Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Cotidiano"

Viajando e bengalando por aí...

11 de novembro de 2012 4

Galera!

Tá difícil conseguir parar um tempo pra escrever aqui com maior frequência, mas vamos lá…

No mês de setembro estive em São Paulo, não conhecia lá, fiquei três dias, conheci muito pouco, mas gostei muito do que conheci, baita cidade que quero voltar logo, com mais tempo, para conhecer melhor.

A Francine não foi, fui eu e uma amiga, colega de faculdade, pois fomos especificamente para um evento. Desde que uso a bengala para me auxiliar no deslocamento, foi a primeira viagem que fiz sem alguém da família junto – logo São Paulo, nada menos do que a maior cidade do país – eu não sou muito certo mesmo :)

Então, tive várias experiências sociais indo e vindo pelas ruas de Sampa com a bengala, as pessoas naquela cidade estão sempre correndo, isso é claro, não é novidade para ninguém, mas a minha experiência é de uma pessoa com baixa visão conhecendo um lugar “mega” movimentado e populoso. Uma das coisas que mais me chamou a atenção no meio dessa correria, é que as pessoas se mostram muito individualistas, quase todos os espaços públicos recebem multidões para todos os lados e, se você está ali por algum motivo, cuide-se, siga a maioria ou será “atropelado”. Ainda bem que logo me dei conta disso e peguei o ritmo da cidade, deu tudo certo!

A minha referência de grande cidade era o Rio de Janeiro, mas SP é completamente diferente e maior, no Rio, o astral das pessoas é outro, elas param para te auxiliar em alguma coisa, para te perguntar se precisa de algo, etc. Não vi isso em SP, e isso não é uma crítica às pessoas de lá, de forma alguma, pois conheço pessoas maravilhosas que são de lá ou que moram lá, isso é só uma constatação mesmo…

No Rio, por exemplo, eu estou acostumado a chegar no metrô e, antes de qualquer coisa, já aparece algum funcionário chamando para liberar o acesso gratuito, para mim e para a acompanhante. Sempre achei isso legal, porque, sendo turista, não vou, obviamente, ter o cartão de passe livre local, certo!? Gosto desse bom senso, tipo, a isenção é para pessoas com deficiência e não somente para pessoas com deficiência com cartão ou apenas para pessoas com deficiência que sejam moradores do local.

Em SP, no primeiro dia, ao chegar no metrô, não “apareceram” funcionários para me atender, fui à bilheteria e perguntei se eu tinha de pagar a passagem ou se havia isenção para pessoas com deficiência, a resposta foi uma pergunta: “tem cartão de isenção?”, eu disse que não tinha, porque não era de SP, me responderam de maneira ríspida: “O que dá a isenção é o cartão!”. Ok! Isso eu sei, para quem mora lá, o que dá a isenção é o cartão, como eu não o tenho, fiz a pergunta, porque alguém com o cartão iria fazer essa pergunta não é mesmo??? Mas essa falta de qualidade no atendimento não é exclusividade de SP, semana passada tive de ir a Canoas e, como não uso habitualmente o metrô, fiz a mesma pergunta que fiz em SP, e a resposta… também foi a mesma! Ok! Só tenho o cartão de isenção nos ônibus aqui de Porto Alegre, mas do metrô não, mas perguntar não ofende e atender bem não custa nada…

Bem, falando mais um pouco sobre a viagem pra SP, o despreparo em aeroportos e aviões é enorme, a acessibilidade é escassa, mas se não ocuparmos esses espaços, as coisas não vão mudar! Lá em SP, mais especificamente no evento, a receptividade foi muito boa, as pessoas que trabalharam no evento estavam bem preparadas, havia banheiros adaptados, a acessibilidade chegou lá com bastante expressividade, ainda não é o ideal, mas as coisas estão acontecendo. Enfim, foi uma viagem muito boa, novos contatos e oportunidades, sempre prestando muita atenção em como as pessoas se relacionam com a deficiência e com a acessibilidade.

P.S.: O tamanho desse texto se explica, um pouco, pelo tempo que fico sem escrever aqui.

Um abraço a todos!

Síndrome de Down No Cinema

26 de agosto de 2012 0

O filme brasileiro “Colegas” apresenta três pessoas com síndrome de down nos papéis principais da trama. Trata-se de uma comédia que exibe com muita leveza e descontração a vida dos três personagens, com suas aventuras, sonhos e desejos. É muito bom ter o cinema a serviço da equidade.

A estreia em nível nacional será em novembro deste ano. No entanto, o longa já ganhou premiações, no Festival de Paulínia (SP) e no Festival de Gramado (RS).

Clique aqui para assistir ao trailler com áudio-descrição. Confira aqui a matéria sobre a premiação no Festival de Gramado feita pela Folha de São Paulo.

E em novembro, vamos ao cinema prestigiar o filme!!!

Há quanto tempo hein!?

26 de agosto de 2012 1

Olá!!!!

Depois de muuuuuuuuito tempo sem escrever… Aqui estou de volta, tentando retomar o blog, com vontade de escrever com mais frequência para vocês. Este ano está sendo muito corrido, trabalho, faculdade, filho pequeno, etc. Agora estou me organizando para publicar aqui com alguma regularidade. Este blog é um espaço muito importante e devemos aproveitar, pois há muito o que fazer e falar no que se refere às pessoas com deficiência. Enfim, é muito bom estar de volta!!!

Abraços!!!

A influência da mídia sobre o culto exagerado à aparência e à beleza

11 de novembro de 2011 2

A influência da mídia sobre o culto exagerado à aparência e à beleza

Um dia desses fiquei refletindo sobre esse assunto e resolvi escrever um pouco:

Sabendo da influência que os meios de comunicação exercem sobre as pessoas em geral, em
diversos aspectos de suas vidas, desde os temas mais amenos aos mais sérios, não é de causar
estranheza que a mídia, ao criar o protótipo da beleza e ao ficar exaltando-o, muitas vezes de forma
subliminar, vem transformando uma massa de escravos numa busca desenfreada e incessante pelo corpo
belo, perfeito e eternamente jovem. É uma legião de seres desnorteados que acreditam que algum
cosmético, alguma academia da moda, roupa ou qualquer outra novidade, outro aparato que surge
diariamente vai operar um verdadeiro milagre em sua aparência. Diante dessa situação, não nos cabe
julgar, porém tentar entender as causas que levam boa parte da população a esse tipo de comportamento.
Ao começarmos a explanar as possíveis causas que levam a atitudes intrigantes e patéticas nesta
ânsia de perfeição, um dos que considero mais graves é que crianças, principalmente meninas, estão cada
vez mais cedo sendo introduzidas ao mundo da moda, explorando, forçando uma sensualidade, totalmente
artificial, impossível de se ter aos cinco, seis, sete anos de idade. Outro aspecto que podemos analisar são
as capas das revistas, os comerciais de televisão, os outdoors. Boa parte desses anúncios tem homens e
mulheres, exaltando beleza e juventude, tendo normalmente um biotipo europeu. Não vamos entrar numa
discussão sobre racismo, inclusão e tal, mas, dificilmente vemos estampados negros, asiáticos, alguém de
alguma outra etnia ou uma pessoa com deficiência. Onde estão as pessoas comuns, sem maquiagem ou
fotoshop? E porque não falarmos também da proliferação absurda das clínicas de estética e cirurgia
plástica, onde muitas pessoas deixam suas economias e pagam quantias elevadas que muitas vezes nem
podem gastar em tratamentos de beleza e rejuvenescimento.
Porém, a análise não deve ficar somente nestes aspectos, faz-se necessária uma reflexão mais
profunda e criteriosa, a responsabilidade não é apenas dos fatores externos a nós, pois a mídia mostra e a
indústria da beleza produz, justamente aquilo que queremos que se torne realidade, desde coisas mais
elaboradas como uma técnica cirúrgica inovadora ou um cosmético de última geração até um soutien que
promete elevar ou aumentar o tamanho dos seios. Torna-se um círculo vicioso, os valores do ser
contemporâneo e seus anseios refletem-se na mídia e na indústria da beleza e estas, por sua vez, acabam
retornando em forma de influência para a sociedade. Vale lembrar também, que os nossos modelos de
beleza, bem como todo ser humano tem suas inseguranças e podem estar tentando atingir o ápice, a
beleza máxima, afinal, também são agentes na sociedade, não somente figuras estáticas mostrando sua
beleza para quem quiser ver. Um dia, se a sociedade se tornar mais espiritualizada e mais voltada ao seu
interior, quem sabe a mídia pode refletir outras coisas, como por exemplo, a tão falada frase que ser é
mais importante que ter, e que a solidariedade, o amor a si e ao próximo, a paz no mundo e também a de
espírito são muito mais importantes e perenes, coisas que, por mais que tentemos na busca utópica pela
perfeição do corpo, jamais serão atingidas.

Um ótimo final de semana!!!

Será Hora de Acabar Com o Braille???

28 de outubro de 2011 0

Chegou a hora de acabar com o Braille?
por Fredric K. Schroeder

Muita tecnologia surgiu para ajudar os cegos. E para questionar o uso de um sistema que até hoje reinava sozinho?

A tecnologia dedicada a ajudar deficientes visuais tem evoluído muito. Novas ferramentas vêm ampliando o acesso de cegos à informação escrita: audiolivros, softwares que leem em voz alta o e-mail que acabou de chegar, serviços telefônicos que leem o jornal pela manhã. Sem dúvida, uma mão na roda, que dá mais opções aos cegos.

Essas novidades conquistaram espaço. E, confiando nelas, os cegos estão deixando de ler. Estão apenas ouvindo. Há deficientes visuais que já aderiram completamente à tecnologia. Alguns professores de escolas para cegos também não veem mais espaço para o braile. Tanto que quase 90% das crianças cegas americanas estão crescendo sem aprender a ler e escrever. Isso é um sinal de progresso? Devemos celebrar o declínio do braile?

É verdade, a tecnologia permite a absorção rápida de muita informação. O problema é que essas novas ferramentas oferecem um tipo passivo de leitura. Ao contrário do braile, que permite uma leitura ativa. Com ele, o cérebro recebe as informações de forma diferente: além do conteúdo, absorve também as letras, a pontuação, a estrutura do texto.

A falta desse conhecimento pode prejudicar a formação de alguém. Aconteceu comigo. Perdi parte da visão aos 7 anos de idade. Aos 16, fiquei completamente cego. Não fui alfabetizado em braile quando criança, e tive de aprender a ler e escrever sozinho depois de cego. O aprendizado tardio prejudicou minha educação e minha confiança. Quando entrei na universidade, não podia soletrar. Sabia pouco sobre pontuação e regras gramaticais. Fiz um doutorado em administração da educação, mas a alfabetização limitada foi sempre uma barreira.

Hoje uso muita tecnologia de áudio. Com ela, posso ler o texto no computador em um ritmo de 250 palavras por minuto. Com o braile, leio 50 palavras por minuto. Mas a tecnologia é complicada para reuniões ou palestras. Se preciso ler um discurso que escrevi, buscar notas no meio de uma apresentação, consultar tabelas, só o braile evita que eu desvie a atenção do conteúdo principal.

É como para as pessoas que têm visão: rádio e TV são métodos úteis de conseguir informação, mas não substituem a leitura. Não quero dizer que a tecnologia de áudio não é importante na vida dos cegos. Ela é. Mas deficientes visuais necessitam de uma maneira eficiente de ler e escrever, como todo mundo. Isso significa que precisamos garantir o acesso a todo tipo de tecnologia que apareça e seja capaz de auxiliar. Sem esquecer também de trabalhar para manter o braile vivo.

Fredric K. Schroeder é vice-presidente da Federação Nacional dos Cegos dos EUA. Ele perdeu a visão em decorrência da síndrome de Stevens-Johnson.

Crédito:
BLOG TURISMO ADAPTADO
by Ricardo Shimosakai

Movimento SuperAção 2011 em Porto Alegre

22 de agosto de 2011 0

E aí, galera!!!

Foi muito legal a passeata do Movimento SuperAção ontem aqui em Porto Alegre, o tempo colaborou, um sol bacana, o dia estava frio, mas o bom é que não choveu.

Na minha opinião, o evento deste ano foi melhor do que o do ano passado e, espero que a cada ano fique melhor ainda, reunindo mais pessoas com e sem deficiência, movimentando e articulando mais e mais…

Lembro que na primeira edição, em 2010, com deficiência visual, estávamos praticamente só eu e meu irmão lá. Já neste ano, vi vários, fiz vários contatos, foi possível trocar muita ideia, fazer novas amizades, enfim, várias portas são abertas a partir destes encontros.

Conhecemos lá o Daniel, de São Paulo, que nos contou que participa do SuperAção lá há 6 anos, ele estava com seu cão-guia, que também vestiu a camiseta do Movimento SuperAção (foto abaixo).

Eu e Francine conhecemos e ficamos amigos da Giselle Hubbe, que é Miss Brasil Deficiente Visual, abaixo estão as nossas fotos com ela, que é gente fina pra caramba (ela vai participar do desfile de moda inclusiva na Assembleia Legislativa na próxima sexta-feira, 26/8/2011, conforme está detalhado no post anterior da Ju).

(Foto: Giselle e Rafael)

(Foto: Giselle e Francine)

Conversei muito também com a professora Marilena que trabalha com pessoas com deficiência visual na União dos Cegos.

Também participando do evento reencontrei uma ex-colega do meu serviço anterior, a Denise, trabalhei com ela até 2006 e nubca mais a tinha visto, estava com a família, uma filhinha linda de 5 anos e o marido que é cadeirante há mais ou menos dois anos, fiquei muito feliz também por este reencontro, já estamos nos falando pelo Facebook.

Ontem na Redenção, também vi que havia pessoas distribuindo folder com contatos para o envio de curriculum, ou seja, empresas em busca de pessoas com deficiência para suprir vagas no mercado de trabalho, isto é muito bom, é o Movimento SuperAção ganhando visibilidade.

Eu e Francine conhecemos pessoalmente também a Aline Massoni, de Viamão, cadeirante que eu conhecia de um depoimento no “Tocando a Vida” do programa da Ju na AL e também amiga de Orkut há algum tempo, muito legal também.

Como eu já falei, espero que a cada ano fique melhor o SuperAção, eu curti muito, fizemos nosso barulho em busca do nosso espaço, da inclusão, exigindo acessibilidade já! Mostramos a nossa cara para a cidade, todos juntos, um só objetivo, uma só voz, assim que tem que ser, o caminho é longo e nada fácil, mas quando nos juntamos, nos reunimos, unimos também nossa força. É muito bom conhecer pessoas, fazer amizades e projetar coisas para o futuro!

Viva o Movimento SuperAção!!!
Acessibilidade e inclusão já!!!

Nossas calçadas!

28 de julho de 2011 0

Amigos!

Peço desculpas pela demora nas postagens, mas vamos que vamos…

Toda tarde tenho saído com nossa pequenina pra passeios de carrinho, ela adora.

Já tinha noção das porcarias que são nossas calçadas, por conta disso, eu e Milton saimos muito pouco a pé, mas com Ana Sofia não tem jeito, ela precisa desses passeios, aí o bicho pega.

Uma rodinha do carrinho já empenou graças aos buracos, hoje mais uma vez saimos e como sempre faço, cada passeio é por um lugar diferente.

Olha só a loucura que descobrimos hoje:


Essa calçada fica na Avenida Cristóvão Colombo, pertence ao Hospital Militar.

É uma calçada estreita, deve ter no máximo uns 90 cm de largura, não bastasse isso, algum gênio resolveu colocar uma placa de sinalização que impede qualquer pessoa andante, cadeirante, com carrinho de bebê, passar pela calçada.

Cada vez mais tá mais difícil sentir orgulho do meu País!

Aproveito o post pra dar nosso apoio à queria Vitória e total repúdio ao Cinemark, são com atitudes como essas, que acontecem o que aconteceu recentemente num cinema da região

Deficiência Visual com muito bom humor...

03 de julho de 2011 0

Fala galera,

Aqui vai um link para um vídeo que achei bem legal… Mostra uma apresentação de um jovem carioca com deficiência visual que faz “comédia em pá”, falando sobre as situações cotidianas ligadas à deficiência visual. Achei ele bem talentoso, o vídeo é bem engraçado, mas não é só isto, pois no meu entender, o trabalho dele é uma forma de falar para a sociedade sobre a deficiência, acessibilidade, etc, com muito bom humor, é claro. Espero que vocês gostem.

Assistir ao vídeo.

Esclerose Múltipla

26 de maio de 2011 0

Esse é o símbolo da luta por melhor qualidade de vida das pessoas com Esclerose Múltipla.

Ontem dia 25 de maio foi o Dia Internacional da Esclerose Múltipla

A AGAPEM promoverá um encontro, no próximo domingo, na Redenção, mais precisamente em frente ao Monumento Expedicionário, lá haverá distribuição de panfletos, informações sobre a Associação, sobre a esclerose.

Estarão lá das 9:30 até meio dia.

O convite foi feito, dá uma chegadinha lá.

Retornando às atividades

14 de maio de 2011 0

Olá galera!!!

Estamos vivos!!!

Primeiramente, quero pedir desculpas pelo longo tempo de ausência aqui no blog…

Sabem como é, primeiro, foram os últimos dias da gravidez da Francine, onde não sobrava tempo para nada em razão do trabalho e dos afazeres domésticos. Depois, com o nascimento do Pedro, por mais tranquilo que ele seja, tivemos um período de adaptação à nova rotina que já está normalizada. Agora, aos poucos, vamos encontrando mais tempo para retomarmos as atividades pausadas nos últimos dois meses.

Está tudo ótimo com o nosso bebezão, sem mistérios e, sinto-me particularmente feliz por poder curtir e cuidar do meu filho. Podendo afirmar que a minha baixa visão não interfere nesta relação, trocar fralda, dar banho, enfim, tudo absolutamente normal… Graças a Deus nosso filho vai crescer dentro da ideia da diversidade, da acessibilidade, etc, e poderá colaborar para melhorar este mundo, que precisa tanto se modificar nestas questões…

Abraços e um excelente final de semana a todos!
Rafa, Francine e Pedro

Muitas rodas

09 de maio de 2011 0

Uma coisa que passei quase os nove meses da gravidez pesquisando foi o tipo de carrinho que compraria pra Ana Sofia.

Precisava de um carrinho, bom, compacto, leve, fácil pra guardar e de preferência barato e bonito.

Não achei um que preenchesse todos os quesitos acima, principalmente no preço, mas depois eu vi que todos são caros, mas o principal era que coubesse na mala do carro junto com a cadeira do Milton.

Achamos esse modelo:

Fecha em “guarda-chuva” é relativamente leve, serve como passeio e berço e o bebê conforto acopla na mesma estrutura, como dá pra vê abaixo com a participação da modelo mais linda do mundo.



Já no carro também ficou legal, porque cabe tanto a cadeira do Milton quanto o carrinho da Ana Sofia.

Apesar de caber tudo bem certinho, assim que a grana der, estamos pensando em trocar de carro, pra um modelo com mala, tipo perua, como diriam os paulistas, é que com tanta roda junta, não cabe mais nada na mala.

Numa viagem, por exemplo, não temos espaço pras malas e nem a cadeira de banho dobrável do Milton, que em algumas ocasiões também vai junto.


Pra finalizar uma foto da mãe mais feliz do mundo

E o pai mais babão do mundo


Corrida contra o tempo

14 de abril de 2011 0

Essa notícia já foi dada em vários meios, mas convém lembrar mais uma vez

Tirei do site Chevroletnova, corram meus amigos, porque o prazo pra compra do carro está se esgotando.

Eu na minha completa ignorância, achava que essa lei era digamos assim, eterna.

Lei que permite a deficientes físicos adquirir veículos com desconto fica em vigor até dezembro de 2012.

Na última sexta-feira, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) votou pela prorrogação da lei que concede às pessoas com deficiência o direito de comprar veículos com isenção total ou parcial de impostos.

O prazo anterior para a suspensão das isenções era dia 30 de abril, mas com a decisão o prazo foi estendido até 31 de dezembro de 2012.

Pela lei, deficientes não condutores podem comprar carros livres de IPI. Já no caso dos deficientes habilitados e serão os próprios condutores do veículo a isenção é total e não há cobrança de ICMS, IPI, IOF e IPVA Hoje, com a isenção, o deficiente consegue comprar um carro com desconte de 30% a 40%  do valor da tabela.

Para Rodrigo Rosso, presidente da Abridef (Associação Brasileira das Indústrias e Revendedores de Produtos e Serviços para Pessoas com Deficiência), a prorrogação da lei foi só a primeira reivindicação do grupo. “Em um segundo momento, a nossa intenção é pressionar para que a lei se torne permanente”, conta Rosso.

Outra exigência do grupo é a aumento no preço máximo dos veículos. Pela legislação, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida só podem comprar com isenção veículos que forem nacionais e com preço até R$70 mil. “O problema é que existem poucas opções de carros automáticos – porque a maioria necessita da versão automática – que ficam nessa faixa de preço”, explica Rosso, “O ideal é que o preço máximo fosse R$100 mil”.

Sobre a legitimação do benefício Rosso argumenta “Essa lei é necessária, mas é também um paliativo, porque o governo não consegue providenciar transporte público adequado para todo esse tipo de população.” No Brasil, cerca 30 milhões de brasileiros são beneficiados pela lei de isenção.

Segundo estimativas da Abridef, só em 2010 foram comercializados 29 mil carros para pessoas com deficiência.

Vagas: Milésimo capítulo

24 de março de 2011 0

Nossa leitora Karin, contribui com esta bela foto.

Foi tirada na vaga reservada que existe na frente da antiga Prefeitura, detalhe que o carro é da Secretaria Estadual.Até as autoridades tiram “casquinha”

Descaso no Salgado Filho

22 de março de 2011 0

Faz algum tempo que a Azul e a WebJet estão operando no terminal 2 do Salgado Filho, em miúdos, o antigo aeroporto. Lá não tem finger (aquele tunel que leva ao avião) em nenhum dos portões de embarque, é tudo na remota. Bueno, estou voltando de São Paulo sábado passado – fui madrinha de casamento num Cruzeiro, o que merece um post a parte – e passei por aquele clássico constrangimento: falta de acessibilidade.

Além da cadeirante aqui, outras duas vovós beirando os noventa anos também precisavam de algum recurso para evitar as escadas. Cabe a Infraero disponibilizar o Ambulif – não tem nenhum por lá - cabe as comanhias aéreas dispor de stair trac (aquela cadeira robocob que sobre e desce escadas), a Azul tem uma mas a WebJet não. Voei pela última e me lasquei. Desceram todos os passageiros, inclusive as vovós de noventa anos, pelas escadas e eu fiquei mofando e exigindo uma coisa tão banal: o cumprimento da lei.

É soda. Tem resolução da ANAC, tem lei da Acessibilidade, o Brasil ratificou a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência em 2008 e a coisa segue só no papel. Filmei tudo com o celular, lá vou eu meter mais um processo, mas a mentalidade das pessoas não muda. Foi uma cena ridícula. Toda tripulação esperando eu decidir se ia encarar a escada ou não, as pessoas do próximo vôo prejudicadas pelo atraso e tudo mais. Fico pensando como vai ser na Copa, nas Olimpíadas. Se as companhias já passam aperto com um cadeirante que fala português, imagina como será com uma delegação de quebrados exigindo acessibilidade em javanês .

SEGREGAÇÃO NUNCA!!

13 de março de 2011 0


Lendo o colunista Paulo San’tana neste domingo, dia 13-03-2011, jornal Zero Hora, sobre a segregação do carnaval, dos carnavalescos e consequentemente de uma grande parcela do povo de porto Alegre,  grande porto alegre e gaúchos em geral.

Absolutamente uma vergonha, ainda quero entender como é que as “COMUNIDADES” aceitaram este acinte, esta pouca vergonha.

Foi instituído em 2004, logo na prefeitura do PT,  Sr. João Verle, até parece que o PT é da elite. O líder maior, LULA, sempre criticou as elites aos quais o PT se subjugou.

Rio, São Paulo, Salvador, etc. etc., verdadeiras megalópoles, destinam espaços nobres, centrais, de fácil acesso a todos para a festa de carnaval.

Nós aqui, “expulsamos” para fora de Porto Alegre a maior festa popular do mundo. Óbvio que foram expulsos por ser popular.

Mesmo a  coluna sendo escrita pelo ilustre jornalista, a imprensa gaúcha não está isenta de culpa sobre este episodio, aliás, acho que é a principal culpada. (Imprensa livre, tendenciosa e omissa quando lhe convém)!

Reação JÁ!  Pela volta do carnaval de Porto Alegre onde sempre foi e onde lhe é merecido!!