Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Cinco anos do site que mudou a internet brasileira

25 de janeiro de 2009 3

Esta é fácil de adivinhar: o site que chacoalhou a web tupiniquim é o Orkut.

Ontem, dia 24, ele completou CINCO aninhos, e eu fiz uma matéria para o último ZH Digital sobre o fenômeno Orkut. Os links:

Vidas mudadas pelo Orkut - caso de Ana Paula Almeida e Fernando Sebben, aí na foto, que se conheceram pelo site e namoram há quatro anos (foto de Emilio Pedroso, ZH).

Território brasileiro – por que o país se adonou do Orkut e as principais melhoriais implementadas na rede social nesses cinco anos

O hit das lan houses

Todos acessam - Essa parte da reportagem reproduzo aqui:

Cinco anos depois, o Orkut não é coisa só de jovem. A audiência é maior entre adolescentes do sexo feminino – público que geralmente tem mais tempo para lazer online – e menor entre pessoas a partir dos 45 anos, segundo os dados do Ibope/NetRatings. O portal, porém, é acessado por gente de todas as idades, graus de instrução e classes sociais:
– Pessoas com menos escolaridade e menor renda acessam mais, o que não quer dizer que pessoas com curso superior não usem o Orkut. Entre os internautas residenciais com pós-graduação, por exemplo, 59% entram no Orkut ao menos uma vez por mês – diz José Calazans, analista de internet da instituição.
A explicação: pessoas com maior escolaridade sabem que há outros conteúdos para acessar na web. Mas também há os que só têm o Orkut como referencial de internet.
Especialista em redes sociais, Raquel Recuero, da Universidade Católica de Pelotas, acredita que o Orkut teve importância fundamental na popularização da web no Brasil:
– Houve alfabetização digital por causa do Orkut. É um fenômeno muito importante. Essa pessoas, depois de se familiarizarem com o site, começam a se interessar por outras ferramentas, como o MSN.
Para alguns, o Orkut funciona ainda como um agregador. É possível ver pelo site clipes dos seus artistas preferidos, as fotos do aniversário de parentes e, claro, também obter informação
.

Dica ZH: Há sites que reúnem fotos e textos deixados por pessoas no Orkut que vão do engraçado à falta de noção.

Os mais conhecidos são www.perolasdoorkut.com.br e www.tolicesdoorkut.com. Diversão garantida!

Posts relacionados:

O Orkut tem mais gremistas ou colorados?

Por que o brasileiro adora se expor no Orkut

Orkut e a webdependência

O nó das redes sociais

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • Marcelo Xavier diz: 26 de janeiro de 2009

    Eu conheci tantos amigos no Orkut, amigos que eu não conheceria na vida normal, gente de toda a parte, gente da minha cidade. Achei uma amiga em Maringá que é pianista é aquele tipo de pessoa com quem eu queria ficar falando o dia inteiro. Ou um amigo em Salvador que podia ser meu filho e que é um péssimo baixista (haha) mas um cara enraçado prá caramba e além de mim, o único fã do Lovin Spoonful. Entre tantos.

  • Fabricio diz: 26 de janeiro de 2009

    Eu e minha esposa estudamos na 5ª série juntos e depois nunca mais nos vimos, eu mudei de cidade onde morei 14 anos e depois voltei pra cidade natal e a reecontrei graças ao orkut! O interessante é que ela foi o meu primeiro amor, na época tinha pedido ela em namoro (naquela época ainda pagávamos esse valezão) e ela me chamou de pentelho, mas depois viu o gaucho aqui e mudou de idéia! Valeu orkut por hoje estar com a melhor mulher do mundo!

     

    Que bonitinha a tua história, Fabricio. :-)

  • Dea Balle diz: 26 de janeiro de 2009

    Eu conheci meu namorado no orkut também, hehehe. Engraçado é que nós quase não usamos o orkut, mas por coincidência estávamos discutindo mais ativamente na comunidade do Inter na época que nos conhecemos.

    Claro, nos encontramos e pessoalmente que o relacionamento se desenvolveu, mas o que nos fez “topar um com o outro” foi mesmo o Orkut! Já estamos juntos a quase um ano.

    Entre tantas coisas chatas (vírus, spans), de vez em quando o Orkut também gera casos bonitos :)

Envie seu Comentário