Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Fora da curva

09 de janeiro de 2016 2

Alguém aí já se alimentou em lanchonete de aeroporto e depois não passou mal na hora de pagar? Os preços praticados são de dar congestão.
A coisa é tão fora da curva que lá atrás, em 2012, a Infraero prometeu criar 12 lanchonetes populares em 12 dos principais aeroportos do Brasil. Ficou na promessa, claro, e ninguém cobrou porque ninguém acreditou. Os preços continua lá em cima, “preço de zona” como diz um amigo meu, seja lá o que isto signifique.
Há até novo rico que exibe o ticket do caixa de alguma lanchonete de aeroporto só para se mostrar!

Comentários (2)

  • Ronald diz: 10 de janeiro de 2016

    Então seria admissível presumir que o tal viajante aéreo é um cidadão que tem dinheiro. Logo, cobra um valor mais alto que ninguém irá notar. Penso que também é a realidade de um shopping center, com alguma variação. Possivelmente a operação num lugar daqueles não deve ser barata, mas o olho grande é uma presença não descartável. O pior é comer o Baurú e ter a certeza que você está pagando caro e sendo enganado, afinal o original nada tem haver com o pão-tomate-mortadela que eles servem. Hummm! O cúmulo das coisas é que sempre haverá alguém que levará de lembrança o guardanapo da lanchonete para mostrar por aí, só para dizer que esteve num aeroporto: “nois é chique no urtimo”!

  • Carlos diz: 11 de janeiro de 2016

    Valther, esses preços exorbitantes não são de hoje. É a clara evidência de abuso, e quem deveria fiscalizar, pouco faz. Veja bem, você volta de uma viagem, de mais de 10 horas de avião, cansado de comer aquela comida industrializada e quer apenas um café e um pão de queijo, impossível conseguir isso tudo por menos de R$ 20.
    Se pagar em dólares, capaz que ganha desconto, frente a desvalorização do real…

Envie seu Comentário