clicRBS
Nova busca - outros

Bom dia!

“Bom dia!”, “Boa tarde!”, “Boas festas!”, “Bom jogo!”, “Bom almoço!”, “Boa aula!” ou “Bom enterro!”,  tudo isso se escreve SEM hífen. O “bom-dia” que está no dicionário é vinho de outra pipa.

Bom dia, amigos. Todo professor de Português sabe, por experiência, que aquilo que é dúvida para um geralmente é dúvida também para muitos. Pois ao longo deste ano, três diferentes leitores — Edmilson (de São Carlos), Lúcia (de Curitiba) e Deborah (de São Paulo) — trocaram correspondência comigo sobre a necessidade ou não de usar hífen em bom dia ou boa noite, problema que, acredito, já aflige muitos de meus leitores — ou vai terminar afligindo, porque, como se sabe, o hífen sempre vai ser a pulga da nossa camisola. Para pôr ordem na minha explicação, vou aproveitar a formulação das perguntas que recebi sem fazer a devida identificação de seu autor. Como veremos, ambas as formas — bom-dia ou bom dia — existem, mas correspondem a duas situações completamente diferentes.

(1) “Professor, não entendi exatamente o que os dicionários e o Novo Acordo estabelecem quanto à hifenização de bom dia. Quando se trata de um substantivo, não tenho dúvida em usar o hífen (Ele deu um bom-dia e saiu). Mas, e quando estou simplesmente cumprimentando alguém? Acho que o hífen não é necessário (Bom dia, papai!), mas muita gente defende o contrário, com base no que aparece nos dicionários. O dicionário Houaiss, por exemplo, hifeniza”.

(2) “Caro Professor, em uma mensagem eletrônica ou em uma carta, o cumprimento bom-dia deve ser hifenizado, não é? De acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, esta habitual saudação é vocábulo grafado com hífen. O Houaiss ratifica tal ponto de vista. Afinal, ao iniciar o dia, o bom-dia é um cumprimento, pois não? Posso pensar assim?”.

(3) “Professor, o Vocabulário Ortográfico registra o vocábulo bom-dia com hífen; achei estranho e escrevi para a Academia Brasileira de Letras, que agora mantém um serviço denominado ABL Responde, para perguntar se haveria alguma outra situação em que se pudesse usá-lo sem hífen. Sabe o que eles me responderam? Que bom-dia cumprimento sempre tem hífen, mas pode ficar separado em casos especiais — como passei um bom dia na casa de veraneio de meu irmão. Não é de amargar?”.

Em primeiro lugar, vamos deixar bem claro que a grafia deste vocábulo não sofre alteração alguma com o Novo Acordo, que não tocou neste assunto. Em segundo lugar, é fundamental que se leiam os dicionários tecnicamente, prestando-se atenção aos mínimos detalhes registrados no verbete. Tanto no Houaiss quanto no Vocabulário Ortográfico o bom-dia hifenizado vem seguido pela abreviatura “s.m.”, que indica tratar-se de um substantivo: “Ele me deu um bom-dia seco e mal-humorado”, ou “Deu um alegre bom-dia e foi sentar em seu lugar”. Neste caso, como bom substantivo que é, pode vir acompanhado dos acessórios de sempre (artigos, possessivos e adjetivos): “Já estou farto desses teus bons-dias cheios de segundas intenções”.

É evidente que isso nada tem a ver com o outro “Bom dia!”, aquele segmento de frase que dizemos quando encontramos alguém ou dele nos despedimos; como num iceberg, só lhe vemos a pontinha,  porque o resto da frase está elíptico: [Desejo que você tenha um] “bom dia!” — o mesmo fenômeno que ocorre com fórmulas de agradecimento como grato ou obrigado, que nada mais são que o final de sequências subentendidas: [fico-lhe] obrigado, [fico-lhe] grato.

Portanto, amigos, seja qual for a circunstância — carta, bilhete, e-mail, etc. — a saudação vai ser escrita sem hífen. É uma locução, ou seja, é uma sequência de vocábulos autônomos; ela pertence ao mundo da sintaxe, o que a  deixa fora da área de alcance do emprego do hífen, sinal que está restrito ao interior de um vocábulo composto. O “Bom dia!” com que abro a coluna de hoje é uma saudação da mesma tribo de “Boas festas!”, “Bons ventos!”, “Bom Carnaval!”, “Boa viagem”, “Bom almoço!”, “Boa hora” (que se diz para as gestantes), e assim por diante.

A diferença entre as duas situações fica ainda mais evidente se compararmos a concordância de gênero que ocorre em “Tenha uma boa tarde” (é uma locução; poderíamos inverter para “Tenha uma tarde boa“) com “Deixo aos ouvintes o meu boa-tarde” (neste caso, um substantivo composto masculino).

Para tópicos variados sobre nosso idioma, visite nossa página no Facebook.