Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

O valioso tempo dos maduros

25 de junho de 2011 2

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral. ‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa…

Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!

Mário Pinto de Andrade Escritor e político angolano, de nome completo Mário Coelho Pinto de Andrade. (1928-1990)

Comentários (2)

  • CURTO&GROSSO diz: 26 de junho de 2011

    Eu também quero mais é receber amigos e colegas da distante faculdade e do serviço, os quais sempre carrego no coração. Beber um bom vinho e fumar um autêntico charuto cubano (pelo menos uma vez a cada 05 anos) com tais companheiros é algo que tem tem uma valor inestimável para mim e a cada reencontro me sinto revigorado e com muito mais ânimo para repelir as ações nefastas destes que se intitulam legisladores ou governantes, os quais só servem mesmo é para nos dar prejuízo e reduzir as probabiliddades de reencontros tão saudáveis e reconfortantes com aqueles que nos são queridos.
    Gente é gente, bandido é badido e as ações destacam perfeitamente quem é quem.
    As polêmicas e midiáticas aprovações de leis imorais destacam perfeitamente quem é quem !!!

  • Charles Ringenberg diz: 26 de junho de 2011

    Muito lindo esse texto !
    Só o entende quem tem alguma bagagem acumulada e levou mais bofetadas da vida do que deu.
    Obrigado por compartilhar conosco. Vou terminar este domingo melhor !
    Forte abraço !

Envie seu Comentário