Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de agosto 2009

Desventura em Floripa

31 de agosto de 2009 2
    
     Sempre fomos aventureiros, sozinhos, e agora juntos, sempre fomos meio “bicho solto no mundo”, até mesmo a forma como nos conhecemos, foi alternativa, éramos dois penetras numa festa, onde havíamos ido de carona, com o amigo do amigo do amigo… Até que, nos achamos e daí muitas águas rolaram e chegamos aonde estamos hoje. Oficialmente casados!
     Mas esta semana, infelizmente( e felizmente pra nossas mães), eu decretei o abandono à aventura, nos tornamos caretões.
    No Brasil, hoje, não dá pra sairmos sem rumo e termos a doce esperança que acharemos, uma cantinho que seja adaptado, principalmente hotel, antes de sairmos pra qualquer lugar, temos que pesquisar muito no google e ver se a cidade está preparada pra receber um cadeirante.
      Na terça-feira da semana passada, tiramos umas mini-férias, a idéia era: Sair terça-feira e voltar domingo, o roteiro era só ir subindo e como até então adorávamos Florianópolis, passaríamos o final de semana por lá.
     Tudo foi ótimo, até descobrir que Florianópolis e seus hotéis estão se lixando pros cadeirantes. Que raiva!!!Chorei de raiva. O que era pra ser um final de semana romântico, transformou-se, em muita decepção, numa noite mal dormida e a volta antecipada pra casa.
      Não conhecemos direito por lá, então só posso falar (mal) dos hotéis que fui, e se alguém souber de um hotel descente, por favor: DIVULGUEM! Rede Accor, que envolve o Mercury e Ibi’s, as chances que ela tem, de voltar a ver a cor do meu suado dinheiro, são mínimas, isso serve pra todos hotéis da rede no mundo, tamanha foi minha decepção por lá.
    Mas infelizmente eles não foram os únicos. Visitei ainda mais 3 hoteis, que mesmo cobrando uma diária fora da realidade não chegava aos pés do que é um hotel adaptado. O mais engraçado é que são hotéis, que em outras regiões, até mesmo na própria Ilha de Florianópolis, têm uma adaptação digna de um padrão ABNT 9050, específica pra pessoas com deficiência física, já na parte central de Floripa, acham que barra na parede é adaptação.
     Ao longo desta semana terei prazer em narrar nossas aventuras e desventuras de férias.
     Ironicamente, nutríamos uma paixão por Floripa tão grande, que tínhamos planos de num futuro próximo, morarmos lá. A impressão que eu tive, e que foi confirmada por alguns gerentes dos hotéis que visitei, durante nossa busca por um quarto adaptado, é que o turismo de Florianópolis se acomodou, como a cidade é linda e o turismo é forte, trabalhando ou não pra melhorar a cidade, Florianópolis, sempre terá uma gama enorme de visitantes. Então: Danem-se ao cadeirantes
     Uma pena! Floripa, conseguiu estragar minhas férias. Parabéns Florianópolis!
     Hoje, afirmo: Não existe a menor razão d’eu voltar a por os meus pés na parte central da Ilha, posso voltar aos Ingleses, Camboriú e outras praias preparadas pra nos receber, mas a cidade mesmo?
      Tão cedo.

Postado por Tania Speroni

IDEPENDENCE DAY

29 de agosto de 2009 8

 

‘No dia 2 de julho os sistemas de comunicação do mundo inteiro se transformam em um caos, devido à uma estranha interferência atmosférica. Logo se descobre que enormes objetos estão em curso de colisão com a Terra. Inicialmente imagina-se que se trata de meteoros, mas logo se revela ser na verdade uma imensa nave espacial pilotada por alienígenas. Após frustradas tentativas de se comunicar com os extraterrestres, um técnico em comunicação descobre que os seres do espaço estão usando os satélites terrestres para se comunicarem e iniciarem em menos de um dia um ataque conjunto nas principais cidades do planeta. No dia 3 de julho o ataque alienígena começa de forma esmagadora e nem armas nucleares conseguem destruir a blindagem protetora. Mas no dia 4 de julho surge uma possibilidade de vencer o invasor e nesta hora todas as nações precisam se unir, pois está em jogo a existência da raça humana. ’

Tô brincando, não é desse Independence Day que estou falando. Essa postagem é sobre o bendito dia em que o cadeirante pega sua carteira de motorista, que mesmo com as tais restrições, avaliadas pela junta médica do DETRAN, trazem uma autonomia inenarrável. Ainda não cheguei lá. Mas pelos relatos dos amigos, dirigir meu carro vai mudar a minha vida. Mais uma vez.

Faltam só três aulas e a prova prática, mais alguns dias aguardando a chegada da minha sonhada habilitação. Estou na reta final de uma missão quase impossível. Sem o Tom Cruise, é verdade. Uma pena…

Não foi fácil chegar até aqui. Realiza comigo. Quando fiz 18 anos, andava, mas não tinha grana pra tirar a carteira. Com 19 tive a lesão. Não tinha grana nem condição física. Em 2004, passei num concurso público e já estava reabilitada. Tinha grana e condição física, mas nosso Estado maravilhoso não cumpre uma lei básica que é permitir o direito de ir e vir. Na nossa estimada capital até agora não tem um único Centro de Formação de Condutores que tenha um carro com as adaptações necessárias para o meu caso: câmbio automático, acelerador manual universal e pomo giratório.

Pela lei, todos os CFCs devem ter pelo menos um carro adaptado. Em Porto Alegre, veja bem, uma das principais capitais do país, temos apenas um CFC com um carro adaptado, só que o automóvel é semiautomático. E pelo laudo do DETRAN só posso dirigir automático. Lá em 2004 iniciei o processo, fiz as aulas teóricas, a prova teórica e na hora das aulas práticas tive a desagradável surpresa que não poderia continuar o processo.

Escrevi para o DETRAN que informou que eu poderia fazer as aulas com o meu próprio carro. Mas eu ainda não tinha grana para bancar uma charanga. E mesmo que tivesse, porque uma pessoa com deficiência é obrigada a comprar um carro para tirar sua habilitação se todas as pessoas sem deficiência têm o direito de assim fazer sem comprar um automóvel? É… Exclusão batendo forte.

Bueno, cinco anos depois, a novela terá final feliz. Comprei meu carro! Minha Via Crucis está quase na finaleira! Mas e quem ainda não pode comprar, como fica? Hein? Hã?

Para quem está buscando seu Independence Day, ficam algumas dicas:

 - A CFC que tem o carro semi-automático é a Dornelles. Fica na Cristóvão Colombo, 1715 – Floresta, o fone é 32227173.  Fiquei sabendo que eles vão trocar por um automático!

 - Se você precisar adaptar seu carro, só tem um  local em Porto que faz o serviço: Pit Stop, na Santana, 1284, fone 3012-5366.

 - Algumas montadoras já têm automóveis adaptados de fábrica e tem programas específicos de atendimento pra tchurma dos quebrados.

A Fiat tem o programa Autonomy.

http://www.fiat.com.br/carros/vendas-especiais/programa-autonomy.jsp

 A Volks o Mobilidade.

http://www.volkswagen.com/br/pt/modelos/vendas_especiais/mobilidade.html

 A Peugeot tem o programa Direção Livre

http://www.direcaolivre.com.br/

 - Como funfa o processo de Habilitação?

Vai ao CFC, faz o exame médico e o psicotécnico. No CFC eles marcam a data que tu vai ser avaliado pela junta médica. De passam o local e a data da avaliação. A Junta poderá pedir exames complementares (laudos, pareceres, diagnósticos,…).  
Para as aulas e exames práticos será utilizado veículo de categoria A e/ou B disponibilizado pelo CFC ou pelo candidato, desde que sejam observadas as adaptações exigidas pela Junta Médica do DETRAN/RS. Para efetuar as adaptações relacionadas às características originais do veículo ou acessórios a serem acrescentados o candidato deverá solicitar a devida autorização em um Centro de Registro de Veículos Automotores – CRVA, o qual o orientará também sobre os procedimentos para a obtenção do Certificado de Segurança Veicular – CSV e do Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo – CRLV.

- E as isenções?

Pessoa com deficiência, condutora do veículo, tem isenção de IPI, IOF, ICMS, IPVA e parquímetro.

Pessoa com deficiência, não condutora do veículo, tem isenção de IPI e parquímetro. Acho um absurdo não ter as outras!

3. Pessoa com deficiência não condutora: Isento de IPI e rodízio municipal (deficiência mental

 O IPI, IOF e ICMS só é isento em carro 0 km, carro usado não tem!

 

Postado por Juliana Carvalho

VANTAGENS E DESVANTAGENS DE SER CADEIRANTE

28 de agosto de 2009 1

Vamos citá-las por segmentos, primeiro as DESVANTAGENS em relação a:

MEMBROS SUPERIORES: Faço as unhas toda a terça, mas não adianta, minhas mãos são de operário. Se passá-las na cara de alguém é peeling imediato. Calos, esfolões, unha lascada, é u ó!

IR AO BANHEIRO: Um xixizinho básico, se feito da maneira correta com a assepsia necessária…. Leva uns 15 minutos! Sonda, gaze, água boricada, xilocaína, saco coletor… É ‘soda’! E ainda por cima, cada urinada não sai por menos de R$ em produtos hospitalares.

NA BALADA: Volta e meia viro chapelaria! Sempre tem alguém que pede: `Ai, posso pendurar minha bolsa na tua cadeira?` Daí já chega outro mais folgado que pede pra eu segurar o casaco, afinal estou sentada mesmo… E o pior, fico cheirando bunda já que a maioria está de pé e o negócio é estar no meio da muvuca!

NAS RUAS: Encarar uma via de paralelepípedos é estar no inferno dos cadeirantes.

Mas, como na vida tudo tem um lado bom, eis as VANTAGENS de estar na silla de ruedas:

MEMBROS SUPERIORES: Os braços ficam tonificados. Pode dar tchauzinho que não tem pelanca balançando. Tem que ter força para tocar a cadeira!

IR AO BANHEIRO: Não tem perigo de sentar na privada mijada porque dá pra passar a sonda na cadeira. Não precisa ficar tonificando as pernas, fazendo pipi quase de pé pra não encostar no vaso. Se bem que era bom tonificar as pernas, essa paraplegia me deixou com um cambitinhos…

NA BALADA: Sempre tem onde sentar nas festas, o segurança abre a pista pra ti passar, te dão bebida de graça porque se emocionam de ver um quebradinho na night! O sapato de salto não dói já que tu não sente o pé!

NAS RUAS: Descida no asfalto é uma alegria, vou serelepe, no estinho rolimã!

Postado por Juliana Carvalho

Credenciamento para Área Azul

28 de agosto de 2009 0

            Documentos necessários

    1) Atesatado médico, com data inferior a 90 dias que conste:

 * Nome da pessoa com deficicência

 * Deve constar no atestado :DEFICIÊNCIA PERMANENTE, com o CID

 * Carimbo e assinatura do médico responsável e a data

    2)Cópia de habilitação ou identidade da pessoa com deficiência

    3)Cópia do certificado do registro do veículo (CRLV) utilizado pra o transporte da pessoa com deficiência

    4) Uma foto 3×4 recente

    5)Requerimento pra solicitar a credencial é retirado na SEACIS( Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social)

    6) Taxa de recolhimento de R$9,70 (adquirido na SEACIS)

             Mais informações:

 3289 1244 ou 3289 1141

 

Postado por Milton Speroni

Convite

27 de agosto de 2009 0

    Recebemos o convite abaixo do Marcelo Parker, e estamos repassando a todos, já que o assunto é de interesse coletivo.

    A Universidade Estadual do Rio Grande do Sul tem o prazer de convidá-los para o lançamento do livro “Igualdade das diferenças: o significado do “ser diferente” e suas repercussões na sociedade”.

    O evento acontecerá no dia 2 de setembro (quarta-feira), às 18 horas, na Biblioteca Central da Uergs, no Centro Cultural Erico Verissimo, em Porto Alegre.

   Rua dos Andradas 1223.

   

Postado por Tania Speroni

DE PERTO NINGUÉM É NORMAL

26 de agosto de 2009 3

      Se tem um troço que incomoda é quando, se referindo ao meu atual estado físico, perguntam: ‘Tu era normal ou é de nascença?”. Não me irrita a curiosidade em saber o que aconteceu, o porquê de eu estar na cadeira. Aliás, como adoro contar histórias, narro com detalhes o meu causo, e essa maluquice de lesão medular aos 19, já rendeu um livro que espero publicar em breve. O que me deixa nervosa é a ‘zorra’ da palavra NORMAL.
     Nada contra esse vocábulo quando estamos nos referindo a alguma coisa, mas quando estamos falando de pessoas, o termo assume uma conotação pejorativa. Se existem pessoas normais, existem também as anormais! E daí, só porque a criatura tem uma deficiência ela é anormal? E lá me vem uma ‘baralhada’ de questionamentos: O que é uma pessoa normal? O que é a normalidade quando estamos tratando de seres humanos?
     Como dizia nosso amigo Freud, bem de perto ninguém é normal. E sabe, o cara estava certo!? Reflete comigo. Segundo o Sr. Aurélio – confesso que tenho uma queda pelo dicionário – a bendita palavra normal quer dizer exemplar, regular. Qual ser humano nessa terra é exemplar? Só Jesus e olhe lá! Quem é regular? Cada um de nós é um universo, é único. Mesmo quem tem o shape igualzinho, como os gêmeos, tem características e personalidade diferentes. E aí se encontra a beleza da vida: a diversidade.
     Então, da próxima vez que a criatura quiser se referir a alguém que não tem deficiência, fale isso mesmo: “Ah, o cara não tem deficiência” e não “Ah, o cara é normal”. Lembra do Freud… É todo mundo louco!
     E na real, somos todos tão malucos que temos a mania de classificar tudo: o certo e o errado, o bom e o ruim… E já que sou doida também, classifico aqui o que acho normal ou anormal. Normal é amor e anormal é a violência. Normal é dividir e anormal é a miséria. Normal é a paz e anormal a intolerância. Normal é a bondade, anormal a inveja. Ter uma deficiência? Não torna ninguém anormal,  faz parte da vida e ponto.

Postado por Juliana Carvalho

Motos

26 de agosto de 2009 1

Tania Speroni

  Semana passada, precisamos ir ao centro. Conseguimos parar o carro, no antigo camelódromo, muitas vagas, inclusive a reservada.

   Na hora que eu tava estacionando, até esporro de um molequinho eu levei. Ele veio muito brabo, dizendo que aquela vaga era de “cadeira de roda”, eu não podia parar ali.

   Expliquei que meu marido usava cadeira de rodas, mostrei o adesivo no carro e ele se convenceu que dava pra gente parar o carro ali.

    Cara de pau mesmo, tiveram esses motoqueiros da foto, pô! Eles têm uma baita espação pra estacionar as motos, mas mesmo assim, eles ainda conseguem invadir o espaço alheio.

     Toda a faixa amarela, é proibido estacionar, até mesmo porque, precisamos de um espaço maior entre os carros, pra poder estacionar a cadeira ao lado e o Milton fazer a transferência.

    Graças às motos, tive que parar o carro no meio do estacionamento, o Milton descer e eu estacionar o carro.

     Não tenho absolutamente nada contra os motoqueiros, mas que tem muito deles abusadinhos, ah! Isso tem. Até as crianças sabem da importância que é respeitar a vaga.

Postado por Tania Speroni

Oficina de Informática

25 de agosto de 2009 0

  

    Estão abertas as inscrições para o segundo semestre 2009 das Oficinas de Informática para pessoa com deficiência promovidos pela Empresa Desenvolver, para participar basta entrar em contato pelo telefone (51)34312884 ou comparecer pessoalmente
    Rua Eurico Lara, 275 Morada do Vale II Gravataí. – Não há exigência de escolaridade e idade a partir dos 16 anos. Ocorrem uma vez por semana das 9h ao 12h ou 14h as 17h.
    Periodo de Inscrição: 17.08.2009 á 31.08.2009 –
    Inicio das Oficinas : 01.09.09
 

www.desenvolver-rs.com.br

Postado por Milton Speroni

Só Pra Lembrar...

24 de agosto de 2009 1

    Sábado o colunista Paulo Sant’Ana, relatou o assalto que a Michele,( nosso contato na ZH), sofreu saindo de casa, foi covardemente agredida, aquela história que já sabemos,violência, impunidade,medo…
   Nesses momentos é que nos damos conta, como nossa vida é frágil, em segundos ela muda e, todos somos suscetíveis, somos iguais!
    Escrevo isto pra gente refletir um pouco, praticar mais a humildade, a gentileza e lembrar que existe beleza nas coisas simples da vida.
   Que a vida é bela, já sabemos, mas ela é frágil e, raro são os momentos que paramos pra pensar sobre isso e dar-lhe o devido valor.
     Viva a vida!

Postado por Tania Speroni

SUPERAR OU NÃO SUPERAR? EIS A QUESTÃO!

22 de agosto de 2009 6

Sim, o título desde post é uma analogia escancarada a célebre frase de Hamlet. E o propósito desse texto, assim como os versos criados por Shakespeare, é filosófico.

Sempre que alguém tem uma lesão medular, os amigos e a família chegam com palavras de apoio e, frases muito escutadas são: ‘você vai sair dessa’ ou ‘calma, você vai superar’. Na real, essa atitude de dar apoio acontece em qualquer tragédia pessoal. Pense em qualquer dor mundana. A perda de alguém querido, um acidente, uma fatalidade ou qualquer evento que gere sofrimento. Sempre vem uma palavra amiga com esse lance da superação.

Na verdade, rola quase uma pressão para que ocorra essa superação. Quem gosta da gente quer nos ver sempre o melhor possível. Por isso essa angústia em querer ver o outro bem, superando suas dores. Quem gosta da gente não quer que a gente desista ou se desespere, mas que aceite e continue a vida, sabe se lá a que custo. Mas, afinal, o que é superar?

No aurélio, esse verbo transitivo direto,  que vem do latim superare, quer dizer vencer, remover, ultrapassar. E na vida? O que é superar, quando te pregam a maior peça? Quase shakespeareana, uma peça que tu jamais poderia imaginar… Como por exemplo, um dia, de uma hora para a outra, sentar numa cadeira de rodas sem prazo para levantar?

Usando exatamente os termos que a gente encontra no dicionário, talvez superar seja vencer a limitação física, ou pelo menos aprender a lidar com ela. Talvez seja remover o orgulho, afinal, como sempre digo, lesão medular é pós-graduação em humildade – não é fácil depender dos outros. Talvez, superar seja ultrapassar o limite da paciência, e continuar fazendo fisioterapia mesmo sem ter o retorno motor e sensitivo esperado.

Quem sabe superar não seja o que a gente vê em algumas novelas, como aquela recuperação miraculosa. Tipo o cara tomou um tiro num capítulo e na semana seguinte já está jogando bola (e marcando gol)! Talvez superar seja aprender a lidar com a dor e manter a esperança.

Ou então… Eu não sei como, mas tem muita gente que consegue aceitar o fato de estar numa cadeira de rodas e ponto. Sublimação. Talvez superar seja essa resignação. E se for realmente isso, e quem não se supera, onde se encaixa? Quem desiste? Faz como o cara do filme Mar Adentro que prefere a morte a viver tetraplégico?  

Se superar for continuar vivendo da melhor maneira possível, se for conseguir retomar os estudos, o trabalho, a vida social, a vida afetiva, depois de um episódio catastrófico (e quando uso esse termo não tem nada a ver com piedade – coitado é quem sofre o coito), se superar for isso, de certa forma, ainda hoje me supero. E, se superar for ultrapassar o que a gente imagina que é nosso limite, então acho que de certa forma me superei.

Agora, se superar for aceitar a possibilidade de nunca mais voltar a andar, se for desistir do meu milagre, se for sublimar, como várias pessoas conseguem, me nego a superar. Eu vou voltar a andar, `baralho`!

 

 

 

Postado por Juliana Carvalho

Dá-lhe Inter!!

21 de agosto de 2009 0

     Galera,

    Mais um gol de placa do Inter, eles agora iniciarão a Fisioterapia Neurofuncional Pediátrica, sob a supervisão da fisioterapeuta Dra. Élida dos Santos CREFITO 524804-F.

    A parte boa, é gratuito! Viva o Inter.

  

Postado por Milton Speroni

Troca de E-mails

20 de agosto de 2009 3

    E-mail 1

    Oi Juju!

    Eu e o Milton vamos pro Uruguai em setembro, quer ir?

    E-mail 2

    Juju,

    Desconsidere o convite no outro e-mail, o hotel só tem um quarto adaptado.

    Advinha quem vai?

    Filosofia Highlander, só pode haver um,(cadeirante, no caso dos hotéis).

Postado por Tania Speroni

Nós na fita!

19 de agosto de 2009 0

      O Sem Barreiras divulga a 12ª Semana Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Com a temática `Presentes para o futuro` a programação vai de 21 a 28 de Agosto de 2009:

Abertura

Sexta-feira 21 de Agosto

Salão Nobre do Paço Municipal
15 horas – Entrega do projeto do Plano Diretor de Acessibilidade – PDAc ao Prefeito
 
Segunda-feira 24 agosto
Auditório Ana Terra da Câmara Municipal
Das 14 às 17 horas
Plano Diretor – A integração pela acessibilidade
Secretário Municipal Tarcízio Teixeira Cardoso, da Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social
Professor Mário Ferreira, arquiteto urbanista Coordenador da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Professor Adilso Luis Pimentel Corlassoli, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Porto Alegre (Comdepa)

Salão Nobre do Paço Municipal
17h30min
Formatura do Curso de Informática para Deficientes Visuais

Terça-Feira 25 de agosto
Das 14 às 17 horas
Auditório Ana Terra da Câmara Municipal
A Rota Acessível no Plano Diretor de Acessibilidade
Arquiteta Urbanista Ada Raquel Doederlein Schwartz, da Secretaria do Planejamento Municipal – SPM
Acessibilidade no Transporte Coletivo
Engenheiro Rogério Caldasso Barbosa, da Empresa Pública de Transporte e Circulação – EPTC
 
Das 13h30min às 17horas
Parque Alim Pedro – vila do IAPI
8º Festival Esportivo e Recreativo para Pessoas com Deficiência
Secretaria Municipal de Esportes – SME
 
Quarta-feira 26 de agosto
Das 9 às 12 horas
Teatro Glênio Peres da Câmara Municipal de Porto Alegre
Mostra Cultural

Quinta-feira 27 de agosto
Distribuição Pública da folheteria de serviços da Seacis
10 horas
Largo Glênio Peres
11horas
Esquina Democrática
17horas
Estação Mercado do Trensurb
 
Sexta-feira 28 de agosto
Das 9 às 12 horas
Mostra Cultural
Teatro Glênio Peres da Câmara Municipal de Porto Alegre

Jantar Beneficente em Homenagem aos 47 anos da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais Porto Alegre – APAE/PA
Sede da AABB – Av. Coronel Marcos, 1000 

 

       Essa programação é promovida pela Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social em parceria com Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Porto Alegre. Com certeza as entidades vinculadas ao movimento das pessoas com deficiência também terão eventos para marcar a data.

Postado por Juliana Carvalho

Os Pingos nos "Is"

18 de agosto de 2009 3

    Turma,

    Como eu gosto sempre de avisar a todos, o objetivo do nosso blog não foi, nem nunca será, desmerecer instituição alguma, o nosso objetivo único, é tornar o mundo acessível a todos.

     Das postagens aqui publicadas, uma cópia é encaminhada à instituição criticada, foi assim com a rodoviária, sindicato dos táxis, shoppings, Zaffari, MARGS, deixamos sempre um espaço aberto, pra respostas às nossas críticas.

      O Dr. Giovanni Luigi, diretor da rodoviária de Porto Alegre, foi um dos que nos procurou, conversamos pessoalmente e ele já está viabilizando adaptar ainda mais a rodoviária, respostas positivas como esta, só nos fazem acreditar que a inclusão é possível.

      O Sr. Cézar Prestes do MARGS, também nos procurou, pedindo desculpas, explicando o ocorrido e convidando-nos a voltarmos lá a apreciarmos a exposição.

    Transcrevo abaixo a resposta à nossa crítica, feita pelo Sr. Cézar Prestes.

 

   ” Pedimos desculpas pelo transtorno. O fato narrado é atípico, pois o elevador estava com problemas e a empresa responsável pelo conserto teve vários chamados no sábado e só pode nos atender às 17h30min. Queremos deixar claro que o equipamento passa por uma revisão semanal. Reconhecemos a falha e agradecemos o alerta do blog, fundamental para aprimorarmos o atendimento ao público. Desde já nos disponibilizamos a atendê-los em uma visita agendada. Atenciosamente, Cézar Prestes Diretor do MARGS “

    Respostas como estas no motivam ainda mais em manter o blog.

    Viva a inclusão!!!

Postado por Tania Speroni

Frustração no MARGS

17 de agosto de 2009 12

 

    Sábado à tarde, eu e a Tania, fomos ao MARGS, visitar a mostra: A Arte na França 1860-1960.

    Como o site diz, já passaram por lá, 65 mil visitantes e fomos aumentar este número, nós também.

    Já sentimos dificuldade pra parar o carro, rodamos, rodamos, perguntamos se teria uma vaga reservada à cadeirante, mas não tinha nada, o jeito foi pararmos em frente à Secretaria de Acessibilidade.

     E fomos arriscando entre ser atropelado indo pelo asfalto ou quebrar a cadeira, indo pela calçada. Quando o trânsito tava intenso, subíamos a calçada, depois voltávamos pra rua, até que chegamos lá.

     Um policial militar, rapidamente pediu que aguardássemos em frente à rampa, que ele chamaria alguém de dentro do museu, pra abrir a porta que dava acesso à cadeira de rodas. Uns minutos depois, veio alguém do museu, pedir desculpas e dizer que o elevador tava estragado, o conserto já tinha sido solicitado, mas até àquela hora, (eram quase 3 da tarde), nada.

    Fiquei chateado, não devo voltar lá, dificuldade pra parar o carro, pra chegar até lá e o pior não entrar? Vou juntar dinheiro e ir ao Louvre, com certeza será mais fácil chegar à Paris que ir ao MARGS.

Postado por Milton Speroni