clicRBS
Nova busca - outros

suicidar-se

Dois leitores me escrevem sobre o verbo suicidar-se. Paulo T., de Salvador, pergunta: “Sabemos que suicídio é o ato de matar-se; suicidar-se é acabar com a própria vida. Para se evitar uma redundância, qual das expressões deveríamos usar: “o homem se suicidou“, “o homem suicidou-se” ou “o homem cometeu suicídio“? Todas estariam corretas? Um grande abraço. Voltarei outras vezes” . Já Hilda, de Brasília, quer saber: “Por que eu preciso dizer suicidar-me, se eu não posso suicidar-te?”.

Em primeiro lugar, Paulo, todas estão corretas. “O homem suicidou-se” e “o homem se suicidou” diferem apenas na preferência por usar o pronome antes ou depois do verbo, mas, no fundo, tanto faz dar na cabeça como na cabeça dar. “Ele cometeu suicídio” também é bom Português. Nota que o sui, que em Latim quer dizer “a si mesmo”, não mais é reconhecido como tal, o que permite que se diga “eu me SUIcido”, “nós nos SUIcidamos”; é por isso que “ele se suicidou” não apresenta redundância alguma. 

O ato de tirar a própria vida, no entanto, é tão chocante que o povo cerca este verbo, às vezes, com tudo o que consegue enfiar na frase, a fim de frisar que a pessoa não foi morta, mas se matou. Não te surpreendas se ouvires, alguma vez, no calor do relato, um “Ele se suicidou-se a si mesmo” — isso se aquele que conta o fato ainda não acrescentar: “Tirando a vida com as próprias mãos”. É pleonasmo? É redundância? No uso consciente, caprichado do Português, claro que é. Na força da expressão, contudo, eu garanto que essa repetição deve ter lá as suas razões. 

Agora, quanto à tua pergunta, Hilda: no Português, temos um grupo de verbos que sempre são conjugados com o pronome ligado a eles; são, por esse motivo, denominados de verbos pronominais. Este pronome é quase vazio semanticamente (não tem o seu significado usual), mas aparece em todas as pessoas. Um bom exemplo é orgulhar-se (eu me orgulho, tu te orgulhas, ele/você se orgulha, nós nos orgulhamos, vós vos orgulhais, eles/vocês se orgulham). Jamais aceitarias “eu orgulho”, até mesmo porque esse verbo nunca será transitivo (eu não posso orgulhar alguém; só posso me orgulhar de alguém). É exatamente o caso do suicidar-se. Abraço. Prof. Moreno