clicRBS
Nova busca - outros

Antigos diminutivos

Nosso idioma usa as terminações -inho ou –zinho para formar seus diminutivos, enquanto o latim, nossa língua mãe, usava o sufixo –ulus, que chegou até nós em muitos vocábulos de uso científico. Falamos em pelezinha e película, em globinho e glóbulo, em rodinha e rótula, em corpinho e corpúsculo. Em cada par, qual é a diferença? Ambos os vocábulo são diminutivos, mas o primeiro é de emprego corrente, enquanto o segundo é mais erudito. O coelho da Páscoa traz ovinhos; no entanto, quando falamos da reprodução humana, só aceitamos a forma óvulo. Nossa garganta tem uma úvula, mas não uma uvinha, e os frutos não têm pezinhos, mas pedúnculos. Os falantes reconhecem a maioria desses diminutivos latinos, mas alguns certamente vão ser surpresa para meus leitores. 

cálculo

Vem de calculus — literalmente, “pedrinha”. É o diminutivo de calx (“pedra calcária”), a mesma raiz de onde proveio o nosso cálcio. Como essas pedrinhas eram usadas para computar os pontos de vários tipos de jogos, o termo cálculo adquiriu o sentido atual de “medição, cômputo, avaliação”. Uma lembrança viva do significado primitivo pode ser encontrada no vocabulário médico, onde as pedras que se formam no corpo do homem ou dos animais ainda são chamadas de cálculos.

clavícula

De clavicula — literalmente, “chavezinha”, diminutivo de clavis, “chave”. São aqueles ossos achatados, com o desenho aproximado de um S, que ficam na parte frontal do ombro (as populares “saboneteiras”). Os anatomistas primitivos escolheram este nome porque o formato da nossa clavícula lembra a chave ou o ferrolho usado para trancar as janelas, nas casas romanas. É, portanto, um irmão distante do conclave, reunião de religiosos que é feita a portas fechadas.

escrúpulo

Mais uma pedrinha: no latim, scrupus era aquele tipo de pedra pontuda, cheia de arestas afiadas. Seu diminutivo, scrupulum, era a pedrinha incômoda, que todos nós conhecemos porque que entra em nosso sapato e fica torturando o pobre pé. Numa bela metáfora, o termo passou a expressar o freio moral que a consciência nos traz, ao nos fazer agir com cuidado e meticulosidade, obedecendo a princípios morais. Essa idéia da consciência como um estorvo parece também estar por trás da personagem do Grilo Falante, na história do Pinóquio.

célula

Do latim cellula, diminutivo de cella (“câmara, quarto”). A cela designava, nos mosteiros medievais, o quarto individual dos monges; hoje se refere também à pequena peça onde ficam os prisioneiros ou os internos dos estabelecimentos psiquiátricos. Célula (“quartinho”) foi adotado pela biologia para batizar as unidades básicas dos tecidos vivos. O termo também é usado, metaforicamente, para qualquer unidade fechada e autônoma, como é o caso das células dos partidos de esquerda ou das células fotoelétricas. 

vírgula

Literalmente, “varinha”. É o diminutivo de virga (“vara, bastão”). Os copistas medievais usavam esse nome para designar uma grande variedade de sinais de pontuação e de acentuação, traçados em diferentes alturas com relação à linha. O termo foi se especializando até chegar ao sentido que tem hoje. Embora no inglês a vírgula seja chamada de comma, o termo virgule é usado como sinônimo erudito do slash, a barra diagonal inclinada para a direita, tão utilizada na linguagem dos computadores.

furúnculo

É o diminutivo de fur (“ladrão”), o mesmo radical que nos deu furto e furtivo. Furunculus (literalmente, “ladrãozinho”) era o termo usado para designar o botão que nasce nas videiras, dos quais brotam ramos que acabam roubando a seiva necessária para o bom desenvolvimento dos ramos principais. O nome foi atribuído também à conhecida infecção da pele por causa de sua semelhança com aquele botão vegetal

pílula

De pilula, literalmente, “bolinha”. É o diminutivo de pila, nome dado a uma bola que os romanos usavam para jogar, do tamanho de uma bola de tênis. De pila também veio o nosso péla, sinônimo pouco usado para bola, mas muito conhecido por seu derivado pelada. No Latim Vulgar, outra forma do diminutivo (pilota) deu origem a pelota. Mesmo desconhecendo a etimologia de pílula, a juventude maluca dos anos 60 chamava de “bolinha” os comprimidos de anfetamina.

flâmula

Flammula (literalmente, “chaminha”) é o diminutivo de flamma (“chama”). Esta irmã de inflamável, flambar e flamante foi o nome dado àquelas bandeirolas estreitas e compridas, geralmente triangulares, usada nas lanças dos cavaleiros e nos mastros das embarcações. Quando tremulam ao vento, têm a aparência de uma pequena chama, o que explica o seu nome. No futebol, em jogos festivos, ainda é costume os dois times oponentes trocarem as respectivas flâmulas antes do apito inicial.

Depois do Acordo: idéia > ideia

péla > pela