Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Partidos políticos"

Vício de forma

25 de dezembro de 2015 1

Ano que vem teremos eleições municipais no Brasil – prefeitos, vice-prefeitos e vereadores – e também por isso vai ser um ano agitado. Mas não se iluda. Haverá ainda muito caixa dois, porque um sistema viciado desde priscas eras e intensificado ao extremo nos últimos anos não se extingue assim de uma hora para outra. Ainda há – doadores e beneficiados – quem acredite na impunidade de sempre e facilidades de praxe. Ouviremos, por muito tempo ainda, o surrado estribilho: “Todas as doações foram legais e declaradas nas prestações de contas do partido e dos candidatos”.
Está melhorando, mas aos poucos.

Péssimo exemplo

09 de dezembro de 2015 2

Terça-feira foi baixaria total durante a escolha dos deputados que vão analisar o pedido de impeachment da presidente da República, com depredação de equipamentos, empurrões, cabeçadas, xingamentos, berros e palavrões. Hoje, na reunião de Comissão de Ética da Câmara, nova demonstração que os atuais parlamentares fazem de tudo, só não parlamentam.
Aquela gente nos representa?

Mudou? Mudará?

24 de setembro de 2015 2

Muitos já disseram, nos cafés e na imprensa, que o Brasil está mudando, depois do Lava Jato nada será como antes.
Acho dedução prematura. A cultura da propina está enraizada, leva tempo e exige persistência para ser arrancada. O mensalão, por exemplo, não pegou nem puniu todos os picaretas do Congresso que, segundo Lula em 1993, são mais de 300. Em 2015 o então ministro da Educação Cid Gomes elevou para “talvez 400”, mudando o termo de picaretas para achacadores.
A briga atual dentro do PMDB por cargos, nomeações e ministérios para continuar dando alguma sustentação à presidente Dilma confirma: quase nada mudou. O “quase” é por minha conta.

Ô raça!

23 de setembro de 2015 3

Que reforma ministerial, que nada! Aquilo é o toma-lá-dá-cá de sempre.
O PMDB estabeleceu o preço, a presidente paga ou desce. Nada mudou, nada muda no comportamento de quem compra e de quem vende.
Os peemedebistas Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha garantiram que o partido não iria aceitar cargos, mas não há líder político que contenha a fome de boquinhas e bocões dos fisiologistas que passaram como um trator por cima dos três.

Vocês conhecem o dito popular, cachorro ovelheiro…

Tem razão

09 de setembro de 2015 5

De um senador petista, Walter Pinheiro, quarta-feira, na tribuna do Senado, criticando a falta de apetite do governo em cortar despesas: “Se não diminuir, como prometeu, o número de ministérios, mesmo sendo uma economia simbólica, não poderá pedir sacrifícios à sociedade, pois vai parecer Satanás pregando a Quaresma”.

Prioridades

21 de abril de 2015 3

Ah, como custa caro a democracia brasileira! O Fundo Partidário, aquela grana pública destinada aos partidos políticos, foi triplicado, passou de R$ 289,5 milhões para R$ 867,5 milhões.
Já a Educação, como se sabe, teve seu orçamento cortado em um terço

Tudo errado

23 de outubro de 2014 2

Houve um tempo em que acreditei que partidos representavam diferentes ideologias e convicções políticas, cada qual com seus estatutos e programas bem definidos. Houve um tempo em que pensei serem fóruns de discussão sobre os rumos do país, do estado, do município. Houve um tempo, faz muito tempo, que me filiei a um deles, cheio de entusiasmo sobre minha evolução política. E aí caiu a ficha, não era exatamente o que pensava, desfilei-me. Valeu como experiência, claro, já que toda prática é melhor que a teoria.
De lá para cá ficou ainda pior, com coligações inviáveis do ponto de vista programático. O Brasil precisa de reforma política, porém precisa ainda mais de reforma de mentalidade para evitar que uma eventual reforma política mude tudo para tudo ficar igual. Já aconteceu antes, muitas vezes.

Custo Brasil

05 de julho de 2014 1

A campanha de Aécio estabeleceu o valor de R$ 290 milhões como teto de gastos, a de Dilma um pouquinho mais e, tudo somado, as campanhas de todos chegarão perto do bilhão. É muita grana, é grana demais. Vai exigir um esforço enorme para conseguir investidores, digo, doadores.
Ou não.

 

É de chorar

25 de junho de 2014 0

Para o dia do jogo do Brasil contra a seleção de Camarões, na última segunda-feira, o prefeito de São Paulo quis decretar feriado e assim evitar o caos no trânsito e do transporte coletivo acontecido no dia do jogo anterior, semana passada. A oposição, na Câmara de Vereadores, manobrou para evitar a votação, e conseguiu. Mas na segunda-feira útil os vereadores não apareceram na Câmara.

Política, no Brasil, é uma piada. Lá e em qualquer lugar. Depois não querem…

Sem esperança

08 de outubro de 2013 11

Há uma revoada de senadores, deputados e vereadores  indo de um galho para outro, mudando de partido como nós trocamos de sapatos. Tudo pelo bem do Brasil, certamente, este Brasil tão distraído, desinteressado e, ao fim e ao cabo, conivente com a avacalhação geral.

Ao mesmo tempo os aspirantes a cargos majoritários negociam minutos de televisão, e esta é a face mais visível do absurdo de um sistema político que teima em não mudar. Vende-se a mãe por qualquer tempinho a mais de exposição na telinha. Quase nunca entregam, claro.

Com 32 partidos políticos, e crescendo, não dá mesmo para tempos iguais na TV, durante a campanha. Então, a moralização do processo teria que começar por aí: nanicos fora! A maioria deles.

Mas quem consegue fechar minas de ouro?

Se nada mudar, será como sempre: as eleições terminarão em segundo turno e os eleitores terminarão em segundo plano.