Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 19 julho 2010

Zona de apreensão financeira

19 de julho de 2010 0

Depois de uma abertura vacilante devido ao fraco desempenho das ações na Europa, onde a agência de classificação Moody’s rebaixou a nota de risco da dívida soberana da Irlanda, as bolsas dos EUA e do Brasil consolidaram altas por conta de ordens de compra de última hora nos pregões.

Além de compensar os temores em relação à situação na zona do euro, as informações de que o governo chinês prevê crescimento nas exportações e  importações do país beneficiaram os papéis do setor de mineração e de siderurgia na Bolsa de São Paulo (Bovespa), que registrou alta de 1,54% e volume de R$ 6,65 bilhões, dos quais R$ 2,42 bilhões corresponderam ao exercício do mercado de opções.

Todas as blue chips fecharam com ganhos, com destaques para Usiminas PNA (3%), Vale ON (2,8%), Vale PNA (2,61%) e Gerdau PN (1,73%). Nos EUA, numa sessão de acentuada volatilidade, Wall Street encerrou com valorização de 0,56% graças à divulgação de resultados corporativos favoráveis, como o da Halliburton, empresa do setor petrolífero.

As bolsas europeias, porém, amargaram perdas em decorrência dos problemas da Irlanda, que apresenta aumento do déficit público e queda na atividade econômica. O país é outro dos PIIGS, sigla em inglês do bloco também composto por Portugal, Itália, Grécia e Espanha, a gerar apreensão global nos últimos meses. Os investidores temem que a Itália, maior economia entre os cinco países mais endividados da zona do euro, também possa entrar em crise financeira.

Bolsas sobem nos EUA e no Brasil

19 de julho de 2010 0

Depois de uma abertura negativa, quando flutuaram muito, as bolsas dos EUA e do Brasil fecharam com desempenho positivo numa sessão em que os mercados europeus foram afetados por temores em relação à situação financeira da Irlanda. Wall Street encerrou com ganho de 0,56%, e a Bolsa de São Paulo (Bovespa) consolidou alta de 1,54%. O Ibovespa atingiu 63.297 pontos. As principais bolsas europeias amargaram baixas, mas quase todas abaixo de 1%.

Dólar tem quarta alta seguida

19 de julho de 2010 0

Contrariando a tendência no Exterior, onde moeda dos EUA apresenta nova depreciação, o dólar fechou com valorização pela quarta vez seguida no câmbio brasileiro, no qual a cotação flutuou muito em decorrência dos problemas financeiros na zona do euro.

Uma agência de classificação de risco rebaixou a nota da dívida soberana da Irlanda, um dos integrantes dos denominados PIIGS, também formado por Portugal, Itália, Grécia e Espanha _países com pesados déficits nas contas públicas.

No mercado de divisas de Nova York, o euro subiu ligeiramente, sendo negociado em torno de US$ 1,2950 neste momento.

Dólar comercial R$ 1,7840 (compra) e R$ 1,7860 (venda). Alta de 0,22%

Dólar flutuante R$ 1,8200 (compra) e R$ 1,9000 (venda). Estável

Ágio: +6,38%

Variação do dólar no mês: -1,00%

No ano: +2,47%

Variação do real no mês: +1,01%

No ano: -2,41%

Euro comercial R$ 2,3097 (compra) e R$ 2,3125 (venda). Alta de 0,29%

Irlanda é a bola da vez na zona do euro

19 de julho de 2010 0

Depois de uma manhã de forte flutuação dos preços, o dólar avança agora para R$ 1,7870, enquanto a Bolsa de São Pauilo (Bovespa) consegue registrar alta de 0,9%, aproximando-se da marca de 63 mil pontos.

Essa indefinição, especialmente no câmbio, reflete às quedas na Europa, onde a agência de classificação Moody’s reduziu a nota de risco da dívida soberana da Irlanda, outro integrante dos denominados PIIGS, sigla em inglês para o bloco também formado por Portugal, Itália, Grécia e Espanha, países da zona do euro com elevado endividamento público. O país vem apresentando crescimento dos débitos, além de diminuir o ritmo de crescimento econômico.

Praticamente todos os mercados europeus operam com desempenho negativo, mas as baixas são bastante modestas. A volatilidade também predomina desde a abertura em Wall Street, que sobe cerca de 0,1% neste momento. Na Ásia, a Bolsa de Tóquio não operou, a de Xangai fechou com ganho de 2,11% e a de Hong Kong amargou queda de 0,79%.

Confira as cotações: