Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Tem até um pedacinho de Porto Alegre no documentário sobre o Pirate Bay

20 de fevereiro de 2013 0

Texto da minha coluna desta semana na ZH impressa:

Parcialmente financiado por internautas e promovido nas mídias sociais, o documentário The Pirate Bay: Away From Keyboard (TPB: AFK) foi lançado gratuitamente na internet no mesmo dia em que estreou no Festival Internacional de Cinema de Berlim. A estratégia faz todo o sentido para um filme que é exatamente sobre um serviço que se tornou um ícone na cultura de compartilhamento de arquivos online: o Pirate Bay.

Em 82 minutos, o documentário acompanha Gottfrid Svartholm, Fredrik Neij e Peter Sunde, então responsáveis pelo site, em uma batalha na justiça sueca contra estúdios de Hollywood. Em 2009, eles foram condenados à prisão e multa milionária por promover pirataria. Naquele mesmo ano, Sunde esteve em Porto Alegre para participar do Fórum Internacional Software Livre, e o filme inclusive tem uma cena rápida gravada na sala de palestrantes do evento, na PUCRS (imagem abaixo):

Crédito da imagens: reprodução

O documentário é falado em sueco, mas, graças ao trabalho de voluntários, já há traduções para outros idiomas, inclusive o português. Minha cena preferida é aquela em que Sunde – no tribunal – rechaça o uso do termo IRL (sigla, em inglês, para “na vida real”):

- Nós preferimos o termo AFW, away from keyboard (longe do teclado, em português), porque acreditamos que o que acontece na internet é real – explica.

No site da produção (tpbafk.tv), o diretor Simon Klose disse que fez o documentário porque não conseguia entender o argumento da indústria do entretenimento de que o compartilhamento de arquivos é uma ameaça à criatividade. O resultado foi um filme bem feito, que toca em um assunto polêmico que ainda exige muita reflexão e, por isso, todo entusiasta de cultura digital deveria assistir (dá para baixar no Pirate Bay ou ver direto no YouTube - logo abaixo, com legendas em português) e passar adiante, afinal, é com esse pedido que o documentário termina: “Por favor compartilhe este filme online”, diz a última frase.

Bookmark and Share

Envie seu Comentário