Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de janeiro 2011

Voltando das férias...

24 de janeiro de 2011 0

Eu e o Rafael não havíamos mais dado as caras por aqui pois estávamos de férias. Passamos onze dias em Torres – praia que nós adoramos – o tempo colaborou, tivemos dias ótimos e aproveitamos muito o mar…

Gostaria de deixar registrado que o município de Torres, principalmente em termos de acessibilidade, evoluiu do ano passado para cá. Pudemos observar várias calçadas com rampas, bastantes vagas de estacionamento para pessoas com deficiência. Nada mais que o básico, afinal, deveria ser comum ter acessibilidade em todos os lugares, mas enquanto ainda estamos longe do ideal, fico feliz sempre que identifico algo positivo, quando vejo as coisas melhorando… Aproveito a oportunidade para falar também que vimos o asfalto sendo recuperado em grande parte das avenidas, novas ruas sendo asfaltadas, banheiros químicos espalhados por toda parte… Que continue essa evolução e que na próxima temporada que passemos por lá, possamos observar mais melhorias ainda…

No mais, estamos retomando a rotina e na expectativa do nascimento do Pedro, praticamente mais dois meses e ele já estará aí…

A saga das sondas

24 de janeiro de 2011 1

Um dia, resolvemos solicitar ao Estado que nos fornecesse sondas.

1° Passo, fui ao posto de saúde e me disseram que eu tinha que falar com a assistente social

2° Passo falar com a assistente social, que só recebia 10 pessoas às sextas-feiras. Na primeira sexta- feira perdi minha viagem, embora tenha chegado ao posto às 6 da manhã, as fichas já tinham sido entregues, só na próxima sexta.

Sexta seguinte consegui falar com ela, levei todos os documentos que eu julgava ser necessário pra solicitação, mas é claro que eles não foram suficientes.

Terceira sexta-feira, já com os documentos em mãos, ela me fala que o Estado não fornecia sondas, mas que poderia solicitar, mas como ninguém tinha orçamento nenhum, eu tinha que fazê-lo.

Quarta sexta consecutiva, lá estava eu novamente, com documentos, orçamentos, papéis e mais papéis. Entreguei e a partir dali era pra eu ir ligando pra secretaria, pra saber quando teria uma resposta.

Quase 3 meses depois obtive resposta, o Estado pagaria as sondas, mas só chegariam a partir de tal data, esperamos mais uns 45 dias e finalmente fui pegar as 200 sondas solicitadas pra um mês de uso.

Assim que recebi, perguntei se no mês seguinte eu poderia pegá-las ali mesmo, eis que a assistente social falou que não, que pra todo mês que eu precisasse de sonda, eu tinha que refazer a jornada e esperar, ou seja pra receber 200 sondas por mês, eu gastaria no mínimo uns 3 meses peregrinando.

Não satisfeita fui à defensoria pública.

Acordar de madrugada, pegar ficha e ouvir da estagiária ( a defensora, não atende, ou não atendia na época, não posso falar quem atende por ela hoje), a resposta foi animadora:

Desista ou entre com um advogado particular, porque sinceramente vocês não vão conseguir as sondas por aqui.

Quase seis meses perambulando pra lá e pra cá, fui vencida! Desisti mesmo, continuamos comprando as sondas.

Ontem assistindo uma reportagem do Dráuzio Varella na TV, ele falava da evolução do nosso sistema de saúde, não posso deixar de concordar com ele, mas não acho justo qualquer pessoa pode chegar hoje em qualquer posto de saúde e ganha camisinha, nós pra podermos ganhar sondas temos que prestar tantas contas e assim mesmo não conseguimos ganhar?

Um pacote com 3 camisinhas custa R$ 2, 3 sondas R$1,20. Pra conseguir ganhar as sondas precisamos mostrar e provar a necessidade do Milton ou qualquer outro paciente, que o uso da sonda é tão necessária quanto qualquer outro medicamento de uso contínuo, já uma camisinha se um jovem de 13 anos chegar num posto e pedir camisinha ele ganha, camisinhas são distribuídas aleatoriamente no carnaval, nas ruas onde a prostituição é uma referência, como a Farrapos e São Carlos aqui em Porto Alegre, é comum vermos distribuição das camisinhas, por que com as sondas é diferente?

Não quero que parem com a distribuição de camisinhas, quero mesmo é que sondas sejam distribuídas a quem precisa e, não acredito que uma pessoa finja precisar de sonda pra dá o golpe no cofre público.

Gente! A Ju tá na PUC com pneumonia, orações e energias positiva pra ela.

Até quando?

22 de janeiro de 2011 0

Mais um absurdo, essa nota foi tirada do Estado de Minas.

Reportagem da Luciane Evans:


Na contramão do que propõe a legislação brasileira, escolas privadas têm se negado a incluir alunos portadores de necessidades especiais em salas comuns. Em tempos de matrículas para a volta às aulas, pais de filhos deficientes ainda encontram portas fechadas quando o assunto é inclusão social. Belo Horizonte não foge à regra. Apesar de a rede pública de ensino apontar que, em 10 anos, o acesso de portadores de deficiência às escolas municipais passou de 781, em 2001, para 2.771, no ano passado, uma escola da rede particular na cidade nada contra esta corrente. Nos últimos dias, o Colégio Cristão, da Igreja Batista da Lagoinha, negou a entrada de um garoto cadeirante, de 11 anos, sob a alegação de que não há estrutura para ele na instituição. “ É um absurdo e não é incomum, principalmente, nesta época do ano. A grande arma contra isso é a denúncia”, alerta Nelson Garcia, superintendente de Políticas para Pessoas com Deficiência, da Secretaria de Estado de Defesa Social (Sedese).

Depois de visitar 18 escolas que não tinham acessibilidade para seu filho cadeirante, a universitária Fabiana Carvalho decidiu procurar o Colégio Cristão, na Região Noroeste da capital, que cobra mensalidade de R$ 510 para o 6º ano do ensino fundamental. “Como é uma instituição evangélica, que conta com poucos alunos dentro de sala, achei que seria ideal para meu filho. Mas, desde dezembro, espero uma resposta e, somente esta semana, mandaram um e-mail informando que não poderiam recebê-lo por causa de suas limitações”, conta, indignada, Fabiana. Ela diz que os diretores da instituição de ensino sequer conheceram o menino. “Eles, que propagam tanto o amor a Deus e ao próximo, negaram ao meu filho o direito de estudar ali”, lamenta.

Mas a escola se defende e diz que fechou as portas para o garoto porque temia por ele. “O caso era delicado. O garoto, segundo nos relatou a própria mãe, tem uma fragilidade nos ossos, o que o deixava na cadeira de rodas. Como vou colocá-lo numa sala de aula com 40 alunos? Poderia ser um risco para a saúde dele. Não somos obrigados a aceitar”, diz a diretora pedagógica do Colégio Cristão, Sara Teixeira.

A argumentação é contestada por Nelson Garcia. Segundo ele, a legislação internacional das Organizações das Nações Unidas (ONU), que foi implantada no Brasil, diz que a falta de acessibilidade pode ser considerada discriminação. “E nesse caso, a escola não é quem decide se o menino corre, ou não, um risco, e sim, um médico que deve avaliar as condições. A educação é a porta de entrada para a quebra de preconceitos para as futuras gerações”, ressalta, lembrando que um dos pré-requisitos de cadastro de uma escola no Ministério da Educação (MEC) é a acessibilidade. “Temos avançado muito, mas é importante denunciar essas portas fechadas para o Ministério Público ou o MEC, para que o lugar seja fiscalizado”, avisa.

Fabiana voltou com o filho para a escola Instituto Presbiteriano de Ensino de Minas Gerais (Ipemig), no qual em salas comuns o menino é bem cuidado e recebe atenção. “Infelizmente, o Ipemig só oferece até o 7º ano. Assim, em 2012, terei que buscar uma nova escola para ele”, diz ela, informando que avalia a possibilidade de acionar a Justiça contra o Colégio Cristão.


Os babacas e as vagas reservadas...

20 de janeiro de 2011 0

Quando a gente acha que o Brasil tá evoluído.

Mais um tapa na cara, dessa vez a estrela é um delegado.

Olha que BABACA.

Um advogado cadeirante apanhou de um delegado em São José dos Campos (91 km de São Paulo), em briga por estacionamento em vaga pública reservada para pessoas com deficiência.

O advogado Anatole Magalhães Macedo Morandini, 35, diz que foi agredido com coronhadas.

Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress

Já o delegado Damasio Marino, por meio de seu advogado, afirma que não o bateu com arma de fogo, mas que lhe deu “dois tapas”.

A briga começou quando Morandini flagrou o delegado, que não tem deficiência, estacionado na vaga especial, em frente a um cartório na região central de São José, e foi tomar satisfações.

“Ele [delegado] me chamou de aleijado filho da puta. Eu fiquei enojado, e a única coisa que consegui fazer foi cuspir no carro dele, porque me senti desrespeitado.”

Ainda segundo Morandini, o delegado do 6º Distrito Policial da cidade, além de lhe dar coronhadas, também bateu em seu rosto com a ponta da arma.

Ele mostrou à reportagem uma camiseta com manchas de sangue, que diz ser consequência da agressão. Uma funcionária do cartório também diz que viu Morandini sangrando após a briga.

“Ele apontou a arma, fez mira. A única coisa que eu fiz foi virar o rosto devido ao trauma que já tenho”, contou o advogado, referindo-se ao tiro que levou durante um assalto, aos 17 anos, e que o deixou paraplégico.

Já o defensor do delegado diz que ele é que foi intimidado e que estava parado na vaga especial porque sua mulher está grávida.

A corregedoria da Polícia Civil abriu inquérito para apurar a suspeita de lesão corporal dolosa (quando há intenção ou se assume o risco de cometer o crime).

Copiado da Folha.com

Gastos & Ga$to$

11 de janeiro de 2011 0

Hoje fui comprar sonda.

No caminho fiz uma simples conta.

Em qualquer governo, sabemos que há os famosos cargos comissionados, vulgos CC.

Imaginei o seguinte: Se um CC que ganhe R$15.000,00 por mês, for demitido e, alguém tiver a brilhante idéia de com este salário comprar sondas pra doações, só o salário dele compraria 40 mil sondas.

Fica a dica!

De embrulhar o estômago.

06 de janeiro de 2011 2

Olha só o absurdo!

Morro e não vejo tudo.

Clica aqui

Não deixem de ver e divulgar.

Cadê todos?

05 de janeiro de 2011 1

Vocês devem tá  perguntando:

Cadê o povo? Por que não escrevem?

Aqui em Poa,  todo mundo tira férias no verão.

Já eu, Milton e Ana Sofia, estamos em casa de molho, só estamos saindo pra finalizar o enxoval da Princesa que mês que vem tá na área.

Então leitores amigos, peço paciência e, que não nos abandone, prometo que à medida do possível daremos uma passada aqui contando novidades e relatando “causos”

Convido vocês a participarem do blog, contando suas histórias de vida,de viagem, criticando uns  lugares, elogiando outros, assim o blog não fica tanto tempo às traças.

Um grande beijo a todos.

Tania, Milton e Ana Sofia