Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tudo ou nada (sobre o livro de Luiz Eduardo Soares, por Mário Corso)

07 de outubro de 2012 0

Tudo ou Nada


Existem livros que a gente não sabe porque começa, tropeça neles, não seria nosso tipo de literatura. Tudo ou Nada de Luiz Eduardo Soares foi um desses acasos felizes. Não pelo autor, pois o tenho na mais alta consideração, tanto intelectualmente como por sua trajetória. É o mote que não me atraía. No que a história particular, verídica, de um carioca da elite que cai no mundo das drogas e depois no negócio da droga (em grande escala) poderia interessar a mim?

Meu erro foi esquecer que o autor é antropólogo e, para essa tribo, o olhar é sempre total. Eles miram para um objeto considerando todas as variáveis, das mais óbvias às mais recônditas. É aqui que o livro encanta, tratando a droga como ela é: um fenômeno complexo, múltiplo, que abarca todos os campos do espectro psicológico e social. A grande maioria, assim como a mídia, não fazem essa ressonância ampla. Habitualmente trata-se da questão da droga na bitola estreita, entre a polícia e a medicina, em outras palavras, entre bandido e doente. A questão é que a droga é muito mais do que isso e o desconhecimento, ou a resistência à admitir sua complexidade, é que fazem com que ela tenha um custo social tão elevado.

Poucas páginas e já estamos querendo saber como Lukas vai sair da enrascada em que está, e como foi mesmo que entrou. O livro nos fisga como uma história de detetive, mas a isca se revela maior e mais saborosa. Ao longo da história, o autor começa a contextualizar os passos e as escolhas de Lukas, nos conta os dramas particulares, mas amplia o leque para os impasses da sua geração, do que se passava então no mundo, do que se acreditava e como Lukas lidava com esses campos de força. Tudo muito equilibrado, de modo que nem nos damos conta quando o contador da história se cala e o ensaísta começa. É um livro bem escrito e generoso com o leitor, nos divertimos aprendendo, sofremos com Lukas, mas como ele, saímos melhores ao fim do livro.

Como o autor entende bem do sistema de repressão às drogas, entenda-se a polícia, o judiciário e a cadeia, seus mecanismos são esmiuçados com uma clareza ímpar. Visto que a trama é internacional, a diferença de políticas em relação às drogas também é descrita. Portanto, o livro serve para o leitor informar-se com profundidade sobre o universo da droga, do tráfico ao consumidor, saindo da visão moralista e limitada que a mídia nos vende.

Abundam livros e reportagens sobre drogas, mas raras convidam ao pensamento. As discussões costumeiras sobre toxicomania se travestem de científicas, mas, de fato, não ultrapassam o campo moral: nos posicionamos frente a ela como o fazemos frente às diferentes formas de obter prazer. Condenar as drogas é condenar um gozo que consideramos errado, e vamos ser tão mais radicais e aferrados contra ele, quanto maior for a tentação. O preconceito é proporcional à barreira que temos que erguer, como resistência, para fazer frente ao invasivo que supomos que esse gozo possa ser. Poucas coisas nos assustam mais do que formas diferentes (das nossas) de obtenção de prazer. É por essa dificuldade que, quando falamos sobre drogas, pouco levamos em conta a realidade e sim nos afundamos em discussões bizantinas que escudam uma posição moralista. Posamos de cientistas para esconder um pastor evangélico.

Inflacionamos o problema das drogas enxergando a totalidade dos problemas com ela como se sempre fossem como são nos casos extremos, em que ela destrói o consumidor. Um paralelo simples ajuda a entender: seria como se nós classificássemos todos que bebem álcool como alcoólatras. Desde seu amigo que toma todas, todos fins de semana, até sua tia que toma um cálice de champagne por semana, ao o sujeito que toma uma cerveja no dia do seu aniversário. Imagine classificar todos como bebedores que abusam. Infelizmente é com essa régua torta que medimos e pensamos a droga, enquanto na realidade ela é consumida em larga escala, por muitíssimas pessoas, durante muito tempo, e nem por isso ela leva a uma paralisia da vida. A droga pode destruir vidas, mas em muitos o consumo acha um equilíbrio estável. O paradigma de que as drogas começariam bem, mas em algum momento iriam desestabilizar e destruir o seu usuário é falso. O fato de acontecer algumas vezes não quer dizer que aconteça sempre.

Muitos dos profissionais que lidam com ela sabem disso, porém seguem exagerando os efeitos da droga numa política de nos afastar dela. O estrago, quando acontece, seria (e é) tão grande que uma mentirinha útil não viria mal. Os fins justificariam os meios, o problema é que sabemos que são os meios que fazem os fins. Ou seja, a política das drogas funciona de forma paternalista, na intenção de proteger, infantiliza o interlocutor. Não conversa com ele de adulto para adulto, conversa como se ele fosse um adolescente rebelde e mal informado sobre o alcance do inferno das drogas. E os conselhos são um samba duma nota só: pare de usar. Quando você ouvir alguém dizer que a única forma de lidar com as drogas é a abstinência total acredite, essa é a forma que ele tem de lidar com a droga, e talvez seja a possível para muitos, mas querer que todos ajam dessa maneira é contraproducente.

Esse é um dos casos em que somos obrigados a explicitar nossas posições para não cair na lógica rudimentar: se ele não acredita em nosso deus, deve ser amigo do diabo que mais tememos. Para evitar mal-entendidos adianto: não uso drogas, não recomendo o uso drogas, e não raro, ajudo pessoas que se perderam por usá-las. Conheço de perto o poder destrutivo que as drogas podem ter, mas não consigo fechar os olhos para a realidade efetiva da toxicomania generalizada em que vivemos. Talvez devamos assumir que os drogados não são necessariamente só os outros. Em certo sentido, somos quase todos, pois há uma disseminação ampla se não deixarmos de fora as drogas legais para pensar a questão. Sem isso, sem levar em conta todos os fatos, não teremos possibilidade de enfrentar os sérios problemas gerados pela dependência.

Não é possível pensar esse momento toxicômano sem falar do mal-estar social, não vivemos no melhor dos mundos, ao contrário, é um mundo que precisa de muita droga para funcionar. É certo que temos problemas por nos drogar, mas é muito mais verdade que nos drogamos por que temos problemas. Vivemos premidos por exigências de boas performances profissionais, ter sucesso na vida amorosa, ser bonito, cuidar do corpo, e qualquer falha num setor arruina o todo. São ideais que criam uma multidão de fracassados e é para não fracassar, especialmente na questão central que coroa tudo: a exigência de ser feliz, que usamos tantos aditivos. Como a vida hoje não é para os fracos, não há espaço para tristeza, afogue-a com qualquer coisa.

A política de tolerância zero não funciona no caso da droga e uma sociedade livre de drogas é, neste momento, nesse mundo competitivo e ansioso, uma utopia ingênua. Vivemos numa sociedade fortemente toxicômana e não nos reconhecemos como tal. O pai não dorme sem o uísque e o rivotril, a mãe toma anti-depressivos fazem anos, o caçula não estuda sem ritalina, mas o único errado é o filho que fuma maconha. Temos remédios para dormir, para ficar acordado, para ficar mais focado, para viabilizar uma ereção, para calar a angústia, para driblar a depressão, para não oscilar o humor, enfim, a lista é grande. Sinto dizer, mas se mediamos nossa relação com a realidade utilizando drogas, elas estão simbolicamente no mesmo plano. Portanto, as compradas do traficante da esquina, ou receitadas por um médico, se o uso for ajudar a suportar a vida, talvez elas encontrem algumas coincidências no uso. O que devemos reconhecer é que é bem difícil não usar drogas para amenizar a angustia de existir e de enfrentar a realidade. Minha questão é: por que só as ilegais são combatidas com veemência? Por que o establishment grita tanto contra as drogas ilegais e aceita tão fácil a medicalização massiva até de crianças? Os excessos estão dois dois lados. A banalização da medicalização tarja preta sinaliza que um incremento químico faz a diferença. Então, por que não a maconha, pensam os jovens? Faz parte da toxicomania a crença que a realidade é desbotada, insuportável e intransponível sem um determinado elemento químico, ora, esse raciocínio vale para todas as drogas.

Minha recomendação do livro é também por que nele encontrei uma das melhores descrições, tanto poética como no relato empírico, do vazio a que a droga pode nos levar, dos labirintos circulares, das promessas que não se cumprem. O autor nos conduz a passear sem medo entre escombros de sujeitos que caíram em seu canto enganoso, e essa é a melhor política: conhecer sem preconceitos o mundo da droga. Temer o desconhecido é natural, por isso a política de exorcismo encontra eco popular. Mais difícil é admitir-se espelhado, nem que seja remotamente, naquilo que condenamos mas nos diz respeito. Nossos piores preconceitos são dedicados às maiores tentações e a droga não foge a essa regra. Este livro transpõe um pouco do abismo da ignorância, relativo a algo que compreendemos inconscientemente, mas a consciência condena. Eis uma experiência de lucidez que nenhuma substância turva, mascara, alucina. A realidade é difícil e Soares nos proporciona uma incrível viagem de cara limpa.

De quem é?

03 de outubro de 2012 0

Um grupo de jovens em viagem pela Europa fez um experimento cômico: no Louvre, escolheram aleatoriamente uma obra obscura, uma paisagem sem graça, irrelevante se comparada com outras pinturas importantes daquele museu. Admiravam explicitamente o dito quadro, fotografando-se em frente a ele e pedindo aos passantes que os retratassem a seu lado. Não demorou muito para que se criasse uma pequena comoção. O quadro teve seus quinze minutos de fama extra graças ao grupo de admiradores falsários. Várias pessoas se reuniram em torno dele e um guia atônito foi chamado a explicar a pintura de paisagem, pela qual costumava passar em branco.

Como se vê, o valor artístico também é uma questão de prestígio, que o diga o sempre nervoso mercado das artes. As gafes são inevitáveis, pois somos incultos crônicos. A vida é curta para dar conta de todo o acervo disponível para ler, escutar, assistir e olhar. Além disso, nem sempre sentiremos empatia pelas obras consideradas “primas”.

Se não formos críticos, estudiosos ou pesquisadores de qualquer uma das sete (ou mais) artes, não precisamos sentir vergonha de nossos julgamentos. Não é uma questão de etiqueta, é de estética: o “gosto”, “não gosto”, pode e deve ser levado em conta. Por outro lado, o acesso regular à arte costuma tornar a categoria do “gosto” muito mais ampla. Certamente viveríamos num mundo muito melhor se as oportunidades de sensibilização para o belo ou para o diferente estivessem ao alcance de todos.

Meu marido gosta muito de música, já meu ouvido é menos que amador. Prefiro que escolham para mim. Aproveito muito o ambiente que cada som cria, encaro a trilha sonora como uma oferenda do outro. Porém, quando ele me mostra uma música, sou reincidente num hábito que o chateia: antes de me entregar aos acordes, pergunto: “o que é? Ou: “de quem é isso?”. Fora as preferidas que sei de cor, raramente reconheço uma música, o que me envergonha bastante. Ele, paciente que é, me responde sempre: “primeiro escuta, depois te digo o que é!”. Sua ressalva é compreensível, pois antes do prazer da música, antecipo a preocupação com meu prestígio intelectual. Azar o meu, se fosse menos insegura aproveitaria ainda mais as audições caseiras.

No passeio ao museu, sempre vale a pena se informar sobre as obras que vai se ver, mas por que não confiar nos sentidos? Entendo o pessoal que parou na frente da paisagem obscura, usaram o movimento do público como guia, por que não? Depois do encontro com o quadro, o olhar define a paixão, ou não. Não importa como nos deixemos levar até ela, deixar-se arrebatar pelo prazer de uma obra tem que ser mais interessante que a erudição vazia. Em primeiro lugar simplesmente pare, olhe e escute! Depois, aprenda.

publicado na Revista Vida Simples, edição de setembro

A "boa"morte

30 de setembro de 2012 0

Perdi uma amiga, partiu antes de ficar velha. Ela deixa marcas importantes em sua área profissional, uma legião de amigos órfãos de sua presença, uma vida plena, interrompida por um câncer fulminante. Mal teve tempo de passar pelas torturas da doença, viveu seus últimos tempos ignorante do mal que implacavelmente a corroía. Graças a isso, viajou, estudou no exterior e se divertiu. Sentia vagos mal-estares estomacais, que atribuía à alimentação. Quando seu trágico destino foi revelado, já era tarde para qualquer providência, que, se tomada antes, tampouco seria diferente. Ela teve uma, sempre indesejável, boa morte. Se é possível desejar algo nesse território, também gostaria de partir assim, tendo tido o direito de viver plenamente até o fim, como ela.

Nesse sentido, celebro a resolução do Conselho Federal de Medicina, que se pronunciou sobre os termos do “Testamento Vital”. Trata-se do direito de deixar estabelecidos os limites a respeito dos procedimentos aos quais não desejamos ser submetidos na fase terminal. A morte deveria pertencer a seu protagonista, mas infelizmente, não existe momento de maior entrega.

Duvido que exista alguém que não tenha fantasiado sobre seu enterro. Quem não gostaria de ser uma mosca para assistir à própria despedida? Na derradeira celebração, estaríamos em condições de avaliar a veracidade das lágrimas, estimar nossa importância para os outros. É também oportunidade de, por que não, deixá-los culpados, se por acaso isso nos satisfaz. Dizem que a mãe judia vai mandar gravar em sua lápide: “eu disse que não estava me sentindo bem”. No enterro, nosso epitáfio está na boca de todos, cada presente oferece uma frase que nos definia, ou uma memória marcante do convívio, dirá em que lhe faremos falta. Enfim, parece o momento em que nossas maiores perguntas estarão por fim respondidas e não estaremos lá para ouvir. Pena.

O problema é que até esse momento, em que nosso ser transforma-se nas palavras dos que permanecem vivos, precisamos passar pela dura transição de morrer. Morrer costuma doer. Dói sentir-se esvair, é absurdamente triste ver-se partir, dói o corpo que colapsa. Tenho mais medo de morrer do que da morte.Talvez, se minha amiga tivesse tido tempo de escrever seu testamento vital, não escolheria outros termos para sua partida.

Há pouco o mundo assistiu chocado ao suicídio do diretor de cinema Tony Scott, que pulou de uma ponte, dizem que após constatar que possuía uma doença incurável. Abisma-me semelhante ousadia, não só relativa ao ato em si, mas também de assumir essa posição frente aos seres queridos. Morrer é como sair de uma festa, cedo é constrangedor, tarde é melancólico, buscamos a hora certa e sempre ficamos com a sensação de ter errado o momento. Nunca faria um ato como o de Scott pois o efeito dramático sobre os que ficam é avassalador, também é preciso zelar pela dor deles. Quando chegar a hora, só peço que me poupem de torturas desnecessárias e me deixem partir. Essa é minha vontade e creio que a de tantos.

Tatu-bola ou jequice-tatu? (por Mário Corso)

29 de setembro de 2012 0

Imagine que você seja um publicitário e precisa criar uma marca. Seu cliente dispõe de um cardápio rico, mas escolhe como símbolo algo que: entre o dia e a noite prefere a noite; entre o céu e a terra escolhe o subsolo; entre as cores vivas opta por um monocromático pastel; ao invés de um barulho vivaz escolhe o silêncio. Não é uma marca para uma funerária e sim para uma festa com convidados do mundo inteiro. Você pensa que isso não pode acontecer? Pois acabou de acontecer.

Não acreditei quando soube que o futuro mascote da copa será o tatu-bola. Conferi o site, pensei estar no Sensacionalista. De onde partiu semelhante idéia? Animais ctônicos como ele, habitantes da intimidade da terra, simbolicamente trazem conotação negativa, vide a cobra, o lagarto, a minhoca, a toupeira. O tatu nos lembra buraco, esconder-se, é um animal defensivo, que foge da briga, ou seja, animicamente um covarde. Seus dotes físicos tampouco ajudam, é sem graça e cor de terra, possui uma armadura escamosa sem charme, uns poucos pelos espetados e desgrenhados por baixo. De hábitos noturnos, só sai à noite para conversar com a coruja. Quanto aos nomes do tatu, não podemos reclamar, afinal, embora ainda não escolhido entre: Fuleco, Zuzeco ou Amijubi, as opções, são tão esdrúxulos como a escolha do animal, portanto, há uma coerência interna. Nessa lógica, é claro, apaga-se o único ponto forte do candidato: a sonoridade fácil de seu nome e que contém a palavra bola. Se não há escolha deixem tatu-bola, ainda que seja uma bola (o tatu enrolado sobre si) que não rola, e não se possa nem se deva chutar.

Um animal terrestre já representou o Brasil: a cobra fumando, símbolo da FEB. Mas o contexto era diferente, simbolizava a adesão à guerra. Como miticamente a terra está conectada à morte, um signo que lembra-se isso era perfeito. A escolha se deve à famosa frase, em que se dizia ser mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra, e a cobra fumou. Outras frases e metáforas foram usadas para dizer o mesmo, mas essa pegou por que representava o Brasil e seu momento. O exército brasileiro era pequeno e mal preparado, só a matreirice e oportunismo poderiam fazer dele fatal, por isso um ofídio. Pequena, mas mortal. O Brasil com os perigos traiçoeiros da selva eram assim evocados.

Quando Disney criou uma personagem para o Brasil escolheu um papagaio: Zé Carioca. A idéia do malandro nem era dele, nós é que nos vendíamos assim. Faz pouco, o filme Rio fez sucesso com uma Arara Azul que ficou associada ao Brasil e ao Rio de Janeiro. Essas aves colaram nos representando porque são animais do dia, solares e coloridos como é nosso país. Essas aves não só “falam” como o falam alto, fazem barulho, são associadas à alegria e ao bom humor. Elas têm tradição nesse quesito, por que desperdiçar esse gancho?

Os argumentos pelo escolha são frágeis. O tatu é um animal em extinção, é verdade, mas ele e quantos mais? Ele representa o cerrado e a caatinga, ok, mas essas regiões não espelham o Brasil no imaginário mundial. Para fora, nosso país é selva e mar. O que aliás é ótimo, com eles estamos em um território de diversidade, imensidão, força e magia. Ou seja, temos uma natureza rica, uma fauna incrível, se queremos abrir nossas portas, especialmente ao turismo, não seria mais fácil pegar algo já registrado na cabeça de todos como um valor positivo?

Faça uma experiência simples: lembre ou pergunte a alguém quais são os animais que estão impressos nas notas que manuseamos todos os dias. Os acertos serão maiores para a onça, na nota de 50, para a arara na de 10, e o mico na de 20. Quanto às outras, a maioria vai ter que meter a mão no bolso e olhar. Enxergamos melhor o que já é conhecido, e esse é um princípio básico quando quer se fazer um novo símbolo que pegue. Esses são os momentos onde é o óbvio que conta pontos, a boa propaganda dá roupa nova a velhos arquétipos. Não somos condenados a sermos representados eternamente pelos mesmos símbolos, o novo pode e deve advir, mas nesse caso não estamos criando material para currículo de escola, um projeto para o país, o que conta é a eficácia de uma imagem que divulgue a copa e traga o maior número de pessoas possível, que passe uma imagem de um pais acolhedor, exuberante e aprazível. E se fosse mesmo para fazer um corte com a representação tradicional do Brasil, sempre ligada a um elemento da natureza, que escolhessem um símbolo cultural, por que não um duende como o Curupira? Seria um toque de magia indígena, autóctone.

A tentação para um psicanalista é interpretar esse tatu com um ato falho. A COL escolheu um animal fabril (sim, para isso ele serve, ele constrói buracos, intervém na natureza) pois nada está pronto para copa e conviria chamar mais um operário. Um especialista em terra ajudaria nos túneis e estradas que ainda não saíram do projeto. Ou então o que retorna seria a personagem Jeca Tatu de Monteiro Lobato, símbolo do Brasil provinciano, inculto, doente e pobre. O país cresceu, livramo-nos do Jeca e ficamos com o Tatu. Seria ele o que restou da nossa jequice?

É a segunda bola fora no quesito imagem e propaganda. O símbolo da copa, aquelas mãos em verde e amarelo tampouco estão à altura do que podemos fazer. O design e a propaganda no Brasil fazem coisas muito melhores.

Que fique bem claro minha adesão ao projeto da copa no Brasil. Sou um entusiasta, creio que o Brasil tem condições de fazer uma copa como qualquer outro país. Tampouco acredito que esse dinheiro gasto em infra-estrutura seria melhor investido em escola, hospital, esse argumento tolo das prioridades. Essa conversa soa como deixar de fazer o Natal para economizar e trocar a geladeira, cancelar as férias para pagar um plano de saúde melhor. Quem realmente faz isso? É incrível como tem quem dá conselhos que não segue.

A questão que me preocupa é outra: se a inteligência que vamos usar para fazer a copa pode ser medida por decisões como essas, começamos com um gol contra.

Carnaval de Primavera

26 de setembro de 2012 0

Os historiadores não se cansam de lembrar que a dita tradição gaúcha, o gaudério de bota, bombacha, lenço no pescoço, sorvendo sua cuia de chimarrão, não passa de uma brincadeira cultural. Longe da verdade histórica, o bravo guerreiro, tão celebrado a cada setembro, é a fantasia glamourizada de um peão que nunca existiu.

Homens e mulheres vivem nos CTGs, no Acampamento Farroupilha e nos desfiles, uma espécie de carnaval de primavera. Fantasiados de gaúcho e prenda, fazem danças típicas, acrobacias eqüestres, e festejam por vários dias o mútuo reconhecimento. Depois falamos da longa duração e da entrega popular aos orgiásticos e ostensivos carnavais baiano ou carioca, como se os prolongados festejos sulistas nos ocupassem menos. De qualquer modo, durante essa época os nativos sentem-se felizes e tranqüilos, assim fardados e comportando-se conforme os clichês da personagem. Umas poucas insígnias resolvem as inquietudes de que tanto padecemos.

Fora da festa, a vida é mais hostil: o papel viril e feminino não cessam de ser questionados, a sabedoria dos pais não vale um vintém e, diferente do Patrão do CTG, ninguém ousa dizer aos mais jovens o que vestir, cantar e pensar. No baile à fantasia tradicionalista, basta envergar o traje regulamentar e todas essas incertezas são banidas, gaúcho corretamente fardado é macho, prenda com saia de armação e flor no cabelo é mulher. As dúvidas do século XXI são resolvidas com o imaginário do XIX e estamos conversados.

“Não há como ser original, se não for com base em uma tradição”, escreveu o psicanalista Winnicott, aludindo ao fato de que partimos de uma base, que nos alicerça, justamente para transcendê-la. Nesse sentido, é sempre bom lembrar que, apesar do aspecto tranqüilizante da festa regional, nossa cultura só mostrará sua riqueza enquanto for tributária do maior acervo de referências que pudermos adquirir. Jorge Luis Borges, que muitas histórias de homens do campo escreveu, já dizia que “nossa tradição é toda a cultura ocidental”, “nosso patrimônio é o universo”, e que “não podemos aferrar-nos ao argentino para ser argentinos: porque o ser argentino é uma fatalidade e nesse caso o seremos de qualquer modo”.

Ele propunha, como contraponto, que “se nos abandonamos a esse sonho voluntário que se chama criação artística, seremos argentinos e seremos, também, bons e toleráveis escritores.”. O mesmo vale para nós, gaúchos. Só para lembrar que nosso movimento tradicionalista organiza uma boa festa popular, mas a arte e a cultura das quais nosso povo pode se orgulhar são muito maiores do que isso.


Frankenstein on drugs

12 de setembro de 2012 0

oO cara não se sente à altura do cargo, teve a sorte de ser selecionado, mas se acha infra-dotado. O trabalho é insano, seus colegas também estão alucinados, todos fazem coisas além das suas capacidades, superar limites é o mínimo que se espera. Conhecem-se pouco, para a organização são números, importante é o sucesso da missão. Só há um jeito de garantir a eficiência: drogas. Consumidas garantem um desempenho perfeito. Os outros também usam, todos temem a abstinência, sem elas nada feito.

O discurso acima serviria para o mundo dos negócios, do entretenimento, da vida social, mas no caso trata-se de um filme, no qual agentes americanos, a serviço de missões secretas, são submetidos à manipulação bio-química. É Legado Bourne, o quarto filme da série inspirada nos livros de Robert Ludlum, agora sem o charme de Matt Damon, mas ainda divertido. A novidade desse episódio é a conexão das capacidades superlativas do herói com as substâncias que lhe são administradas, o que o torna um dependente químico. A corrida toda, que é a luta da criatura contra o criador, característica dos episódios anteriores, agora circula em torno desses remédios. O herói atual sonha em libertar-se deles, mas não sem antes garantir o efeito permanente dos poderes que lhe emprestam.

Os filmes sobre o agente Jason Bourne são variações sobre o tema da história de Frankenstein. Desde o monstro de Mary Shelley (1818), surgiram muitas versões dessa criatura.Todos eles, a exemplo dos Replicantes de “Blade Runner”, são fruto de um sonho transformado em pesadelo. O enfrentamento entre cientista e sua obra, a criatura, é sempre terminal e o arrependimento pela empreitada determina a eliminação da experiência. Victor Frankenstein recriou a vida, reanimou tecidos mortos e horrorizou-se com seu ato no mesmo momento em que seu monstro abriu os olhos. No caso dos Replicantes, de vários robôs da ficção e destes agentes secretos turbinados, produzem-se seres de potência incontrolável, que pecam por ganhar autonomia e desobedecer. Mas o importante nesta série de reaparições do mito, é investigar as novas formas que ele assume.

Neste caso, o que a criatura quer é eficiência. Para tanto, precisa das drogas da eficiência, legais ou ilegais, que fazem parte da nossa cultura. Na missão de vencer, distração é pecado, os outros são inimigos ou rivais, limites são para os fracos. Se falhar, a fila anda, você está morto. Hora de reler Frankenstein, pois a história começa com um aviso: a obsessão por ignorar os limites torna-nos seres assustadores, irreconhecíveis aos próprios olhos.


Meu pai e os monges de Myanmar

29 de agosto de 2012 0


No hospital, no início da derradeira jornada, meu pai me deixou uma incumbência. Ainda na emergência aguardando diagnóstico, eu procurava acalmá-lo. Com o pensamento confuso ele tentava tomar providências práticas, dinheiro, seguro de saúde. Entre as últimas preocupações que conseguiu enunciar ficou a pergunta, que fez com olhos já foscos: “e os monges de Myanmar?”. Frente à nossa impotência, à mercê do corpo que falia, só me cabia responder: “Deixa que cuido deles!”. Fiquei devendo essa parte e, como sempre, quando se perde o pai, tantas outras.

Era agosto de 2007, fazem agora cinco anos. A notícia candente da ocasião era o engajamento dos monges budistas nos protestos pela situação cronicamente precária desse minúsculo e instável país no sul da Ásia. Era tocante a imagem daqueles homens pacíficos, em suas vestes laranjas, enfrentando as potências armadas.

Meu pai vivia o noticiário como algo pessoal. Uma posição compreensível para um sobrevivente da Segunda Guerra. Ele teve a família destruída, o pai e o irmão assassinados em Auschwitz, pela má avaliação política que muitos judeus húngaros fizeram. Subestimando a ascensão do nazismo em seu país, deixaram de fugir a tempo. Dali em diante, a conjuntura nunca mais o pegaria com as calças na mão, espero ter aprendido isso com ele.

Lembrei de tudo isso ao ler o recentemente reeditado livro de memórias de Philip Roth: “Patrimônio: uma história real” (Companhia das Letras, 2012), que narra a etapa final da sua vida com o pai. Ao saber do tumor que mataria Herman Roth, então com 86 anos de idade, o filho Philip foi incumbido de dar-lhe a notícia, ou pelo menos as informações necessárias para conduzi-lo à consulta com o neurocirurgião. A caminho desse encontro, o escritor errou um cruzamento e foi, num lapso, parar no cemitério onde repousava o corpo da mãe. Conduzido pelo inconsciente, desceu, contemplou o túmulo que receberia o pai e ponderou… sobre a vida! A sobrevivência quase birrenta do seu pai – “Ele e a vida vinham juntos de muito longe”- sua compulsão a narrar o tempo todo – “Você nunca deve esquecer nada!” , sempre dizia – marcaram Philip Roth, que tampouco pôde deixar de contar histórias para viver.

Também aprendi que, mais que a morte, é a vida a grande surpresa. A mensagem final do meu pai foi que para mantê-la é preciso olhar em volta, entender o que se passa. Observando o mundo, seus políticos, soldados e os monges de Myanmar, talvez possamos sobreviver e fazer alguma diferença. Disso posso cuidar.

Um lugar para nascer

26 de agosto de 2012 0


Tenho longa história de fascinação pelo parto, por isso queria opinar num assunto que atualmente tem suscitado polêmica: o parto domiciliar. Sou contrária à transformação do nascimento num momento artificial. Sofro com a atual alienação das parturientes do processo, parto não é cirurgia eletiva. Porém, fico intranqüila que o parto ocorra longe dos recursos de um hospital, pois são muitas as ameaças que pairam sobre a dupla mãe-filho no primeiro encontro.

Quando jovem tive várias oportunidades de acompanhar partos, primeiro como curiosa insistente num hospital público, após como estagiária no Hospital Presidente Vargas, onde testemunhei um trabalho exemplar. Não estive lá tantas vezes porque acho o parto um espetáculo fácil. O nascimento é algo demasiado estranho, beirando o traumático, que precisei ver, muitas vezes, para assimilar sua realidade e encanto.

Como um ser humano acontece, do nada ao tudo, dentro de um ventre? Inaugura-se com a loteria da fecundação, o feto segue um programa próprio de transformações, sugando os recursos da futura mãe, sem com licença nem obrigado. O parto, irruptivo, também impõe-se quando for sua hora. O corpo materno se esgaça, a passagem tem que se abrir, quer seja pelos músculos ou pelo bisturi. No ápice de um parto normal, o topo da cabecinha cabeluda se anuncia, surgida de um orifício onde não se acredita que possa passar nada, eis alguém começando seu caminho pela vida!

Hoje não estamos muito preparados para grandes emoções como essa, queremos só as planejadas, susto de parque de diversões basta. Frente aos acontecimentos fortes, não sabemos bem o que pensar, tememos nunca estar à altura. Preferimos planejar, controlar o destino. Santa ingenuidade.

Esquecemos que o parto, assim como a gestação, sabem seu caminho pelo corpo, podemos confiar nisso muito mais do que se ousa atualmente. Marcando cesarianas desnecessárias, muitas mulheres deixam de viver o protagonismo a que teriam direito. É outro o envolvimento de uma parturiente usando seus movimentos, seus músculos, para colocar o filho no mundo, em vez de vê-lo ser-lhe retirado, imobilizada, inerte, cortada.

Por outro lado, também trabalhei com crianças com problemas de desenvolvimento, muitas delas seqüeladas por partos mal-atendidos, gestações mal-acompanhadas. Uma UTI neo-natal é decisiva quando os contratempos se avizinham. Vi mais de uma vez mães e bebês à beira da morte, por complicações imprevisíveis, que se salvaram por estarem em um hospital.

Quero para minhas filhas, amigas e pacientes, para todas as mulheres que amo, o direito a serem cuidadas num hospital. Mas também a que sejam sujeitos atuantes, presentes de corpo e alma ao nascimento dos seus filhos. Participar não significa marcar data, contratar equipes de filmagem, mas sim a possibilidade de acreditar na própria força, parir sem alienação. O parto humanizado é uma antiga e valiosíssima reivindicação, mas não em casa.

Voyeur de leituras

25 de agosto de 2012 0


No ônibus, tal era meu empenho em descobrir a identidade do livro que uma moça estava lendo que pegou mal. Num solavanco, quase caí sobre ela. Imagine a posição esdrúxula que a missão requeria. A pobre vítima da ostensiva curiosidade fechou o livro, colocando a mão em cima da capa (maldita!), e proferiu um ofendido “com licença!”. Percebera a indiscrição, reagia como se estivesse lhe espiando o decote. Apesar da natural resistência, o nome do livro acabou sendo descoberto: era evangélico. Foi um banho de água fria. Senti como se tivesse sido expulsa de uma comunhão imaginária, composta pelos que navegam no mesmo universo de fantasias. As escritas religiosas não me tocam, a empatia com aquela leitura era impossível. Uma tristeza, meus esforços haviam sido inúteis.

Sou capaz de ridículos estratagemas para descobrir qual é o livro que alguém esteja lendo em um local público. A capa contém a chave desse mistério, desvela a alma do leitor, é o acesso para um acervo potencialmente partilhável. Quem lê um livro que conhecemos deixa de ser um desconhecido. Porém, essa curiosidade abusada é uma imperdoável profanação da intimidade. Eu devia, como psicanalista, suportar estoicamente a introspecção do próximo. Só me revelariam seus pensamentos quem quisesse.

A leitura é uma intimidade portátil, podemos carregá-la na bolsa, no bolso. É uma experiência onírica controlável, nesse sentido melhor do que as fantasias rebeldes dos sonhos noturnos. Se empolgante, nos possuirá, mas também podemos abandoná-lo para divagar, assim como postergar o clímax. Não é por acaso que a leitura foi acusada de substituta ou incentivadora do onanismo. Sim, trata-se de um prazer solitário: o de embalar sonhos.

Um livro pode livrar-nos do ambiente tenso de uma sala de espera, da imobilidade angustiante da viagem ou do vazio de uma conexão. Na cafeteria, ele mantém afastados os conversadores indesejáveis. Livro é o antônimo de um cachorro, quem sai à rua com seu animal de estimação tem papo garantido. Ao contrário, leitura é refúgio, defensora da solidão aprazível. Por que, então, essa deselegante intromissão na leitura alheia?

Meter-se no livro do outro é voyeurismo, do tipo clássico. O mesmo que leva a criança a espiar seus pais, ou que alimenta a pornografia. O prazer alheio observado ou imaginado, revela e ensina, o voyeur viaja na cena, imagina-se parte dela. De forma segura, já que o espião se protege no anonimato. Olhando, aprendemos os caminhos que o desejo almeja percorrer. Da mesma forma, descobrir a obra que alguém lê é participar da sua cena imaginária, de suas fantasias, adivinhar seu sonho acordado. Não passa de uma devassidão pueril, mas a moça tinha razão de ficar furiosa: é uma desagradável invasão de privacidade. Incontrolável, no meu caso.



Voyeur de leituras

25 de agosto de 2012 0

No ônibus, tal era meu empenho em descobrir a identidade do livro que uma moça estava lendo que pegou mal. Num solavanco, quase caí sobre ela. Imagine a posição esdrúxula que a missão requeria. A pobre vítima da ostensiva curiosidade fechou o livro, colocando a mão em cima da capa (maldita!), e proferiu um ofendido “com licença!”. Percebera a indiscrição, reagia como se estivesse lhe espiando o decote. Apesar da natural resistência, o nome do livro acabou sendo descoberto: era evangélico. Foi um banho de água fria. Senti como se tivesse sido expulsa de uma comunhão imaginária, composta pelos que navegam no mesmo universo de fantasias. As escritas religiosas não me tocam, a empatia com aquela leitura era impossível. Uma tristeza, meus esforços haviam sido inúteis.

Sou capaz de ridículos estratagemas para descobrir qual é o livro que alguém esteja lendo em um local público. A capa contém a chave desse mistério, desvela a alma do leitor, é o acesso para um acervo potencialmente partilhável. Quem lê um livro que conhecemos deixa de ser um desconhecido. Porém, essa curiosidade abusada é uma imperdoável profanação da intimidade. Eu devia, como psicanalista, suportar estoicamente a introspecção do próximo. Só me revelariam seus pensamentos quem quisesse.

A leitura é uma intimidade portátil, podemos carregá-la na bolsa, no bolso. É uma experiência onírica controlável, nesse sentido melhor do que as fantasias rebeldes dos sonhos noturnos. Se empolgante, nos possuirá, mas também podemos abandoná-lo para divagar, assim como postergar o clímax. Não é por acaso que a leitura foi acusada de substituta ou incentivadora do onanismo. Sim, trata-se de um prazer solitário: o de embalar sonhos.

Um livro pode livrar-nos do ambiente tenso de uma sala de espera, da imobilidade angustiante da viagem ou do vazio de uma conexão. Na cafeteria, ele mantém afastados os conversadores indesejáveis. Livro é o antônimo de um cachorro, quem sai à rua com seu animal de estimação tem papo garantido. Ao contrário, leitura é refúgio, defensora da solidão aprazível. Por que, então, essa deselegante intromissão na leitura alheia?

Meter-se no livro do outro é voyeurismo, do tipo clássico. O mesmo que leva a criança a espiar seus pais, ou que alimenta a pornografia. O prazer alheio observado ou imaginado, revela e ensina, o voyeur viaja na cena, imagina-se parte dela. De forma segura, já que o espião se protege no anonimato. Olhando, aprendemos os caminhos que o desejo almeja percorrer. Da mesma forma, descobrir a obra que alguém lê é participar da sua cena imaginária, de suas fantasias, adivinhar seu sonho acordado. Não passa de uma devassidão pueril, mas a moça tinha razão de ficar furiosa: é uma desagradável invasão de privacidade. Incontrolável, no meu caso.