Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Horário político

27 de junho de 2012 5

“Prezado Valther Ostermann

O horário político na televisão se faz necessário para que os candidatos se apresentem aos eleitores e digam a todos para que venho. Legitimo portanto, é escolhido os horários ao qual a população se encontra em casa, atingindo a maioria das pessoas. Acredito que é totalmente desnecessário e descabido, manifestar sempre a mesma ladainha, prometendo saúde, educação e segurança pública, justamente o que nós falta a cada eleição, e o pior, dizer aos 4 ventos, que é um homem ético, que tem moral e princípios de valores de família, oras pois, qualquer cidadão deve ter estes pré requisitos obrigatórios, agora um candidato a político vir a público dizer isso? É o fim da picada.

Sou a favor há muito tempo, que todos candidatos devam ter curso superior ou em gestão pública, ciências políticas ou administração. É errado exigir, eu sei, acaba nivelando para cima, não dando margem a classe menos intelectual, mas convenhamos, nossos ouvidos não são penicos, ao ponto de ouvir essas coisas básicas. Candidato a vereador por exemplo, de forma alguma deve prometer obras e melhorias nas cidades, pois o papel dele é apenas fiscalizar o prefeito, criar novos projetos votar, aprovar ou reprovar, está na hora de começar a deixar isso bem claro aos eleitores pois muitos deles, desconhecem as verdadeiras funções de cada candidados aos cargos.

Está chegando o horário da palhaçada política obrigatória, tive que me manifestar, ando cansado desse sistema podre, a sociedade deveria se re-organizar de outra forma esse sistema de governo, está ultrapassadíssimo.

Marcos Guerreiro, professor de Filosofia,  Balneário Camboriú.”

Comentários (5)

  • Marcos diz: 27 de junho de 2012

    Concordo plenamente…
    Se para ser advogado, administrador de empresa, engenheiro, tem que ter diploma universitário, porque para ser politico pode ser analfabeto. quando é que o Brasil vai acordar. será que teremos que ter outro presidente analfabeto, para afundar o país de vez.

  • Gambá diz: 27 de junho de 2012

    O professor Marcos chuta o balde com razão. Porém, na política, devemos admitir que a culpa é nossa. Sempre.
    O partidos políticos estão aí, abertos a filiação de qualquer cidadão, mas não aderimos porque não queremos participar da vida politíca ou porque os partidos são dominados por “clãs”. É nesse momento que devemos quebrar o ciclo. Cito um exemplo. Um dos candidatos a prefeito da capital foi escolhido para se candidatar a prefeitura com 65 votos dos membros do diretório. A verdadeira eleição começa aí. Pecamos por não fazer parte do processo inteiro. Deixamos que poucos decidam qual é o candidato ideal. Assim, as opções acabam se tornando medíocres.

    O modelo político é falho, mas democrático.

  • Bernardo diz: 4 de julho de 2012

    Curso superior não faz ninguém virar santo, muitos políticos têm curso superior e nem por isso são homens de caráter, oque é preciso é instruir toda uma população a cobrar os seus direitos e educar seus filhos a serem pessoas educadas que respeitam o próximo com boa noção de cidadania e caráter acima de tudo. As com curso superior deveriam “ganhar mais” assim como são com as outras áreas da economia. (Ou pelo menos como deveria ser)
    Melhor ainda deveria ser como na Suécia com salário equivalente ao nível de estudo e sem arregalia nenhuma, nem passagens aereas pra parente nem auxílio paletó.

  • Aldo diz: 4 de julho de 2012

    Corrupção está na cultura é muito difícil mudar levam gerações, é como querer tornar todo mundo vegetariano derrepente.

  • Camila Fernanda Mattos diz: 6 de julho de 2012

    Pertinente ter curso superior ou em gestão pública ou adminstração, existem vereadores em câmaras, que não sabem nem montar um projeto, adequadas as leis municipais, estaduais ou federais, saem com projetos esdrúxulas que as vezes nem tem cabimento com nada, acabam perdendo tempo com secretariado se mobilizando por nada. Nível superior não garante honestidade, acredito que o professor não entrou nesse mérito, ele dentro do entendimento apenas desejou cobrar conhecimentos mínimos da função da vereança. Querer ser vereador antes de tudo, tem que saber o que irá fazer lá dentro da câmara, ter conhecimentos mínimos e indispensavéis para desenvolver o que é de interesse aos eleitores. Acredito que o professor foi bem pontual nesse assunto.

Envie seu Comentário