Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Cirurgia da próstata: esclarecendo mitos

16 de fevereiro de 2009 14


Quando é falado que um homem teve a próstata operada, erroneamente, muitas pessoas apostam na seguinte fórmula: próstata + cirurgia = impotência sexual.?????
Felizmente, isso não é inteiramente verdade. depende muito do problema e da cirurgia que estamos considerando.

Na realidade, diferentes procedimentos cirúrgicos existem para diferentes doenças prostáticas. Para entender melhor a próstata clique na palavra a seguir A próstata.

Com a passar dos anos, a próstata pode ser acometida pelo crescimento benigno da próstata, a chamada H.P.B. ou pelo câncer de próstata (excetuando os cânceres de pele, o câncer da próstata é o mais comum no homem e o segundo que mais letal em nosso país)

CIRURGIA PARA DOENçA BENIGNA

O crescimento da próstata começa a assombrar muitos homens após os 40 anos.
O tratamento inicial de escolha são medicamentos via oral. Na falha destes comprimidos, a cirurgia da próstata pode estar indicada, em casos onde os sintomas têm um impacto moderado a severo na qualidade de vida destes homens.
Cerca de 30% dos homens acima de 50 anos apresentam sintomas prostáticos moderados a severos e podem ser candidatos a cirurgia.

Vários avanços têm sido conquistados na cirurgia benigna da próstata. A cirurgia padrão no Brasil é a clássica RTU (“raspagem” ou remoção parcial do tecido prostático pela uretra, sem cortes) chance de impotência 3-34% (procedimento realizado com muita habilidade por urologistas brasileiros).

Para próstatas maiores, a cirurgia aberta (com corte) ainda é muito praticada em nosso país e muito eficaz também (Chance de impotência 3-5%).  No entanto, na Europa e Estados Unidos, ela vem sendo largamente substituída por procedimento menos invasivos, como evaporação da próstata, uso de diferentes tipos de laser e uso da laparoscopia (isto é, cirurgia por vídeo, através de pequenas incisões de 1 cm ao menos)

Durante meu fellowship com o Professor Vallancien na França, tive a oportunidade de adquirir experiência com green light laser, ablaterm e cirurgia por vídeo. Entretanto, os elevados custos com o ablaterm e com o laser tornam essas alternativas pouco atrativas para o nosso país.

No início deste mês, tive a alegria de ver nosso trabalho, sobre video-cirurgia prostática, em um dos mais renomados sites de urologia do mundo, o Urotoday, que o reconheceu como destaque publicado em revistas internacionais, no mês de Janeiro, na área de laparoscopia urológica. (link: Urotoday)
Nele, conseguimos provar os benefícios do tratamento minimamente invasivo quando comparado a cirurgia aberta, com significativa redução de tempo de uso de sondas, alta hospitalar precoce e menor chance de infecção urinária.

CIRURGIA para o CÂNCER DE PRÓSTATA
Grande responsável pela má fama da cirurgia da próstata, a prostatectomia radical é ligada a impotência sexual sim, porém todos os tipos de tratamento também comprometem a função erétil no portador de câncer de próstata de uma forma ou de outra (raditerapia, hormônios…).

Essa cirurgia é realizada há mais de 100 anos.
Porém, as técnicas e tecnologias atualmente disponíveis reduziram muito as taxas de impotência. Comprovadamente, a prostatectomia aumenta a sobrevida e é considerada o principal tratamento de cura para tumores de próstata em fases iniciais.
Muitos fatores são relacionados com a impotência, como: a idade do paciente, a técnica utilizada (polpando ou não os nervos da ereção), até a experiência e a frequência com que o urologista pratica essa cirurgia já foi implicada numa menor ou maior taxa de impotência. Antigamente, a chance de impotência era de 80-100%. Hoje, com as inovações e melhor conhecimento da anatomia masculina variam de 10-50%. Com orientação adequada, muitos pacientes recuperam a potência em 6 meses a 1 ano após a cirurgia.

Recentes inovações como uso da video-cirurgia por urologistas experientes na técnica e cirurgia robótica são avanços que apresentam resultados iguais ou melhores a cada dia e, hoje, já são uma opção segura oferecida em nosso país por alguns urologistas habilitados.

Portanto, plagiando o programa dos “caçadores de mitos”, mais um mito urológico desvendado. Certamente, o receio da impotência nâo deve ser mais uma desculpa para deixar de procurar um urologista. Cuide-se e tire suas dúvidas.

Postado por Flavio Heldwein, Florianópolis.

Comentários (14)

  • Arnaldo Alexandre diz: 7 de fevereiro de 2010

    Prezado Dr. Estou com…

    respondido por email

  • Patrícia Clauge diz: 26 de março de 2010

    Bom dia doutor,

    Sou estudante de enfermagem e estou realizando um trabalho para a disciplina clinica cirúrgica sobre a prostatectomia radical. E gostaria de saber qual a terapia medicamentosa utilizada no pré, trans e pós cirurgia de prostatectomia.

    agradeço desde já,

    Patrícia Clauge

  • clodomas machado diz: 6 de fevereiro de 2010

    Olá ! tenho 40 anos e o meu medico me disse que tenho a prostata 4x o tamanho normal!! quero saber se alguem que tenha feito cirugia de prostata ! segue tendo uma vida sexual ativa !! por favor aguardo sua resposta !!

    RESPOSTA
    Certamente que sim.
    Considerando cirurgias na próstata indicadas por aumento beningo, as taxas de disfunção erétil variam de 1 a 5% apenas.
    Como descrevi no blog, as cirurgia radical da próstata, motivada pela presença de câncer, daí sim tem uma taxa maior de prejuizo da potência sexual. Entretanto, a idade do paciente, a presença ou não de problemas cardio-vasculares, do fumo, da habilidade e experiência do próprio cirurgião, entre outros fatores, são variáveis que podem diminuir ou aumentar a chance de impotência. Existem relatos de preservaçâo da potência em até 90% dos pacientes que não apresentam problemas de ereção antes da cirurgia, entretanto, em geral essa taxa fica ao redor dos 50%.

  • jose djalma soares farias diz: 2 de fevereiro de 2010

    Cirurgia de prostata benigna. Acabo de sair de internação em que foi colocada uma sonda externa, motivada por obstrução da urina.Tenho 56 anos. Há nove anos passei por situação idêntica. Agora o Urologista me propôs a cirurgia. Fico receoso com impotência e incontinência urinária. Não seria melhor tratamento com medicamentos? Se cirurgia, quais os centros no estado de S. Paulo são os melhores no procedimento? Li tb. que a habilidade do cirurgião é fundamental

    Muitos hospitais e clínicas em SP estão habilitados nestes procedimentos, em especial os mais conhecidos.

  • WANDO NETO diz: 2 de fevereiro de 2010

    tenho 49 anos, e há 7 meses tenho …

    repondido por mail

  • Roberto Stone diz: 28 de setembro de 2009

    Acho que dizer que a chance de impotência para quem vier a se submetes a cirurgia radical de próstata é de 10 a 50% não vai encorajar ninguém a optar por esse procedimento, eu especilmente. Tenho 55 anos de idade. Meu último exame de PSA atingiu 9,8 ng/ml. Tenho uma vida sexual normal, não apresento qualquer sintoma, a não ser uma diminuição no jato urinário. Em troca de quê eu iria me submeter a um procedimento cujo risco é de 50%, quando dizem que o câncer de próstata tem evolução lenta?

    RESPOSTA:
    Lembro que o câncer de próstata é curável quando não apresenta sintomas. Quanto sintomas aparecem a doença já é localmente avançada.
    Com um PSA de quase 10ng/mL a chance de ser encontrado um tumor é de 40%.
    Lembro também que, justamente nos homens mais jovens (menosde 65 anos) os tumores costumam ser mais agressivos, e justamente homens nesta faixa etária tem a indicação de tratamento curativo cirúrgico ou radioterápico, e não os mais velhos, onde a doença tende a ser mais lenta,
    O câncer de próstata é o segundo tumor maligno que mais mata no Brasil. Cerca de 16.000 brasileiros morrem por ano desta doença. Cerca de 40% dos homens acometidos apresentam progressão da doença como “raízes” nos ossos, obstrução urinária… Pacientes submetidos à cirurgia tem melhor sobrevida e dependendo do tumor ficam curados sim.
    O senhor pergunta
    “em troca do que eu iria me submeter a um procedimento…”
    Em troca de não ter o azar de ter um tumor agressivo que possa matá-lo. Penso que este é um bom motivo.
    Lembre que 1 de cada 6 homens tem o câncer de próstata.
    A técnica atual da cirurgia e uma equipe bem capacitada, bem conceituada no pré, trans e pós operatório consegue preservar a potência em até 90% dos seus pacientes. Entretanto, a preservação da potência também depende das características dos pacientes como função sexual prévia, idade…
    À disposição
    Flávio L Heldwein

  • jose carlos diz: 5 de junho de 2009

    Fiz cirurgia …
    Respondido por e-mail

  • Jerônimo Abreu Costa diz: 11 de maio de 2009

    Eu gostei muito dessa nova tecnologia de cirugia de da prostata,porque o nosso medo é de fica inpotente… Modificado e respondido.

  • João Márcio Batista diz: 25 de março de 2010

    Hoje esta com 18 dias que fui submetido a …

    respondido por email

  • wagner paulista de souza diz: 2 de fevereiro de 2010

    Minha cirurgia p…. cirurgia inevitável, torcer prá dar certo, inclusive no pós operatório, sem muito comprometimento da potência, entre outros aspectos. Grato

  • Eduardo Roos diz: 28 de setembro de 2009

    Tenho 64 anos e tenho boa saúde,…

    respondido por email

  • Roberto Aguiar diz: 23 de março de 2010

    Prezado Doutor Flavio: Gostaria de saber se …

    respondido por email

  • stenio dos santos sthel diz: 18 de outubro de 2009

    Prezados Senhores, Gostaria de saber se em uma prostatectomia que deixa a sequela da impotência sexual, existe algum procedimento que possa reverter tal situação ? Grato

    Atualmente, existe tanto técnicas cirúrgicas mais avançadas quanto tratamentos com medicamentos que diminuem a chance de impotência sexual, sem comprometer o controle oncológico, a cura do tumor.
    Existe também protocolos de tratamento, tipo um degrau por vez, de fisioterapia, passando por comprimidos até as diferentes próteses penianas. Que restaram a capacidade de rigidez peniana e melhoram a qualidade de vida destes homens.
    As próteses são internas e apresentam consistencia e resistência semelhante ao pênis em ereção.
    À disposição
    Flavio Heldwein

  • Janaína Baum diz: 22 de novembro de 2009

    Olá, meu avô …
    respondido por e-mail

Envie seu Comentário