Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Afinal, é hino ou samba-enredo?

09 de janeiro de 2011 31

 

O compositor Paulinho Carioca lançou a pergunta em um comentário aqui no blog:

Está certo escrever ou dizer “hino” quando se refere a samba-enredo?

No começo eu também achava estranho e compartilhava do mesmo raciocínio de Paulinho: hino é coisa de pátria, de time de futebol, de corporação.

Mas de tanto ver na mídia especializada (Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre) acostumei.

Estamos cheios de exemplos:

 

Beija-Flor já tem o seu hino que homenageará o Rei Roberto Carlos

Fonte:http://www.sambaepaixao.com/noticias/2010/  

Salgueiro 2011. … mas eu fico receoso de ter esse samba como hino para 2011 porque tem uma letra …

Fonte: www.sidneyrezende.com/noticia/96543/?p=7

A Sociedade Rosas de Ouro…A última eliminatória irá escolher o hino da escola para 2011 entre três concorrentes. O site da escola disponibiliza o áudio dos três sambas.

Fonte:http://www.ligasp.com.br/noticias/caranval2011_rosas_de_ouro_escolhe_samba_de_2011.html

Neste sábado, os Bambas da Orgia terão a sinopse do seu enredo disponível aos … que definirá o hino da escola de Porto Alegre para o Carnaval de 2011. …
Fonte: wp.clicrbs.com.br/samblog/…/confira-a-sinopse-dos-bambas-da-orgia-para-2011
 

 

Olhei também o Bê-À-Bá (assim mesmo!) das escolas de Samba, de C. Bernard:

Hino – samba-enredo escolhido para o desfile.

Não se trata de desconfiar do respeitado trabalho de C. Bernard, mas no jornalismo a gente deve desconfiar ‘sempre’ para ter a certeza de algo.

Sexta-feira pela manhã mandei um e-mail para uma pessoa que respeito muito. É João Marcos, do Sambario, e com quem já falei de outras coisas.

É expert no tema samba-enredo e com certeza uma fonte das mais confiáveis. Atencioso como sempre, João Marcos me respondeu no mesmo dia.

Olá, Angela!

Na verdade, o termo “hino” como sinônimo de samba-enredo é tecnicamente incorreto.

Os “hinos” remontam à música antiga e medieval.

Inclusive, o conceito de hino foi elaborado por São Tomás de Aquino – são canções de cunho religioso e feitos para serem cantados por um coral. Os cantos gregorianos, por exemplo, são uma espécie de hino.

E os hinos nacionais?

Bem, não são hinos.

Tanto que, em inglês, você tem uma distinção bem clara – hino é “hynn”, e para os hinos de exaltação e não religiosos, por exemplo se usa a palavra “anthem”.

Hino nacional e hino de time de futebol é “anthem”.

Os hinos de futebol, por exemplo, em geral são marchas. Não são hinos de jeito nenhum.

Samba-enredo nem “anthem” seria – os anthems, no samba, seriam os exaltações, como “Portela Querida”, “Deusa da Passarela”, etc.

Acredito que, como nos países de língua portuguesa, a religião e o estado ainda têm muita ligação – para se ter uma ideia, só em 1988 que o Brasil tirou “Deus” do preâmbulo de sua Constituição – futebol vira religião, a pátria vira religião, etc., e a técnica acabou se consagrando.

A utilização do termo “hino” para designar samba-enredo é algo bem recente.

Não lembro disso nos anos 80 e 90.

Acredito que tenha se tornado mais comum com a internet carnavalesca, até como uma forma de demonstração de amor e devoção do sambista pela sua escola de coração. Ele não está cantando apenas um samba, mas UM HINO.

Só que eu não gosto muito de utilizar o termo porque acho que acaba sendo uma forma de afastar a manifestação musical de sua essência.

Chamar o samba-enredo de hino é tentar fazer o samba se tornar mais “erudito”, mais intelectualizado, mais próximo de um produto aceitável pela classe média.

Mas o samba-enredo não precisa disso e sua riqueza não precisa ser legitimada através da utilização de um termo incorreto.

Deixemos os hinos para Mozart e façamos samba-enredo.

 

Abraços,

João Marcos


 

Bookmark and Share

Comentários (31)

  • Paulinho trindade diz: 9 de janeiro de 2011

    Muito bom este post!!! Dúvida que sempre me perguntei: Porque alguns chamam de “hino” o samba enredo das escolas?? Na minha humilde opinião, não tem nada a ver uma coisa com a outra. “Hino” é hino e “Samba enredo” é Samba Enredo! Acho que devemos fazer o máximo possivel para que o samba não perca a sua identidade. Se duvidar, daqui a pouco alguém vai “americanizar” e inventar uma palavra em inglês prá definir a nossa “música” que identifica o desfile de nossas escolas de samba.

  • El Loco Romeu diz: 9 de janeiro de 2011

    Que legal ver essa análise bem aprofundada com coisas que nunca imaginei nem li, que interessante. Acho que as pessoas usam hino pq o samba é um símbolo do carnaval daquele ano e é cantado e defendido com o mesmo fervor de um hino de futebol ou nacional então é o samba da escola é o hino do carnaval 2011, já que hino é algo que une as pessoas, que faz todo mundo se sentir junto numa mesma causa. Tecnicamente o texto diz que hino é outra coisa (nem hino nacional é hino), mas acho que é um caso de uma palavra que é usada com vários sentidos diferentes (como tantas na língua portuguesa, manga é um exemplo).

  • ZINHO diz: 10 de janeiro de 2011

    As vezes usamos palavras que tem tendências a elevar o que admiramos. Existe uma figura de linguagem na Lingua Portuguesa, que explica exatamente isso, chama-se Hipérbole. No caso da palavra hino, diz o dicionário, “Composição poética e musical em honra de uma nação, de um herói, de um partido”, ou seja, no caso da Beija-Flor, bem que caberia chamar de hino, uma canção feita em homenagem a um Rei. No resumo da história, o que vemos são somente palavras, cujo o significado como ja escrevi, é de dar ênfase, aumentar o que sentimos. É comum torcedores de times de futebol denominarem-se pertencer a NAÇÃO alvi-negra, por ex. No entanto, o número de torcedores, no máximo ocupariam uma cidade. Palavras, somente palavras, que expressam um grande sentimento. Abç a todos

  • Sandro Roberto diz: 10 de janeiro de 2011

    Bem, acredito que o termo hino relacionado à samba-enredo não passa de um modismo forçado. Querem dar novos nomes para algo que nasceu e tem a essência de apenas, e muito importante, samba-enredo. Acredito em hino como algo atemporal, que pode ser cantado em qualquer tempo sem que perca sua significação. Cito então o exemplo do hino de um clube, hino de um país, hinos de igrejas. Já o samba enredo é específico. É criado para um determinado fim em um determinado tempo. Por exemplo: uma escola de samba adota um enredo “x” para o carnaval 2011. O samba-enredo escolhido pela escola “x” é somente para aquele ano. Ele se perpetua por uma questão de simpatia, beleza, etc. Já o hino, feio ou bonito, acaba se perpetuando exatamente porque sua finalidade é essa.
    Vejo que a diferença entre hino e samba-enredo está na questão da finalidade: o samba-enredo é criado para um determinado período enquanto o hino tem o objeto de ser perpétuo.
    Ratifico: a perpetuação do samba-enredo é puro apelo popular, ou seja, a simpatia, a musicalidade, a poesia e até mesmo se a escola de samba é a campeã.

    Ainda: Isso é apenas uma interpretação, não é um conceito encerrado!

  • Carlos César Duda Vieira diz: 10 de janeiro de 2011

    Gostaria de expressar minha opinião dentro dos parcos conhecimentos que possuo.
    Hino, está no consciente coletivo como algo perene, duradouro, sacro, ligado as escrituras, com devoção, tem como característica a repetitividade de execução. O samba enredo, mesmo com toda a tecnologia que nos permite preservá-lo, é algo atualizado anualmente, não possui a perenidade frente a sua aplicabilidade e funcionalidade para o qual foi composto.
    Um desfile se estrutura a partir da elaboração de um enredo que define a temática proposta pela agremiação, A estrutura é formada de diversos itens que materializam a temática proposta correspondentes aos quesitos que são julgados a cada desfile e um dos quesitos é o samba, oriundo da estruturação do enredo.
    O samba enredo, diferentemente de hino, se renova a cada desfile por força do ineditismo exigido.
    Quanto a inovação de chamar samba enredo de hino face ao sentimento dos membros da escola, sua devoção a bandeira e amor a suas cores é louvável e respeitável, todavia, ao meu ver, samba enredo é samba enredo, e hino é hino.

  • gustavo linhares diz: 10 de janeiro de 2011

    Hino?? ridiculo!! É samba de enredo, concordo com o comentário acima nossa midia e tao influenciavel q daqui ha pouco virao so iankes querendo mudar a nomenclatura que usamos ha decadas, mas nao me surpreenderia, neste pais q nao valoriza suas raizes, tradicoes e lingua…. um povo prostituido ao consumo e ao americanismo…. SAMBA DE ENREDO!!!! hino é ridiculo, nao tem nada a ver…

  • paulinho carioca diz: 10 de janeiro de 2011

    Acho que a elite dominante do samba em sua menoria, tenta desviar o foco do samba, rotulando seu nome que é nato desde de sua criação.
    Esses inovadores, sempre acham algo para descriminar o samba, mas esses mesmos, são aqueles que tiram mais proveito do samba dos sambistas e sua raiz, talvez eles até cantem assim: Não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar, prestando continência a suas idéias maiores que a cultura e a raiz de um povo. São transformadores da atualidade que seguem atropelando nossas raízes, meu ponto de vista, mas quem sou eu!não sou dono da verdade, talvez eu esteja completamente errado, aleluia, aleluia, Deus é maior que tudo, e não irá deixar o samba morrer..

  • fred inpiração diz: 10 de janeiro de 2011

    Vou opinar também. Concordo com ZINHO e EL LOCO ROMEU. Mas antes, não existe opinião errada, deixemos claro isso. Acho que o termo não está procurando substituir nada, nada mesmo. Como disse “el loco” é uma palavra para dar um teor mais sublime ao gênero musical. Se acreditasse que estams substituindo o termo samba-enredo por hino tb seria contra, claro. Não acho o caso. Mas se queremos intelectualizar o debate, então tb apresento: o hino, a bandeira, a língua reforçam o conceito de nação, muitas vezes empregada expontaneamente por intépretes e pessoas do samba.
    E o que é uma escola: ela tem BANDEIRA, tem um samba que a representa (mesmo que temporariamente), ou seja, um HINO, e um BANDEIRA (engraçado né?) Então, para fechar, acho que a associação do termo não é absurdo e nem equivocada, de fato, muitas vezes, vemos uma escola de samba como a representação de uma nação (nação mangueirense, nação azul e branca, etc.) que, mesmo que caiba numa cidade ou bairro, não deixa de trazer uma visão inteligente de comparação, válida inclusive sociologicamente.
    Não vejo o termo como uma substituição para samba-enredo, relax pessoal… abção

  • fred inpiração diz: 10 de janeiro de 2011

    Me lembrei de uma coisa. Embora respeite muito os comentários de João Marcos, creio que discordo de várias coisas. A reapropriação de um termo é algo comum não só para a música, como para qualquer universo cultural. O termo balada é um exemplo ótimo de como uma palavra de designa vários significados diferentes no decorrer do tempo, para definir gêneros musicais eruditos (antigamente) ou populares, ou designar festa, etc… e nem assim teria a coragem de dizer que NÃO É BALADA. Sim, é balada. Cantos gregorianos podem ou não ser hinos, depende do texto que trazem, mas em geral se chamam cantos mesmo. A definição de hino em nenhum momento limita que estilo musical ou composicional deve ser empregado, se é marcha, ou se é entoado livremente, como um canto gregoriano, por isso, dizer que um hino de futebol não é hino por ser uma marcha é besteira. Mas para resolver esse tipo de problema, porque não chamamos logo de hino relogioso, hino não-religioso, carnavalesco, sei lá, só não vamos santificar ou eternizar um termo, como essa palavra. Repito, se houvesse a intenção de substituir o termo samba-enredo por hino, seria contra… mas não acho esse o caso, é apenas como uma maneira de escrever a mesma coisa com um termo diferente, para não cansar o leitor com a redundância de uma palavra… abrasços…

  • gil do violão diz: 10 de janeiro de 2011

    O Fred deve ser da turma do só pra contrariar.

  • Nazareno diz: 10 de janeiro de 2011

    A voz do povo é a voz de Deus…

  • paulinho carioca diz: 10 de janeiro de 2011

    na minha opinião comentários inteligentes tem o informante da Angela João Marcos, Zinho, Sandro Roberto, Paulinho Trindade. O autor de vários enredo e grande conhecedor de samba Duda, sambistas que tem estrada no mundo do samba, e não se deixam levar por mudanças oportunas de Rio de Janeiro ou São Paulo. Essas pessoas que são prá mim maria vai com as outras, que acham que tudo que é de São Paulo e Rio é melhor, é por essas e outras que vem samba de São Paulo e do Rio de Janeiro pra bagunçar o nosso carnaval, e tem muito carinha que vai pra uma univercidade e pensa que sabe tudo, ai pega os talentos em melodia que geralmente é do Rio ou de São Paulo, pois acham que aqui só eles tem capacidade, e através da ferramenta do computador vão fabricando ilusões e assinando sambas de origem duvidosa, pra esses carinhas tanto faz ser samba enredo ou hino, da nada, pois eles não tem o samba na veia e sim a vontade de se achar um dos grandes nomes da atualidade, hora bolas, da um tempo, samba é samba, sou polêmico sim, mas não entrego minhas origens de bandeja e nem concordando com tudo só por que a ou rotulou assim mesmo que erroneamente, eu não, vou sempre lutar pela bandeira do samba da nossa nação Brasileira da bandeira, verde, amarela, azul e branco, não sou dono da verdade, mas sou sambista de fato não cai nesse mundo de paraquedas, embora eu seja carioca, não acho que tudo que é bom vem de lá, ou melhor vem de fora.

  • paulinho carioca diz: 10 de janeiro de 2011

    Só mais uma coisa: parece que o quesito samba enredo vai ser extinto, será criado em seu lugar o quesito hino enredo, legal, na hora da apuração: Mestre sala e porta bandeira,10, evolução,10, hino de enredo 9,4…perdi o carnaval no hino enredo…que loucura é essa!

  • liliam diz: 10 de janeiro de 2011

    O melhor cantor de hino do nosso estado é o Alan, parece que depois do carnaval ele vai fazer um cd gospel. se liga Aline barros,s e cuida padre Marcelo!

  • paulinho carioca diz: 10 de janeiro de 2011

    Li comentários inteligentes, comentários de leigos, comentários sarcáticos, todo tipo de comentário. Eu como coloquei esse tema na roda através da Angela Bastos e seu blog, fiquei feliz vendo que o tema gerou inúmeras ideias a respeito. quero aproveitar o momento pra falar se alguém esta querendo hino para gravar que eu estou aqui, é só pedir que eu componho com todo prazer: time de futebol, igrejas, alguma corporação ou qualquer entidade. é só acertar o preço que tô dentro, eu ia fazer pro Blog Tamborim, mas o Bira fez um sambão ai eu não mostrei o meu hino pra não pagar mico, hehehehehehe

  • Sandro Roberto diz: 10 de janeiro de 2011

    Bem, li o que foi escrito e permaneço com a mesma opinião até que se apresente algo mais convincente. rsrssrr
    De qualquer forma vale lembrar que o termo “balada” está mais para gíria do que apropriação de termos, assim como em outros tempo se utilizada o termo “night”. Então ainda acredito que usar o termo hino para se referir ao samba de enredo ainda é uma tentativa de modismo! Para mim é samba de enredo. Felizmente ainda consigo achar as gravações dos sambas com o título “SAMBA DE ENREDO 2011″ rsrsrsr

  • gabriel diz: 10 de janeiro de 2011

    Grande Sandro Roberto, sou teu admirador, acabei de ler esse seu último comentário de samba ou hino, arrebentastes. com alguns comentários infelizes, tipo balada,essa do cd 2011 samba enredo, acabou com a minha dúvida, agora pra mim é samba-enredo.

  • El Loco Romeu diz: 11 de janeiro de 2011

    Fui em dois ensaios hoje (Protegidos e Copa) aliás parabéns às escolas os dois muito bons. No da Protegidos o grande Alan mandou “vamos cantar nosso hino, nosso samba”, não acho que ele tava querendo substituir uma palavra, só usar mais como metáfora, o samba não é um hino mas deve ser cantado com o mesmo respeito e amor que se fosse, foi isso que entendi na chamada do Alan sempre emocionante de arrepiar. No mais é isso, chama como quiser o importante é que seja bom e seja samba, viva o samba que não é hino mas é cantado com o mesmo amor de um hino.

  • Sandro Roberto diz: 11 de janeiro de 2011

    O problema é que não se trata apenas de uma palavra: o uso intenso da palavra “hino” acaba por camuflar o que na essência é o “samba de enredo”. É aquela coisa: uma mentira repetida várias vezes acaba se tornando verdade. Assim é com a questão do hino. Por modismo adota-se a palavra repetidas vezes até que um dia o verdadeiro conceito é esquecido. Pessoalmente não quero perder a essência. Isso fica a critério de cada um e eu já fiz minha escolha. Um exemplo clássico do que estou falando está relacionado à palavra “pagode”. Hoje é um estilo de música. Diz-se “vamos cantar um pagode”, quando o termo implica o uso real em “vamos fazer um pagode”. Isto porque “pagode” é a festa e não o estilo musical. A música é samba. Pagode é um encontro de amigos que se reúnem para cantar samba. Mas o mercado preferiu chamar de “pagode” o estilo de música cantado. Outro exemplo: teve um ano que o Jorge Luis, da Coloninha, no esquenta para entrar na Passarela, convocou os componentes para cantar o hino da Unidos da Coloninha (eu não vou lembrar o ano). Iniciou cantado outro samba que não tinha relação alguma com o samba de enredo daquele ano. Isso é hino. Ou então “quem vem lá de amarelao vermelho e branco…” ou “É Protegidos na passarela…” (este foi um samba de enredo que escolheram para ser hino. Vejam: o hino aqui é um samba de enredo). Não faltarão aqueles que os chamarão de samba de exaltação, mas a comunidade os aceitaram como hino.
    É isso e perdoem-me as extensas linhas!

  • BIRA PERNILONGO diz: 11 de janeiro de 2011

    O samba é cultura. Nós precisamos participar de diversos workshops para adquirirmos know how,. Só assim nos tornaremos experts. E nos intervalos podemos comer uma pizza ou um calzone regado a chopp. Se for ao som de um pagode, melhor ainda. Daqueles que não tem moda de viola nem budista. Heheheh. A não ser que queiram ouvir um hip hop raiz.
    O Brasil é assim, e quem não gostar, liga no call center pra reclamar, “que estaremos registrando a anotação de sua observação. Seu número de protocolo é…………..!”

  • JOSUÉ COSTA diz: 11 de janeiro de 2011

    Paulinho Carioca, grande compositor, você conseguiu levantar uma excelente discussão em torno da dúvida entre Hino e Samba Enredo. Parabéns aos amigos Duda, Sandro, Zinho, Fred e demais, que através das suas brilhantes opiniões, conseguiram dirimir algumas dúvidas sobre o assunto. Na minha singela opinião, o Hino “oficial” é um símbolo, algo representativo, criado para ser uma marca registrada, assim com a bandeira, o distintivo, as cores, que são permanentes e as vezes insubstituíveis. No caso específico das Escolas de Samba, o samba de enredo é alterado a cada ano, portanto compactuo a idéia de que samba não é um hino “oficial”, centro da discussão, mas um hino não oficial, termo comum na internet, utilizado por diversas entidades. Assim, acompanhando a evolução dos tempos e, se no berço do samba a onda pegou, nós não vamos mudar esta idéia, acho que o mais correto será que a cada ano, sejam usado o bom senso, , pelas Escolas, após o concurso, !” Este é o nosso samba de enredo vencedor, que passa ser o hino da escola para o próximo carnaval.” E que assim seja. a cada ano, um novo hino, não o oficial, permanente, mas como o Alan falou ‘ vamos cantar nosso hino, nosso samba”. O importante é cantar o samba de Enredo da sua Escola, com toda garra, amor e respeito, como se fosse um hino “oficial”.
    Um grande abraço a todos.

  • Cesar Nunes(cesinha!) diz: 11 de janeiro de 2011

    Pra mim é e sempre será Samba-Enredo.

  • fred inspiração diz: 11 de janeiro de 2011

    Sandro Roberto, embora tenha analisado de maneira diversa a sua, começo a concordar com você. A tua colocação sobre pagode me deu o frio na espinha… embora não ache para tanto mas, começo a pensar que é melhor prevenir do que remediar, até pq depois não tem como remediar mesmo né? Somos amantes do bom samba, gostamos de ouvir músicas de quando estava muito longe de nascer e reconhecer sua qualidade maravilhosa. E me solidarizo com o entusiasta do meu “atacante preferido”, botafoguense claro, por compartilharmos mesma opinião… grande abraço,

  • paulinho carioca diz: 11 de janeiro de 2011

    É meu amor,é meu amor,é vida minha
    faz o peito puchar coração chorar é coloninha
    etc

    cabeça do hino da Coloninha autores: Vicente Marinheiro / Paulinho Carioca /Jorge luiz, falta um quarto parceiro que não me lembro o nome.
    foi feito como samba exaltação e virou hino.

  • ANDRE GONÇALVES diz: 11 de janeiro de 2011

    Porta-estandarte virou porta-bandeira. (Acho que já mudou também. Nem deve ter hífen)
    Jamelão transformou o puxador em intérprete, porque era PUXADOR mesmo.
    As escolas eram ranchos.
    As escolas daqui desfilavam cantando sambas do Rio de Janeiro.
    O vinil virou cd.
    O cd virou mp3.
    Uma mulher é presidente ou presidenta.
    Tem gente que chama samba-enredo de hino. E dai?
    Como diz o comentário lá em cima: “nossa MIDIA e tao influenciavel q daqui ha pouco virao so IANKES querendo mudar a nomenclatura que usamos ha decadas”.
    Observem o texto de internet, as palavras destacadas. Será que ele já foi influenciado? E daí?
    Cada opinião é importante, mas para que tanto sarcasmo, presunção, soberba. Pra que rotular alguns comentários de “inteligentes” como se os outros não o fossem?
    Samba enredo, samba de enredo, hino. Pouco importa. Vamos cantar e fazer do carnaval uma grande festa de alegria.
    Deixem a guerra para os YANKEES.

  • samba raiz diz: 11 de janeiro de 2011

    No Brasil é assim: É por isso que o samba de Florianópolis tem sacanagem, gente que faz a política da boa vizinhança pra ficar bonito na foto.

  • João Vitor diz: 11 de janeiro de 2011

    Gostei do que o Andre Gonçalves escreveu, até pq é chato ler 10 comentários iguais com nomes diferentes (estranho né?), e ainda tratam como se ninguém pudesse ter opinião diferente, debate é pra isso, cada um dar sua opinião, parabéns a todos os que estão debatendo sem baixarias.

  • Sandro Roberto diz: 11 de janeiro de 2011

    Ainda existem porta-estandartes e porta-bandeiras, pois são coisas totalmente distintas.
    Ainda existem puxadores de sambas e também aqueles que querem ser Jamelão.
    Se o vinil virou CD e o CD virou MP3, mas a essência permanece: todos reproduziam músicas, seja samba, seja hino.
    Mas o samba de enredo será sempre samba de enredo.

    Estou gostando deste tópico pois o debate está se desenvolvendo de forma sadia!

  • paulinho carioca diz: 11 de janeiro de 2011

    JOÃO VITOR, EU COMO VOCÊ TAMBEM GOSTEI DOS COMENTÁRIOS DO ANDRE GONÇALVES, ELE TEVE ARGUMENTOS E FATOS ATÉ NA CRÍTICA QUE FEZ A MINHA PESSOA, INDIRETAMENTE, TEVE RASÃO, NÃO VEIO ADVOGAR CAUSA DE NINGUÉM.
    JOÃO: QUANTO À BAIXARIA, VOCÊ DEVE ESTAR ENGANADO, POIS EU NÃO VI NENHUM COMENTÁRIO COM BAIXARIA, NINGUÉM XINGOU NINGUÉM, NEM OFENDEU NENHUMA ENTIDADE: ISSO SIM É BAIXARIA, VI TODOS OS COMENTÁRIOS E CADA UM DEU SUA IDÉIA DO QUE ACHA, COISA QUE VOCÊ NÃO FEZ, É SAMBA ENREDO OU É HINO?

  • Lucas diz: 12 de janeiro de 2011

    Ué, não entendi. O paulinnho carioca disse que samba não é hino e depois disse que fez o hino da Coloninha, é isso?

  • paulinho carioca diz: 12 de janeiro de 2011

    Talvez você não leu direito, o hino da Coloninha feito pelo Vicente Marinheiro, EU, Jorge Luiz é um samba de exaltação que a comunidade transformou em hino por gostarem da obra,a nteriormente diziam que era o Delira
    Meu Povo, de minha autoria e do falecido Maguila, entendeu Lucas? Um abração!

Envie seu Comentário