Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Empurrando o Google+ goela abaixo

10 de novembro de 2011 1

Imagem: reprodução

*Texto publicado na coluna Tecnologia na Cabeça desta semana no caderno ZH Digital

Com a estreia de um reformulado Google Reader, na semana passada, o Google mandou um recado: fará o que estiver ao seu alcance para que a rede social Google+ emplaque, inclusive sacrificar serviços com um público cativo.

Os usuários que estão se considerando “órfãos do Google Reader” que o digam. O serviço de feeds RSS ganhou uma nova interface e integração ao Google+, mas perdeu seus recursos sociais, que faziam dele uma espécie de rede social à parte. Antes, era possível seguir pessoas, curtir e compartilhar posts dentro do Reader. Agora, esse compartilhamento ficou atrelado ao Google+. Em outras palavras, o Reader ficou esvaziado em uma tentativa de forçar o uso do Google+.

A gritaria dos usuários rendeu festa de despedida no Facebook e abaixo-assinado online. A nova cara do Reader está alinhada ainda com a mudança visual imposta a outros serviços do Google. O Gmail foi outro que também mudou recentemente.

Leia também:

Google+ passa a aceitar páginas de empresas e produtos

Acompanhe o blogdaVanessa.com também pelo Twitter, FacebookGoogle+

Comentários (1)

  • Fábio diz: 10 de novembro de 2011

    Sou fãzasso do Google, me entrega uma dezena de ótimos serviços e não me pede quase nada em troca; mas algumas vezes também erra a mão. Eu não usava o Google Reader, mas me ponho no lugar de quem gostava e deve ser frustrante. E acho complicado o Goolge querer fazer o Google+ “pegar na marra”. Salvo algumas exceções (o MSN é uma q me ocorre, q tinha até comercial na TV, campanha maciça, e já vinha junto com o Windows), esses fenômenos de utilização em larga escala de algum serviço/aplicativo/rede social se dão quase naturalmente, na medida em que vc apresenta uma alternativa realmente muito boa e aos poucos fica meio viral com todo mundo entrando na dança (vide Orkut, depois Facebook por exemplo), mas querer transformar em “superutilizado” forçando a barra, no mais das vezes não dá certo…

Envie seu Comentário