Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Confira a análise de Paraná 1 x 0 JEC

25 de junho de 2016 0
Derrota em Curitiba manteve o JEC no Z4 - Foto: Divulgação/Assessoria JEC

Derrota em Curitiba manteve o JEC no Z4 – Foto: Divulgação/Assessoria JEC

A partida de terça, contra o CRB, na Arena, será decisiva para a continuidade do técnico Hemerson Maria no Joinville. A questão não é a perda de confiança no trabalho do treinador. Na verdade, os resultados, a cobrança e a falta de atitude da equipe podem obrigar a diretoria a refazer seus planos no futebol.

No sábado, diante do Paraná, Maria escalou uma equipe ofensiva (não em termos táticos, pois o esquema é o mesmo, mas nas características dos atletas) – com Dodô pela esquerda, Gabriel Vasconcelos pela direita, Pereira no centro e Fernando Viana na referência. Nada mudou. Pior: a equipe, que deveria dar sinais de reação, foi até mais passiva do que o normal.

Por este motivo, a vitória contra o CRB será fundamental. Hemerson Maria sabe disso. Terá de ser muito eficiente na sua estratégia e contar com um pouco de sorte para conseguir a vitória que pode mantê-lo no cargo diante de tanta pressão.

O que pesa contra Hemerson são os números desde as finais do Campeonato Catarinense. De lá para cá, a equipe fez 17 partidasduas pelo Estadual, três pela Copa do Brasil e 12 pela Série B.Veja os números abaixo.

  • 17 jogos
  • vitórias
  • empates
  • derrotas
  • gols pró
  • 15 gols contra
  • 10 jogos sem marcar gol
  • jogos sem sofrer gol
  • 29,41% de aproveitamento

Com estes números, nem o mais otimista com o trabalho do treinador consegue convencer alguém de que não se deve mexer no comando. Não há nada que rebata os números, mesmo com a ressalva de que, neste período, Hemerson Maria teve nas mãos um time em construção.

No futebol, os resultados representam demais. No caso do JEC, a ausência de vitórias na Arena; a falta de gols; a presença na zona do rebaixamento; a realidade de que a briga pelo acesso é quase utópica (era o plano da direção subir); e algumas escolhas feitas por Hemerson Maria nesta série de partidas somam à pressão que ele vem sofrendo. Um novo tropeço forçará a diretoria a dar uma resposta e, sem resultados, o treinador não suportará.

No caso específico do jogo de sábado, Hemerson é o menos culpado na avaliação do blog, o que não o isenta dos problemas que a equipe teve nos jogos anteriores — diante de Atlético-GO e Ceará, por exemplo.

Em Curitiba, foi incrível o comportamento passivo dos jogadores do Joinville. Esperava-se mais luta pelo resultado pelas cobranças feitas em reunião com a comissão técnica e num encontro apenas entre os atletas. No entanto, o time parece ter aceitado mais a derrota do que o normal.

Numa tradução bem simples, parece que os atletas não jogam coletivamente. Jogam individualmente. Exemplos do aparentam as reações dos jogadores:

  • Se aquele cara não corre, por quê eu vou correr?
  • Não tenho mais paciência com aquele cara que não acerta passes…
  • Não chega uma bola em mim?
  • Deixa que os novos resolvam…

Impressiona também como alguns jogadores caíram de rendimento. Everton Silva jogou as quatro primeiras partidas em nível aceitável e, desde então, não tem correspondido. Paulinho Dias e Pereira são outros atletas em péssima fase. Logo deles que deveria vir o passe mais qualificado para que o Joinville tivesse capacidade de aumentar a produção do sistema ofensivo. Viana parece estar nervoso o tempo todo (não é de hoje). Diante deste cenário, Maria terá de sacá-los para buscar alternativas diferentes contra o CRB.

O jogo

O problema do JEC no primeiro tempo foi o excessivo número de passes errados. Até os 30 minutos, o Tricolor tinha um aproveitamento baixíssimo no índice de acerto de passes – 78% (considera-se um bom índice números acima de 88%). Normalmente, a saída de bola começava com Ligger, que tentava o passe, a subida ao ataque ou os lançamentos. Nada funcionava. Quando a bola era retomada, não durava muito tempo nos pés do JEC. Outra tentativa vinha na ligação direta de Bruno Aguiar, que procurava Dodô. Não funcionou.

Esse quadro só se alterou na segunda etapa após a entrada de Matheus Bertotto. Era dele a primeira saída do JEC, que melhorou a qualidade do passe. A bola chegava ao meio com mais facilidade, mas ainda faltava o capricho no passe final de jogadores como Pereira, Dodô e Paulinho Dias. Por isso, poucas chances de gol apareceram ao Tricolor nos 45 minutos finais do duelo.

O gol e outros problemas

Se já não bastassem os problemas ofensivos, o Joinville — que até é equilibrado defensivamente — vem sofrendo com a mesma jogada: bola longa do lado esquerdo do ataque do adversário. Normalmente, Bruno Aguiar está no primeiro combate e Ligger fica com a cobertura. E é desta maneira que saem os gols: na cobertura, que não é boa, de Ligger. Foi assim contra o Paysandu e diante do Paraná. Neste sábado, Ligger não segurou Lúcio Flávio e também não teve cobertura do próprio Aguiar, que demorou a chegar para alcançar Robson. E, além do gol, a jogada se repetiu na segunda etapa e quase provocou outro gol.

Estes detalhes, quase imperceptíveis, pesam bastante para um equilíbrio de uma equipe. Laterais que não atacam com eficiência (como Diego e Everton Silva) tornam-se peças nulas no jogo. Volantes que não auxiliam na armação sobrecarregam o ataque. Naldo, por exemplo, está longe de ser o mesmo do Estadual.

Se os laterais ou os volantes funcionassem mais, o Joinville poderia estar vencendo. E o exemplo claro é o próprio Estadual. Óbvio, o nível era mais baixo. Mas, desde aquela época, o ataque não fazia gols. Quem sustentou o Tricolor no returno foram os volantesNaldo, Anselmo e Kadu (e até Diones e Diego Felipe). Desde a chegada de Hemerson Maria, o Tricolor fez 22 gols no Campeonato Catarinense. Destes, 11 tiveram participação dos volantes. Veja a relação abaixo.

  • Gol de Adriano contra o Camboriú (lançamento de Diones)
  • Gol de Kadu contra o Camboriú
  • Gol de Bruno Aguiar de pênalti contra o Camboriú (passe de Diego Felipe no pênalti sofrido por William Paulista)
  • Gol de Anselmo contra o Inter de Lages
  • Gol de Naldo contra o Guarani
  • Gol de Kadu contra o Figueirense (passe de Nald0)
  • Gol de Felipe Alves contra o Metropolitano (passe de Kadu)
  • Gol de Wellinton Júnior contra o Camboriú (passe de Naldo para William Paulista girar e dar a assistência)
  • Gol de Kadu contra o Inter de Lages
  • Gol de Diones contra o Inter de Lages
  • Gol de Diego Felipe contra a Chapecoense

Conclusão

Diante de tudo o que foi dito, só um milagre (pelo o que o time apresenta) salva Hemerson Maria. Numa visão muito realista, ele terá de fazer uma mágica para a equipe mudar de comportamento neste domingo e segunda-feira (dias de treinos). Os jogadores parecem que só acordarão se que o cenário que os cerca mudar. Claro, a vitória pode até acontecer. Mas, na avaliação do blog, será algo improvável por tudo que o time tem apresentado. Se o JEC ganhar, Maria terá uma vitória pessoal muito grande por escapar de um quadro no qual tudo aponta para a sua saída.

Atacante é dúvida entre os titulares do JEC

24 de junho de 2016 0
Barbio ainda é dúvida entre os titulares do JEC - Foto: Divulgação/JEC

Barbio ainda é dúvida entre os titulares do JEC – Foto: Divulgação/JEC

Embora esteja relacionado para o jogo deste sábado, o atacante Wiliam Barbio é dúvida entre os titulares em razão de sua condição física. Segundo o técnico Hemerson Maria, Barbio surpreendentemente não se apresentou nas melhores condições, apesar de ter atuado pelo América-MG em um jogo da Série A. O atacante teria apresentado deficiência em “valências”.

Hemerson Maria inclui novidades no grupo que enfrentará o Paraná. Confira a lista dos relacionados

24 de junho de 2016 0
Hemerson Maria selecionou 21 jogadores para o jogo deste sábado - Foto: Assessoria JEC

Hemerson Maria selecionou 21 jogadores para o jogo deste sábado – Foto: Assessoria JEC

Pela primeira vez em 2016, o Joinville divulgou a lista de jogadores relacionados para uma partida. O procedimento normalmente não acontecia e não havia uma explicação convicente do departamento de futebol para o caso. A nova medida traz mais clareza aos torcedores e ajuda os veículos de mídia a especularem menos sobre quem vai para o jogo.

Na lista para a partida contra o Paraná, o técnico Hemerson Maria selecionou quatro novos jogadores — Reginaldo, Bertotto, Dodô e Wiliam Barbio.

 

Veja a lista abaixo.

Goleiros: Oliveira e Jhonatan.
Zagueiros: Bruno Aguiar, Ligger e Danrlei.
Laterais: Everton Silva, Diego, Júnior e Reginaldo.
Volantes: Naldo, Paulinho Dias, Matheus Bertotto, Kadu e Diones.
Meias: Pereira e Juninho.
Atacantes: Wiliam Barbio, Gabriel Vasconcelos, Fernando Viana, Dodô e Murilo.

Ingressos à venda para Paraná x JEC

24 de junho de 2016 0
Bilhetes podem ser comprados no estádio - Foto: Divulgação/Paraná Clube

Bilhetes podem ser comprados no estádio – Foto: Divulgação/Paraná Clube

Estão à venda os ingressos para Paraná e Joinville em partida que ocorrerá na Vila Capanema, em Curitiba. Para os torcedores do JEC que pretendem viajar pouco mais de uma hora até a capital paranaense, é preciso saber que os bilhetes serão vendidos nesta sexta, no palco do jogo, entre 9 horas e as 11h30 e das 12h30 às 18 horas. No sábado, as vendas acontecem no mesmo local, a partir das 9 horas. Os ingressos para os tricolores custarão R$ 50 (R$ 25 a meia-entrada).

JEC pode estrear dois jogadores contra o Paraná e tenta regularizar mais dois

23 de junho de 2016 2
Barbio (E) e Reginaldo (C) já têm condições de jogo - Foto: Assessoria JEC

Barbio (E) e Reginaldo (C) já têm condições de jogo – Foto: Assessoria JEC

O Joinville conseguiu regularizar nesta quinta a situação do lateral-direito Reginaldo. Assim como Wiliam Barbio, ele está no BID e poderá estrear contra o Paraná. Quem deve entrar no BID nesta sexta é o volante Matheus Bertotto.

O atacante Dodô tem chances de entrar na sexta, mas tudo dependerá da Federação do Azerbaijão, que ainda não enviou o ITC (certificado de transferência internacional) para a CBF.

CBF altera horário de Brasil-RS x JEC

23 de junho de 2016 0
Estádio Centenário, em Caxias do Sul, receberá o jogo - Foto: Adão Júnior

Estádio Centenário, em Caxias do Sul, receberá o jogo – Foto: Adão Júnior

A CBF confirmou a mudança de horário de Brasil-RS x Joinville, marcado para o dia 2 de julho (sábado). Antes, o duelo ocorreria às 21 horas. Agora, será às 16 horas. Há outro detalhe neste jogo: ele será realizado no Estádio Centenário, em Caxias do Sul (RS). Por não ter a capacidade mínima exigida no Estádio Bento Freitas (10 mil pessoas) , o Brasil manda seus jogos desde a 11ª rodada em Caxias do Sul.

Reunião rende voto de confiança a Hemerson Maria no JEC

23 de junho de 2016 7
Hemerson Maria deve promover mudanças na equipe - Foto: Rodrigo Philipps

Hemerson Maria deve promover mudanças na equipe – Foto: Rodrigo Philipps

A direção do Joinville esteve reunida na manhã desta quinta-feira com a comissão técnica para avaliar o desempenho da equipe nos últimos jogos da Série B. No bate-papo, o técnico Hemerson Maria foi questionado a respeito do futebol apresentado pelo time e sobre as escolhas feitas nas escalações recentes.

De acordo com apuração do blog, o saldo do encontro foi positivo, segundo avaliação dos dois lados. A direção do JEC irá esperar um pouco mais para fazer um balanço do trabalho — ou seja, apesar das cobranças no encontro, não haverá demissão mesmo em caso de derrota para o Paraná, no próximo sábado, em Curitiba. Quem era a favor da ideia de desligar Hemerson após o jogo — em caso de resultado negativo — mudou de ideia e irá aguardar a entrada dos reforços na equipe.

No lado da comissão técnica, houve o reconhecimento de que algumas escolhas não foram acertadas nos últimos jogos. E há a promessa de uma mudança de postura já a partir do próximo sábado.

Em resumo: se havia divergência de opiniões em relação a permanência de Hemerson no JEC, agora, ela não existe mais. Todos estão convictos de que o melhor é a continuidade do treinador.

É preciso que fique claro que nunca houve um “racha”, com desgaste entre quem defendia a demissão e quem defendia a permanência. Havia opiniões divergentes que, agora, caminham em consenso.

Com o voto de confiança, Hemerson Maria agora prepara a equipe para o duelo na Vila Capanema e, como tem acontecido nas últimas partidas, deve promover alterações na equipe. O último treino ocorre nesta sexta-feira, pela manhã.

Atacante do JEC ficará quatro semanas afastado da equipe

22 de junho de 2016 6
Atleta sofreu uma lesão muscular - Foto: Rodrigo Philipps

Atleta sofreu uma lesão muscular – Foto: Rodrigo Philipps

Se Pereira está voltando (leia mais em Meia está liberado e poderá reforçar o JEC no sábado), em compensação o atacante Cléo Silva, afastado desde o jogo contra o Ceará, ficará um bom período longe dos titulares do Joinville. Na tarde de quarta, o departamento médico do JEC confirmou que o atleta sofreu uma lesão muscular na parte posterior da coxa direita. O problema vai afastar o jogador durante quatro ou cinco semanas.

Meia está liberado e poderá reforçar o JEC no sábado

22 de junho de 2016 0
Jogador estava em observação - Foto: Romildo de Jesus/Estadão Conteúdo

Jogador estava em observação – Foto: Romildo de Jesus/Estadão Conteúdo

Após o afastamento na partida de terça, contra o Paysandu, em razão de uma concussão sofrida na partida contra o Ceará, na semana passada, o meia Pereira está liberado pelo departamento médico e poderá atuar no sábado. Pereira não foi liberado antes porque os médicos tricolores julgaram que, por precaução, era melhor mantê-lo em observação.

Em recuperação, dois atacantes do JEC continuam fora no fim de semana

22 de junho de 2016 0
Erick (C) ainda não estreou pelo JEC - Foto: Assessoria do JEC/Divulgação

Erick (C) ainda não estreou pelo JEC – Foto: Assessoria do JEC/Divulgação

O atacante Erick Luís começa a partir desta quinta a trabalhar na transição para finalmente ser liberado. A expectativa é de que ele possa estar pronto para jogar pelo JEC na próxima semana. O também atacante Heliardo continua em tratamento no joelho, ainda sem previsão de retorno ao Joinville.