Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Arena Joinville terá nova obra em maio

26 de abril de 2017 0
Foo; Rogerio da Silva/Secom

Foo; Rogerio da Silva/Secom

A Prefeitura de Joinville informa que assinou ordem de serviço para começar as obras do sistema preventivo de incêndio na Arena. Com este ajuste, o estádio receberá alvará para o local abrigar shows, por exemplo. A CRC Engenharia será a empresa responsável pela obra, que deve começar até a metade de maio. O investimento é de R$ 1.346.842,77.

Entre as melhorias previstas estão adequações das luzes de emergência, melhorias de acesso nas escadas na face Sul, central de alarme de incêndio e rota de fuga. As obras não irão prejudicar a realização dos jogos.

A construção do sistema preventivo de incêndios, a reforma nos banheiros, a pintura e a instalação das cadeiras (foto) são obras que a Prefeitura considera fundamentais para que a Arena Joinville possa atrair interessados em assumir a administração do estádio.

Desde o começo do ano, o governo municipal declara abertamente a vontade terceirizar o controle do espaço por meio de concessão. Por enquanto, não apareceram interessados.

OPINIÃO - Vazamento do balancete do JEC não é o problema

25 de abril de 2017 0

00addfce

A divulgação do balanço antes de ele ser apresentado na reunião do conselho deliberativo foi feita pelo jornalista Gabriel Fronzi, em seu blog. O fato irritou a direção do JEC, que alega que, por este motivo, não pode enviar os relatórios com antecedência para os conselheiros — para evitar este tipo de vazamento. O caso até foi discutido durante a reunião do conselho.

O fato é que, de acordo com o estatuto do Joinville, todo conselheiro pode solicitar à presidência o envio de documentos e é responsabilidade da presidência enviá-los. Está previsto no artigo 69, item “c”. Ou seja, o vazamento não pode ser um problema para o clube.

Criar um problema a partir do vazamento deste números é tapar o sol com a peneira. O maior problema não é o vazamento deles, mas o que os números apresentam, um cenário extremamente preocupante do JEC, principalmente diante de fatos recentes, como o não pagamento de ações judiciais, fornecedores, funcionários etc. Este é o problema.

Enxergar um problema na divulgação de informações parece ser uma maneira de isolar ainda mais o Joinville de seus torcedores e transformá-lo num clube de acesso restrito a quem o dirige.

Leia também
Veja quem são os credores e quanto eles emprestaram ao JEC

Entenda a razão do déficit de R$ 6 milhões do JEC em 2016

Balancete indica que JEC tem dívidas de R$ 26 milhões

 

Veja quem são os credores e quanto eles emprestaram ao JEC

25 de abril de 2017 3

00ad80d0

Parte das dívidas do JEC está atrelada a empréstimos. O balanço informa, por exemplo, que o ex-presidente Nereu Martinelli (foto) tem mais de R$ 2,3 milhões a receber do JEC. Este número chegou a ser de quase R$ 5 milhões. Hoje, o maior credor é o atual presidente, Jony Stassun, que tem R$ 3,2 milhões em nome de sua empresa, a Romaço, e R$ 1,1 milhão em seu próprio nome. Ao todo, são mais de R$ 8 milhões de empréstimos feitos ao Joinville.

Sem título

Para entender:
Passível não-circulante: Registro de todas as obrigações que devem ser quitadas cujos vencimentos ocorrerão após o final do exercício seguinte ao encerramento do balanço. Passível circulante: são as obrigações que normalmente são pagas dentro de um ano: contas a pagar, dívidas com fornecedores de mercadorias ou matérias-prima, impostos a recolher (para o governo), empréstimos bancários com vencimento nos próximos 360 dias, provisões (despesas incorridas, geradas, ainda não pagas, mas já reconhecidas pela empresa: imposto de renda, férias, 13° salário etc.).

Veja também

OPINIÃO – Vazamento do balancete do JEC não é o problema

Entenda a razão do déficit de R$ 6 milhões do JEC em 2016

Balancete indica que JEC tem dívidas de R$ 26 milhões

Entenda a razão do déficit de R$ 6 milhões do JEC em 2016

25 de abril de 2017 0

images

Para entender o porquê dos números tão ruins do balancete do JEC (veja aqui), é preciso buscar a fundo as receitas do clube. Em 2015, quando esteve na Série A, o Joinville arrecadou R$ 40 milhões. Destes, R$ 17 milhões vieram de cotas de TV; R$ 9,5 milhões, de mensalidades de sócios; R$ 5,5 milhões, de patrocínios; R$ 3,8 milhões, de bilheterias nas partidas; R$ 2 milhões, na venda de produtos.

Em 2016, todos estes números caíram, diminuindo a receita de R$ 40 milhões para R$ 29 milhões. A receita de TV foi para R$ 6,4 milhões; as mensalidades dos sócios atingiram R$ 6,5 milhões; os patrocínios representaram R$ 2 milhões; e as bilheterias, pouco mais de R$ 800 mil. E este decréscimo de R$ 11 milhões de um ano para o outro só não foi maior em razão da venda de jogadores em 2016, que totalizaram R$ 5,5 milhões.

Em 2015 e 2016, o Joinville fez 70 contratações – 35 em cada temporada. A conta do departamento de futebol é assustadora nas duas temporadas, principalmente se for avaliado o resultado em campo – dois rebaixamentos. Em 2015, o JEC gastou quase R$ 2 milhões por mês no futebol profissional. No ano seguinte, o número foi de R$ 1,4 milhão.

No balanço auditado pela Selecta, há um item importante que ajuda a entender a razão desta conta: gastos com pessoal. Nele, há o valor de R$ 5,3 milhões, que engloba R$ 1,1 milhão de prêmios e bichos; R$ 1 milhão de dispensa de atletas; R$ 1,8 milhão de serviços de terceiros; e R$ 1,2 milhão de “outros” (não está descrito o que significa “outros”.

De qualquer maneira, não se pode gastar R$ 24 milhões em 2015 e R$ 17 milhões em 2016 e ser rebaixado nas duas competições. As receitas caíram 27.5% e o investimento no futebol diminuiu em 30%. Uma margem muito pequena. Dos R$ 6 milhões de déficit da gestão, R$ 1 milhão poderia ser evitado só nas dispensas. Fora outros números do time rebaixado.

Não consta O balanço também apresenta um número estranho. Nas receitas de TV, há valor de 2015 – R$ 17 milhões – e de 2016 – R$ 6 milhões. O valor de R$ 6 milhões é referente apenas às cotas do Estadual e do Brasileiro. No entanto, não há menção em relação aos R$ 2,5 milhões recebidos pelo JEC no acordo feito com o Esporte Interativo. Se estivesse na receita de TV, o número ali seria maior. Aí, a conta não fecha e não há explicação para o caso.

Veja também

OPINIÃO – Vazamento do balancete do JEC não é o problema

Veja quem são os credores e quanto eles emprestaram ao JEC

Balancete indica que JEC tem dívidas de R$ 26 milhões

Balancete indica que JEC tem dívidas de R$ 26 milhões

25 de abril de 2017 2

1-1

O balanço apresentado pela diretoria executiva do JEC aos conselheiros, na reunião nesta terça-feira, na CDL, mostrou um número preocupante. Hoje, a dívida do Joinville é de R$ 26 milhões. Na segunda-feira, o blog chegou a informar que o saldo era de R$ 15.430.938 (clique aqui), mas, na verdade, este número representa apenas a parcela do circulante do clube. Com mais o valor do não circulante – R$ 10.896.279 – , o JEC atinge o número de R$ 26.327.217.

O balanço auditado pela Selecta ainda fez uma série de ressalvas sobre os números. A empresa chega a afirmar que há incerteza relevante relacionada à continuidade operacional.

— A continuidade de suas atividades depende das diversas medidas que a administração vem tomando para assegurar a recuperação financeira do clube e o alcance do equilíbrio econômico de suas operações.

Um número ajuda a entender o tamanho do problema. No fim de 2016, o Joinville terminou com déficit de quase R$ 6 milhõesR$ 5.922.180, de acordo com o balanço. Se o endividamento continuar nesse ritmo, o futuro está seriamente ameaçado.

A Selecta também fez ressalvas sobre a adesão do JEC ao Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut). Segundo a empresa, o clube está sujeito à não consolidação dos débitos tributários no Profut por inadimplência. O balanço patrimonial revela que diversos tributos, encargos sociais e obrigações trabalhistas estão vencidos. Vale lembrar que a inadimplência dos tributos e encargos correntes por mais de três parcelas pode excluir o Joinville do Profut.

Outra ressalva feita no balancete afirma que o JEC está sujeito à exclusão do Programa de Recuperação Fiscal (Refis) devido à inadimplência dos tributos e encargos correntes. Como no Profut, o Refis exclui clubes com dívidas de mais de três parcelas. Caso seja excluído dos dois programas, o Joinville poderá perder certidões negativas importantes como a certidão de débitos relativos a créditos tributários federais e à dívida ativa da União (Receita Federal); da Previdência Social (INSS); da Caixa Econômica Federal (FGTS); e de débitos trabalhistas.

Para entender:
Passível não-circulante: Registro de todas as obrigações que devem ser quitadas cujos vencimentos ocorrerão após o final do exercício seguinte ao encerramento do balanço. Passível circulante: são as obrigações que normalmente são pagas dentro de um ano: contas a pagar, dívidas com fornecedores de mercadorias ou matérias-prima, impostos a recolher (para o governo), empréstimos bancários com vencimento nos próximos 360 dias, provisões (despesas incorridas, geradas, ainda não pagas, mas já reconhecidas pela empresa: imposto de renda, férias, 13° salário etc.).

Veja também

OPINIÃO – Vazamento do balancete do JEC não é o problema

Veja quem são os credores e quanto eles emprestaram ao JEC

Entenda a razão do déficit de R$ 6 milhões do JEC em 2016

Votação definirá nova camisa do JEC

25 de abril de 2017 1

camisa-interno

Por meio de uma votação no site oficial, o Joinville lançou um concurso no qual o torcedor irá eleger qual será a camisa número 1 para a disputa do Brasileiro da Série C. Há duas opções no site (veja a foto). A primeira segue o padrão tradicional. A segunda tem apenas três faixas verticais, na ordem – preto, branco e vermelho. A votação está aberta até sábado, ao meio-dia.

JEC tem novos patrocinadores

25 de abril de 2017 0

marca_OPA

O Joinville fechou acordo de patrocínio com a empresa Opa Bier. A marca deverá ser exposta nas costas da camisa do JEC com o nome da loja — Opa Store. Além do investimento mensal de cerca de R$ 30 mil, a Opa irá construir uma cervejaria na parte frontal da Arena — espaço que é liberado ao JEC, mas nunca foi utilizado.

A Opa ainda deve criar uma cerveja própria para o Tricolor e a venda deste produto renderá cerca de 5% de royalties para o clube. Este acordo encerra também as conversações entre Joinville e AmBev para a renovação do contrato de inclusão no Programa Movimento por um Futebol Melhor.

Além deste acordo, o Tricolor fechou com o Joinville Garten Shopping, que irá estampar a marca nas mangas da camisa e deverá ceder um novo espaço para o clube dentro do shopping.

JEC/Krona goleia pelo Estadual. Veja os gols

25 de abril de 2017 0

BluxJEC07-745x521

O JEC/Krona venceu a segunda partida no Campeonato Catarinense de Futsal. Nesta segunda-feira, o Tricolor passou pelo Blumenau, fora de casa, com goleada por 4 a 1. Fellipe Mello, Raul, Jackson e Eka marcaram os gols joinvilenses. Ivan descontou para os donos da casa. O resultado mantém os 100% de aproveitamento do JEC/Krona, que já havia vencido a Chapecoense, na primeira rodada.

No sábado, a equipe volta à quadra pela Liga Nacional de Futsal. O adversário será o Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul, às 16 horas, e a partida terá transmissão ao vivo pelo canal SporTV.

Veja os gols

Os gols e análises do JEC estão no canal Elton Carvalho no Youtube. Inscreva-se e receba notificações a cada nova publicação de vídeos aqui

Atacante não renovará com o JEC

25 de abril de 2017 3

Batata

O Joinville já definiu que o atacante Bruno Batata não continuará no elenco que disputará a Série C. O jogador, que veio do Londrina, tinha contrato válido até o fim do Estadual e este vínculo não será renovado. Bruno Batata fez 14 partidas pelo JEC – oito delas como titular. Neste período, marcou apenas um gol.

Conselheiros receberam balancete às vésperas da reunião do JEC

25 de abril de 2017 0

Sem título

O conselho deliberativo do Joinville estará reunido na noite de terça, a partir das 19 horas, na sede da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) para finalmente avaliar as contas da gestão Jony Stassun. O blog apurou que apenas na segunda-feira o presidente tricolor enviou os balanços para todos os conselheiros.

Este é o fato que mais irritou os conselheiros do JEC, que julgam ter pouco tempo para avaliar os números até a reunião desta terça. O pedido por estes balanços é antigo e o último, feito pela presidência do conselho deliberativo, aconteceu na quinta-feira passada.

Outra informação apurada pelo blog é que os números apresentam o clube com dívida de R$ 15 milhões – seis a mais em relação ao último balancete, que apontava dívidas de R$ 9 milhões. Em resumo: a crise financeira do JEC só aumenta.

Leia também
OPINIÃO – É preciso questionar na reunião do conselho do JEC