Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Garis

19 de novembro de 2010 5

Outro dia uma jovem, transitando pelo Centro de Blumenau, terminou de sorver o líquido de uma latinha de refrigerante – só aí já havia uma infração de trânsito – e, displicentemente, como se o mundo fosse sua lixeira, jogou a latinha vazia na via pública. Já testemunhei mais de um ato assim, vocês certamente também.

Com gente desta laia, o que seria das comunidades sem os lixeiros, que também são chamados de garis?

“O nome Gari é uma homenagem ao francês Aleixo Gary, que se destacou na história da limpeza da cidade do Rio de Janeiro, assinando contrato, em 11 de outubro de 1876, com o Ministério Imperial para organizar o serviço de limpeza da cidade; o serviço incluía remoção de lixo das casas e praias e posterior transporte. Permaneceu no cargo até o vencimento do contrato em 1891 deixando o primo, Luciano Gary, em seu lugar”.

Os garis são responsáveis por boa parte da saúde pública. Ou, visto por outro ângulo, formam a primeira linha de defesa contra doenças. São eles que limpam a sujeira das pessoas como aquela jovem porcalhona e arrogante, que não é, infelizmente, uma exceção.

E, no entanto, os garis não têm o reconhecimento da sociedade. São considerados membros de uma casta inferior. Tudo bem, não dá para mudar o mundo. Mas muitas epidemias não acontecem por causa do trabalho dos garis e das margaridas.

Não torça o nariz para eles. Torça o nariz para aquela moça da latinha, e dos muitos que agem como ela. Ah… inclua os pais dela na relação.

(Foto: Divulgação)


Comentários (5)

  • Aimée diz: 20 de novembro de 2010

    Eu vim mesmo pra casa hoje, pensando nisso… olhando a sujeirada no chao e pensando comigo, o que pensam essas pessoas que jogam lixo na rua? Por que elas fazem isso? No chao da casa delas certamente nao o fazem… ou até podem fazer às vezes tbm, pq hoje em dia temos as abencoadas empregadas domésticas (nao gosto muito desse nome, mas nao tem outro jeito melhor pra chamar acho…), as atuais donas de casa (lavam, passam,limpam, muitas vezes fazem a comida, cuidam dos filhos etc)
    E a minha conclusao sobre o lixo na rua foi, aquela simples e batida do “de grao em grao a galinha enche o papo”, se cada um jogasse seu lixo no lixo, nao precisariamos de alguém pra fazer isso pelo os que nao conseguem.
    Enquanto isso… muito obrigada garis!

  • Aline diz: 20 de novembro de 2010

    é isso aeee…só que infelizmente..essa moça não deve ler essa colunaaa…

    mas que sirva de exemplo para as pessoas, que ser gari não é ser inferior.
    e que existem lixeiras para colocarmos o lixo, ou pq nao deixou a lata vazia dentro do carro, para quando chegar em casa jogar no lixo.

    é muita ignorância dessa moçaaa e de muitos outros por ai.

  • Sidnei Venturi diz: 20 de novembro de 2010

    SÓ PRA “INTICAR” VALTHER…..DIVULGA AÍ O MODELO E A COR DO CARRO DESSA *CASCONA.

    *Cascona: Irmã ou esposa do personagem Cascão da Turma da Mônica.

  • Carolina diz: 20 de novembro de 2010

    Assino embaixo!

  • Rubens diz: 20 de novembro de 2010

    Valter também é cultura!

Envie seu Comentário