Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de novembro 2010

Aerodilma

30 de novembro de 2010 4

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça-feira (30) a compra do Aerodilma.

A aquisição do novo avião presidencial, com mais autonomia de voo, já vem sendo estudado pelo Palácio do Planalto. Segundo o presidente, “não tem por que não comprar”, apesar de o custo ser mais de cinco vezes superior ao do Aerolula.

Para Lula, Brasil passa “humilhação” pelo fato de o atual avião ter autonomia de 12 horas, insuficiente para deslocamentos diretos para determinados pontos do planeta.

“Você deveria perguntar para a imprensa que viajou num sucatão para saber o que é uma viagem presidencial. O Brasil não pode ser um país grande do jeito que é, e ter um comportamento humilhante muitas vezes lá fora”, disse.

Para o presidente, que chamou o apelido Aerolula, dado ao seu avião, de bobagem, afirmou que, “se for necessário, tem que comprar“.

“Não tem por que não comprar”, afirmou em entrevista após visitar as obras da Usina Hidrelétrica Estreito, no Maranhão.

(Fonte: Folha de São Paulo)

Use se quiser

30 de novembro de 2010 2

Conheço alguém que exige, mas trata-se de pedantismo: “doutor” não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento. Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau, e mesmo assim no meio universitário. Constitui-se mera tradição referir-se a outras pessoas de “doutor”, sem o ser, e fora do meio acadêmico.

Não sou eu quem o diz. Aquele é um trecho de sentença judicial negando provimento à ação promovida por um juiz que se sentiu desrespeitado por ser tratado por “você” pelo porteiro do prédio onde residia.

Pretendo voltaro ao assunto, em breve, pois já recebi contestações àquela nota publicada em minha coluna no Santa, edição da última terça-feira.


Não deixe o samba morrer

29 de novembro de 2010 1

O samba, para quem não sabe, é símbolo de identidade nacional. Ritmo popular brasileiro, anda esquecido, soterrado sob uma avalanche de porcarias que a mídia adora expor.

Mas nem tudo está perdido: em Blumenau, a Confraria do Samba, formada por um grupo de abnegados, busca o resgate do samba autêntico, a verdadeira voz do Brasil. Eis aí um registro de sua participação no Jornal do Almoço (RBS TV), no último sábado, apresentado pela simpática Cinthia Canziani, secundada por este blogueiro.

Detalhe: na mesa dos rapazes, cerveja. Na mesa de Camila, a flautista do grupo, somente um copo com água. Deve ser por causa do instrumento.

(Foto: Valther Ostermann)

A outra ponta do novelo

29 de novembro de 2010 3

O tráfico, no Rio, vende mais de cem toneladas de droga por ano – o que rende R$ 633 milhões para o crime – e “emprega” 16 mil pessoas, aponta um estudo que dimensionou aquela economia subterrânea.

Enquanto a imensa clientela que financia o horror continuar intocada pela lei, o tráfico despejado dos morros cariocas apenas mudará de endereço. Traficantes abatidos e/ou presos serão substituídos, e tudo continuará como sempre. A lei que vale, no caso, é a da oferta e da procura.

E a procura, impune e sem remorso, é avassaladora.

Um refresco

28 de novembro de 2010 1

O Rio de Janeiro anda cheio de esperança no fim do estado paralelo comandado pelos traficantes. E que ser novamente a Cidade Maravilhosa. O Brasil também quer. Neste momento em que talvez a coisa esteja acontecendo, e que toda energia positiva é necessária, vamos lembrar o lado bom daquela cidade que nos fascina e fascina o mundo:


Cada um na sua

28 de novembro de 2010 0

O pau cantando no Rio, e em Brasília os políticos não se desviam do que mais gostam: fatias de poder. Estão nem aí para o que acontece fora de seu universo de interesse.

Pois é, o pau também estava cantando em Brasília, mas era a guerra do poder, da cobrança da fatura das eleições, dos ministérios e cargos estratégicos.

A população será lembrada, claro. Nas próximas eleições.  Agora não dá tempo.

O fuzil e a cruz

28 de novembro de 2010 1

A última pesquisa do Índice de Confiança na Justiça (ICJ Brasil), produzida pela Fundação Getúlio Vargas, deu no seguinte:

- em primeiro lugar, Forças Armadas, em segundo a Igreja. Na rabeira, com apenas 8%, os partidos políticos.

Traduzindo: o brasileiro confia no braço forte dos militares e se apega aos santos. No Rio, está dando certo.

Extremo

26 de novembro de 2010 1

Nossas leis boazinhas criaram um escudo de proteção para traficantes. Cidadão flagrado com 19 pedras de crack alega à polícia – ou à Justiça – sua condição de usuário e fica livre como uma andorinha.

O tal de “para consumo próprio” já livrou a cara de muito bandido por aí. Tem gente defendendo o seguinte: alegou que é pequena quantidade, “para consumo próprio”, engula a droga.

Se sobreviver, será liberado. Se não…

Ele pode existir

26 de novembro de 2010 1

Papai Noel só existe na imaginação das crianças e na vontade dos adultos. Até a noite da última quinta-feira, das 1.075 cartas de crianças carentes enviadas ao Papai Noel dos Correios, sobravam apenas 150. Pode-se afirmar que na próxima as restantes serão adotadas, e nenhuma daqueles pequenos ficará sem seu presente de Natal.

Que tal ser você um Papai Noel de verdade este ano?

Basta dirigir-se à Agência Central dos Correios, na Rua Ângelo Dias, Centro, e procurar Gabriela, Isolde ou Guilherme.

Mas tem que ser até o próximo dia 3, sexta. De preferência antes.

Quer saber?  Vai te fazer um bem enorme.

Leis boazinhas

25 de novembro de 2010 8

Nossas leis boazinhas criaram um escudo de proteção para traficantes. Cidadão flagrado com 19 pedras de crack alega à polícia – ou à Justiça – sua condição de usuário e fica livre como uma andorinha. Isto não é um exemplo, é um fato. Aconteceu. Em Blumenau.

O tal de “para consumo próprio” já livrou a cara de muito bandido por aí. É frustrante para a polícia, para o Judiciário e para a sociedade. Só é bom para o traficante e para seus financiadores, os consumidores de drogas.

Desta frustração surgem idéias que, se a princípio nos impactam, também demonstram a desesperada necessidade de fazer alguma coisa para quebrar a barreira que nos sufoca. Uma delas é a de fazer o flagrado com drogas engolir a mercadoria. Se for, de fato, pequena quantidade para uso próprio, sobreviverá. Mas se não…

Vamos deixar claro que isto é apenas um rumor, uma conversa, uma idéia que circula entre os que não suportam mais a frustração de nada poder fazer quando há muito para ser feito.

A que ponto chegamos! A que ponto nossas leis nos fizeram chegar.