Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Antivírus no meu telefone? Não!!!

23 de junho de 2014 1

Nos nove anos em que escrevo sobre tecnologia, segurança sempre foi um dos meus assuntos preferidos, mas a ironia é que não uso antivírus no dispositivo em que mais passo tempo, o meu telefone. E não é por falta de opções, ou de preocupação com os meus dados.

Com o boom das ameaças para smartphones, marcas que se tornaram famosas por seus antivírus para computadores correram em oferecer apps de segurança também para dispositivos móveis. 

Alguns exemplos:

>>> Norton 360 Multi-Device (br.norton.com/norton-360-multi-device/)

>>> AVG (www.avgbrasil.com.br/seguranca-para-celular-e-tablets)

>>> Trend Micro (www.trendmicro.com.br/br/casa/produtos/mobile-security/index.html)

>>> Avast (só para Android: www.avast.com/pt-br/free-mobile-security)

>>> BitDefender (só para Android, www.bitdefender.com.br/solutions/antivirus-free-for-android.html e www.bitdefender.com.br/solutions/mobile-security-android.html)

Só que na hora de proteger o celular, considero que há outras medidas bem mais úteis do que ter um antivírus. Como um dos grandes perigos é ter o aparelho furtado ou perdido, apps como o “Buscar Meu iPhone” (da Apple) e o “Gerenciador de Dispositivos Android” (do Google) podem ser a sua salvação. Eles permitem localizar o aparelho e até apagar remotamente todo o seu conteúdo, evitando que seus dados caiam em mãos erradas. Outra medida que não deve ser ignorada é a exigência de senha para destravar o aparelho – ou então configure recursos como o Touch ID (para identificação via impressão digital no iPhone 5S) e o Face Unlock (para reconhecimento facial no Android).

No caso específico de um antivírus, a necessidade varia mesmo de acordo com o tipo de uso do telefone. Por ser a plataforma móvel mais popular do planeta, o Android é o principal alvo de ameaças. No caso do iPhone, um antivírus faz mais sentido se você fez um jailbreak para baixar aplicativos por fora do controle da loja oficial da Apple.

* Texto publicado no sábado na ZH impressa

Bookmark and Share

Comentários (1)

  • Maicon diz: 25 de junho de 2014

    Vanessa,
    Uma ressalva a respeito da utilização de senhas no bloqueio de tela de dispositivos Android. Formatar um aparelho Android é relativamente fácil. Colocar qualquer tipo de bloqueio no aparelho só vai incentivar um meliante a formatar o aparelho o mais rápido possível para poder utiliza-lo. Caso o aparelho seja formatado nenhuma solução de recuperação atual conseguirá fazer contato com o aparelho.

    A pergunta que costuma fazer aos usuários é: o que vale mais, o aparelho ou impedir que alguém leia suas informações? Se as informações forem mais importantes, use o bloqueio e fique ciente que a chance de recuperação do dispositivo é mínima. Caso o aparelho seja mais importante, não utilize bloqueios, pois assim o ladrão simplesmente irá alterar o google account e seguir utilizando, permitindo que você localize o aparelho.

    Sobre o serviço de recuperação, o que eu mais gosto é sempre recomendo é o Android Lost.

Envie seu Comentário