Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Registro

11 de fevereiro de 2014 4

Para as futuras gerações: o verão de 2014 foi um sufoco.

Este calorão todo que nos assusta não passa de um aumento médio de apenas 2,5ºC na média da temperatura de outros verões. Por aí se vê como somos frágeis, nossa margem de vida razoável é pequena, a faixa é estreita.

Dependemos do equilíbrio do planeta. É melhor parar de agredi-lo. Estamos cutucando a onça com vara curta.

Foto: Valther Osterman

Foto: Valther Osterman

Comentários (4)

  • Romero diz: 11 de fevereiro de 2014

    Será que o aquecimento global também pode ser resfriamento global ? Já que tivemos um inverno de lascar ? Vai entender.

    E porque ninguém fala do ciclo 24 do sol ?

  • Ximitão diz: 11 de fevereiro de 2014

    Esse ano tivemos NEVE em Blumenau!
    Claro que esse verão foi demais, assim como o inverno.

    Todos sabemos que o planeta passa por ciclos, e cada vez mais teremos PICOS, tanto de calor como de frio.

    Então, sem essa lenga-lenga de agredir e tal. Tanto que apesar de estar muito quente, ainda não cairam recordes de temperatura do seculo passado, onde não havia tanta “agreção”.

    Abrass

  • Jorge diz: 11 de fevereiro de 2014

    Apenas o começo, caro Valther. Apenas o começo…
    Quem viver, verá!
    E olha que temos nos esforçado ao extremo para a promoção de um suicídio planetário coletivo.
    Os “ecochatos” já nos advertem há décadas de que a “coisa” não é para brincadeiras.

  • Adair diz: 11 de fevereiro de 2014

    Walter, vi hoje no Jornal do Almoço sobre essa crise no abastecimento de água em nosso região, e fiquei espantado como caminha a passos largos o desperdício desse bem preciosíssimo para nós. É inacreditável como hoje em dia ainda existem homens que se barbeiam com a torneira aberta o tempo todo ou como muita gente escova os dentes e lava as louças do mesmo imperdoável jeito: torneira aberta o tempo todo. As pessoas que fazem coisas assim, não importa sua condição social, são de uma imbecilidade e arrogância tremendos. Já presenciei cenas assim em filmes e até novelas, praticados por artistas consagrados e supostamente “educados e bem instruídos”, que péssimos exemplos deram pra muita gente por aí. A pior parte do desperdício não é aquela visível nas ruas e quintais, mas sim o que acontece dentro das casas, apartamentos e empresas, ninguém vê e assim aqueles irresponsáveis e imbecis usam e abusam a vontade, depois ficam enchendo o saco do prefeito por que falta água. Essa gente mesquinha deveria cuidar primeiro do seu nariz e depois atirar “pedras” nos outros. Quero deixar claro que critico apenas aqueles que adoram desperdiçar água com uma série de exemplos absurdos.

Envie seu Comentário