Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 25 fevereiro 2010

Cada Sentença, um juiz

25 de fevereiro de 2010 5

Lendo no Andrey e no Jairo, duas situações bem parecidas e soluções completamente opostas, recebi a autorização deles de reproduzir.

Um ato de insanidade e um ato de competência.

LOUCURA, leia os detalhes no Jairo

Aninha, uma mocinha que foi comprar móveis pro seu escritório, lá tinha uma rampa, que como em muitos lugares, as pessoas A-DO-RAM, obstruir com tudo que é possível, Aninha, exigiu entrar pela rampa, não foi atendida e ainda por cima foi humilhada, esculachada e tudo de mais vergonhoso que um ser humano pode fazer com outro, fizeram com a Aninha, ela chamou a polícia e por fim entrou com uma ação na justiça contra a empresa.

Repasso um trecho da sentença dada pelo juiz Maurício Ferreira Cunha: “O ônus da prova é a conduta que se esperava da parte para que a verdade dos fatos alegados seja admitida (…) não se viu satisfatoriamente desincumbido pela requerente (…) este juízo julga improcedente o pedido.”

“Há de ponderar, assim, que ainda que tenha havido um certo desconforto do contato da requerente com funcionários da empresa requerida (ressalvando que a requerente e sua genitora lá já haviam estado anteriormente (…) fato é que não se vislumbrou nos autos qualquer mácula ou constrangimento à pessoa (…).”

“Não se trata de um serviço mantido pelo Poder Público. Trata-se, sim, de uma empresa voltada ao comércio varejista de móveis que como tantos outros (milhares) não tem sua estrutura totalmente adaptada seja pela dificuldade financeira, econômica ou qualquer outro pressuposto.”

Mais resumido ainda: Dane-se Aninha, cadeirantes e quem mais não puder subir a escada.

 

Ser justo é:

Detalhes no Andrei

O juiz João Carlos Corrêa, condenou a empresa de ônibus Salineira, de Búzios, a indenizar Juciara Tardelli dos Santos Silva e providenciar adaptações nos veículos.

Tudo porque  Juciara que é paraplégica se machucou ao tentar embarcar num ônibus desta empresa, a partir dessa decisão e de lutas de pessoas como Georgette Vidor, que distiribuía cartilhas e fazia palestras sobre acessibilidade.

Resumindo: Búzios está mais acessível do que nunca.

 

Acho que o Dr. Maurício precisa fazer um estágio em Búzios.