Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de abril 2014

Vacina para HPV

27 de abril de 2014 0

O câncer de colo de útero é um importante problema de saúde pública e representa o segundo câncer mais incidente entre a população feminina brasileira. Este tipo de  câncer está intimamente relacionado à presença do vírus HPV. A infecção pelo HPV ocorre com maior frequência no grupo jovem, na maioria das populações em 70 a 80% das mulheres e homens sexualmente ativos. Entretanto, na maioria dos casos o sistema imunológico do indivíduo é capaz de eliminar o vírus. Nos casos em que o vírus permanece atuando, são necessárias transformações  genéticas adicionais nas células do hospedeiro para que o câncer se desenvolva.

Recentemente, o Ministério da Saúde lançou campanha de vacinação para o HPV entre meninas de 11-13 anos. Em 2015, a meta serão meninas de 9-11 anos. O objetivo é reduzir a infecção pelo HPV, diminuindo os casos de verrugas genitais e de câncer de colo. A vacinação, aliada a programas educacionais sobre doenças sexualmente transmissíveis e uso de preservativo, bem como o diagnóstico precoce dos casos já estabelecidos de câncer, devem mudar o panorama de câncer de colo uterino nas próximas décadas.
Num futuro próximo, esperamos que esta discussão também seja estendida para o grupo de homens jovens, que ainda não estão contemplados com a campanha de vacinação.

Postado por Isabel de Almeida

Fecundação heteróloga

22 de abril de 2014 0

Este mês foi declarada ilegítima na Itália a Lei 40 que, entre outras questões, vetava aos casais inférteis o direito de recorrer à fecundação heteróloga, ou seja, utilizando gametas de doadores. Esta lei vigorou nos últimos dez anos e calcula-se que em função desta proibição mais de 500 mil pacientes inférteis não tenham conseguido tratamento. Destes, cerca de 10% , com boas condições econômicas, buscaram ajuda especializada em outros países da Europa.

No Brasil, a reprodução assistida utilizando gametas de Bancos de Sêmen ou de doadores de óvulos é permitida, desde que respeitando o princípio do sigilo e do anonimato entre as partes e sem fins lucrativos ou comerciais.

Felizmente, hoje na Itália esta lei restritiva não existe mais, possibilitando aos casais inférteis mais uma oportunidade de tratamento para que possam realizar o seu sonho de gestação.

Postado por Isabel de Almeida

Vacinas na gestação

06 de abril de 2014 0

A FEBRASGO  (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) acaba de lançar um manual atualizado sobre vacinações na mulher. O capítulo sobre gestação está descrito abaixo.

O ideal é que todas as mulheres tenham completado o calendário de vacinação da mulher adulta antes de engravidar. Desta forma, o feto e o recém-nascido poderão usufruir plenamente de toda a imunização. Os anticorpos contra as doenças atarvessam a placenta e também são transmitidos pelo leite materno, conferindo proteção passiva à criança até, aproximadamente, os 15 meses de vida.

As vacinas que estão indicadas na gestação são:

 1. vacina contra a gripe: é segura em qualquer idade gestacional. Sua aplicação deve ser feita antes ou durante o inverno e sua proteção dura em torno de 6-12 meses. É importante saber que esta vacina pode falsear alguns exames laboratoriais, como os testes para HIV, hepatite C e HTLV. Assim, caso um destes exames der positivo após a  vacinação, a gestante deverá realizar exames mais específicos.

 2. vacina para hepatite B: o esquema completo de vacinação é de três doses (0, 1 e 6 meses) e pode ser iniciado em qualquer trimestre.

 3. vacina contra difteria, tétano e coqueluche: para prevenir estas três doenças  é necessário fazer a vacina tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa) nas gestantes após 20 semanas de gravidez. Esta vacina tipo adulto tem formulação especial com redução de 1/3 dos componentes da coqueluche e do toxoide diftérico da vacina da çriança.

As vacinas que estão contraindicadas na gestação são:

1. BCG (tuberculose)
2. tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)
3. varicela
4. febre amarela

Uma boa estratégia é fazer estas vacinas que são contraindicadas na gestação no período pós-parto, com exceção da vacina da febre amarela. Esta vacina, se for feita no puerpério, deverá ter a amamentação suspensa por 15 dias se a criança tiver até seis meses de idade.
Uma observação que deve ser feita é que em casos onde o risco de contrair febre amarela for muito elevado, após avaliação médica, esta vacina poderá ser administrada na gestação.

Postado por Isabel de Almeida