Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Os extremos de Joanesburgo

13 de julho de 2010 7

Vaidade em rua de Hillbrow. Foto: Pedro Rockenbach

Por Pedro Rockenbach

Perdidos à procura da rodoviária, paramos no meio do bairro Hillbrow, em Joanesburgo, a maior cidade da África do Sul, com 5,3 milhões de habitantes. O alto índice de criminalidade, maior que os números do próprio país, torna esse bairro o mais perigoso no território sul-africano.

Lixo nas ruas, prédios decadentes, com aspecto de sujos e cheios de roupas nas varandas. Assim é Hillbrow, uma favela urbana cravada no Centro de Joanesburgo. Improvisadas com pedaços de pau e lonas, as barracas, que abrigam desde produtos piratas até comida, agravam ainda mais a péssima imagem do bairro.

Rua Bree, em Hillbrow. Foto: Pedro Rockenbach

Para piorar, as milhares de vans, o principal (e praticamente o único) meio de transporte na cidade deixa caótico o trânsito. O tráfico de drogas também circula fácil pelas ruas e vielas do bairro, sob o comando da Máfia Nigeriana.

Sandton, o outro lado da moeda

Cidade de extremos, Joanesburgo vai do bairro mais violento do país ao mais rico (ou pelo um dos mais). A 12 quilômetros de Hillbrow, fica o famoso, caro, chique, seguro, bonito Sandton.

Do lado direito, uma das entradas do Nelson Mandela Square. À esquerda, a porta de acesso ao hall do Hotel Michelangelo, em Sandton. Foto: Pedro Rockenbach

As espaçadas e limpas avenidas desse levam a lojas de diamantes, escritórios de multinacionais, ao Nelson Mandela Square, um imenso shopping que abriga as melhores grifes do mundo. As ruas do bairro gastam os pneus de ferraris, lamborghinis, land rovers.

Lugares tão diferentes tiveram muitas semelhanças durante a Copa do Mundo. Os dois bairros eram ponto de saída para os estádios Ellis Park e Soccer City.

De Hillbrow saiam as vans recolhendo pela cidade os menos abastados. De Sandton partiam ônibus leito gratuitos. A semelhança entre os dois também estava no comércio. Em ambos os locais, todas as lojas e barracas exploravam o mundial, apenas com pequenas diferenças de preços de bairro para bairro.

As vans trabalham em menor número nos lados de Sandton. Foto: Pedro Rockenbach

Comentários (7)

  • Pedro Paulo diz: 14 de julho de 2010

    Cara, esse contraste foi fabuloso.

  • Hudson diz: 14 de julho de 2010

    Isso também tem de monte por aqui. Olha Jurere e outros pontos da cidade.

  • Paola Hubler diz: 14 de julho de 2010

    Grande comparação, é triste ver esses dois extremos.

  • Anônimo diz: 14 de julho de 2010

    Traz uma dessas aí pra mim, pago em floripa.

  • Ricardo Martins diz: 14 de julho de 2010

    Grande gurizada, vocês fizeram o que os outros que foram pagos não fizeram. Tá sensacional

  • mel diz: 14 de julho de 2010

    caminhei por jo´burg tranquilamente.

    é lógico q não fui com anéis, relógios, óculos escuros, salto alto…

    e tá tudo certo.

    a máfia nigeriana é complicadinhas mesmo.

  • Anônimo diz: 14 de julho de 2010

    É emocionante saber que esse contraste toma conta do mundo,exelente trabalho. Quanto a éssas maquinas que loucuuuura nuca vi por aqui , e se tem aonde? quero pelo menos conhecer.

Envie seu Comentário