Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Propaganda enganosa

05 de outubro de 2009 68

Está bem, já que insistem, vamos de Oktoberfest.

Não é de hoje que discordo do que julgo uma descaracterização do evento, que sempre foi alardeado como “festa das tradições germânicas”. Alardeado e vendido como tal.

O turista desavisado que vem para cá pela primeira vez, atraído pela propaganda, pode se deparar com balanços estranhos. Rock, batidão, até DJ comandando ritmos de outras baladas, nada a ver com o que foi vendido.

É uma contradição. Incentivam trajes típicos, abrem espaço para ritmos atípicos.

Estou começando a achar que a Oktober está resvalando para ser uma festa da cerveja que acontece em outubro.

Postado por Valther Ostermann

Comentários (68)

  • fazer o que… diz: 6 de outubro de 2009

    Esta totalmente certo!!!
    como o amigo disse mais a baixo, isto virou carnaval para paulista..
    http://www.youtube.com/watch?v=h5ShlWPRW1I
    http://www.youtube.com/watch?v=iSD1pROMMXI

    e quanto a agradar a todos como alguns falaram.. isto não é o local pra fazer isto, querem ouvir DJ vão para algum lugar onde este seja o objetivo.
    Se não é bom começarem a tocar Sertanejo universitario, axé, pop rock, metal, rock, samba, pagode.. vai faltar tentas não acham?

  • maria diz: 6 de outubro de 2009

    sem falar no preço que estao cobrando a alimentação … é um absurdo pagar 10,00 numa batata recheada….

  • jake diz: 6 de outubro de 2009

    nada contra nenhum gosto… mas pelo que observo a festa é pra ter estilo alemao … entao deveriao tocar musicas de estilo alemao…

  • Enio diz: 6 de outubro de 2009

    Não gosto desta cultura neogermanica q se prega aqui. Mas tudo bem, a oktoberfest, deveria retratar os valores e cultura alemã (ou dos colonizadores q aqui chegaram,musica, dança folclorica, deveriam ser um foco. Setrtanejo universitario e Dj, são modismos incorporados, simplesmente pq geram dinheiro e tem empresário do ramo pagando, para ter sua barraca musical na festa. Nada mais q isso, só interesse economico e muita politicagem barata, q sai cara para a imagem de Blumenau!

  • Isabel diz: 8 de outubro de 2009

    Ao Cônsul Honorário Hans-Dieter Didjurgeit/07/10/2009: é sempre bom ler a opinião de uma autoridade no assunto. Ainda mais em um Blog como o do Valther Ostermann q nos deixa à vontade p/comentar. Qdo o senhor diz q apoiou a idéia desde o primeiro momento, o senhor está se referindo à idéia de contratar DJ´s e tocar ritmos de outras baladas? Seriam ritmos musicais da ¨nova Alemanha¨? Desculpe minha ignorância em entender seu comentário, é que fiquei matutando e resolvi perguntar. Saudações.

  • Pessoa Comum diz: 6 de outubro de 2009

    Eu quero frango assado, igualzinho aqueles que servem na Oktoba de Munique. Ou barateiam a alimentação ou as pessoas comuns não comem.

  • Felipe Nähring diz: 6 de outubro de 2009

    Prezado Rômulo, a discussão em questão não gira em torno de fazer o gosto de todos, mas sim das características da festa.
    Contente-se em escrever corretamente, pois insultar os leitores, chamando-os de “desocupados” não é legal.

  • PAULO HENRIQUE DA LUZ diz: 6 de outubro de 2009

    Antes de tudo, tenho que agradecer e elogiar a organização dos blumenauenses, não só pela festa, mas pela própria cidade.

    Queria dizer aqui como “turista” e frenquentador da oktober que realmente acho importante enfatizar as tradições germânicas da cidade. Como sugestão acho que a Eisenbahn poderia passar a ser a cervejaria principal da festa..

    Concordo também que a música deva ser alemã.. e a gastronomia alemã deveria ser mais oferecida e divulgada na festa e na cidade.

    auf wiedersehen

  • Jeysa Strbik diz: 6 de outubro de 2009

    Eu acho essa ideia de trazer Djs para Oktober tudo de bom, moderno, cultural.. alias, pra quem nao sabe os Djs sao 100% alemaes. A cultura ainda faz parte da Oktober, as marchinhas, o desfile, o marreco. Alias, tem muita gente que reclama que a festa ja nao e a mesma culturalmente falando e se quer nunca visitou o museu da Cerveja ou o museu Dr. Blumenau. Cultura e isso, o antigo e o novo.. tambem nao e todo mundo que gosta daquela batata gigante, mas gosta do marreco, entao gosto e gosto!

  • João Vitor Korc diz: 6 de outubro de 2009

    Considerando que nunca todos sairão satisfeitos. Porque não, dispor um local para aqueles que gostam de outro tipo de música? Se o visitante quiser ouvir durante a noite toda, só música alemã, ele ainda tem dois setores do Parque Vila Germanica, além das praças no centro da cidade. Tenho amigos que vem de outras localidades a procura da cultura alemã, música, gastronomia etc.. Mas não aguentam ouvir a noite inteira apenas música alemã. Essa é uma forma de oferecer opções ao frequentador da festa

  • SIDNEY MANES diz: 5 de outubro de 2009

    Absolutamente correta a crítica.A autenticidade da festa é fundamental, sob pena de ser banalizada a ponto de perder grande parte do prestígio que possui, este risco é real e inevitável se não reverterem esta absurda adulteração da festa tipicamente germânica.

  • Giovanni Ramos diz: 6 de outubro de 2009

    A Oktober sempre foi e sempre será uma festa do chope. É por isso que a maioria dos turistas visitam a nossa cidade.

    Mas a música preocupa mesmo: o setor 3 roubou público dos outros no primeiro final de semana, principalmente na sexta.

  • Luciana diz: 7 de outubro de 2009

    Pelo amor de Deus. Dá uma tristeza no coração em ler essas coisas. Como pode uma pessoa em pleno séc. XXI ainda se prender a tais preconceitos? Deveriamos ficar felizes em saber q podemos agregar novos conceitos à uma festa que, ainda é sim e nunca deixará de ser de tradições germânicas. Mudanças e inovações não descaracterizam a festa no seu todo, muito pelo contrário, deixa-a mais atraente. Pessoas reclamam pq já natural do brasileiro, nunca tá satisfeito, ñ seria diferente com a oktober!

  • João Paulo diz: 9 de outubro de 2009

    Ao Sr. Hans-Dieter: o Sr. já foi ao espaço de música eletrônica e permaneceu mais de 10 minutos nesta Oktoberfest? Se sim, como sei do seu empreendedorismo, convido-o a abrirmos uma indústria para fabricação de bebedouros (para os usuários de ecstasy não morrerem durante a “balada” como em SP). Inclusive podemos modificar para uma festa rave esta área. É bem atual.

  • João Paulo diz: 6 de outubro de 2009

    - Brahma = falta coco roxo mesmo para a administração da festa, que coloque então só cervejas artesanais, ou busque-se alternativas. Mas baixar a cabeça pra tudo que exigem não deve ser fácil;
    - Desfile = agora também temos bonecos que relembram festas do nordeste brasileiro. Tudo a ver com a tradição;
    - Festa do chopp = bêbados caindo nos banheiros é praxe já. Agora tem ainda os “curiosos” com suas câmeras para tirar fotos e divulgarem no orkut.

    Falta moralizar a festa (bagunça).

  • Marlon diz: 6 de outubro de 2009

    Eu sou um louco por musica eletronica, mas concordo com a materia. Não deveria ter musicas que nao seja da cultura alemã. Como disse o DJ Marcos (algumas mensagens abaixo), esta festa começou a virar carnaval para turista e não mais a nossa festa tradicional da cultura. Eu estou deixando de ir por que estão tocando até axé, e tem muitas pessoas que dizem nao ir mais por isto estar sendo descaracterizado.

  • Euclides Abomai diz: 6 de outubro de 2009

    Óh.. lindos bonecos com quase três metros de altura foram vistos neste sábado passado no último desfile da Oktoberfest, a festa mais pseudo-alemã das Américas.

    Os bonecos fazem parte das tradições cranavalescas dos primeiros imigrantes nordestinos que chegaram da Alemanha há 180 anos.

  • giovanni da silva diz: 6 de outubro de 2009

    Ola caro Valter E demais pessoas que são contra a musica eletronica, temos 3 setores na vila germanica e faz tempo que nnão vemos mais um pavilhão lotado ate as 5 da manha . então no sabado o pavilhão 3 ficou lotado do começo ao fim , la e a nova alemanha tem espaço para este tipo de musica na oktober de munique tbm tem musica eletronica vamos parar de ficar penssando no tempo que a oktober era festa pequena entao vamos parar de ser assim parabens a Brahma que tomou ainiciativa e vamos curti

  • Thiago diz: 6 de outubro de 2009

    Sito aqui, sentimentos semelhantes aos do Rio 2016. O que seria de Blumenau pós-catástrofe, se neste ano não tivéssemos Oktoberfest? São apenas 18 dias (de 360) que movimentam a economia da nossa cidade. Dos meus 23 anos de vida (21 morando em Blumenau) nunca vi um desfile tão animado, como Blumenauensses tão felizes e orgulhosos como nesta edição da Oktober. Quem reclama de Oktober e Sinos… devia ir embora de Blumenau, aqui é cidade de gente Feliz, foi o que vi no desfile.

  • Euclides Abomai diz: 6 de outubro de 2009

    Oktoberfest, a festa pseudo-alemã mais prostituída pelos sagrados cafetões de Santa Catarina completou 26 anos de sacanagem.

    Em entrevista recentee, a moçoila disse que com as excitantes condições climáticas vigentes, já está bem molhadinha e irá se manter assim durante toda a festa, pronta a receber o turismo de outros estados; desde é claro, que devidamente remunerada, pois a “cultura“ tem seu preço.

  • Charles diz: 6 de outubro de 2009

    Olha, apóio a idéia de colocar os DJs alemães na festa. Para quem não sabe, a Alemanha é o maior celeiro mundial de música eletrônica e industrial. Faz tempo que não tocam mais marchinhas pros jovens lá. Se a festa é feita com base na Alemanha, vamos ouvir o que eles ouvem. O que deveria ser PROIBIDO é o sertanojo universitário, esse sim uma praga a ser combatida.

  • Gerson Luiz diz: 6 de outubro de 2009

    Seguindo a linha de pensamento do comentário abaixo do Charles (06/10/09 14:05), a Alemanha também é um grande celeiro de bandas de Heavy Metal. Então, que tal a Oktoberfest ter também uma noite só com bandas alemãs de Metal (Helloween, U.D.O., Gamma Ray, Edguy, Ramstein, Blind Guardian, Etc.) Seria sensacional!!! É lógico que “não tem nada a ver”. Não podemos querer impor nosso gosto musical pessoal a uma festa na qual somos os convidados, apesar de pagar entrada para participar.

  • Leandro diz: 7 de outubro de 2009

    É realmente preocupante a nossa Oktoberfest, que na minha opinião é a melhor festa do Brasil, chegar na 26º edição e introduzir música eletrônica. A CULTURA E A AUTENTICIDADE DEVEM SER PRESERVADAS!

    Além disso, “CARNAVAL FORA DE ÉPOCA” já acontece no país o ano todo em diversos lugares.

    Os admiradores, o respeito e a tradição desta festa, adquirida ao longo destes 26 anos devem ser levados em consideração pelos dirigentes.

    Não é de duvidar que na próxima edição incluam duplas sertanejas!

  • Joice Simone Miesbach diz: 6 de outubro de 2009

    Querido valter,acho que tens que observar por um outro lado ja que djs,so tocam nos finais de semana.O publico que quer ouvir musica alema vai durante a semana ja que sao pessoas que nao gostam da chamada bagunça.Vamos ser coerentes temos que agradar a todos desde os mais velhos, ate os jovens que sao maioria.bejus

  • Joice Simone Miesbach diz: 9 de outubro de 2009

    ao comentario de joao paulo!!Querido!! ecstasy,rola em qualquer lugar, ate mesmo algum amigo seu ou filho se vc tiver pode usar.Usa quem quer bebe quem quer!!Ou vc acha que se nao tiver musica eletronica nao vai rolar!!!eu sei que mesmo sem musica eletronica rola droga na festa sempre teve!! preconceito é uma coisa muito feia!!

  • Leonardo Almada diz: 6 de outubro de 2009

    Concordo!!!! Desfilei sabado passado, fui de traje tipico no parque a noite e era meia noite mais ou menos os dois pavilhões estava tocando musica de boate. Ainda bem que o biergarten la fora a banda estava animada com musica típica.

  • Thomas diz: 6 de outubro de 2009

    Pelo segundo ano levo meus jovens colegas de trabalho de Curitiba para a Oktober e o que mais lhes agrada é o desfile, visto que não encontram nele a prostituição da cultura que ocorre nos pavilhões. Lembro que são pessoas jovens que deveriam gostar do contrário. Concordo com o colunista, temos que usar a festa para lembrarmos a cultura de nossos antepassados. Ivan, me permita comentar sua colocação, mas você não parece ter conhecimento suficiente para afirmar qq coisa quanto à origem da festa.

  • Isabel diz: 7 de outubro de 2009

    Vamos organizar um plebiscito com as questões mais polêmicas sobre a festa. Aliás, a organização da festa já deveria ter feito uma consulta popular a respeito. Consulta popular ou plebiscito para esses fins, pode. Ninguém será extraditado de traje típico nem de pijama…A Constituição garante.

  • Thiago diz: 6 de outubro de 2009

    Tenho que discordar de muitos aqui. Não sou mais um assíduo frequentador da festa, mas acredito que estamos voltando ao rumo certo. A cerca de 3 anos atrás estávamos totalmente entregues as grandes cervejarias que faziam o que queriam com nossa festa, mas nos últimos anos retomamos estamos retomando o controle. Temos 3 ambientes que oferecem variedades de estilos para cada tipo de folião. Ficaria preocupado se trouxessem Shows nacionais como na Marejada. (NX-ZERO na Oktober, já imaginaram?)

  • Elton diz: 6 de outubro de 2009

    E não é?! Acredito que tudo deve ser na medida certa. As festas de reis nos caça e tiro só tocam músicas alemãs? A festa precisar estar com um pé nas tradições (passado) e outra no presente.

  • Christian diz: 6 de outubro de 2009

    Como o amigo comentou, se são apenas 18 dias, então pq enfatizar outros ritmos de música?
    “Ahh, Alemanha é o maior celeiro da musica alemã.”
    Quer curtir sua balinha ou mandar ver no seu rebolation? Pow querido, sobraram outros 345 dias do ano.
    É música alemã e ponto final. Não entende nada? Grandes coisas, como se a musica eletronica tivesse letra. Slogan: “Oktoberfest, o melhor carnaval fora de epoca do sul do país”

  • João Paulo diz: 13 de outubro de 2009

    Oi Lu! Como comentei, tenho outros comentários no blog. Inclusive acho válida a idéia dos DJs, como já falei anteriormente. Porém, temos que analisar qual é a imagem da festa que queremos vender. Não precisa extinguir os DJs, mas por que tem que ser dentro do setor 3, e não em uma ala específica, como já vinha sendo feito (tendas, a rivage ficava no pavilhão E, etc.)? Acho que tem de haver distinção do que é a festa, e o plus. A Jägermeister matou a pau com a “balada móvel” ônibus. Algo assim…

  • João Paulo diz: 13 de outubro de 2009

    Joice, preconceito a? Usuários de drogas? Ou à música eletrônica, que “abrilhanta” a festa desses nossos jovens interessados em novas experiências? Leia os demais comentários que fiz no blog. Minha opinião não está somente embasada no uso de drogas dentro da festa.

  • Lu diz: 13 de outubro de 2009

    Querido João Paulo, realmente usuários de qualquer tp de droga existe em qualquer festa. Agora lhe digo uma coisa, quem conhece a cultura eletrônica e entende do som não precisa de drogas, cabeças fracas existem em todos os lugares. Quero destacar que a última quinta tava muito boa, nunca ouvi nada igual. Finíssimo!!

  • Rui diz: 7 de outubro de 2009

    Valther, só para avisar, os pioneiros da música eletrônica foram o Kraftwerk, uma banda alemã dos anos 80.
    Assim, música eletrònica não deixa de ser tradição alemã.

  • Rômulo diz: 6 de outubro de 2009

    Descordo de você existem 3 pavilhões e mais uma tenda somando 4 ambientes e apenas 1 ambiente em horarios expecificos tocam DJs o turista desavisado tem bastante opção de musica alemã para se encomodar com djs,acho que quem relamente se encomoda é quem não tem mais nada pra fazer da vida, oktober pode sim ter espaço para novos generos musicais sem perder a carecteristica principal que é a tradição germanica.

  • Gerson Luiz diz: 7 de outubro de 2009

    Referente ao comentário do Rui (07/10/09 13:46), gostaria de lembrar que Blumenau foi colonizada a 159 anos atrás e que a festa exalta as tradições germânicas do período do início da colônia e não dos alemães da geração do Kraftwerk (do qual tenho todos os discos), que surgiu 120 anos depois.

  • Hans-Dieter Didjurgeit diz: 7 de outubro de 2009

    Desde o primeiro momento apoiei a idéia. Precisamos quebrar o paradigma do velho.Precisamos mostrar a “nova Alemanha” principalmente aos jovens, caso contrário no futuro não teremos mais cultura, não construiremos uma nova história, não teremos mais Oktoberfest. A velha cultura alemã está e será muito bem preservada na Oktoberfest e em Blumenau.
    Hans-Dieter Didjurgeit
    Consul Honorário da República Federal da Alemanha.

  • Rafael Soares diz: 6 de outubro de 2009

    Concordo plenamente com o Valther, a Oktober de Blumenau tem sim que manter a tradição, já a frequento desde 94, e os anos que tentaram implantar atrações diferenciadas, até mesmo a Rivage, não agradou a grande maioria. Não concordo e acredito que deva se manter a tradição, assim como acontece em Munich, que já tive o prazer de ir em 2005 e achei fantástica. E lá também tem festa badernenta como comentaram, lá o beijo come solto e é na Europa. Bebida leva a isso e essa é a parte boa. Abraço.

  • Jairo J Botelho diz: 6 de outubro de 2009

    Sou frequentador da Oktober desde as 10a edição. Quem não lembra do Skol Rock? A bandalheira que acontecia em Blumenau. a partir daquela época deixamos de participar da Oktober. Agora estamos de volta há duas edições…mas pelo que podemos ver a Oktober vai começar a perder os melhores frequentadores. Aqueles que gastam….aqueles que gostam admiram a verdadeira tradição alemã. Não virei de São Paulo até aqui para ver DJ…

  • Dudu diz: 7 de outubro de 2009

    Gente, a Vila é tão grande! Tem espaço pra todo mundo… É apenas 1 setor que toca eletrônica, ninguém vai morrer por isso!!

  • Felipe Nähring diz: 6 de outubro de 2009

    Justamente! É essa a festa que é divulgada Brasil a fora em eventos e comerciais (falo com propriedade porque vivo esse mundo de tradições e falsas divulgações com a Vila Germânica e o grupo folclórico do qual participo).
    Apesar de ser jovem e curtir a tal balada da oktober, acho que a descaracteriza. Reprovado!

  • João Paulo diz: 6 de outubro de 2009

    Agora sim! Temos a opinião de um turista. Blumenau realmente não tem uma festa tradicional alemã, onde as pessoas vêm para saborear comidas típicas, conhecer a cultura, etc. É um carnaval fora de época. Percebe-se pelas roupas, ou quase elas, que desfilam pelos pavilhões e pela imagem que o turista tem da cidade. Não vem para conhecer a cultura local, vem para a esbórnea. É essa a imagem que estamos vinculados.

  • Ana diz: 6 de outubro de 2009

    Eu concordo.. Pois o nome da festa e sua divulgação já diz ser alemã, acho ridiculo colocar DJ nem que seje em um pavilhão apenas. A oktober já deixou de ser festa para o blumenauenses a muito tempo, e os turista que que veem aproveitar a festa estão cientes que é uma festa tipica e se tem DJ, porque incentivam o pessoal ir de traje tipico?

  • Edson diz: 7 de outubro de 2009

    Ahh saudades dos tempos que a Oktoberfest era uma festa de familia! Já começou tudo errado, com aquele Jingle que veiculava nas rádios, chamando “Os Manos da Zona Leste”. Aliás o SKOL ROCK tinha um local destinado á ele, a Prainha, o que não interferia na festa realizada na PROEB. Já era nossa identidade de Festa Mais Alemã das Américas! Palavras de que frequenta a Oktoberfest desde a 1ª Edição!

  • Janaina diz: 6 de outubro de 2009

    Concordo contigo! Estou muito indignada com isso…

  • F.Pamplona diz: 6 de outubro de 2009

    Esse papinho de três setores, sendo um só pra DJ e o resto pra música germânica é balela! Enquanto o DJ mandava batistaca no 3, a tal de Estrela D`Alva tocava de Sertanejo Universitário até NX Zero no 1 – NENHUMA MÚSICA ALEMÃ, a não ser um esporádico “iaiaiaô”… Uma vergonha o que estão fazendo com a nossa festa! Virou mesmo carnaval pra turista, putaria livre. Basta ver a `matéria` que o Pânico fez aqui na sexta-feira: mulherada se arreganhando fácil por 15 segundinhos de fama.

  • João Paulo diz: 6 de outubro de 2009

    Thiago, me achei no direito de comentar sobre o seu texto (sinta-se a vontade para rebater). Concordo que tivemos muitos problemas com a catástrofe, mas se prostituir nunca é a melhor opção. Temos diversas opções turísticas não exploradas (+/- 40 clubes de caça e tiro e mais de 10 grupos folclóricos adultos *eram mais*). O problema é que o próprio blumenauense não participa da sua cultura. Percebe-se pela cultura gaúcha (parabéns! pois fazem excelente trabalho), que tomou conta.

  • Valdemir Nicoletti diz: 5 de outubro de 2009

    E bota propaganda enganosa nisso tudo. Cada vez mais oque vimos, são as grandes cervejarias ditando as regras da festa. E como na cidade não temos administradores corajosos que peitem isso tudo, a coisa vai indo pro beleléu mesmo!

  • Marcos diz: 6 de outubro de 2009

    Sou dj e acho que a festa começou a virar carnaval para turista e não mais a nossa festa tradicional, o patrocinador tentou criar a nova alemanhã, porem mesmo sendo um dj, acho que o repertório poderia ser 90% alemão como as bandas. Algumas músicas já conhecidas com um batida a mais não ficariam ruim e continuaria a ser alemã. Caso contrario daqui a pouco teremos sertanejo universitário, forró, pagode e assim a festa perderá seu sentido. E o desfile também, trenó é coisa de natal planetapeia.

  • Ada diz: 6 de outubro de 2009

    Sem contar que uma Oktober incomoda muita gente!!

  • Sabrina diz: 6 de outubro de 2009

    Eu discordo. A vila possui 3 setores, quem aprecia apenas as tradições alemãs, tem mais outros dois setores para se divertir. Convenhamos, quando o DJ chegou, todo mundo pulou e se animou!
    Tem coisas bem mais relevantes que fugiram da tradição do que o fato de tocar ou não DJ na Oktober.

  • Anthar Cesar diz: 6 de outubro de 2009

    Caro Valter, esta festa já se descaracterizou faz tempo, virou festa para o comércio, e para hordas que vem aqui destruir nosso patrimônio.E nós, os blumenauenses “nascidos aqui” já perdemos a vontade de participar dela faz tempo.

  • João Paulo diz: 6 de outubro de 2009

    Lendo todos os demais comentários, decidi complementar-lhes:

    - desfile das engenhocas = nenhum clube de caça e tiro recebe para desfilar, mas as engenhocas, perguntem quanto cobram para desfilar;
    - Djs = festa descaracterizada, tradicional e comercialmente, pois as revistas e agências de turismo vendem como uma festa alemã. Até a propaganda que passa na Tv é enganosa, pois trata como se a festa fosse uma réplica da Alemanha;

  • Tata diz: 6 de outubro de 2009

    Acho que vc esta na profissão errada… o parque vila germânica possui 3 setores e por isso tem musica a contento de todos, e os djs só tocam nos finais de semana. Se fosse que não tivesse musica alemã ai si concordaria com vc, pois hoje estamos em um mundo que temos devemos trazer um contento a todas as pessoas, e se as pessoas não gostassem das musicas do djs o pavilhão 3 não estaria sempre lotado quando o dj começa a tocar….

  • Beto Tillmann diz: 5 de outubro de 2009

    Prezado Valter,

    estás mais do que certo. A primeira “grande mudança” foi quando dizeram que a festa tinha que dar lucro e aí virou “carnaval de paulista”,. Tanto que fiquei boms 10 anos sem comparecer a festa. Espero que se reflita o gênero de festa que se quer neste momento,pois no futuro talvez seja muito tarde.
    Abraços.
    Beto Tillmann

  • Carla diz: 6 de outubro de 2009

    Só podemos concordar, a festa realmente deixou de ser atrativa para os Blumenauenses, é uma festa para turistas.
    As tradições são vistas como “breguice” ao invés de se dar o devido valor e os organizadores correram para satisfazer os beberrões que nada entendem de tradição e só querem mais uma festa pra farrear. Faz tempo que não dá mais pra levar a família….

  • Pessoa Comum diz: 6 de outubro de 2009

    Gondi, quem avisa amigo é: aquelas gatas que apareceram no Pânico também é tudo propaganda enganosa…hehe. Boa viagem, irmão. Seja bem-vindo à OktoberDJfest.

  • Lu diz: 6 de outubro de 2009

    Discordo, não é propaganda enganosa. Os DJs são Alemães mesmo e muito atuantes em toda a Europa. Além de serem produtores que lançam por grandes gravadoras. Eles tem espaço na festa apenas nas quintas e sábados. Isso é um avanço cultural, Berlin e a Alemanha toda são os maiores exportadores de música eletrônica da atualidade. E não é de hoje, é uma tradição. Por que Blumenau ficaria de fora? Parabéns organizadores pela iniciativa e por nos aproximar um pouco do 1o mundo! Ein Prosit!

  • Gondi diz: 6 de outubro de 2009

    Eu não concordo e nem discordo, muito pelo contrário! Sábado estou chegando em Blumenau pela 1ª vez, espero encontrar as gatas que apareceram no Pânico!

  • Neto diz: 5 de outubro de 2009

    Valter concordo com você, a festa tem uma origem e muito da vitória dela se deve as tradições, é isto que o turista e o blumenauense vem em parte encontrar na Oktoberfest!
    Podemos ver exemplos de outras festas ditas tradicionais que abriram espaços para outros “produtos” e hoje não tem mais o prestígio que tiveram um dia!
    Nada ver essa coisa de Dj´s e etc… assim como acho que a própria música nacional e comédia. Esquecendo da verdadeira tradição das bandas alemãs.

  • Roberto Alevras diz: 5 de outubro de 2009

    Acho que tens razão… a música alemã prioridade e tirando cavalinho com músicas piadas e as nacionais, a festa voltou a ter sua força na tradição, isso sim que levou milhões a conhecerem blumenau e ser um bom turista, e não essa falsa música alemã que fala de besteira e bebedeira. E acho que o desfile tem que resgatar um pouco o passado, pois hoje está mais para um desfile de engenhocas, o que um trenó tem a ver com a festa?

  • Ivan diz: 6 de outubro de 2009

    Thomas, vá pesquisar antes de falar bobagens ou questionar meus conhecimentos sem saber quem eu sou. Participo da festa desde 1984 quando, com 11 anos de idade, meu pai me levava para o parquinho. A Oktoberfest como conhecemos foi criação de Antonio Nunes, secretario do prefeito Dalto dos Reis. A intenção era criar um evento para a época de outubro, morta para o turismo. A primeira Oktober já tinha sido idealizada ANTES da grande enchente de 1983, e seria realizada já naquele ano.

  • Anthar Cesar diz: 6 de outubro de 2009

    Não vejo que “somos” contra tudo. Somos contra a baderna que esta festa virou.
    Aguardemos o feriadão para ver a bagunça e o caos que esta cidade vai virar.
    Sonho que um dia esta festa se acabe ou que pelo menos dure menos, assim como aconteceu com as demais festas de outubro do estado.
    Moro no entorno e já estou de “saco cheio” com as hordas que saem as ruas após a festa na maior algazarra, não respeitando ninguém.E cadê o policiamento?. Parece que polícia somente é eficiente lá dentro.

  • Leandro Nunes diz: 6 de outubro de 2009

    Grande Valther, eu discordo (parcialmente), o repertório alemão é curtinho que só, numa noite apenas repetem 3 vezes a mesma música, seria interessante trazer bandas alemãs mesmo, com músicas próprias e de diversos estilos, mas até terem idéia, divertem a todos os públicos com diversas músicas!! E por enquanto é a festa do chopp!!

  • Ivan diz: 7 de outubro de 2009

    Tá, concordo na prevalência das músicas alemãs. Mas na última sexta ouvi “Zique Zaque” ser executada 4 VEZES em uma hora por uma mesma banda. Existem músicas alemãs melhores e bandas tb, porque essas bandas nacionais que tocam aqui, assassinam todo e qualquer resquício de prazer em se ouvir músicas típicas. Pelo menos os DJs apenas executam gravações, não as destroem em interpretações catastróficas.

  • João Paulo diz: 6 de outubro de 2009

    Exato! A festa não passa de um local para farrear. Acho legal os DJs, mas não concordo que estejam nos pavilhões. Há casas específicas para quem quer “curtir” a balada. Daqui a pouco teremos a nova Oktoberfest. Uma grande festa rave. Comecem a colocar bebedouros para não termos problemas futuros. Muitos aqui não fazem idéia de como é a tradição. O problema é que não conhecemos mais nossa identidade. Os alemães (que já são poucos) de blumenau, têm vergonha de suas tradições. Vê-se CCTs x CTGs.

  • Ivan diz: 6 de outubro de 2009

    Eu tenho que morrer de rir quando berram que a Oktoberfest se desvirtuou porque era uma festa das tradições locais pra levantar a moral das pessoas depois das enchentes de 1983 e 1984. MENTIRA DESLAVADA. A festa foi pensada SIM pra atrair turistas numa época morta ( outubro). E, francamente, uma festa só de blumenauenses? O que eu ( blumenauense, sim) faria numa festa de gente que só reclama, só polemiza e é contra tudo e todos? Deus me livre…

Envie seu Comentário