Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Afinal, a Amazon ajuda ou atrapalha o mercado de livros?

24 de novembro de 2014 0

amazon-logo-a-smile-black

As opiniões são contraditórias quando tratam da gigante dos livros Amazon, que estreou na venda de livros físicos no Brasil há três meses, e sua influência no mercado.

Apesar de ter um papel importante na explosão de livros autopublicados, que representam 30% dos livros mais vendidos em sua loja virtual, os questionamentos acerca da concorrência predatória praticada pela empresa causam o medo de que pequenas e médias livrarias sejam engolidas e desapareçam na disputa.

Sendo usuário do Kindle, o leitor de livros da Amazon, e cliente da loja de livros físicos, admito que nunca tive tantos títulos baratos a um clique de distância – e frequentemente com frete grátis. O sistema de classificação da Amazon e a qualidade de sua pesquisa fazem frente a qualquer concorrente no mundo. Seja por título, por autor, por preço ou por categoria de interesse, a precisão da busca só não impressiona mais do que as indicações baseadas nos gostos do usuário.

Segundo o livro O Filtro Invisível, O Que a Internet Está Escondendo de Você, de Eli Parisier, desde que a Amazon foi lançada, em 1995, ela foi uma livraria que já vinha personalizada, imitando o tempo do pequeno livreiro que nos conhecia tão bem a ponto de saber que tipo de livros gostaríamos. Isto se dá através do algoritmo retroalimentado: cada busca feita, livro concluído ou livro deixado para ser lido depois importa no entendimento da loja, que se molda a partir do seu gosto e comportamento. Basicamente, a Amazon “vende bilhões de dólares em produtos prevendo o que cada cliente procura e colocando esses produtos na página principal de sua loja virtual”.

Se a experiência, a variedade e o preço são melhores do que o que as livrarias podem oferecer, devemos culpar a Amazon, as livrarias ou os governos por possíveis compressões no mercado? Mais, os clientes devem se preocupar em mudar sua maneira de fazer compras? É correto limitar as facilidades que a população possui para adquirir livros, portanto, conhecimento?

Eu gostaria de ver um incentivo a autores, editoras e livrarias, redução nos impostos, enfim, melhorias que fizessem com que os pequenos pudessem alcançar a casa das pessoas tanto quanto os grandes – e não a criação de empecilhos para quem está liderando o mercado. O país só tem a ganhar se cada pessoa, tendo a facilidade de comprar através da internet ou não, puder carregar um livro consigo enquanto usa o transporte público para chegar ao seu local de trabalho ou estudo.

Envie seu Comentário