Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Análise otimista, pessimista e realista de Atlético-GO 1 x 1 JEC

27 de setembro de 2016 7
Viana salvou o JEC da derrota em Goiânia - Foto: Carlos Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Viana salvou o JEC da derrota em Goiânia – Foto: Carlos Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Existem três maneiras de analisar o empate do JEC diante do Atlético-GO, em Goiânia, aos 48 minutos do segundo tempo. Sim, três maneiras, especialmente devido ao gol marcado por Fernando Viana — que nenhum torcedor do JEC julgava ser possível àquela altura do jogo.

O blog, desta vez, fará diferente e deixará com o torcedor a opção de escolher qual visão ele quer. Estas ideias foram observadas buscando grupos de torcedores do Joinville e, claro, com apoio da própria visão do blog. Vamos a elas:

  • Otimista: o gol de Fernando Viana pode ser o ponto decisivo na luta do JEC contra o rebaixamento. Traz aos supersticiosos a lembrança de 2014 (naquele ano, Viana marcou aos 48 do segundo tempo contra o América-RN, ainda no primeiro turno, o JEC venceu e os dois pontos a mais foram suficientes para a equipe conquistar o título brasileiro). Premiou um time que buscou o resultado, apesar de suas limitações evidentes. Neste jogo, o Joinville melhorou o índice de finalização (em nove tentativas, acertou quatro ao gol). Buscou um ponto diante de um rival que só havia tropeçado em casa em quatro ocasiões anteriores e tem a segunda melhor campanha como mandante. Tem na sequência o Ceará, que está há 11 partidas sem vencer (cinco delas em casa). Foi contra o Ceará também que o Joinville começou a reação em 2014 e, diante deste adversário, venceu dois dos últimos quatro jogos disputados em Fortaleza. Ou seja, seria a hora do crime.

  • Pessimista: A exemplo dos jogos anteriores, o Joinville se desestabilizou após o gol sofrido. Até fazia um duelo equilibrado, mas se perdeu psicologicamente depois de sair atrás no placar. Jogadores como Everton Silva, Diego, Paulinho Dias e Heliardo estão numa fase muito ruim e não têm condições de serem titulares do JEC. Criou oportunidades, mas não tem alguém que, de fato, resolva o problemas das finalizações, que até melhoraram. Achou um gol no fim do jogo numa bobeada incrível do Atlético-GO. O empate teve mais do vacilo dos donos da casa do que do mérito do JEC. Os volantes do Joinville não têm feito seu papel e permitiram hoje o meia Jorginho jogar livremente. Fosse um pouco mais eficiente, ele teria decidido o confronto. Pra fechar: a diferença ainda é de seis pontos e só se manterá assim caso os rivais tropecem na rodada.

  • Realista: o empate do Joinville, em termos de classificação, muda pouco a situação. Em qualquer cenário, empatar diante do Atlético-GO, fora de casa, seria um grande resultado — como foi o empate diante do Bahia, mesmo jogando na Arena. O problema é que o tempo é inimigo do JEC e a equipe precisa de vitórias desesperadamente. Óbvio que, em razão das circunstâncias, o empate até pode ser um alento, mas o que time precisa fazer é torná-lo um combustível para a partida seguinte, contra o Ceará. Este é o duelo de vida ou morte. O adversário passa por um péssimo momento, já perdeu em casa para equipes como o Sampaio Corrêa, ou seja, o Joinville pode (e deve) aprontar lá caso queira se manter vivo. Se vencer, volta com mais ar para um confronto direto diante do Paysandu. O jogo desta terça até mostrou uma equipe com mais transpiração, embora ainda tenha problemas com seus volantes e laterais. Mas as soluções podem estar em casa: Kadu, Juninho, Aldair e o próprio Viana podem resolver alguns destes problemas. Será que eles estão tão abaixo assim de Diego, Paulinho Dias, Everton Silva e Heliardo? Há uma semana até o próximo jogo. E talvez esta seja a semana mais importante do ano. Vencendo, o JEC volta à briga.

Vitória do JEC é improvável, mas não é impossível

27 de setembro de 2016 1
Ramon busca o equilíbrio no Joinville - Foto: Agência RBS

Ramon busca o equilíbrio no Joinville – Foto: Agência RBS

A missão de escapar da Série C coloca o Joinville numa situação de buscar resultados pouco prováveis ao longo da competição. Vencer em Goiânia, nesta terça, diante do vice-líder da competição, é uma destas situações improváveis. No entanto, a equipe não tem escolha. Restam apenas 11 partidas e, para correr poucos riscos, é preciso ganhar sete confrontos.

Como afirmou o técnico Ramon Menezes em entrevista à assessoria de imprensa do JEC, um resultado como este poderia dar a arrancada que o time tanto persegue. O problema é que esta mesma lógica valia para o clássico contra o Avaí e não aconteceu.

Em resumo: para ganhar, o Tricolor terá de jogar nesta noite tudo o que não fez ainda nesta Série B. Ter uma defesa capaz se segurar o forte Atlético-GO e um ataque eficiente nas poucas chances que irão aparecer. Este é o tão desejado equilíbrio que quer Ramon. É improvável, mas não é impossível.

JEC estreia nesta terça na Copa do Brasil sub-20

27 de setembro de 2016 0
No ano passado, JEC foi eliminado pelo São Paulo - Foto: Paula Reina/Comunicação SPFC

No ano passado, JEC foi eliminado pelo São Paulo – Foto: Paula Reina/Comunicação SPFC

O Joinville estreia nesta terça, às 18h45, na Copa do Brasil sub-20. O Tricolor terá pela frente o Corinthians no jogo de ida da primeira fase da competição. A equipe do técnico Da Silva tenta construir uma vantagem para chegar mais tranquila no jogo da volta, na próxima semana, na Arena Barueri.

A entrada é franca. No entanto, o JEC avisa que haverá pessoas recebendo donativos para campanha voltada ao Dia das Crianças. Serão aceitos, voluntariamente, brinquedos, doces e outras guloseimas.

A nota ruim é que, apesar de ter sido semifinalista da Copa do Brasil sub-20 no ano passado, o Joinville não jogará a competição em 2017. São convidados apenas os 20 clubes da Série A e os 12 melhores colocados da Série B. Como a campanha dos profissionais não atingirá este patamar, os jovens da base não poderão participar do torneio nacional no ano seguinte.

Confira a lista de relacionados do JEC para a partida contra o Atlético-GO

27 de setembro de 2016 1
Bruno Ribeiro está entre os 18 nomes - Foto: Rodrigo Philipps

Bruno Ribeiro está entre os 18 nomes – Foto: Rodrigo Philipps

O técnico Ramon Menezes relacionou 18 jogadores para a partida desta terça, contra o Atlético-GO. A lista tem cinco novidades em relação ao grupo de 23 atletas escolhido na semana passada, contra o Avaí. Por opção do comandante, não acompanharam a delegação o zagueiro Danrlei; o volante Kadu; o meia Bruno Farias; e o atacante Giva. Além deles, Jael, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, não viajou a Goiânia.

  • Goleiros: Samuel e Jhonatan.
  • Zagueiros: Rafael Donato, Ligger e Fabiano Eller.
  • Laterais: Everton Silva, Diego e Reginaldo.
  • Volantes: Naldo, Paulinho Dias, Tinga e Bertotto.
  • Meias: Bruno Ribeiro e Juninho.
  • Atacantes: Claudinho, Aldair, Fernando Viana e Heliardo.

Confira a análise de JEC 0 x 1 Avaí

24 de setembro de 2016 19
JEC perdeu jogo e deve perder mandos de campo - Foto: Rodrigo Philipps

JEC perdeu jogo e deve perder mandos de campo – Foto: Rodrigo Philipps

Na edição impressa de sexta-feira do Jornal A Notícia, a coluna Toque de Letra apontou o jogo contra o Avaí como possível combustível para a reação do Joinville na Série B. Vencer um rival tradicional, num bom momento, na estreia do técnico Ramon Menezes, era o que a equipe precisava para finalmente iniciar uma arrancada no campeonato.

No entanto, nada disso aconteceu. O Tricolor fez um primeiro tempo muito fraco, no qual não criou praticamente nada.Chegou numa bola parada, em escanteio, com Rafael Donato, e numa bola longa de Diego, escorada por Jael e finalizada por Donato. O primeiro tempo mostrou também o quanto alguns jogadores deixam a desejar.

Everton Silva falhou no gol. Foi facilmente driblado por Capa, que não teve a cobertura de Reginaldo. Para piorar, o tiro ainda contou com o erro de Jhonatan, que deu o rebote e permitiu o gol de Rômulo. Além deste erro, foi possível observar um Jael precipitado nas jogadas de ataque; Bruno Ribeiro errando passes finais; Bertotto sem capacidade de criar algo como elemento-surpresa; e Diego, como é de costume, fraco no apoio.

Na segunda etapa, o Joinville até melhorou após as entradas de Claudinho e Aldair. O primeiro arriscou de fora da área, tentou infiltrar, buscou algo diferente. O segundo, por dentro, rende mais do que pelos lados, especialmente circulando entre as linhas do Avaí, como aconteceu nesta sexta-feira. Aldair não é mais aquele atacante de velocidade e drible. Hoje, é mais um finalizador que funciona melhor preparando as jogadas ou atuando como meia-atacante de costas.

Com tudo isso, fica difícil imaginar da onde pode vir uma reação, especialmente pela sequência fora de casa, diante de Atlético-GO e Ceará. A lógica apontaria tropeços contra adversários que brigam na parte superior da tabela, o que seria natural. O problema é que o JEC precisa inverter a lógica. Se ela prevalecer, a equipe voltará a atuar na Arena, diante do Paysandu, precisando vencer sete dos nove jogos restantes.

Conclusão: é possível dizer que só um milagre salvará o JEC. Hoje, a Série C é quase uma realidade.

Irresponsabilidade

Os torcedores do Joinville que arremessaram as bombas e os foguetes no gramado foram irresponsáveis. Primeiro, porque colocaram em risco o goleiro Jhonatan, um dos menos culpados pelo momento do Tricolor. Além disso, devem causar uma séria punição ao clube. Pioraram um quadro complicadíssimo.

O Joinville precisa identificar estes torcedores e puni-los severamente, proibindo o acesso deles ao estádio. O clube teve prejuízo sério. Óbvio que o momento não é bom, que o torcedor está irritado e pode (e até deve) protestar. Mas este tipo de ato não é protesto: é crime. Alguém tem ideia do que poderia ter acontecido com o goleiro Jhonatan se ele tivesse sido atingido por um dos objetos arremessados? Infelizmente, este é mais um triste episódio que acontece na Arena.

A fase do JEC já é ruim. O clube não precisa ser protagonista em episódios piores por conta de alguns torcedores irracionais.

Ramon relaciona 23 nomes para o duelo contra o Avaí. Confira a lista do JEC

22 de setembro de 2016 3
Donato deve assumir a vaga de titular na equipe - Foto: Divulgação/JEC

Donato deve assumir a vaga de titular na equipe – Foto: Divulgação/JEC

O técnico Ramon Menezes relacionou 23 jogadores para a partida desta sexta, contra o Avaí. A lista tem dez novidades em relação ao grupo de 19 atletas escolhido para semana passada, contra o Vasco. As mais surpreendentes são as inclusões de Rafael Donato (que foi reintegrado ao grupo nesta semana) e Bruno Farias (ausente na última lista) e o corte de Thomás, peça muito utilizada por Lisca.

A relação ainda conta com as voltas do lateral Diego; dos volantes Naldo (retorno de suspensão) e Kadu; e dos atacantes Fernando Viana e Aldair. Completam a lista de mudanças os ausentes Fernandinho (lesionado) e Luiz Meneses (opção do treinador).

  • Goleiros: Samuel e Jhonatan.
  • Zagueiros: Rafael Donato, Ligger, Fabiano Eller e Danrlei.
  • Laterais: Everton Silva, Diego e Reginaldo.
  • Volantes: Paulinho Dias, Kadu, Naldo, Tinga e Bertotto.
  • Meias: Bruno Ribeiro, Juninho e Bruno Farias.
  • Atacantes: Giva, Jael, Claudinho, Aldair, Fernando Viana e Heliardo.

Definido o apito para JEC x Avaí

20 de setembro de 2016 2
Bruno apitou dois jogos da Série B nesta temporada - Foto: Divulgação

Bruno apitou dois jogos da Série B nesta temporada – Foto: Divulgação

O árbitro Bruno Arleu de Araújo, da Federação Carioca de Futebol, será o comandante do clássico entre Joinville e Avaí, na sexta-feira, às 20h30, na Arena. Ele terá como assistentes Dilbert Pedrosa Moisés e Thiago Henrique Neto Correa Farinha, também da Federação Carioca. Bruno é árbitro aspirante Fifa e, nesta temporada, apitou cinco jogos da Série A e dois da Série B. No ano passado, ele apitou a derrota do JEC para o Palmeiras, por 3 a 2, em São Paulo, pela Série A.

Promoção de ingressos do JEC para jogo contra o Avaí começa nesta quarta

20 de setembro de 2016 2
Promoção passa a valer nesta quarta-feira - Foto: Rodrigo Philipps

Promoção passa a valer nesta quarta-feira – Foto: Rodrigo Philipps

O Joinville que aproveitar a chegada do técnico Ramon Menezes para reaproximar o torcedor do clube nesta sexta-feira, no clássico contra o Avaí. Para a partida, a direção anunciou uma nova promoção de ingressos, que começa a valer a partir das 10 horas desta quarta, apenas na loja do clube na Arena Joinville.

Para aproveitar a promoção, o torcedor precisa levar um quilo de alimento não perecível e R$ 10. O valor somado à doação darão ao torcedor o direito de retirar dois ingressos de arquibancada descoberta para o jogo de sexta-feira.

A ação será válida, inclusive, momentos antes do jogo, que ocorrerá a partir das 20h30, na Arena Joinville.

No entanto, o Joinville alerta que, para validar estes bilhetes promocionais, é preciso estar vestido com a camisa do JEC (jogo, treino ou qualquer outra peça alusiva ao clube) na hora de entrar no estádio.

Quem não participar da promoção, vai pagar: R$ 50 (arquibancada); R$ 70 (cadeira de nível 1) e R$ 90 (cadeira de nível 2).

ANÁLISE: JEC arrisca demais ao apostar em Ramon Menezes

18 de setembro de 2016 14
Ramon tem chegada prevista para a noite deste domingo, em Joinville - Foto: Léo Munhoz/Agência RBS

Ramon tem chegada prevista para a noite deste domingo, em Joinville – Foto: Léo Munhoz/Agência RBS

A escolha de Ramon Menezes como novo comandante do Joinville é uma aposta extremamente arriscada. O clube flertou com Gilmar Dal Pozzo, colocou o nome dele como prioridade durante o sábado, no entanto, sem resposta, decidiu investir no acerto com Ramon — leia mais sobre o caso em ÁUDIO: Ramon Menezes fala sobre a chegada ao JEC e desafio de tirar a equipe do Z4JEC aposta na estrela de Ramon para escapar do rebaixamento à Série C

É óbvio que o ex-atleta e ex-comandante tem uma boa identificação com o JEC. Na verdade, talvez seja o grande (ou até o único) trunfo de Ramon neste momento. Pelo Tricolor, ele participou dos acesso às séries B e A e dos títulos das séries C e B.
Mas, nas duas vezes, não chegou a ser protagonista. Em 2011, participou de alguns jogos. Na maioria, esteve na reserva. Em 2014, era o auxiliar técnico de Hemerson Maria.

Desta vez, terá a missão de ser protagonista. Este já seria um grande desafio – embora, ao longo da carreira, nunca o protagonismo foi problema. Na verdade, a dificuldade é ser o líder no pior momento possível, sem tanta experiência, afinal, Ramon tem apenas nove jogos como técnico no currículo. Um desafio grande para o JEC e para o próprio Ramon, que colocará em risco a bela imagem que tem no Tricolor.

Números
Como técnico, Ramon tem apenas nove jogos, todos nesta temporada. Cinco deles pelo Anápolis no Campeonato Goiano – duas vitórias, dois empates e uma derrota. Foi demitido quando era vice-líder do grupo A, com aproveitamento de 53%. No Guarani, disputou as quatro últimas rodadas do Campeonato Mineiro – duas vitórias, um empate e uma derrota. Os 58% de aproveitamento não evitaram a queda da equipe para a Segunda Divisão.

Rendimento
Para livrar o JEC do rebaixamento, Ramon precisará de um aproveitamento igual ao que teve no Guarani-MG: 58,3%. Com este índice, somará 21 pontos e alcançará os 45 pontos, projetados pelo clube para escapar do rebaixamento. O primeiro desafio será vencer o Avaí, na sexta, às 20h30, na Arena. O Leão vem à Arena brigando para entrar no G4.

Consciência
Na entrevista que concedeu ao “AN” (nos links acima), Ramon mostrou muita consciência ao entender que o JEC precisa de equilíbrio entre os setores. Se o ataque não produz tanto, a defesa não pode ser tão vazada quanto foi na era Lisca – em 12 jogos do antigo comandante, apenas em três o time não sofreu gols. No entanto, melhorar a produção ofensiva será fundamental para alcançar o objetivo.

JEC mudou de planos em relação a Gilmar. Entenda

18 de setembro de 2016 2
Gilmar estava inclinado a aceitar a proposta do Joinville

Gilmar estava inclinado a aceitar a proposta do Joinville

Gilmar Dal Pozzo era a prioridade do Joinville. Pelo que apurou o blog, ele pediu para dar resposta ao JEC no domingo pela manhã. Ele queria ver o encerramento da rodada, na noite de sábado, para pensar a respeito. No entanto, já na noite de sábado, o Joinville informou que não teria tempo para esperar até domingo pela manhã e, por este motivo, iria procurar outro nome.

O blog também apurou que Gilmar Dal Pozzo estava inclinado a aceitar a proposta do Joinville, principalmente porque os resultados da rodada não modificaram de maneira significativa o cenário do JEC.

Ou seja, está claro que o Tricolor mudou de planos. Não faz muito sentido o clube não estar disposto a esperar cerca de 12 horas para ter a, em tese prioridade, no comando da equipe.