Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de novembro 2011

Bancos de Sêmen no Brasil

20 de novembro de 2011 0

Nesta semana várias pessoas perguntaram como funcionam os Bancos de Sêmen. Esta questão foi motivada por um programa de televisão atual onde a médica responsável pela fertilização “in vitro” de um casal não só conhece o doador de sêmen , como também sabe que ele é seu parente. Isto gerou muitas dúvidas acerca da ética destes procedimentos e da confidencialidade destas informações. Para desmistificar estas questões, seguem , em linhas gerais, como funcionam os Bancos de Sêmen no Brasil e como é sua atuação juntos às clínicas de reprodução assistida:

Os Bancos de Sêmen são serviços que visam coletar e guardar espermatozoides,  mantendo-os congelados em nitrogênio liquido, a uma temperatura de -196 graus, por tempo indeterminado. Uma pessoa pode guardar sêmen para utilizá-lo mais adiante, caso tenha problemas de infertilidade. Este é o caso de pacientes com câncer que serão submetidos a tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Também, homens que vão à vasectomia podem optar por deixar amostras de sêmen guardadas caso mudem de ideia anos mais tarde.

Além disto, um homem também pode ser doador de sêmen. No Brasil, a doação de sêmen é um gesto voluntário e esta amostra será guardada para beneficiar casais inférteis, onde a causa da infertilidade é masculina. Para ser doador , é necessário submeter-se a uma série de exames clínicos e laboratoriais que atestem a  produção normal de espermatozoides , bem como a ausência de doenças sexualmente transmissíveis. Esta amostra, após congelada,  integra um cadastro , onde não há identificação por nome, somente uma descrição de características físicas, como cor de olhos, de cabelos, de pele, altura e peso, etnia, tipo sanguíneo, religião e profissão. O casal que adquire uma amostra de sêmen não tem acesso à identidade do doador e tampouco a clínica de reprodução assistida que realizará a inseminação ou a fertilização, o que torna o procedimento seguro e caracterizado pelo anonimato, conforme regem as regras do Conselho Federal de Medicina no Brasil.



Postado por Isabel de Almeida


Vasectomia e gestação

06 de novembro de 2011 0

Recentemente um programa de televisão colocou uma situação onde um homem vasectomizado queria pagar para outro, seu conhecido, por uma amostra de sêmen.

Existem algumas inverdades nesta situação. Em primeiro lugar, um homem que fez vasectomia e mudou de ideia tem duas opções para tentar engravidar novamente. A primeira é a cirurgia de reversão, que, dependendo do tempo transcorrido da vasectomia, da idade da parceira e da técnica utilizada, pode estar indicada. A outra opção é realizar coleta e congelamento de espermatozoides obtidos do testículo e utilizá-los posteriormente em procedimentos de reprodução assistida.

Se nenhuma destas duas opções ocorrer, este homem ainda poderá usar amostras de Banco de Sêmen, que são locais onde, após criteriosos exames, incluindo testes para descartar doenças sexualmente transmissíveis, como HIV e hepatites, recebem coletas e as congelam para que sejam utilizadas em procedimentos de inseminação ou fertilização”in vitro”. Entretanto, estas amostras são adquiridas sem que o paciente receptor conheça a identidade do doador, pois no Brasil a doação de gamentas é feita com base no anonimato.

Assim, existem várias maneiras para engravidar novamente após vasectomia. A decisão depende da avaliação clínica e laboratorial do casal.


Postado por Isabel de Almeida