Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

A façanha de marcar a arrobinha de estranhos por engano nas redes sociais

01 de março de 2013 0

Volta e meia acontece comigo: alguém me marca no Instagram em fotos que considero um tanto constrangedoras ou diz lá no Twitter que sou fã de um desses cantores venerados por adolescentes. Essas mensagens pipocam no meu telefone, mas a Vanessa Nunes a que essas pessoas se referem são minhas homônimas.

Um exemplo: no que depender desta foto aí ao lado, que menciona meu username no Instagram, sou loira, pirralha chata e amada. Só no Instagram contei outras 18 pessoas que compartilham comigo nome e sobrenome.

Pode até ser uma baita gafe de etiqueta nas redes sociais sair marcando arrobinhas alheias por engano nas mensagens, mas muita gente está nem aí. Então como reagir? Ficar quieto ou responder?

O divertido Tumblr tioique.tumblr.com é sobre isso. “Estranhos usam meu username sem querer no Instagram. Eu vou lá e comento”, diz a página, criação do consultor financeiro carioca Henrique Luz, o @henrique no Instagram.

Crédito das imagens: reprodução

- Essas menções por engano me incomodavam. No início, até respondia dizendo que não era eu, mas só recebia desaforos de volta. Então comecei a deixar comentários irônicos como forma de alertar que não era eu mesmo – afirma Henrique.

Quem tem um username com nome de pessoas famosas é ainda mais bombardeado com menções equivocadas. A americana Sarah Wu, que é @sarney no Twitter, chega a deixar estampado em seu perfil, em português, que não é José Sarney.

O que leva as pessoas saírem marcando as outras na redes sociais sem se importar se estão usando o correto nome de usuário, ou incluindo um estranho na mensagem? Para Henrique, isso é sinal de falta de conhecimento da ferramenta.

Mas isso também pode ser preguiça, né? Então fica a dica: na hora de incluir uma arrobinha em uma mensagem, gaste alguns segundos para checar antes se o username mencionado é o da pessoa em questão.

* Texto publicado na minha coluna desta semana na ZH impressa

Leiam também:

Oversharing, estresse tecnológico e etiqueta móvel

Bookmark and Share

Envie seu Comentário