Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "youtube"

O novo Google+

18 de novembro de 2015 0

image

O Google anunciou ontem mudanças no Google+, a rede social que eu já falei aqui no Spot que não entendo por que não uso.

Pra conhecer a nova versão, é preciso esperar aparecer um aviso, o que ainda não aconteceu comigo. Estou ansiosa como costumo ficar diante de novidades. O Google Discovery explica que o foco será em comunidades e coleções. Como o YouTube e os Hangouts estão cada vez mais independentes de uma conta no Google ou um perfil no +, acho que dá pra esperar muita mudança.

Alguém já experimentou?

YouTube está aprendendo qual o melhor thumbnail para seu vídeo

14 de outubro de 2015 0
Reprodução / Google Research Blog

Reprodução / Google Research Blog

O blog do Google Research sempre traz algumas explicações e bastidores legais das práticas do Google. Por isso, eu sigo e sempre dou uma olhada no seu perfil no Twitter.

Vi um post recente que fala das melhorias nas thumbnails no YouTube, as imagens estáticas que representam o vídeo antes de ele rodar ou na área de relacionados, e me interessei.

Os thumbnails são muito importantes para a descoberta de novos conteúdos. Quando você assiste a um vídeo, são eles que podem atrair seu próximo clique. Eles são também a primeira impressão, o que faz com que canais estabelecidos, especialmente os que monetizam seu conteúdo no site, façam imagens especiais, trabalhadas, para chamar a atenção do usuário.

Através de um trabalho com Deep Neural Networks (DNN), os profissionais do Google ‘treinaram’ um programa, alimentando-o com exemplos positivos desses canais, para que ele saiba qual o padrão de um bom frame.

Novamente, o Google se beneficia do grande número de pessoas que usam seus serviços. Como eles têm de canais de pets a jogos de videogame, podem usar todo esse material como orientação para as escolhas da máquina.

Através de um cálculo de pontuação de qualidade, dada pela semelhança com os frames ditos corretos, são escolhidos os thumbnails com os melhores resultados. Em comparações feitas com o algoritmo anterior, 65% das vezes a solução mostrou imagens consideradas mais adequadas do que as que eram oferecidas anteriormente.

Recentemente, o novo método foi introduzido no YouTube, então se você sobe vídeos por lá deve notar uma melhora nas escolhas automáticas.

Essa é mais uma prova de que as máquinas não precisam pensar, mas sim entender instruções e critérios. Se elas aprenderem a escolher as melhores imagens, com foco correto, melhor enquadramento, tipografia mais legível ou qualquer outro parâmetro usado, isso pode influenciar até a ordem em que imagens aparecem na pesquisa do Google, com critério qualitativo somando-se ao algoritmo.

Eu já fiz um post sobre o programa da empresa que tentava legendar fotos a partir de seus elementos. Acho bem legal esse tipo de pesquisa e dou a maior força. :)

Por que os fundadores do Google ganharam US$ 4 bi em um dia?

20 de julho de 2015 0

Screenshot_2015-07-19-21-30-01

O pessoal do Google está rindo à toa. No dia do anúncio de lucros do segundo trimestre de 2015, as ações da companhia na bolsa de Nova Iorque cresceram mais de 10%, valorizando a empresa em aproximadamente 60 bilhões de dólares – o que garante 4 bilhões de dólares a mais para cada um de seus fundadores. O crescimento estabeleceu um novo recorde, passando a Apple, que faturou 46,2 bilhões em um único dia de 2012.

No acompanhamento ao vivo da riqueza de bilionários do site da Forbes, Larry Page chegou ao patrimônio líquido estimado de 35,9 bilhões de dólares, o que faz dele a décima quarta pessoa mais rica do mundo. Sergey Brin foi a 35,3 bilhões, o que o posiciona em décimo sexto.

Mas o que motivou essa valorização das ações?

Segundo análise da Forbes, primeiro, os números robustos. Os resultados do Google superaram em 90 milhões de dólares a projeção de vendas para o trimestre, que era de 14,26 bilhões.

Quanto ao medo de que a companhia não lucraria tanto em mobile quanto lucrava em PCs, os executivos reforçaram que o ganho com buscas em dispositivos móveis foi particularmente forte nesse trimestre, diminuindo a distância para o desktop. O Android, sistema operacional da empresa, não foi citado, mas certamente contribui para esse resultado.

O YouTube, que estaria sendo ameaçado em liderança de vídeos pelo Facebook, está mais saudável do que nunca, sendo considerado um dos grandes motivos de crescimento da empresa. O tempo que as pessoas assistem a vídeos na plataforma cresce 60% ano após ano, o que, independentemente da concorrência, traz impacto positivo aos números da gigante digital.

A capacidade de manter o valor por clique pago pelas empresas anunciantes no Google em meio a uma transição mobile também estava sendo questionada pelos investidores, mas parece que o método ganhou força nos novos dispositivos ao invés de encolher.

Por fim, o cuidado nos gastos e o controle nos investimentos foram o peso final na balança em favor da estabilidade econômica dos googlers.

Mesmo com suas riquezas somadas, Larry e Sergey ainda não chegam aos 79,2 bilhões de dólares de Bill Gates. Mas o futuro me parece mais promissor para eles, que estão fazendo com o Android nos celulares o mesmo que a Microsoft fez com o Windows nos computadores: criar um sistema com compatibilidade universal, para o qual todos os periféricos e programas (ou aplicativos) podem ser pensados a partir de uma base padrão. Vou ficar de olho na lista dos mais ricos nos próximos anos!

Google diz que internet é saída para a crise

17 de junho de 2015 1

O tamanho, a importância e o quanto a nossa vida mudou não são novidade pra ninguém quando se fala do Google. Mas, mesmo assim, quando a gente tem contato com alguns números da empresa, acaba ficando impactado.

Nesta semana, eu e o Diogo (as impressões dele seguem abaixo da foto) assistimos à palestra do Pedro Grilo, líder sênior de operações estratégicas do Google Brasil. Ele esteve em Bento Gonçalves por meio da WBI Brasil. Grilo é de Portugal, já morou em vários lugares e atualmente trabalha no Google aqui no país. Duas manifestações dele me deixaram especialmente atenta. A primeira é que ocorrem 5 mil buscas no Google por segundo. É muito. Dar respostas o mais precisas possível para cada pergunta é o objetivo do Google, que com 17 anos de vida, já está entre as 30 maiores empresas do mundo. Somos dependentes do Google hoje. Recorremos a ele para uma variedade de coisas, muitas vezes sem nem pensar. Quando percebemos, já estamos lá pesquisando.

A segunda é que o YouTube é o terceiro canal de vídeo do Brasil. Perde apenas para a Globo e para a Record. Pra mim, esse é um dado que reforça bastante a força da internet na vida das pessoas e no jornalismo. Estar na frente de canais de TV é significativo. E, se formos pensar, normalmente é o YouTube que acessamos quando queremos procurar um vídeo. Poderíamos ir no site de alguma emissora, em outros players existentes ou simplemente “jogar no Google” e deixar que ele nos mostre em qual canal de vídeo assistir a que estamos procurando. Mas o YouTube já está tão consolidado, que o mais comum é acessá-lo e fazer a busca lá dentro. Não por acaso, o Brasil, segundo Grilo, é o quarto mercado do player no mundo.

- O brasileiro realmente gosta de assistir a vídeos – disse ele.

Seja para publicar conteúdo jornalístico, seja para anunciar, o youtube não pode não ser tratado como prioridade. Ali está boa parte do público que a grande maioria das empresas quer atingir. Seja com vídeo, foto, texto, links, mapas e o que mais for inventado, o Google hoje é a resposta pra praticamente tudo. :) (Paula Valduga)

image

O líder de comunicação estratégica do Google no Brasil, Pedro Grilo, participou do Google Digital Breakfast em Bento Gonçalves nesta terça. Além dos números que comprovam a grandeza de sua empresa – 80% dos smartphones usa sistema Android, 90% dos internautas pesquisam no Google, a segunda ferramenta mais usada para pesquisas é o Youtube, o Google Chrome é o navegador mais usado do mundo -, Pedro falou de negócios. Números que espantam e encantam quem procura uma oportunidade de crescimento apesar da crise.

Segundo Grilo, 93% dos usuários de internet do Brasil é alcançado pelo Google e seus anúncios. Se você souber escolher as palavras certas, sua empresa pode ficar em destaque nas pesquisas e notícias relacionadas aos seus produtos.
A conversa tratou principalmente do Google Adwords, que é a ferramenta de anúncios da empresa. Com ele, você paga o preço relacionado a uma palavra a cada clique convertido para o seu site. Mas tem que pensar com a cabeça do consumidor final: não adianta investir em calçados se seu cliente procura por sapatos.

Segundo o diretor presidente da WBI, Paulo Kendzerski, que abriu a palestra para Grilo, mais que escolher as palavras certas, enxergar produtos relacionados ao seu serviço, ter o digital como parte da estratégia da empresa, divulgar a mensagem da sua marca, controlar seu território de atuação e entender as diferenças entre as redes pode ser o que falta para atropelar a crise com crescimento.

Grilo aponta que 63% dos usuários pesquisam online, mesmo que a compra seja offline. Então será que não é um bom negócio anunciar na internet, que funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana e 365 dias por ano? E Kendzerski complementa: tudo fica muito simples quando você entende que internet não é tecnologia, mas comunicação.

Isso já é dito há muito tempo, e, nas palavras de Grilo e Paulo, toda a vez que se entra no fim da fila, só resta pagar o preço de não ser inovador. (Diogo Sallaberry)

Vídeo recria jogo GTA V no mundo real

12 de junho de 2015 0

Os caras do canal de YouTube Corridor Digital deram mais uma aula de criatividade e capacidade recriando o jogo GTA V na vida real. Com hastes extensíveis, GoPros, fita isolante, gambiarras e um personagem que parece tirado de um console, a equipe filmou em Los Angeles com o famoso ângulo de videogame.

O trabalho de colorização, os sons originais do jogo e uma pitada de efeitos especiais fazem com que a proximidade visual entre o Grand Theft Auto e o vídeo se torne tanta que é possível duvidar das imagens em alguns momentos. Os caras são muito bons, vale a pena se inscrever no canal deles.

Para os que ficarem curiosos sobre o processo, aqui está o vídeo de bastidores – que, para mim, é o mais legal. E já aviso: nada de drones nas filmagens, foi tudo feito na criatividade e no trabalho em equipe.

 

As minhas impressões sobre o iOS 9

10 de junho de 2015 0

 

Foto: Justin Sullivan / Getty Images North America / AFP

Foto: Justin Sullivan / Getty Images North America / AFP

Entre as novidades que a Apple apresentou na WWDC (Apple Worldwide Developers Conference ou Conferência Mundial de Desenvolvedores da Apple, em tradução livre), o que eu acho que mais vou usar são algumas das funções do iOS 9. O novo sistema operacional para iPhone e iPad era realmente o que mais me provocava expectativa antes da conferência acontecer. Diversos blogs e veículos de informação já trataram da WWDC. Aqui, eu pretendo dizer o que eu mais curti no novo iOS. Se a Apple mantiver a forma de agir de sempre, o sistema chega aos nossos dispositivos em setembro.

* Uso de dois apps ao mesmo tempo no iPad - \o/ pôxa, Apple, finalmente, né! Como é triste não poder colocar rodar um vídeo no youtube enquanto se faz outra coisa no iPad. Essa, pra mim, é uma melhoria e tanto. No Android, isso já é possível há tempo, e eu realmente não entendia por que, iOS novo atrás de iOS novo, seguíamos tendo que usar um app por vez. Pela demonstração na WWDC, o vídeo do youtube fica rodando no cantinho. Ufa! Agora, sim!

* Proactive - será uma espécie de Google Now, adaptado às nossas principais atividades no iPhone ou no iPad. Ele vai “aprendendo” o que costumamos fazer mais e facilitando a nossa vida para chegar aos apps ou às informações que eles oferecem. Vai rodar no Spotlight – o sistema de busca do iOS, acessado arrastando o dedo pra baixo a partir do meio do iPhone em qualquer tela. PS: para quem usa o iOS 6 ou inferior, o Spotlight é a tela que fica à esquerda da principal. No iOS 9, ele volta para essa posição, com o Proactive. Vamos ver. Eu não me entendo muito com o Google Now, até já escrevi sobre isso aqui no Spot, então estou com expectativa em relação a essa novidade.

* iCloud Drive - o sistema de armazenamento na nuvem da Apple ganha um app nativo. Vamos ver. Eu uso o iCloud mais para backup e compartilhamento de fotos entre dispositivos, mas talvez esse app faça com que eu veja mais vantagens. Por enquanto, uso mais o Google Drive.

* Notas - o app de notas vai permitir que se escreva com as mãos e se desenhe. Ajuda no fato de não ser mais preciso ter um app exclusivo para isso instalado, mas não é nenhuma grande inovação. Há vários apps do tipo na App Store há bastante tempo. Eu uso o Bamboo.

Uma mudança que eu achei beeem legal: a Apple se preocupou que o novo iOS rode em dispositivos mais antigos. Promete que o iOS 9 será compatível com todos os aparelhos que rodam o 8. Considero essa uma mudança bastante significativa. Não poder atualizar o sistema operacional porque ele deixa o seu aparelho lento é bastante frustrante. E pra quem cuida, um iPhone e um iPad podem durar bastante. No entanto, da forma que funcionava até agora, era preciso se contentar ou em permanecer com o iOS anterior – sem as sempre tão propagadas novidades – ou em conviver com um sistema lento. Das duas opções: nenhuma! Espero que isso realmente melhore! :)

Todo mundo corre atrás do Mark

28 de janeiro de 2015 0

O Twitter anunciou que agora dá para conversar por DM com mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Ou seja: o Twitter entrou valendo na briga dos chats.

O Youtube liberou para alguns internautas a reprodução automática de um novo vídeo no fim daquele que o cara está assistindo. No lugar dos vídeos sugeridos, já começa a rodar outro, desde que a pessoa não desative essa opção. É bem fácil, fica no lado direito, com a descrição “Reprodução automática”.

Essas duas mudanças no mundo virtual me fizeram pensar a que ponto as empresas estão brigando entre si para manter os internautas dentro das suas plataformas. Sabemos o quanto é fácil nós nos distrairmos com algum link e aí cairmos em outra página e depois outra e chegarmos a um ponto em que nem sabemos como fomos parar naquele site. Ou como é fácil também nós não gostarmos de algo que abriu em algum site e vazarmos rapidamente de lá. O objetivo é fidelizar, segurar o internauta.

O Twitter entra nessa briga por segurar o cara passando a disponibilizar o que o Facebook já oferece com o Messenger e com o WhatsApp. O Skype e o Viber também estão nesse grupo, mas ainda têm menos usuários. Na real, a escolha, pra mim, depende de dois fatores: o aplicativo que você mais gosta e onde estão as pessoas com quem você pretende conversar. E aí a gente sabe, né, praticamente todo mundo(!) tá no Facebook.

A novidade do Youtube tem tudo a ver, também, com tentar diminuir a hegemonia da rede de Mark Zuckerberg. Uma matéria do Olhar Digital afirma que, com essa mudança, o player do Google quer fazer frente aos vídeos exibidos no Facebook.

Conclusão: todo mundo corre atrás do Mark. :)

Drone não é Gopro

10 de janeiro de 2015 0

Os meus equipamentos, especialmente o meu iPhone e o meu iPad, estão sempre numa distância bem segura de qualquer líquido. Mas bem segura mesmo. Tenho muito medo que algo seja derrubado sobre eles. Por isso quando vi esse vídeo aí em cima fiquei um pouco nervosa e depois vim correndo aqui no Spot postar.

Era o primeiro dia do carinha com o seu drone e o equipamento foi voando em direção ao lago. Que pânico! Convidativa, gelada, congelante ou do jeito que estivesse, eu também teria entrado naquela água. Imagina estragar o brinquedo assim, recém comprado? Drone não é Gopro, né?! :)

Gangnam Style passa o limite de visualizações e obriga Youtube a atualizar site

04 de dezembro de 2014 0

Reprodução / Youtube

O videoclipe do artista coreano Psy, Gangnam Style, quebrou mais um recorde no Youtube.

O hit surpreendeu os Youtubers ao ultrapassar a marca de 2.147.483.647 – número limite no contador de visitas, baseado em um código de 32 bits.

Em comunicado público, a empresa disse nunca ter esperado alguém atingir esta marca, mas isso foi antes de conhecerem o Psy.

Após uma atualização de emergência, o novo contador baseado em 64 bits pode chegar a 9.223.372.036.854.775.808 visualizações antes de precisar da próxima melhoria. O crescimento pode ser entendido de maneira bem simples: de 10 dígitos, o site passou a aguentar 19 dígitos de visitas. Haja dancinha estranha pra quebrar o contador novamente!

Segundo o usuário James Benson, em um comentário no clipe, o Youtube foi pego em um erro, pois o sistema baseado em 32 bits deveria aguentar 4.294.967.296 visualizações se, durante a programação, a contagem fosse restringida a números positivos. Como a programação deixou isto em aberto, o contador teria capacidade para 2 bilhões tanto em números positivos quanto negativos, reduzindo pela metade o limite útil - já que só números positivos deveriam ser computados – de 2**32 para 2**31.

Pelo que o Youtube informou, entretanto, o mesmo possível erro de sistema segue ocorrendo, já que o novo limite de 9 bilhões corresponde a 2**63 e não 2**64 – equivalente a 18.446.744.073.709.551.616 de visualizações.

Como maneira de brincar com a ultrapassagem do limite, se os usuários colocarem o mouse sobre o contador em vídeos com mais de 2.147.483.647 visualizações, os dígitos ‘enlouquecem’ propositalmente por alguns segundos.

Agora, alguém já conseguiu entender a fórmula do sucesso do Psy? Porque, apesar da irreverência, faltam muitos ingredientes para merecer tanta atenção.

Reviews

01 de novembro de 2014 0

fotoA revista Wired de novembro de 2014 – já disponível na banca do iPad – me apresentou Marques Brownlee, definido como “a YouTube sensation”. E o cara é demais mesmo. Com o username MKBHD, ele mantém um canal com 1.919.447 inscritos, número no momento em que escrevo este post, na noite de sexta, e já maior que o citado pela reportagem, que informou “mais de 1,8 milhão”. Para efeitos de comparação e impacto, a Wired afirma: são mais inscritos do que nos canais de Kanye West e da Marvel. E o que o cara faz? Reviews.

Brownlee testa tudo que tem a ver com esse mundo tecnológico em que vivemos. Tem vídeo de fone de ouvido, do iPhone 6, de câmeras… E o cara é detalhista. Além de testar várias funções de um mesmo equipamento, as imagens e a edição dos vídeos dele são muito boas. O vídeo mais recente é uma avaliação do Android 5.0 Lollipop. O upload foi há três dias e o contador de views já passa de meio milhão. O do iPhone 6+ está no ar há uma semana e passa de 670 mil exibições.

Aos 20 anos de idade (pois é!), ele é um certificador respeitado. Começou a gravar vídeos testando coisas há seis anos e se tornou uma pessoa em quem as outras recorrem para saber como funcionam e se vale a pena investir nessas novidades tecnológicas que não param de ser criadas e oferecidas para nós. Pra mim, isso tem a muito a ver com o papel do jornalismo e dos jornalistas hoje em dia. Ter um nome ou uma marca em quem as pessoas confiam ajuda a sobreviver em meio a essa época em que todo mundo pode ter um espaço e escrever, noticiar, opinar. Com qualidade, é possível colaborar na curadoria tão necessária na avalanche de informações e invenções do século em que estamos. É muita coisa pra absorver e pouco tempo, mas, para mim, somos privilegiados em viver num tempo de tanta inovação. :)