Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de abril 2013

Métodos anticoncepcionais

28 de abril de 2013 0


A pílula anticoncepcional, que foi introduzida em 1960, ainda é o método mais utilizado pelas mulheres, segundo pesquisas na Europa e nos Estados Unidos. Mesmo assim, aproximadamente 50% das gestações não são planejadas. Isto sugere que talvez muitas mulheres não estejam usando o método contraceptivo que melhor preencha os seus requisitos pessoais e que melhor esteja adaptado ao seu estilo de vida.

Pensando nisto, recente estudo entrevistou mais de 500 mulheres/país que residiam na Inglaterra, Alemanha, Itália, Espanha e Estados Unidos, com idade entre 25-44 anos, que não apresentavam infertilidade, perguntando sobre seu nível de conhecimento de métodos contraceptivos, razões para escolher ou recusar os vários métodos, bem como quais fontes utilizavam para obter informações.

Os resultados mostraram que os métodos mais utilizados são pílula anticoncepcional em primeiro e preservativo masculino em segundo, com exceção da Espanha, onde o preservativo aparece em primeiro lugar. Em torno de 80% das mulheres se disseram satisfeitas com seu método contraceptivo e entre 5-20% relataram efeitos colaterais como aumento de peso e oscilações de humor com o uso de anticoncepcionais orais. Além disso, a principal fonte de informação para a escolha dos métodos são os médicos, os quais exercem a maior influência sobre a decisão das mulheres acerca dos métodos contraceptivos, sendo que em 70% das vezes as pílulas são recomendadas como primeira escolha.

O interessante é que os efeitos colaterais que as mulheres relatam com as pílulas não têm confirmação científica. Na realidade, as evidências mostram que as pílulas anticoncepcionais ajudam a estabilizar o humor e que o peso permanece estável quando se usa anticoncepcional oral. Isto indica que muitos mitos sobre anticoncepção ainda persistem e que muitas mulheres ainda não estão adequadamente informadas acerca deste assunto. Além disto, muitas  mulheres não têm informações sobre outros métodos além de pílula e preservativo. Cabe aos profissionais de saúde prover estas informações para que a gama de opções aumente e possa beneficiar todas as mulheres interessadas em anticoncepção.

Postado por Isabel de Almeida

Anticoncepcionais orais e fertilidade

21 de abril de 2013 0


Em torno de 50-89% das mulheres ocidentais usam anticoncepcional oral em algum momento da sua vida. Os anticoncepcionais orais surgiram na década de 60 e têm por função inibir a ovulação, espessar o muco cervical e deixar o endométrio mais fino, prevenindo, desta forma, a fertilização e a implantação do embrião.

É muito comum que as mulheres perguntem ao seus ginecologistas se o fato de usarem pílulas anticoncepcionais pode implicar em uma demora para engravidar. Respondendo a esta pergunta, recente trabalho realizado na Dinamarca acompanhou durante um ano 3727 mulheres entre 18-40 anos que queriam engravidar e não estavam fazendo nenhum tratamento de infertilidade. Foram excluídas do estudo  mulheres que já estavam tentando gestar há mais seis meses.

Os resultados mostraram que 97% destas mulheres usavam anticoncepcional, com uma idade média de início aos 17 anos e um tempo médio de uso de 7 anos. Observou- se que 51% das mulheres engravidaram em até seis meses de seguimento e 68% em até um ano.

Desta forma, este estudo confirma achados anteriores que mostram que o uso de anticoncepcionais orais não altera a fertilidade e tampouco aumenta o tempo para obter a gestação.

Postado por Isabel de Almeida

Câncer de ovário

14 de abril de 2013 0


Nos últimos 100 anos ocorreu uma antecipação no início da menstruação nos países industrializados. Hoje, a puberdade ocorre nas meninas até cinco anos antes e esta mudança poderá ter um efeito sobre o risco de câncer ginecológico e interferir na idade da menopausa e no envelhecimento reprodutivo.

Em se tratando de tumores ginecológicos, o câncer de ovário está associado com taxas de mortalidade altas. Um dado interessante é que a maioria dos tumores malignos de ovário não surge a parir de células ovarianas, mas sim de células provenientes da tubas (trompas uterinas) ou do endométrio.

Desta forma, o número de menstruações durante a vida e a presença de endometriose são considerados fatores de risco, enquanto o uso de anticoncepcionais hormonais e a ligadura tubária são considerados fatores de proteção.

No momento, uma estratégia de prevenção para câncer de ovário seria o uso de anticoncepção hormonal por longos períodos de tempo, especialmente em mulheres com endometriose. Além disto, algumas evidências apoiam a realização da retirada bilateral das tubas naquelas mulheres que não desejem mais engravidar.

Postado por Isabel de Almeida

Período fértil e gestação

07 de abril de 2013 0


Com exceção dos casos de fertilização “in vitro”, o dia exato da concepção é usualmente desconhecido. Embora a ovulação geralmente ocorra em torno do 14 dia do ciclo, existem muitas variações entre os ciclos e entre as mulheres.

Entretanto, em  mulheres grávidas, a data da concepção pode ser estimada com base nas medidas do embrião feitas na ecografia do início da gestação. Recente trabalho avaliando 5830 grávidas estabeleceu, com base na data da última menstruação e nas medidas ecográficas, o dia fértil.

Os resultados deste estudo mostraram que as mulheres com idade acima de 35 anos tendem a ovular mais cedo e aquelas com idade abaixo de 25 anos tendem a ter ciclos mais longos. Além disto, os resultados mostraram que a probabilidade máxima de estar no período fértil é no dia 12 do ciclo e, portanto, um dia propício para ter relações sexuais quando o objetivo é engravidar.

Postado por Isabel de Almeida