Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2011

Endometriose e qualidade de vida

31 de julho de 2011 0

Endometriose é a presença de tecido endometrial em outros locais que não a cavidade uterina. É uma doença crônica associada à dor pélvica e à infertilidade. A endometriose está presente em aproximadamente 10% das mulheres em idade reprodutiva e seus sintomas podem interferir na qualidade de vida e no rendimento profissional. Seu diagnóstico definitivo é usualmente feito por laparoscopia.

Buscando definir melhor o impacto desta doença, foi desenvolvido um estudo envolvendo 10 países que acompanhou mais de 1400 mulheres que foram submetidas à laparoscopia. Através de questionários, este estudo observou que existe um atraso no diagnóstico desta doença, especialmente nas mulheres com muitos sintomas pélvicos (dor nas relações sexuais e dor no período menstrual) e obesas, provavelmente porque a obesidade dificulta o exame destas pacientes. Também, os sintomas desencadeados pela endometriose diminuem a produtividade no trabalho e aumentam as faltas no serviço.

Concluindo, a endometriose afeta significativamente a vida da mulher, com interferência na sua qualidade de vida, na sua fertilidade e no seu rendimento profissional. Além disto, atrasos no diagnóstico existem e isto deve ser minimizado para que o tratamento mais precoce possa ser instituído, diminuindo o sofrimento físico e emocional destas mulheres, além de preservar a sua fertilidade.


Postado por Isabel de Almeida

Estilo de vida e fertilidade

10 de julho de 2011 0

A reprodução assistida em geral, e a fertilização “in vitro”em particular, constitui-se em técnica bem estabelecida para o tratamento da infertilidade e estima-se que mais de 3 milhões de bebês já nasceram através desta tecnologia.

Entretanto, nem todos os casais inférteis que se submetem a estes tratamentos conseguirão engravidar, pelas mais diversas causas, como baixa qualidade dos óvulos e dos espermatozóides, baixa qualidade dos embriões transferidos e idade da mulher.  Além destes fatores, existem outros, relacionados ao ambiente e ao estilo de vida, que também parecem interferir nas taxas de gestação.

Abaixo encontram-se alguns dos fatores que cada vez mais vêm sendo pesquisados como tendo um papel importante na fertilidade:

  1. má nutrição: mulheres abaixo do peso e malnutridas apresentam distúrbios ovulatórios e infertilidade

2.  obesidade: pode levar a ausência de ovulação, infertilidade e má resposta aos tratamentos de fertilização ‘in vitro”

3.  stress materno: exposição crônica ao stress pode interferir negativamente na implantação do embrião no útero

4.  atividade física intensa: mulheres atletas, que realizam atividades físicas como maratona e triatlo, têm maior propensão a desordens ovulatórias e infertilidade

5.  cigarro: diminui a qualidade dos óvulos e acelera em 1-4 anos a entrada da mulher na menopausa

6.  pesticidas: em pesquisas com animais, vários pesticidas usados na agricultura alteram o padrão ovulatório, podendo levar à infertilidade

7.  bisfenol e outros plásticos: utilizados em embalagens e garrafas, têm sido associados com alterações nos óvulos e no útero.

Concluindo, existem muito fatores que podem afetar o sistema reprodutivo feminino, reduzindo a qualidade dos óvulos. É importante que mais pesquisas sejam realizadas e que cada mulher se preocupe com a sua saúde e com os seus hábitos cotidianos, procurando manter um estilo saudável de vida.


Postado por Isabel de Almeida

Fertilidade x Idade

04 de julho de 2011 0

Cerca de 10% dos casais enfrentam o problema da infertilidade.

Nos últimos anos tem se dado maior atenção e divulgação a este assunto e isto tem feito com que um número maior de casais procure orientação e tratamento mais cedo. Isto tem-se constituído em um fator positivo, uma vez que o determinante mais importante na fertilidade do casal é a idade da mulher. Sabe-se que para  mulheres com 25 anos a taxa de gestação cumulativa é de 60% em seis meses e de 85% em até um ano, mas estas taxas vão caindo a partir dos 35 anos. O numero de oócitos é finito e isto faz com que a fertilidade se reduza com a idade e aumente o risco de desordens cromossômicas no feto.

Já a fertilidade masculina também declina com a idade, de uma maneira mais acentuada após os 55 anos, com aumento na incidência de desordens cromossômicas e psiquiátricas, como a esquizofrenia.

Portanto, é importante ficar atento e considerar que, embora as mudanças no estilo de vida da população estejam levando a uma postergação da maternidade e da paternidade, não podemos esquecer o fato de que a fertilidade declina com a idade e que esta postergação pode comprometer o sucesso reprodutivo dos casais.


 Postado por Isabel de Almeida