Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Saúde"

A influência da mídia sobre o culto exagerado à aparência e à beleza

11 de novembro de 2011 2

A influência da mídia sobre o culto exagerado à aparência e à beleza

Um dia desses fiquei refletindo sobre esse assunto e resolvi escrever um pouco:

Sabendo da influência que os meios de comunicação exercem sobre as pessoas em geral, em
diversos aspectos de suas vidas, desde os temas mais amenos aos mais sérios, não é de causar
estranheza que a mídia, ao criar o protótipo da beleza e ao ficar exaltando-o, muitas vezes de forma
subliminar, vem transformando uma massa de escravos numa busca desenfreada e incessante pelo corpo
belo, perfeito e eternamente jovem. É uma legião de seres desnorteados que acreditam que algum
cosmético, alguma academia da moda, roupa ou qualquer outra novidade, outro aparato que surge
diariamente vai operar um verdadeiro milagre em sua aparência. Diante dessa situação, não nos cabe
julgar, porém tentar entender as causas que levam boa parte da população a esse tipo de comportamento.
Ao começarmos a explanar as possíveis causas que levam a atitudes intrigantes e patéticas nesta
ânsia de perfeição, um dos que considero mais graves é que crianças, principalmente meninas, estão cada
vez mais cedo sendo introduzidas ao mundo da moda, explorando, forçando uma sensualidade, totalmente
artificial, impossível de se ter aos cinco, seis, sete anos de idade. Outro aspecto que podemos analisar são
as capas das revistas, os comerciais de televisão, os outdoors. Boa parte desses anúncios tem homens e
mulheres, exaltando beleza e juventude, tendo normalmente um biotipo europeu. Não vamos entrar numa
discussão sobre racismo, inclusão e tal, mas, dificilmente vemos estampados negros, asiáticos, alguém de
alguma outra etnia ou uma pessoa com deficiência. Onde estão as pessoas comuns, sem maquiagem ou
fotoshop? E porque não falarmos também da proliferação absurda das clínicas de estética e cirurgia
plástica, onde muitas pessoas deixam suas economias e pagam quantias elevadas que muitas vezes nem
podem gastar em tratamentos de beleza e rejuvenescimento.
Porém, a análise não deve ficar somente nestes aspectos, faz-se necessária uma reflexão mais
profunda e criteriosa, a responsabilidade não é apenas dos fatores externos a nós, pois a mídia mostra e a
indústria da beleza produz, justamente aquilo que queremos que se torne realidade, desde coisas mais
elaboradas como uma técnica cirúrgica inovadora ou um cosmético de última geração até um soutien que
promete elevar ou aumentar o tamanho dos seios. Torna-se um círculo vicioso, os valores do ser
contemporâneo e seus anseios refletem-se na mídia e na indústria da beleza e estas, por sua vez, acabam
retornando em forma de influência para a sociedade. Vale lembrar também, que os nossos modelos de
beleza, bem como todo ser humano tem suas inseguranças e podem estar tentando atingir o ápice, a
beleza máxima, afinal, também são agentes na sociedade, não somente figuras estáticas mostrando sua
beleza para quem quiser ver. Um dia, se a sociedade se tornar mais espiritualizada e mais voltada ao seu
interior, quem sabe a mídia pode refletir outras coisas, como por exemplo, a tão falada frase que ser é
mais importante que ter, e que a solidariedade, o amor a si e ao próximo, a paz no mundo e também a de
espírito são muito mais importantes e perenes, coisas que, por mais que tentemos na busca utópica pela
perfeição do corpo, jamais serão atingidas.

Um ótimo final de semana!!!

Amor de mãe.

29 de julho de 2011 0

Cinco anos se passaram desde o diagnóstico de meu filho. Há cinco anos atrás eu
me desesperava e sentia um buraco abrir-se dentro de mim, uma dor única que sou
incapaz de traduzir, só sei que aquele sentimento era um misto de medo e tristeza
profunda. A revolta deu lugar à luta e após outros períodos angustiantes na evolução
da doença, que exigiram paciência e persistência no tratamento eleito, hoje, saboreio
momentos mais felizes. A felicidade, este sentimento que parecia ter me abandonado
no momento do diagnóstico do autismo, voltou a acalentar meu coração. Sinto-me
feliz ao ver meu filho feliz quando nos acompanha nos passeios de final de semana, na
rotina do dia a dia, nas viagens de avião, nos banhos de mar e de piscina, na chegada
e saída da escola, na prática da atividade física e no convívio com os demais. Sinto-me
feliz de poder cuidar de mim, de freqüentar a academia, de ir ao salão de beleza, de
ler, de olhar televisão, sair para jantar, tomar uma cerveja e viajar com meu marido.
Sinto-me feliz por ter este marido companheiro que é um pai extraordinário, que leva
e busca o filho da escola, que vai a todas as consultas pediátricas e estuda a noite
inteira o que é up date na literatura médica sobre o autismo. Só não gosta de ir à
parques e tomar sol, mas daí já seria pedir demais…

Se eu consegui resgatar a alegria de viver e o prazer de pequenos momentos, acho
que já sou vitoriosa. Hoje posso dizer que a vida vale a pena mesmo com traçados tão
estranhos a nossos olhos e repertórios tão distintos de nossos sonhos infantis.

Portanto, sofra somente quando for inevitável e reserve um lugar no seu coração para
a alegria reencontrar a sua morada e te devolver a paz.

Silvia Sperling.

Ajudando num trabalho

17 de julho de 2011 0

Turma.

Recebemos mais um questionário de uma turma de técnicas de enfermagem

Vamos tirar um tempinho e responder?


Questionário  para para avaliar como a enfermidade interferiu na qualidade de vida dos pacientes. Será utilizado para coletar dados para um projeto de pesquisa sobre a  ‘qualidade dos cuidados de enfermagem na prevenção de úlceras por  pressão.’

Suas experiências ajudarão outros pacientes a não sofrerem com a lesão por negligência nos cuidados de enfermagem.

Os resultados da pesquisa e a apresentação do projeto serão apresentados dia 27/09/2011 no anfiteatro da Escola da Fundação Universitária de Cardiologia.

Seus dados pessoais e identidade serão preservados durante o todo o  projeto.


Peço que o questionário seja respondido no período de 18/07  à  24/07/2011.

Após respondê-lo favor enviar para o e-mail    angélica.b79@gmail.com

Desde já agradeçemos a colaboração!!!

Att;

Angélica Bastos e Luana de Castro


QUESTIONÁRIO

Nome: __________________________________________________ Idade: _______

Sexo: (  ) feminino (  ) masculino                  Telefone: (____) _______________

E-mail: __________________________________________

Endereço: ____________________________________________________________


1. Qual o motivo da sua internação?

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


2. Qual o tipo de sua internação?

(  ) Particular

(  ) Convênio

(  ) SUS


3. Onde ocorreu sua úlcera de pressão?

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


4. Após quanto tempo de internação ocorreu a primeira lesão?

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


5. Você acha que houve negligência nos cuidados de enfermagem?

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


6. Você lembra se mudavam sua posição no leito?

(  ) sim (  ) não

Quantas vezes por dia? ______


7. Na sua opinião sua higiene era realizada corretamente?

(  ) sim (  ) não


8. No seu caso a que você atribui o aparecimento da úlcera de pressão?

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


9. Como você avalia o transtorno que isso causou na sua recuperação.

_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


Deu o que falar.

05 de julho de 2011 0

Olha que legal!

Até o Comitê Paraolímpico Brasileiro publicou.

Quer saber?

Clica aqui

Bocha em POA

07 de junho de 2011 0

É isso mesmo galera

Todo sábado das 10 da manhã atté meio dia, tá rolando aulas de bocha, fica na Gonça;ves Dias 628

É ‘di grátis’, o responsável é o Leandro,

Contatos:

leandrocsn@gmail.com ou pelo telefone  99616480

Vamos lá?

Clica aqui e aparece lá

Esclerose Múltipla

26 de maio de 2011 0

Esse é o símbolo da luta por melhor qualidade de vida das pessoas com Esclerose Múltipla.

Ontem dia 25 de maio foi o Dia Internacional da Esclerose Múltipla

A AGAPEM promoverá um encontro, no próximo domingo, na Redenção, mais precisamente em frente ao Monumento Expedicionário, lá haverá distribuição de panfletos, informações sobre a Associação, sobre a esclerose.

Estarão lá das 9:30 até meio dia.

O convite foi feito, dá uma chegadinha lá.

No pediatra!

22 de fevereiro de 2011 1

Sexta fomos ao pediatra.

Ana Sofia, papai e mamãe. Antes dela nascer, eu havia pesquisado umas clínicas e fui em duas pediatras que gostei bastante.

O consultório de uma é um sobradinho, mas quando liguei e perguntei do acesso, ela falou que atenderia no andar de baixo, no consultório de um colega. A outra que também gostei, o consultório é apertadinho, tem umas cadeiras perto da porta que impede a porta abrir totalmente, mas quando eu vi, pensei: Bom! Quando o Milton vier é só empurrar os bancos.

No dia do parto, a pediatra que atende no sobradinho tava na praia, como tínhamos o plano B, tudo certo.

Sexta na primeira consulta de revisão, pra nossa infeliz surpresa, inclusive da pediatra, o Milton não entrou sequer na clínica, os tais bancos eram grudados no chão. A pediatra disse que gastou uma grana prum arquiteto e ele simplesmente esqueceu de tornar o consultório acessível.

A pediatra mudará de endereço em junho, gostamos dela e estamos na dúvida trocar ou não trocar? Deixei o Milton decidir.

É incrível, como até mesmo consultórios e clínicas médicas são esquecidos.

Uma pena!

Nossa Miúda já tem 10 dias.

Mudança radical

01 de fevereiro de 2011 0

Durante todo o tempo em que tentávamos engravidar, minha preocupação era exclusivamente engravidar.

Agora grávida, as preocupações já são outras e dentre elas a organização da casa.

Um cadeirante, um bebê e uma mãe pra lá de primeira viagem terão que se virar do jeito que der e vier e, sozinhos.

Claro, que amigos não faltaram  com o : “Qualquer coisa me liga…” Mas convenhamos, não dá pra ligar pra eles por qualquer coisa,né?

Umas das decisões que tomamos foi o parto cesariano, embora eu e Ana Sofia estejamos ótimas, resolvemos optar pelo PC, as ongs, campanhas publicitárias e defensoras do parto normal agora já devem até ter parado de nos ler.

Mas imaginem, fevereiro + Porto Alegre= praia, ou seja, todo mundo: Médicos, amigos, conhecidos e todas as pessoas que possivelmente te ajudariam numa emergência de uma “bolsa estourada” estão na praia. Marcando uma data, pelo menos os médicos estarão no hospital. Assim espero!

Além disso e, embora o Milton se vire bem em muitas situações domésticas e pessoais, ele depende de alguém, pra muitas outras situações, já é difícil termos essa pessoa com antecedência, imagina de última hora.

Fevereiro inicia e trará uma grande mudança nas nossas vidas, dessa vez uma mudança maravilhosa e pra lá de desejada.

Seja o que Deus quiser, seguirei os sábios conselhos da minha mãe:” Minha filha, pé de galinha não mata pinto”.

Que venha Ana Sofia  que Papito e Mamis te aguardam, mesmo sem saber por onde começar!

A saga das sondas

24 de janeiro de 2011 1

Um dia, resolvemos solicitar ao Estado que nos fornecesse sondas.

1° Passo, fui ao posto de saúde e me disseram que eu tinha que falar com a assistente social

2° Passo falar com a assistente social, que só recebia 10 pessoas às sextas-feiras. Na primeira sexta- feira perdi minha viagem, embora tenha chegado ao posto às 6 da manhã, as fichas já tinham sido entregues, só na próxima sexta.

Sexta seguinte consegui falar com ela, levei todos os documentos que eu julgava ser necessário pra solicitação, mas é claro que eles não foram suficientes.

Terceira sexta-feira, já com os documentos em mãos, ela me fala que o Estado não fornecia sondas, mas que poderia solicitar, mas como ninguém tinha orçamento nenhum, eu tinha que fazê-lo.

Quarta sexta consecutiva, lá estava eu novamente, com documentos, orçamentos, papéis e mais papéis. Entreguei e a partir dali era pra eu ir ligando pra secretaria, pra saber quando teria uma resposta.

Quase 3 meses depois obtive resposta, o Estado pagaria as sondas, mas só chegariam a partir de tal data, esperamos mais uns 45 dias e finalmente fui pegar as 200 sondas solicitadas pra um mês de uso.

Assim que recebi, perguntei se no mês seguinte eu poderia pegá-las ali mesmo, eis que a assistente social falou que não, que pra todo mês que eu precisasse de sonda, eu tinha que refazer a jornada e esperar, ou seja pra receber 200 sondas por mês, eu gastaria no mínimo uns 3 meses peregrinando.

Não satisfeita fui à defensoria pública.

Acordar de madrugada, pegar ficha e ouvir da estagiária ( a defensora, não atende, ou não atendia na época, não posso falar quem atende por ela hoje), a resposta foi animadora:

Desista ou entre com um advogado particular, porque sinceramente vocês não vão conseguir as sondas por aqui.

Quase seis meses perambulando pra lá e pra cá, fui vencida! Desisti mesmo, continuamos comprando as sondas.

Ontem assistindo uma reportagem do Dráuzio Varella na TV, ele falava da evolução do nosso sistema de saúde, não posso deixar de concordar com ele, mas não acho justo qualquer pessoa pode chegar hoje em qualquer posto de saúde e ganha camisinha, nós pra podermos ganhar sondas temos que prestar tantas contas e assim mesmo não conseguimos ganhar?

Um pacote com 3 camisinhas custa R$ 2, 3 sondas R$1,20. Pra conseguir ganhar as sondas precisamos mostrar e provar a necessidade do Milton ou qualquer outro paciente, que o uso da sonda é tão necessária quanto qualquer outro medicamento de uso contínuo, já uma camisinha se um jovem de 13 anos chegar num posto e pedir camisinha ele ganha, camisinhas são distribuídas aleatoriamente no carnaval, nas ruas onde a prostituição é uma referência, como a Farrapos e São Carlos aqui em Porto Alegre, é comum vermos distribuição das camisinhas, por que com as sondas é diferente?

Não quero que parem com a distribuição de camisinhas, quero mesmo é que sondas sejam distribuídas a quem precisa e, não acredito que uma pessoa finja precisar de sonda pra dá o golpe no cofre público.

Gente! A Ju tá na PUC com pneumonia, orações e energias positiva pra ela.

Gastos & Ga$to$

11 de janeiro de 2011 0

Hoje fui comprar sonda.

No caminho fiz uma simples conta.

Em qualquer governo, sabemos que há os famosos cargos comissionados, vulgos CC.

Imaginei o seguinte: Se um CC que ganhe R$15.000,00 por mês, for demitido e, alguém tiver a brilhante idéia de com este salário comprar sondas pra doações, só o salário dele compraria 40 mil sondas.

Fica a dica!

FELIZ 2011

28 de dezembro de 2010 1

Amigos!!!

2010 não foi fácil, mas se formos pensar, todo ano que passou, aconteceram perrengues, tristezas e alegrias.

Quando começa um novo ano,  a expectativa de dias melhores, reaparece.

Em 2011 desejamos toda felicidade do mundo, tudo adaptado, um mundo acessível, inclusivo e real. Que as rampas saíam do papel, que os elevadores funcionem, que sumam os buracos das calçadas, que apareçam mais e mais pisos táteis.

Feliz 2011!!!

Mais uma vitória em nossas vidas!

Uma Bela Quadri-história

13 de dezembro de 2010 0

Natal chegando, nossos corações nessa época se tornam ainda mais sensíveis.
Tenho na minha caixa de e-mails, 2 belíssimas histórias de amor, superação, maternidade, paternidade.
Primeiro vou presentear-lhes com a tetra-quadri história do Luís Fernando. Peguem os lencinhos que a história vai começar…
Era uma vez em Votuporanga, interior de São Paulo, um rapaz chamado Luís Fernando, casado com a Maria, depois de 4 anos de amizade, 7 anos de namoro e finalmente o casamento, o Luiz e a Maria resolveram ter filhos.
Acontece que o Luiz Fernando é tetraplégico, o que dificultou um pouco a vinda dos filhos, depois de quase 4 anos tentando aumentar a família com a vibro-ejaculação e sem resultado, o casal partiu pra uma FIV, feita no Centro de Reprodução Humana de São José do Rio Preto, com um detalhe, eles tavam sem grana e fizeram um empréstimo pra poder realizar o sonho.
Eis que em 16 de abril de 2005, na primeira FIV, a Maria engravida.
Em 19/12/2005, na Santa Casa de Votuporanga, com 48 cm e pesando 3.220 kg nasce a Nicolly, vítima de descasos, negligência, imprudência, imperícia e abandono a Nicolly, falece poucos dias após seu nascimento, clica aqui pra saber detalhes de tanta negligência que causaram a dor de uma família.
No meio a tanta dor e sofrimento, mais um baque na vida do Luís Fernando em 20 de junho de 2008, seu pai falece, acontece que antes de partir, o Seu Milton, fez um empréstimo pra que Luís Fernando, fizesse outra FIV e mais uma vez a cegonha bateu na porta do casal, em 19 de junho de 2008, um dia antes de dar adeus à família, seu Milton descobre que será avô e de, até então, trigêmeos.
Num exame de rotina, mais uma surpresa, nossos amigos descobrem, que um dos saquinhos gestacionais, havia se dividido, ou seja eram 4 bebês, numa única barriga.
Olha o vídeo do nascimento aqui. Segura a lágrima

Querem saber mais??? Vai no blog do Luís Fernando que ele relata dia a dia dessa turminha de corintianos.
Como vocês bem sabem, 4 boquinhas em casa é uma bela de uma despesa, então, vou divulgar a conta do Luís Fernando e da Maria, pra quem quiser ajudar.
Luís Fernando Ferreira e/ou Maria da Silveira Rossi
BANCO DO BRASIL
Agência: 6745-8
Conta Poupança: 15.684-1
Votuporanga/São Paulo – Brasil.

Pra finalizar, olhas os 4 lindos da tia, nos dias atuais.

Solidariedade em Porto Alegre

25 de novembro de 2010 0

Reproduzo aqui a notícia que li hoje no site da Prefeitura de Porto Alegre:

A Carris lança nesta quinta-feira, 25, o projeto Linha Solidária, em solenidade a partir das 10h30, no Paço Municipal (Praça Montevidéu, 10). Com o objetivo de incentivar a cidadania em Porto Alegre, a empresa irá destinar um ônibus personalizado para o transporte de grupos de pessoas para doação de sangue nos postos de coleta da Capital. O projeto conta com apoio do Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul (Hemorgs) e dos hemocentros da Santa Casa de Porto Alegre, Hospital de Clínicas e Hospital de Pronto Socorro.

A ideia principal do projeto é manter viva, durante todo o ano, a chama da solidariedade, culturalmente acesa em vésperas de feriados como o Carnaval, época onde campanhas desse tipo ficam evidenciadas. O agendamento do serviço funcionará através do telefone 3289.2100 (ramal 179) ou pelo e-mail linhasolidaria@carris.com.br. A empresa se coloca à disposição para efetuar o cadastro de todos os postos de coleta de sangue que queiram utilizar o serviço e demais setores da sociedade interessados em participar dessa ação de solidariedade.

Muito legal este tipo de iniciativa!

QUER DANÇAR? ENTÃO VEM!

25 de novembro de 2010 0

Esqueça ideia de que cadeirantes e outras pessoas com deficiência não pode dançar. Sim, nós podemos.  E nos dias 05 e 12 dezembro rola um curso para professores e estudantes de dança que tem interesse na dança acessível.

O curso com carga horária de 16 horas e investimento de 160 pilas será ministrado pela professora Carla Vendramim. Sente o currículo da mulher: Mestre em coreografia pela Middlesex University/Londres (2008). Pós-graduada em Dança Cênica, pela UDESC/Florianópolis (2002). Graduada em Fisioterapia pela Feevale/Novo Hamburgo (1997). Professora na escola West Lea (Londres) com crianças do ensino especial (2010). Professora assistente em vários projetos da Companhia de Dança Candoco: Foundation Course (2005-2007), ADAPT Project (2007-2008), Youth Company (2008), Londres. Trabalhou com as Cias Dance Art Foundation, Entelechy e a escola Newvic onde croui projetos de dança com pessoas com deficiência intelectual do Centro Markhouse.

A Carla também está recrutando voluntários e pessoas com deficiência para participar gratuitamente de dois workshops  também nos dias 05 e 12 de dezembro das 09h30 às 11h. Bóra lá aprimorar o rebolado!


CURSO:  PRÁTICA DE DANÇA ACESSÍVEL com Carla Vendramim

Conteúdo:

Estratégias para a prática de dança com grupos e técnicas diferentes.

Princípios chave de trabalho e elementos de um ambiente de aula acessível.

Princípios chave de comunicação e relacionamento.

Discurso de uma prática inclusiva de dança e do uso de linguagem e terminologia.

Conceito sobre o Modelo Social sobre Deficiência.

Uma visão geral de conhecimento sobre grupos de prática de dança integrada do Reino Unido.

Carga Horária: 16 horas

Dias: 05 e 12 de dezembro/2010

Horário: das 09h às 18h

Local: CEC – TERPSÍ – Museu do Trabalho – sala de dança – Rua dos Andradas, 230 – Porto Alegre

Investimento: R$ 160,00

Público Alvo: Pessoas com e sem deficiência, com ou sem experiência em dança, professores de dança, professores de artes e estudantes de dança.

Realização e Inscrições: Terpsí Teatro de Dança – www.terpsi.com.br

Maiores Informações: terpsi.contato@yahoo.com.br | (051) 9306-0982

http://www.carlavendramin.com



Hidroterapia

27 de outubro de 2010 7

“Vem chegando o verão…”

Milton  resolveu mudar a rotina e fazer uma hidroterapia.

Fomos em alguns lugares e nenhum deles aceitavam o plano do Milton, mas todos foram muito  simpáticos e, simplificando a história, pagando não há problemas, é marcar, chegar e  fazer a hidro.

Milton resolveu ligar pro plano e saber como fazer, já que não achou nenhum lugar conveniado. Eis que o plano achou um único lugar e ligamos pra lá.

Já nessa clínica especializada em reabilitação e conveniada, o Milton sofreu um interrogatório que não sei como posso classificá-lo, se humilhante, ridículo, desnecessário, restritivo…

Fisioterapeuta da clínica:

-Você é gordo? É pesado? Porque se for muito pesado complica

-Não

- Qual o nível da sua lesão?

- C5 -c6

-É muito alta, nesse caso você tem que vir acompanhado por alguém, porque aqui na clínica não tem ninguém pra ajudar você, principalmente pra entra e sair da água, mudar de roupa, se secar.

-Olhe a minha dificuldade é justamente essa, entrar e sair na água, o resto, faço  sozinho, não preciso de ninguém, me viro bem sem ajuda.

- Então sozinho você não pode vir, tem que trazer alguém pra ajudar

- E suas necessidades fisiológicas? Caso você não tenha total controle, não podemos aceitar, pra evitar que a piscina se contamine, precise fechar pra limpeza e  ficarmos no prejuízo, por isso é fundamental que você tenha controle

-Quanto a isso não tem problema, eu sei a hora que preciso fazer xixi e coco.

-Pois é mesmo assim, você precisa ser avaliado pelo fisioterapeuta daqui, só a indicação médica não adianta, você realmente precisa passar pelo nosso fisio, blá, blá…

Resumi bastante o papo entre o Milton e a simpática fisioterapeuta responsável pela clínica, (apesar de fazer essas perguntinhas, ela sempre foi muito educada)

O que eu achei estranho foi que nos outros lugares que fomos, e fomos em quase todos de Porto Alegre, não havia restrição de absolutamente nada, inclusive quando falávamos que o Milton não conseguiria entrar e sair sozinho da piscina, todos falaram que não haveria o menor problema,  pois as clínicas estão preparadas pra todos os tipos de paciente, inclusive os que não andam.

Não me dei por satisfeita, mas infelizmente não tive tempo de ir à clínica conveniada, irei lá e, como paciente particular  quero saber se eles farão esse mesmo interrogatório restritivo, porque eu obviamente denunciarei a clínica, por enquanto não citarei o nome dela aqui, fica o suspense no ar…