Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

[Entrevista] Coordenador do Fisl12 conta o que esperar do principal evento de tecnologia do Estado

30 de maio de 2011 5

Foto: Cynthia Vanzella, Agência RBS, banco de dados

De 29 de junho a 2 de julho, Porto Alegre receberá pelo 12° ano o Fórum Internacional Software Livre (Fisl), um dos mais tradicionais eventos de tecnologia do país.

Com público esperado de 7,5 mil a 8 mil pessoas, a edição deste ano será realizada no Centro de Eventos da PUCRS e terá 12 salas de atividades simultâneas das 9h às 18h durante os seus quatro dias.

No total, serão mais de 400 palestras/debates/oficinas, mas o Fisl também conta com encontros de grupos de usuários, mostra de negócios (oportunidade de conhecer o que as empresas estão desenvolvendo em software livre) e festas (terá, por exemplo, o circuito de bares, algo na linha “mostre o crachá do evento e ganhe um desconto”).

A programação diversificada contempla de hackers a um público mais leigo, que vê no Fisl uma oportunidade de aprender mais sobre esses softwares que têm o código aberto (a receita de como são feitos não é mantida em segredo) e podem ser copiados, modificados e distribuídos livremente. O Fisl tem também levado o tema da liberdade para uma esfera além do desenvolvimento de software, por exemplo, discutindo as ameaças às liberdades dos internautas.

Em entrevista ao blog por telefone, Ricardo Fritsch (foto ao lado), coordenador geral da Associação Software Livre (ASL), que organiza o evento, adianta algumas discussões e atividades que podemos esperar do encontro deste ano.

Confira o que Fritsch disse sobre:

O tema principal do Fisl deste ano

O Fisl tem como slogan “Tecnologia que liberta”, então a gente vai falar sobre a questão da neutralidade na internet, que é algo que tem muito a ver com a questão da liberdade. Se há interferência para passar dados de um lado para outro das redes, a liberdade não existe e não conseguimos compartilhar o conhecimento.
O nosso coordenador adjunto da ASL, o Thomas [Soares], até comentou: “as ruas são um bem de acesso público, as redes também têm que ser um bem de acesso público”. Caso contrário, o que poderia ocorrer é que, numa determinada rua, um veículo de uma determinada marca poderia andar a 80 km/h enquanto outro só a 30 km/h. Isso seria desigual. Essa discussão sobre tráfego da rede é muito grande nos Estados Unidos e na Europa.
Com a questão toda da alta privatização das redes no mundo todo, há poucas companhias com o controle da rede.

Palestrantes

Estamos reforçando neste ano o “i” do Fisl, trazendo uma quantidade bem grande de palestrantes internacionais. Já são quase 30, e a gente está a todo momento confirmando novos nomes.
Entre eles, de novo, vem o Maddog, que é figura carimbada no Fisl
[John Maddog Hall é o presidente da Linux Internacional e está com um projeto bem legal chamado Cauã, com proposta de inclusão digital e profissionalização de quem trabalha com software livre]. Virá também o Simon Phipps [diretor da Open Source Initiative], e o Randy [Schwartz], da linguagem Perl. [Destaque também para a participação de representantes da Wikimedia, a fundação responsável pela enciclopédia colaborativa Wikipédia.]

Palestras técnicas, para um público especializado

O perfil dos palestrantes internacionais vai mesmo nessa linha [palestras mais técnicas/avançadas].
Nossa proposta é trazer os principais nomes mundiais. Se vamos falar de MySQL, vemos quem são os principais caras dessa área e então convidamos. Vemos quem são os de Java, da Mozilla, do Fedora, do Google, assim por diante.

Mobilidade

Vamos falar muito sobre dispositivos móveis no Fisl deste ano. Vem o pessoal do Android, do Google, e também do MeeGo [trata-se de um sistema operacional para plataformas como netbooks, desktops, smarptphones, tablets, sistema de navegação automativa etc].
O Android, pelo fato de ser um software livre e ter uma grande empresa por trás, a Google, fez com que grandes fabricantes de dispositivos móveis passassem a utilizar essa plataforma. Cada um tem investindo um pouco para ter versões melhores do Android.
Durante o Fisl, também vai ter o APPCircus Show, pela primeira vez no Brasil. Serão apresentados 10  aplicativos pelos seus desenvolvedores e será escolhido o vencedor.

O Fisl das mulheres

O pessoal do grupo Feminino Livre está com um conjunto de atividades no Fisl deste ano para valorizar o público feminino na área de TI.

Ubuntu

Em termos de sistema operacional, eu saudaria a presença da Canonical no Fisl. É a primeira vez que o Ubuntu [uma das distribuições Linux mais populares] vai estar de forma orgânica dentro no evento.
O Ubuntu acabou sendo a marca de Linux que já chegou de mais perto do usuário final. Ao longo dos anos, a parte de usabilidade do Linux com o Ubuntu ganhou outras cores. Inclusive, o pessoal da Canonical está trazendo uma pesquisadora de usabilidade de softwares para palestrar no Fisl.

Crescimento do uso do software livre

Na última terça-feira, foi o lançamento do Gabinete Digital do governo Tarso [Genro, governador do RS]. Há coisas importantíssimas nisso. A primeira delas: o Rio Grande do Sul voltou ao software livre. E é interesante que, quando a gente olha as estatísticas de acesso ao Gabinete Digital, a maioria (60%) foi com outros navegadores que não o IE [Internet Explorer, browser de código proprietário da Microsoft], que chegou a 40%.
A tecnologia está libertando as pessoas. O pessoal da Caixa não faz uma propaganda cada vez que a gente aposta na Mega Sena: “parabéns, você usou software livre”. Isso não é necessário, mas é importante que a gente tenha plataformas livres que possam ser usadas por quem quiser.
Outro exemplo é o da urna eletrônica no Brasil. Como a gente faz transparência com software?  É apenas usando software livre. Com software proprietário, com código fechado, a gente não consegue saber o que tem lá dentro.

E aí, você irá ao Fisl?

Lembrando:

O que é? 12° Fórum Internacional Software Livre (Fisl12)

Onde e quando? No Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre, de 29 de junho a 2 de julho

Informações e inscrições pelo site www.fisl.org.br. O evento será transmitido ao vivo pela internet via  TV Software Livre

Foto: Thaís Rucker, ASL, divulgação

Leia também:

Dica de vídeo: 20 anos de Linux

Perdeu o Fisl de 2010? Vídeos de palestras estão disponíveis online

Uma rede social só para quem curte software livre

Tire suas dúvidas sobre software livre

[Dica de site] Descubra qual distribuição GNU/Linux é mais adequada para você

>>> Siga o blog no Twitter (@blogdavanessa) e no Facebook (www.facebook.com/blogdavanessa)

Bookmark and Share

Comentários (5)

  • Osmar Maciel Rehbein diz: 30 de maio de 2011

    Esse ano, o fisl12 esta com um valor muito alto para participarmos comparado aos eventos dos anos anteriores.

    Outra coisa é o época que vai acontecer o fisl, vai ser justamente no final do semestre da minha faculdade, não vou trocar dias de estudo para provas e terminar trabalhos. Para ir no fisl

    Parece que esse ano o fisl não foi bem pensado, a redução de pessoas visitando o evento vai ser menor comparado a outros anos.

  • Osmar Maciel Rehbein diz: 30 de maio de 2011

    Corrigindo o comentário anterior….

    Esse ano o fisl12 esta com um valor muito alto para participante comparado aos eventos dos anos anteriores.

    Outra coisa é o época que vai acontecer o Fisl, vai ser justamente no final do semestre da minha faculdade e que deve ser o final de semestre de muitas outras faculdades dos possíveis participantes, não vou trocar dias de estudo para provas e terminar trabalhos da faculdade para ir no Fisl.

    Me parece que esse ano o fisl não foi pensado para estudantes a redução de pessoas no evento deve ser alto.

  • Alexandro Corrêa diz: 30 de maio de 2011

    O FISL sem dúvidas é um evento muito interessante… mas acredito que está indo contra a filosofia do software livre, que prega a troca de conhecimento e informações, e se tornando algo estritamente comercial. Obviamente entendemos que um evento gere custos, mas o valor que está sendo cobrado este ano está demais. Não que o custo não compense a qualidade, mas é uma questão de princípios. Me interesso em ir, mas deixarei de participar por conta do preço cobrado. Este é o meu protesto.

  • vanessanunes diz: 30 de maio de 2011

    Oi Osmar,
    Perguntei pro Ricardo sobre a redução do público no ano passado e em 2011 em relação ao Fisl10. Ele explicou que isso está muito relacionado com a capacidade do Centro de Eventos da PUCRS. Achei uma atitude correta porque o importante é oferecer uma boa infra para quem vai. No Fisl10 tava mesmo muito lotado.

  • Uillan diz: 30 de maio de 2011

    hunf! Cadê que têm um negócio desses por aqui?! T_T

Envie seu Comentário