Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Shosholoza

20 de julho de 2010 7

Por Diego Madruga, Pedro Rockenbach e Renan Koerich

Escrevemos este texto já em terras brasileiras. Depois de 45 dias de viagem, cerca de 7 mil quilômetros percorridos por todas as regiões da África do Sul, cruzar centenas de cidades e parar em algumas dezenas delas, entrevistar mais de 50 personagens e conversar com mais tantas outras pessoas das mais variadas classes, raças e países, voltamos para onde tudo começou. Nossa casa.

Dormimos no carro quando faltou abrigo. E quando havia abrigo, mas o número de pessoas para ocupá-lo era superior ao espeço disponível, dividimos sem frescura em seis um quarto para dois. Descobrimos que na estrada, qualquer teto com chuveiro é sempre uma oportunidade que não pode ser desperdiçada. Nunca sabemos onde será a próxima guarida. Depois de três dias sem banho, qualquer água encanada caindo na cabeça vale mais que ouro.

Nossas refeições eram das lanchonetes de fast food, por causa do preço atrativo, o que resultou em pelo menos três quilos a mais em cada um. Às vezes nos dávamos ao luxo de pedir pratos de macarrão para perder um pouco de repulsa depois de empurrar hambúrgueres por dias seguidos.

Essa foi parte da nossa empreitada para mostrar a Copa do Mundo que ninguém vê. O país do mundial muito além das linhas dos gramados, dos jogadores milionários, do que víamos pela televisão. Era esse desconhecido que nossas pernas poderiam alcançar. Empreitada que também serviu para saciar o nosso espírito aventureiro. Crescemos como jornalistas e amadurecemos como seres humanos.

Caminhamos por favelas do continente mais pobre do planeta, fomos o centro dos olhares (e isso nem sempre é uma coisa positiva) em vilas tribais que desconhecem qualquer outra língua além da herdada pelos ancestrais. O inglês e nada nesses lugares são sinônimos. É impossível passar indiferente por uma experiência dessa.

No caminho contamos com o melhor dos combustíveis: as pessoas. Os elogios e as críticas eram a nossa bússola. Eles ditavam se estávamos na direção certa. Esperamos ter suprido as expectativas e agradecemos a todos que nos apoiaram, acompanharam e comentaram neste espaço.

Agradecemos aqueles que cederam espaço ao nosso projeto. Obrigado por dispensar tempo lendo nossos textos, editando para a edição impressa, destacando nas capas dos veículos on line, chamando para os áudios nas ondas do rádio.

Barbara Lins, jornalista de TV Globo de Brasília, esteve conosco nessa viagem. Jovem de 24 anos que teve a mesma ideia que a nossa, porém com um pouco mais de coragem. Desembarcou na África do Sul sozinha. Muitas das histórias contadas aqui tiveram a participação dela.

Durante esses 45 dias estivemos sem rumo na Copa. O mundial acabou e a nossa viagem também. A partir de agora é saber aproveitar o que nos foi dado e seguir em frente, ou em zulu, shosholoza.

Sem Rumo na Copa acompanhado de sul-africanos numa vila, na região de Eastern Cape


Visualizar Sem Rumo na Copa em um mapa maior

Comentários (7)

  • Israel Ferreira Duarte diz: 20 de julho de 2010

    São e salvos!

  • sandra diz: 20 de julho de 2010

    Shosholoza!!!!!
    Valeu meninos!
    Parabéns pelo excelente trabalho!
    Na vida é importante aproveitar as oportunidades e vcs souberam aproveitar.
    Esta copa foi diferenciada.
    Não foi na Europa, continente rico e bastante cobiçado por todos. Não foi na América onde todos sonham em ir.
    Quem na sua sã consciência quer ir para a África?
    Todos sempre falam: – Quero ir para a Europa! Quero conhecer os Estados Unidos!
    Mas com a ajuda de vcs conhecemos uma cultura muito rica e bastante interessante. Nos ajudando a ver que a África não é só pobreza e doenças mas sim um lugar lindo e de um povo bastante alegre e surpreendente!
    Bem parecidinhos com a gente, com o povo brasileiro que apesar de sofrido segue sempre em frente!!!!!
    bjao e mantenham esse trabalho maravilhoso de vcs!

  • sonia diz: 20 de julho de 2010

    Parabéns!
    Adorei o blog!
    bjao!

  • tereza diz: 20 de julho de 2010

    Que peninha que acabou!
    Gostei muito de vcs!
    continuem!
    um bjao!

  • Guisela.k diz: 20 de julho de 2010

    Fiquei viciada no sem rumo.
    E agora guris?
    Valeu D++++

    Parabéns !!!!!!

  • Joao Lucas Lima diz: 21 de julho de 2010

    Parabens, trio! Voces foram sensacionais: corajosos, determinados e com uma unica missao, que voces mesmos definiram: mostrar o pais da Copa que ninguem ve. Desde quando soube da existencia do blog, passei a acompanhar e, de fato, o continente africano e’ uma coisa incrivel. As pessoas daqui distribuem sorriso gratuito e sei que isso foi importantissimo para voces, assim como foi e esta’ sendo para mim. Me identifico com este ultimo texto de voces porque, de fato, a Africa e’ uma sala de aula sem professores, sem carteira e sem conteudo. Simplesmente aprendemos coisas que, talvez, nunca aprenderiamos na nossa vida pelo simples fato de estar aqui. Mais uma vez, mesmo, PARABENS pelo trabalho que fizeram. No proximo mochilao, nao esquecam de chamar esse cara aqui que ta cheio de vontade para se aventurar por esse mundo tambem. Londres 2012 e Brasil 2014: ja comecem a planejar a viagem. HAHA
    Eu ainda estou por aqui, vou embora dia 7 de agosto e, assim como voces, vou dar uma viajada. Namibia, Botswana e Zimbabwe sao os 3 paises que escolhi para conhecer, alem da Africa do Sul. Sem Copa. Sem companhia. Sem planos. As vezes e’ bom viver essa vida doida.
    Curti muito o blog de voces e sei que serao excelentes jornalistas.
    Abracao

  • fabrizio diz: 19 de agosto de 2010

    fala aeh rapaziada!! e aeh FIUK, tdo bem? estao lembrados de mim?? eu era um dos muleques que estavam em cape town hospedados ali perto de vcs, blz? ta bom, se nao lembraram ainda, com certeza agora sim: O MIKA HAKINNEN, ELE É BOIOLA, SENTA MAIS, SENTA MAIS, SENTA NA MANDIOCA!!! HAHAHA…. manda o email de vcs ai…tenho umas fotos aqui comigo que vcs estao! grande abraco! fabrizio

Envie seu Comentário