Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de setembro 2010

Comovente Pelé

29 de setembro de 2010 4

Eu, que vivi a geração Pelé, chorei.

Reta final

28 de setembro de 2010 8

Você certamente sabe que domingo próximo será o dia de votar, mas já decidiu em quem votar? Pesquisa informal do blogueiro constata que são poucos os que já têm decidido os nomes para todos os cargos, seis no total: presidente, governador, dois senadores, deputado federal e deputado estadual.

Chega a ser desalentador o descaso do eleitor com as eleições que se aproximam. Cansaço? Fastio? Ou puro desinteresse com o futuro que, afinal, está em suas mãos?

Seja o que for, melhor decidir logo e fazer uma “colinha” para não atrasar a fila, no dia. Memorizar todos os números é um esforço desnecessário.

Eu e o presidente

27 de setembro de 2010 11

Aí o telefone toca, lá em casa, eu atendo e uma voz feminina diz:

- Olá, o presidente Lula quer falar com você.

Caramba, o presidente ligando para mim! Mas logo eu, que mal toco em seu nome? Bronca não poderia ser. Um ministério, talvez…

Ele nem deu chance para eu me estender em possibilidades. Desandou a falar pedindo votos para seus candidatos, não permitindo interrupções – eu bem que tentei – e encerrou a ligação.

Estou achando que era texto gravado.

Vai ficar pior

25 de setembro de 2010 9

Conta Jairo Santos que, quando exercia o cargo de Coordenador do Abrigo da prefeitura de Blumenau, fez inúmeras abordagens de flanelinhas, no intuito de coibir suas ações, tendo inclusive encaminhado um deles para a Delegacia de Polícia por ser foragido da Justiça.

O surpreendente é que encontrou enorme resistência dentro da própria Secretaria de Assistência Social, sob o argumento de que flanelinhas “são pessoas sem oportunidade, vítimas do Estado.” Diz que, por conta disto, teve até que se explicar junto ao Ministério Público.

E desistiu, como é compreensível entender.

Resumo da ópera: a extorsão praticada por flanelinhas, que cobram do cidadão o estacionamento em vias públicas, vai prosperar em Blumenau por conta de um pessoal que pensa que está dando cobertura aos desvalidos, quando na verdade está dando cobertura à formação de quadrilhas.

E o cordão cada vez aumenta mais...

24 de setembro de 2010 6

Por meio de uma enquete que ficou disponível no site do Ministério da Cultura entre os dias 8 e 20 de setembro, o público elegeu Nosso Lar” como o filme brasileiro que gostaria de ver concorrendo ao Oscar 2011. No total, a enquete recebeu quase 130 mil votos. O filme preferido pelo público obteve quase 89 mil votos, o equivalente a 70% da votação.

No mesmo site, em 23 de setembro, o presidente da Academia Brasileira de Cinema, Roberto Farias, anunciou que, por opinião unânime da Comissão de Seleção, o filme que vai concorrer ao Oscar é Lula, o filho do Brasil”, que na enquete recebeu 1.646 votos, ou 1%.

Isto é que é consulta popular de araque!

Só rezando

23 de setembro de 2010 8

Vamos ser francos: quem acredita realmente na duplicação da Br-470?

“Mas todos os candidatos prometeram.” E daí? Esta é uma daquelas promessas obrigatórias, faz parte do roteiro das eleições, desta e das anteriores.

Acontece que a duplicação é uma obra de engenharia gigantesca, complicada e caríssima. Basta lembrar que os terrenos que a margeam têm donos, o que já faz antever a dificuldade jurídica.

Nenhum candidato lembrou de prometer uma rodovia nova, que talvez fosse mais viável, menos complicada e mais barata.

Quando digo duplicação, digo duplicar a BR-470 em toda a extensão. Duplicação parcial não resolverá, muito embora se avente fazê-la no trecho até Indaial, o que não deve ser desprezado. Mas duplicar uma rodovia é duplicar uma rodovia, não um trecho de rodovia.

Promessas são promessas, nada mais. Promessas eleitorais, então, nem promessas são.

Não dá para ser otimista. Mas dá para rezar.

A lambança do Santos

22 de setembro de 2010 1

A primeira delas foi não ter vendido Neymar. O desorganização e politicalha imperam em todas as áreas desse Brasil, e não seria no futebol que seria diferente. O Santos perdeu uma chance de ouro, literalmente, de vender o jogador Neymar e deu no que deu. O gurizão está com os hormônios a mil por hora, bajulado em excesso em toda parte e em clara decadência no seu belo futebol, justamente pela fama repentina , aliado a ausência dos companheiros como Ganso e André. E tudo isso era previsto, Neymar nada mais é que a reapresentação do filme Romário, Edmundo, Renato Gaúcho e outros.

Não existe como segurar um gênio do futebol aqui no Brasil, é muito oba!, oba!, festa e falta de seriedade. Segundo, foi também na manutenção de Paulo Henrique Ganso, que valia milhões de dólares e agora encontra-se operado e ficará fora do futebol por pelo menos um ano, seis meses de tratamento e mais seis para entrar em forma. Se é que voltará a ter a forma de outrora, vide casos de Zico, Ronaldo Fenômeno e Kaká, que após lesão nunca mais foram os mesmos. Para encerrar a séria de burradas, quando alguém tenta dar uma dura no gurizão que é o seu técnico Dorival Junior, a diretoria, certamente pressionado pelos patrocinadores demitem o técnico. Criando aí sim, o “monstro” a qual o técnico Renê Simões do Atlético de Goiás se referiu. Imaginem agora quem domará a fera, que tem o poder de demitir um técnico consagrado e a nível de seleção brasileira como Dorival Junior.

São casos como esse e outros que fazem do futebol brasileiro uma verdadeira esculhambação, que só sobrevive por ter matéria prima de sobra e um torcedor apaixonado pelo esporte que somos nós.

Paulo Curvello, de Balneário Camboriú

Trabalhadores?

22 de setembro de 2010 1

São raros os candidatos que nunca usaram a expressão “lutar pelos trabalhadores”. É um mantra, repetido à exaustão, que acaba perdendo o sentido. Quem são, afinal, os trabalhadores pelos quais tanto prometem lutar os candidatos?

Eu não tenho dúvida: são os chamados chão de fábrica. Sei, por experiência, que políticos só consideram aqueles trabalhadores. Eu, por exemplo, estou fora da intenção deles. E sou trabalhador. Desde os 15 anos, ininterruptamente. No entanto, já fui chamado de elite, naquela intenção burra de querer ofender usando um elogio. Coisa mais sem noção não há.

Na verdade, todos somos trabalhadores. Alguns, cincunstancialmente, são trabalhadores desempregados, o que não lhes tira a qualificação.

As exceções são alguns políticos que, com discursos vazios e repetidos, à custa de uma penca de ingênuos úteis e apaniguados inúteis, passam a vida no bem-bom, fazendo nada, ganhando muito e aposentando-se regiamente.

Que não “lutem” por mim. Dispenso.

O direito de não crer

21 de setembro de 2010 3

Todo assunto religioso é fio desencapado, mas a reação a uma nota em minha coluna no Santa sobre um suposto processo de ateus contra o apresentador Datena foi maior do que eu poderia supor.

O surpreendente é que nenhuma manifestação foi no sentido de defender o ateísmo, e sim no preconceito exalado pelo referido apresentador ao não admitir o direito de não crer. Segundo os leitores, não admitir que alguém possa descrer da existência de Deus coloca Datena no mesmo patamar dos intolerantes religiosos.

Concordo, tolerância não é uma virtude que se pratique pela metade. Ateus têm os mesmos direitos de qualquer crente.

Dúvida

20 de setembro de 2010 4

Puxei o assunto em minha coluna no Santa:

“Sucessos musicais transformados em jingles de propaganda política nos fazem acreditar que os candidatos estejam autorizados pelos compositores. Pretendentes a representantes do povo certamente não cometeriam usurpação de direitos autorais, certo?”

Quando vemos o Ecad tascando multas em cima de pequenos comerciantes com um radinho ligado em cima do balcão, custa crer que pretendentes a cargos legislativos – fazedores de lei, é bom frisar – fariam campanhas políticas plagiando sucessos musicais sem pagar direitos autorais.

Ou fariam?