Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Câncer de mama e preservação da fertilidade

03 de abril de 2011 0

Nos Estados Unidos, 5 a 7% dos casos de câncer invasivo de mama ocorrem em mulheres com menos de 40 anos e muitas destas mulheres vão perder a oportunidade de ter um bebê. Sabe-se que menos de 10% das mulheres que desenvolvem câncer invasivo de mama abaixo dos 40 anos engravidam.

Infelizmente, a quimioterapia utilizada para o tratamento destes casos é muito tóxica para as células ovarianas e pode determinar o fim da reserva de óvulos. Alem disto, em muitos casos a mulher terá de usar um tratamento hormonal após a cirurgia do câncer de mama por cinco anos, o que postergará a maternidade por este período, diminuindo também as suas chances de gestação espontânea em função do avançar da idade.

Entretanto, os dados também nos mostram que cada vez mais mulheres estão se curando de câncer e a questão da preservação da fertilidade passou a ser um assunto crucial e urgente, principalmente para estas mulheres jovens que ainda não tiveram tempo ou oportunidade de completar sua família.

Existem algumas opções de preservação da fertilidade que podem ser oferecidas a estas pacientes, as quais vão aumentar sua autoestima e melhorar sua qualidade de vida. O congelamento de embriões, que é uma técnica já bem estabelecida, é a alternativa ideal para as pacientes que já têm parceiro. Nos casos onde isto não é possível, a possibilidade de congelar óvulos, utilizando drogas especiais para não alterar os níveis hormonais que podem fazer o tumor de mama aumentar, pode ser considerada. Também o congelamento de tecido ovariano é uma alternativa que pode ser utilizada.

O importante é que existem opções que podem ser oferecidas a estas pacientes jovens com câncer e cabe aos oncologistas e especialistas em fertilidade trabalharem juntos para promover opções viáveis e rápidas para estas mulheres, já tão fragilizadas e angustiadas com seu diagnóstico.


Postado por Isabel de Almeida

Envie seu Comentário