Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de junho 2010

GRAVIDEZ APÓS A MENOPAUSA

16 de junho de 2010 0

Esta semana a mídia noticiou  uma mulher indiana de 66 anos que deu à luz trigêmeos utilizando técnicas de fertilização assistida.

A gestação na perimenopausa ou na pós-menopausa já é uma realidade há vários anos, graças às técnicas de fertilização “in vitro” e à ovodoação. Através deste processo, mulheres que não têm mais reserva ovariana, por idade ou por menopausa precoce , podem engravidar utilizando óvulos recebidos de mulheres mais jovens. Estes óvulos doados serão fertilizados com o sêmen do parceiro da paciente e, após, os embriões  formados serão transferidos para o seu útero.

 

Esta situação ocorre mais frequentemente do que se divulga e muitas mulheres que engravidam com mais de 45 anos têm lançado mão desta tecnologia, uma vez que as taxas de gestação espontânea nesta faixa etária são muito baixas.

O processo de ovodoação é um processo seguro para ambas as partes envolvidas e exige exames criteriosos para afastar doenças sexualmente transmissíveis e minimizar a incidência de doenças genéticas. Cada país tem suas recomendações legais e/ou éticas sobre esta questão, alguns inclusive limitando a idade da paciente receptora, pois vários serviços consideram que a idade da mãe muito avançada pode trazer riscos orgânicos e emocionais ao binômio mãe-bebê.

 

Sem dúvida, as tecnologias de reprodução assistida têm trazido novas discussões acerca da formação das famílias, cujo perfil vem mudando nos últimos tempos. Mais estudos e debates são necessários para diferenciar o que é tecnicamente possível do que é etica e culturalmente aceitável dentro dos vários grupos sociais.

 

Isabel de Almeida – Porto Alegre

INFERTILIDADE SEM CAUSA APARENTE

08 de junho de 2010 0

As pricipais causas de infertilidade estão relacionadas a fatores tubários, fatores masculinos e fatores hormonais. Já a infertilidade sem causa aparente é aquela onde os exames de investigação realizados pelo casal apresentam resultados normais. Aproximadamente, 10 a 15% dos casais inférteis receberão este diagnóstico. Embora estes casais possam engravidar espontaneamente (40 a 48% em três anos), é comum que se sintam ansiosos com este diagnóstico.

Assim, após discussão com o casal, a abordagem de tratamento poderá ser indução da ovulação com relações programadas, inseminação intra-uterina ou fertilização ‘in vitro “. A escolha da melhor conduta dependerá, sobretudo, da idade da mulher, uma vez que mulheres jovens poderão escolher alternativas mais conservadoras, pois terão mais tempo de reserva ovariana.
Outro fator que influencia na decisão do tratamento é o tempo de infertilidade do casal e o desgaste psicológico que a espera pela gestação vem determinando.