Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Amenidades"

Não falha

28 de agosto de 2015 1

Neste país de distraídos apenas uma pessoa em um milhão é capaz de explicar a situação político-econômica do Brasil. Mas basta você chegar numa roda de cafezinho, qualquer uma, que lá está ela.

Eis o vilão

24 de agosto de 2015 1

tira-gosto

Aí os amigos se reúnem para tomar umas cervejinhas enquanto botam a conversa em dia e pedem um tira-gosto pra “forrar o estômago”. Eis um exemplo de tira-gosto, só o primeiro de uma série, todos muito calóricos, e no fim não se sabe se os falantes beberam ou comeram mais. E depois dizem que é a cerveja que “dá barriga”!

(Foto: Valther Ostermann)

Frutos furtados

10 de agosto de 2015 0

Bananeira Marreta

Cidadão de Luiz (Luis?) Alves plantou um vaso com bananeira na calçada defronte ao Café do Marreta, ponto de encontro matinal de cidadãos que têm soluções para todos os problemas do mundo. “Precisamos de árvores frutíferas na cidade,” justifica. Só que a bananeira não deu cacho. Então ele providenciou um cacho e o amarrou ali junto, para dar a impressão de produção. Adivinha se o cacho amanheceu lá!

(Foto: Valther Ostermann)

Sol interrompido

26 de julho de 2015 4

Sombra

Ainda não parou de crescer e sua sombra já atravessa o rio. Ainda bem que é um só. Por enquanto…

(Foto: Valther Ostermann)

Deu sorte

20 de julho de 2015 1

Placa antiga

Num velho galpão à beira da rodovia que liga Timbó a Pomerode, o cartaz de propaganda eleitoral até parece novo, mas a eleição deu-se em 1986, e lá se foram 29 anos. Ambos eleitos: Vilson Souza foi deputado federal constituinte e Ademar Duwe foi para a Assembleia Legislativa. A foto é do aventureiro da bicicleta e também clicador de placas interessantes, Werner Hennig, que mandou o texto em esperanto, coisa de maluco. Maluco beleza, no caso. Nada que o Google tradutor não resolva.

(Foto: Werner Hennig)

Arte da terra

16 de julho de 2015 4

Dieter Koprowski fotografou despretensiosamente o carro que abastecia em seu posto de combustíveis em Alto Benedito Novo, mas quando olhou a foto com mais atenção percebeu que os respingos de terra na porta desenharam uma floresta.

Se cortar a foto logo abaixo da maçaneta, como fiz,  a ilusão de ótica é perfeita.
Floresta na porta
Floresta na porta 2

 

(Fotos: Dieter Koprowski/Especial)

A conferir

16 de julho de 2015 1

Um advogado boa gente e boa pinta – dizem que é parecido comigo, imagine! – de Blumenau foi multado outro dia por ter estacionado em vaga de idoso. Ele já atingiu a idade, meia cinco, não reclamou, foi à prefeitura providenciar sua licença. E aí reclamou: “Eles fornecem uma licença deste tamanho, parece um diploma, com o termo ‘idoso’ em letras garrafais. Acho humilhante! Vou processar a prefeitura”.
Se estava brincando, não deu pinta. Capaz de processar mesmo.

 

Misturança

06 de julho de 2015 2

Funerária

Em Urupema, cidade catarinense com menos de três mil habitantes considerada a cidade mais fria do Brasil, mas cheia de calor humano, esta funerária diversifica. População pequena, movimento pequeno, então a venda de pinhão colabora para o balanço mensal. Situações difíceis, soluções criativas.

(Foto: Abelardo Zeverino/Especial)

Veteranos

05 de julho de 2015 0

Domingo, no encontro mensal da turma do Blu Old Motors, deparei-me com esta joinha, um Ford 1929 perfeitamente conservado. Em meio a Opalas, Mavericks, fuscas, picapes e muitos outros de todas as eras, destacava-se fácil. Puro charme de um tempo em que o charme estava em alta. O proprietário já recusou oferta de R$ 150 mil.
Na foto seguinte o detalhe do chamado “banco da sogra”. Para os mais antigos, era o carro do Pato Donald, se lembram?
O próximo encontro será no dia 2 de agosto, no estacionamento da prefeitura de Blumenau.

1929

Detalhe-banco da sogra
(Fotos: Valther Ostermann)

6,99

29 de junho de 2015 1

Baratíssimo

Werner Hennig, o aventureiro da bicicleta, encontrou o recordista do preço baixo quase defronte à prefeitura de Indaial. Deve ser recorde pelo menos no Brasil. É surpreendente, mas o proprietário garante que ganha na quantidade. O preço atrai uma média de 500 clientes diários.

(Foto: Werner Hennig/Especial)