Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Dor e incerteza na vida do mecânico

04 de julho de 2012 0
Amanda Munhoz
amanda.munhoz@diariogaucho.com.br

A única que está curtindo a estadia permanente de Antônio Vieira, 53 anos, em casa é a Nina, a pinscher da família. No entanto, a cadelinha sequer tem noção do sofrimento do dono, que está desde abril com o braço quebrado e sente muitas dores.

O morador da Vila Anair, em Cachoeirinha, há ano sofreu um acidente e quebrou um osso do braço, o úmero direito.

- Não pude esperar. Consegui R$ 4,2 mil emprestados e fiz o procedimento particular – afirma o mecânico.

Encaminhamento para cirurgia

Há três meses, Antônio, que já estava autorizado a voltar ao trabalho, sentiu uma dor forte no braço. Quando chegou à casa, percebeu que o osso que tinha quebrado no acidente estava fora do lugar. A platina da cirurgia estava deslocada. Desde então, começou a peregrinação por um procedimento cirúrgico.

O médico da empresa na qual ele trabalha emitiu um laudo indicando que o caso era para cirurgia. O sistema de saúde, no entanto, obriga que o paciente faça uma triagem até que consulte com o especialista. Antônio, orientado pela Secretaria Municipal da Saúde, procurou o Posto de Saúde Otacílio Silveira, na Vila Anair. Fez os exames, que constataram a fratura.

- Nova consulta para setembro

Por não ter traumatologista na cidade, o posto o encaminhou para o Centro Clínico Parque Belém, em Porto Alegre. Chegando lá, a surpresa:

- Não tinha esse especialista e pediram para eu voltar ao meu posto de referência. Colocaram na receita que eu deveria tomar Paracetamol e pronto – revolta-se Antônio.

Sem saber o que fazer, ele voltou ao Otacílio Silveira. Uma nova consulta foi marcada. Para o desespero da família, é só para daqui a três meses.

- Até quando vai esse sofrimento? Faço o que posso, mas a dor é constante – desabafa a dona de casa Jussara de Oliveira Vieira, 51 anos, mulher de Antônio.

- A posição da secretaria – O município entende que o paciente deve voltar à instituição particular que fez a cirurgia. Tem direito à reavaliação. Deixa claro que não nega encaminhamento a um especialista, mas informa que há uma grande fila à espera. Estão sendo encaminhados os agendamentos de 2010.


Bookmark and Share

Envie seu Comentário