irão começar no bairro Cruzeiro.

Bookmark and Share
1 comentário
11 ago14:01

Cratera na avenida Borges de Medeiros pode provocar acidentes

Ivo Ricardo Lozekam, leitor-repórter

A foto, tirada nesta quinta-feira, 11 de agosto, já fala por si. O risco de acidentes é evidente com a existência de um buraco, que pode ser melhor denominado como cratera.

Não se trata de criticar, este ou aquele governo municipal. Mas o fato é que cabe ao órgão competente tomar uma atitude.

Esta cratera, na avenida Borges de Medeiros, teve sua existência sinalizada pela população. Moradores colocaram galhos, folhas e pedaços de árvores que foram engolidos pela cratera.

Apesar de ter uma dimensão pequena em tamanho se comparado a outros buracos da cidade, este em particular, trata-se de algo extremamente perigoso. Primeiro, porque, olhando para dentro do mesmo não se enxerga o fundo, ou seja, percebe-se que o chão está oco logo abaixo do asfalto.

O que se sabe é que por estar oco, pode desmoronar e criar uma cratera enorme a qualquer momento. Por questões de segurança a população local improvisou uma bandeira, feita com um saco plástico azul na ponta de um pedaço de pau, para sinalizar quem passa por lá.

Acontece que, este buraco pode representar risco de vida para um motocilista desavisado, ou até mesmo, efetivamente causar um acidente ou engavetamento de automóveis e suas consequencias na Avenida em questão.

Pessoas que trabalham em um escritório sas proximidades, afirmam ter telefonado a mais de 60 dias para a Secretaria de Obras, no entanto, o problema e o risco eminente de acidentes continua.

Bookmark and Share
2 comentários
29 jul10:44

Bananas no asfalto

Jairo Dênis de Souza, leitor-repórter


O ex-presidente do PDT de Tucunduva, Mauri Fin, voltou a protestar contra os buracos no centro da cidade, e desta vez “plantou” vários pés de bananeiras nos buracos abertos no asfalto.

Mauri explicou que fazia este tipo de protesto quando Lauri Bottega era prefeito. – Quando eu ainda estava no PDT e o Bottega era prefeito e tinha buracos no asfalto eu também protestava. Depois elegemos o prefeito, mas como este tipo de problema voltou a ocorrer eu acho que é justo que eu também proteste – justificou Mauri.

Dias atrás ele havia tapado alguns buracos, e desta vez colocou pés de banana dentro deles.

O ato de Mauri não foi muito bem visto pela situação. Houve até discussão com um empresário, enquanto Mauri colocava as bananeiras.

Alguns vereadores da situação também não gostaram e criticaram a ação do ex-presidente do PDT. Já um vereador da oposição reagiu de forma diferente.

- Pois é, antes eles achavam engraçado, incentivavam, mas agora criticam, ficam brabos, nada como um dia após o outro – ironizou o vereador.

Em tempo: os buracos que originaram o protesto estão sendo tapados pela prefeitura durante esta semana.

Bookmark and Share
3 comentários
28 jul13:31

Precariedade do asfalto, buracos e remendos nas ruas

Maristani Weiand, RBS TV Santa Rosa


O tempo passa e a reclamação da comunidade continua. A precariedade do asfalto e os buracos incomodam a população de Santa Rosa. O excesso de chuva seria um dos motivos de tantos problemas.

São remendos e mais remendos: tanto no centro como nos bairros, o asfalto está cheio de fissuras e buracos. No bairro Sulina, alguns mais parecem uma cratera.

Outro, na rua Santos Dumont tem dois metros de comprimento. Acidentes e sustos são freqüentes.

Por pouco, a cabeleireira Maria Fures, não sofreu um acidente na rótula que dá acesso ao bairro Cruzeiro.

- Eu fiquei indignada. A gente paga tanto imposto, paga para estacionar carro no centro e está indo aonde o dinheiro? É só buraco e mais buraco – reclama a cabeleireira.

O Secretário de Obras, Gilberto Del Vale, admite a precariedade.

- O asfalto da cidade está ruim, trincado, rachado. Cada chuva que dá, abre bastante buracos, mas a gente intensifica, tenta botar as equipes de trabalho de outras áreas na equipe de asfalto para poder recuperar e tapar os buracos e, assim, dar condições de os motoristas andarem.

O excesso de umidade causado pela chuva seria uma das causas da deterioração da estrutura existente. Uma operação tapa buracos resolveu momentaneamente o problema nas avenidas principais, mas como se trata de asfalto a frio, leva até três dias ou mais para secar.

Outra dificuldade é a disponibilidade de apenas dois rolos compactadores para fazer o serviço. Com isso, o material não fixa como deveria. O secretário garante que alguns trechos serão recuperados.

- Alguns trechos estão sendo feitos. Até o final do ano queremos fazer de dez a 15 quadras, de acordo com o recurso que a gente tem – explica Del Valle.

Parte dos buracos é feita pela Corsan, que já foi multada pela Prefeitura, mas recorreu da decisão.

Segundo o coordenador regional de operações, César Portolon, a Corsan entrou com recurso porque não concorda com as alegações da Prefeitura. Ele afirma que a maioria dos buracos citados não foram abertos pela Companhia.

* Clique aqui para assistir ao vídeo com a reportagem de Maristani Weiand para o RBS Notícias.

Bookmark and Share
2 comentários
22 jul14:17

Os buracos da cidade: mais um capítulo

Ivo Ricardo Lozekam, leitor-repórter

Leio os jornais de Santa Rosa toda semana. Escuto o rádio local todas as manhãs, durante mais de uma hora. Em nenhum momento, repito NENHUM, escutei ou li em jornal convocação para a audiência pública que definiu as prioridades do trânsito em nossa cidade.

Soube da ocorrência da audiência, por meio da mesma mídia, no dia seguinte, onde foi amplamente divulgado no rádio e na mesma semana nos jornais, onde foram fartamente noticiado os resultados da audiência. Da ampliação da Avenida América e do recapeamento de algumas, saliente-se algumas, não as principais ruas de nossa cidade.

As 200 pessoas que na audiência pública compareceram, aprovaram a utilização dos recursos do Pró- Transporte. Ótimo, pena que eu não sabia, nem encontrei divulgação da realização da audiência, do contrário teria comparecido. Tenho absoluta certeza que a maioria dos leitores ficaram sabendo da referida audiência somente após a mesma ter ocorrido, do contrário também iriam participar.

Temos uma população de 65 mil habitantes. 200 pessoas ficaram sabendo e compareceram a audiência, ou seja 0,31% de nossa população. Os restantes 99,69% não compareceram à audiência, certamente porque dela não tomaram conhecimento. Sabendo da mesma apenas depois que foi realizada.

Interessante que antes da realização da audiência nada ou muito pouco se lê ou fala a respeito. Apenas após a mesma ter ocorrido é que são noticiados os resultados.

Ocorre que a audiência, não resolveu os problemas das condições precárias de nossas ruas. Como nosso secretário veio publicamente reconhecer: os recursos são insuficientes para dar conta da situação precária que vivem nossas ruas esburacadas.

Parabéns, reconhecer a situação é o primeiro passo. E nosso secretário o fez, admitiu e reconheceu o problema que todos conhecemos, bem como a falta de recursos e condições que a Prefeitura apresenta para este fim. Temos o problema e não temos a solução. E não se trata de criticar este ou aquele governo, o problema, todos sabemos vem se arrastando a mais de uma década.

Pior situação da região

O fato é que de toda a região, Santa Rosa é a que apresenta as condições mais precárias nas vias urbanas. Em Três de Maio as condições são melhores; em Tuparendi as condições são melhores; em Giruá as condições são melhores; em Santo Ângelo as condições são melhores; em Ijuí as condições são melhores; São Luiz Gonzaga, São Borja, Itaqui… entre outros tantos.

Municípios com população menor, com arrecadação de tributos menor, possuem condições melhores de trafegabilidade das vias urbanas do que Santa Rosa. Em um raio de 300 quilômetros em qualquer direção. Ou mais, no Rio Grande do Sul inteiro, desconheço município que possui infraestrutura de suas vias urbanas em tão calamitosa situação. Buracos, buracos e mais buracos sendo abertos sem serem tapados ou remendados adequadamente.

E não há nada que nos diferencie destes municípios para justificar a situação que vivemos. Todos também estão vivendo o bom momento da construção civil, com aumento de casas, prédios, venda de materiais, mão de obra, e consequente aumento da arrecadação de ICMS e ISS, decorrente desta demanda.

Todos estes municípios também viveram nos últimos anos o aumento expressivo da venda de veículos novos, aumento da frota, e conseqüente retorno do Icms para o município decorrente do aumento da frota de veículos em circulação.

Mas nosso município aprovou em audiência pública, as prioridades de investimento no transporte urbano (0,31% da população – 200 pessoas em 65 mil.). A avenida América é importante, vai desafogar o trânsito, e valorizar mais certas áreas, sem dúvida. Mas isto foi o que 0,31% da população referendou.

Será que antes da Avenida América, não seria mais importante tratarmos de recuperar e propiciar um asfaltamento descente nas vias mais importantes da cidade, como as atuais vias de acesso no município, assim como as avenidas Borges de Medeiros, Inhacorá e Tuparendi ? Será que não gastaríamos menos nestas recuperações? E será que as mesmas não seriam mais urgentes do que abrir uma nova, embora importante, avenida como a América ?

Nos convidem ou nos avisem para a próxima audiência, certamente uma parcela significativa dos 99,69% que não participaram da ultima audiência vão querer participar.

Bookmark and Share
7 comentários
20 jun13:13

O contrato firmado com a Corsan e os buracos nas ruas de Santa Rosa

Ivo Ricardo Lozekam, leitor-repórter


O Jornal Zero Hora, de ontem, dia 19, nos traz em seu caderno principal, nas páginas 26 e 27 a matéria “Gestão da Água”, onde alerta para o fato de que a Corsan pode perder 1 milhão de usuários no Rio Grande do Sul, pelo descontentamento dos municípios com a prestação de serviços pela companhia.

Ao montar um quadro comparativo entre as cidades avaliadas, a grande maioria não está satisfeita pelo serviço prestado pela Corsan. Destaques para o município de Santa Cruz do Sul, onde são constantes as reclamações sobre os buracos abertos na cidade. Como a rede é antiga, é preciso abrir a todo momento para fazer a manutenção e, isso, acaba gerando este tipo de problema, segundo o Procurador do município.

Corsan X Santa Rosa

Já ao destacar a cidade de Santa Rosa, traz a informação que o serviço está dentro das expectativas, com investimentos de mais de 20 milhões, já que o contrato foi renovado em 2009, portanto sem interesse do município em privatizar o serviço.

De fato, isto é o que ocorreu, sendo que ao menos em tese, ao renovar o contrato, estar-se-ia satisfeito com o serviço.

No entanto, na condição de leitor e cidadão, entendo que a situação em Santa Rosa não está diferente dos demais municípios, onde o problema é a falta de investimento na rede, pois a mesma é velha e defasada.

O transtorno dos buracos e remendos

O que faz com que a todo instante ocorra a necessidade de abrir buracos para consertar canos de água que estouraram, abrindo verdadeiras crateras nas ruas de nossa cidade, as quais, inexplicavelmente ficam vários dias abertas. Deixa-se apenas um pó de pedra, com sinal de transito interrompido durante dias.

E os remendos continuam, quando fechados, sempre fica um desnível do solo, causando solavancos, sucateando toda a malha asfáltica que permeiam as ruas de nossas cidades. Tem ruas, a exemplo da Inhacorá, Tuparendi, Borges de Medeiros, que é remendo em cima de remendo. Recentemente na rua Santa Rosa, houve uma cratera, que ficou por mais de uma semana aberta. Na Avenida Sinval Saldanha, tem-se notícias de acidentes causados por buracos nas pistas. Temos muitos calçamentos melhores do que nossas principais ruas asfaltadas.

A julgar por estes fatos, apesar de correta a informação divulgada por Zero Hora, eu diria que é correta ao menos em tese, pois na prática, se depender da opinião de nossa população, no que diz respeitos aos buracos abertos na cidade, em função de consertos da rede de água da Corsan, iria-se repensar qualquer tipo de contrato fechado. Ou então, merecemos ter melhor explicitado, onde e quando, e de que forma serão aplicados os 20 milhões previstos no referido contrato.

Bookmark and Share
2 comentários