Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "África do Sul"

Cataratas, a confirmação das Maravilhas

21 de fevereiro de 2012 0

Nesta Quarta-feira de Cinzas, as CATARATAS DO IGUAÇU serão confirmadas, em Buenos Aires, como uma das Novas Sete Maravilhas da Natureza. O anúncio será feito pelo presidente da fundação suíça New Seven Wonders , Bernard Weber, na Embaixada do Brasil da capital argentina. O resultado final da eleição, anunciado em 11 de novembro, era provisório, dependia da contagem dos votos por SMS de todas as candidaturas. O único país com duas maravilhas na lista é o Brasil: além das Cataratas, a Amazônia. As outras maravilhas: a Baía Ha Long, Vietnã Jeju-do, Coreia do Sul Komodo, Indonésia Rio Subterrâneo de Porto Princesa, Filipinas Table Mountain (Montanha Mesa), África do Sul A eleição começou em 2007, com a participação de 440 atrações de mais de 200 países e territórios.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Cataratas, a confirmação das Maravilhas

Um branco de respeito

12 de fevereiro de 2012 0

Apontada como uma das variedades que mais deve crescer no gosto dos consumidores nos próximos tempos, a uva Riesling é praticamente uma desconhecida para a maioria dos brasileiros. Primeiramente porque é branca, condição desfavorável quando se está em um país de hegemonia tinta. Depois por não dar origem a espumantes (estamos falando aqui do Riesling Renano , e não do tipo Itálico , amplamente usado pelas vinícolas da Serra para formar suas borbulhas). Por fim, joga contra sua popularização o fato de sua região de excelência ser a longínqua fronteira entre a Alemanha e a França. Porém, não é preciso ir tão distante para encontrar bons exemplares. O próprio Brasil vem elaborando ótimos varietais - e bem mais em conta do que os importados. O último representante da espécie a causar boa impressão no meu cálice veio da África do Sul . O Groote Post 2010 é menos sutil do que os europeus, mas tão delicioso quanto. Nem parece ter graduação alcoólica tão moderada ( 11% ), tamanha sua força aromática. A cada gole a boca é preenchida de sabor, o que faz dele um rótulo gastronômico . Excelente pedida para o calor que estamos enfrentando. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Um branco de respeito

A segunda maravilha confirmada...

04 de fevereiro de 2012 0

As sete maravilhas da natureza eleitas pela Fundação New 7 Wonders aos poucos vão deixando de ser provisórias e ganhando o título definitivo. Já foi assim com a Ilha de JEJU , uma ilha vulcânica da Coreia do Sul. Agora, a segunda é PUERTO PRINCESA , um rio subterrâneo em um parque nacional nas Filipinas. Duas das maravilhas que aguardam a confirmação são brasileiras: as Cataratas do Iguaçu e a Amazônia. As outras três: a Baía de Halong (Vietnã), o Parque Nacional de Komodo (Indonésia) e a Table Mountain (África do Sul).

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
A segunda maravilha confirmada…

Mercosul: vai ou não vai?

24 de janeiro de 2012 0

Nossa indústria, há muito ameaçada, encontra-se em queda de produção, onerada por pesadas taxas, câmbio irreal e importações baratas. A FIESP, que, há muito tempo, deveria liderar sérios protestos, perde-se em jantares, discursos utópicos “ nunca antes ouvidos neste país ” e campanhas eleitoreiras – curiosamente de brimos, Haddad, Maluf, Kassab, Skaf, Temer. Ao mesmo tempo que nossos vizinhos e sócios do Mercosul importam e acobertam a entrada de produtos chineses, que passam como fabricados no Uruguai, Paraguai e Argentina. O certificado de origem é falsificado pelos próprios chineses. Assim, burlam as taxas impostas pelo governo brasileiro aos produtos made in China . Mas parece que sempre, ou quase sempre, foi assim. O Uruguai, há muito tempo, importava leite em pó da Nova Zelândia e vendia para nós. Era sabido por todos, porque nem que as vacas vizinhas fossem supervacas e produzissem o triplo o país não poderia produzir tanto leite em pó – e produzia. Mas não somos só os sul-americanos a agir assim. Lembro, também, das laranjas jaffa que Israel, com aquele tamainho, vendia para toda a Europa como suas – na realidade, eram produzidas na África do Sul. Caiu o Aparthaid ? Acabaram as laranjas baratas na Europa. Mas nós, brazucas, também não somos confiáveis. Quando a África do Sul estava sob embargo comercial, nossos produtos petroquímicos iam direto para lá – só a papelada é que fazia uma triangulação na Holanda. Escrevi tudo isso só para você pensar um pouco: será que alguma sociedade pode funcionar quando os sócios trapaceiam uns aos outros? Não precisa responder…

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Mercosul: vai ou não vai?

Tendências enológicas apontadas pela Berry Bros & Rudd

16 de janeiro de 2012 0

Ao fim de 2011, a Berry Bros & Rudd (uma das mais tradicionais lojas especializadas da Inglaterra , que por sua vez é o mercado mais influente do mundo) fez um balanço de suas vendas ao longo do ano e elaborou um infográfico apontando as mudanças no comportamento do consumidor . Entre os dados estão as variedades mais populares entre os clientes, os países que mais têm saída no caixa e o gasto médio por garrafa. Veja a seguir algumas das conclusões, ou clique na arte abaixo para conferir o gráfico completo. Apontador de tendências - Na lista de países mais procurados pelos clientes, há apenas duas mudanças em relação a 2010: a Espanha ultrapassou a Nova Zelândia e conquistou o quarto lugar, e a Argentina tomou a nona posição da África do Sul. A França reina em primeiro. - Os Proseccos e os vinhos ingleses tiveram uma expressiva alta nas vendas, em torno de 25%. - Já a procura por rótulos orgânicos e biodinâmicos caiu expressivamente, mais de 50% em relação a 2010. - Cabernet Sauvignon segue sendo a uva mais popular entre os clientes, mas está perdendo espaço. Já Shiraz e Pinot Noir se destacam pelo crescimento nas vendas, de 56% e 50%, respectivamente. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Tendências enológicas apontadas pela Berry Bros & Rudd

Roteiro pela África do Sul

16 de janeiro de 2012 0

As gurias do blog 2 Na Estrada andaram pela África do Sul no final de 2011. A viagem rendeu uma série de posts, iniciada no dia 30 de novembro e que continua em andamento neste início de 2012. Vale a pena conferir por lá e ver as fotos da Solange Campello. No primeiro dos posts, é assim que elas explicam o início da jornada: “Essa foi uma das nossas viagens mais surpreendentes desse ano. Resolvemos viajar de uma hora para outra e em menos de 15 dias lá estávamos numa das cidades mais bonitas que já vimos. “Kaapstad”, em africâner, “Cape Town” em inglês, e mais 9 nomes diferentes dentro das onze línguas oficias da África do Sul designam, essa que é a segunda maior cidade do país, capital legislativa e um dos destinos mais procurados por turistas do mundo inteiro no continente africano. (…) (…) Hoje a Cidade do Cabo, apesar de guardar marcas profundas de sua história, recebe visitantes de todas as partes do mundo de braços e sorrisos abertos. As noites no Waterfront, a subida quase vertical em Table Mountain (recém eleita uma das sete maravilhas da natureza), as caminhadas pelo Centro Histórico e pelos “Gardens”, experiências gastronômicas, passeios no Cabo da Boa Esperança, Ilha dos pinguins, nas famosas vinícolas sul africanas e cidades próximas como Stellenbosch e Franschoeck e até um safári de verdade. Tudo isso nos próximos posts. Divirtam-se e boa viagem.”

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Roteiro pela África do Sul

O que vai acontecer no mundo do vinho em 2012

13 de janeiro de 2012 0

Sucesso total no passado, as previsões esotéricas a cada virada de ano parecem estar saindo de moda. Ainda bem. Só que não resisti à possibilidade de tentar adivinhar o que vai marcar o mundo do vinho em 2012 e montei uma lista com cinco tendências que devem ganhar espaço no mercado brasileiro ao longo do ano. Vamos a elas: Vinhos mais leves Beber menos para beber melhor é um comportamento comum em mercados enológicos maduros. O Brasil está chegando lá, e aos poucos deve abandonar vinhos com 15% de graduação alcoólica e abraçar índices mais moderados, em torno de 12%. Má notícia para os potentes argentinos e chilenos, ótimas perspectivas para os próprios vinhos brasileiros, mais alinhados com essa tendência mundial. Brancos É hora de deixar o preconceito de lado e aproveitar nosso clima tropical para desfrutar um cálice de vinho branco. Os feitos com a uva Chardonnay devem ser os primeiros a se beneficiar, pela credibilidade da casta, mas variedades leves como Sauvignon Blanc e Pinot Grigio também ganharão espaço. Quem puder gastar um pouco mais vai descobrir os Riesling europeus, que estão ganhando terreno no mundo todo. Novas origens Borbulhas da Inglaterra? Pinot Noir dos Estados Unidos? Vinhos de sobremesa da África do Sul? Pois é bom se acostumar com novidades como essas, pois em 2012 a vanguarda estará ao lado de quem se aventurar a provar novas origens. Chega dos Malbecs e Carmenères que sempre vêm dos mesmos países. Esse movimento deve inclusive beneficiar os vinhos brasileiros, mas no mercado externo. Novas uvas Seguindo na linha que condena o “mais do mesmo”, em 2012 o consumidor deve passar a escutar o nome de algumas uvas estranhas ao ouvido, que não aparecem no dia a dia de nossos cálices. Se essa moda pegar, países como Portugal, Grécia, Espanha e Itália serão favorecidos por possuir uma grande quantidade de variedades nativas, próprias do país (as chamadas uvas autóctones). Drinks com vinho Vinho com gelo , açúcar, uma rodela de fruta e uma dose de outra bebida. Para os puristas, parece pecado. Para a indústria, soa a salvação. Os drinks são vistos como uma forma de retomar o interesse dos jovens e manter as vendas em alta. E os primeiros a adotar essa política serão justamente os estandartes enológicos mais tradicionais, como Champagne e Porto. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
O que vai acontecer no mundo do vinho em 2012

Vinhos com acidez, taninos e bom-humor

10 de janeiro de 2012 0

Conservadora por natureza, a indústria vinícola muitas vezes carece de diversão . Quando usado na medida certa, com inteligência, o humor pode se transformar no diferencial de uma cantina. Um ótimo exemplo disso vem da África do Sul , país de origem da vinícola Fairview . Produtora de vinhos e queijos , a empresa tem a cabra como um de seus símbolos. E na hora de identificar uma série de rótulos inspirados em clássicos franceses, se valeu do animal ( goat , em inglês) para criar a linha Goats do Roam (jogo de palavras com a região Côtes du Rhône ). Além de um branco, um tinto e um rosé, a família de produtos inclui o Goat-Roti (trocadilho com a região de Côte-Rôtie ), o The Goatfather (referência ao filme The Godfather , ou O Poderoso Chefão no Brasil) e o Bored Doe (que soa igual a Bordeaux ). Os vinhos dessa família nem são tudo isso, mas com um preço acessível - entre 40 e 85 rands , ou de R$ 10 a R$ 20 -, atiçam a curiosidade e conquistam a simpatia de qualquer pessoa. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Vinhos com acidez, taninos e bom-humor

Investigação nos vinhedos da África do Sul

06 de janeiro de 2012 0

Vinhedos na região da Cidade do Cabo estão sob suspeita. Foto: Deon Maritz, Wikimedia Commons Traumatizada com os anos em que sofreu sanções internacionais por conta da política de Apartheid , a indústria vinícola da África do Sul se assustou com um relatório elaborado pelo Human Rights Watch (HRW) acusando o setor de submeter os trabalhadores dos vinhedos a condições desumanas . Entre as denúncias estão o alojamento em lugares impróprios, o manejo de pesticidas sem proteção, o acesso limitado a água e banheiros durante o expediente e a proibição de formação de sindicatos . Os empresários do ramo rebatem as informações, alegando que a vistoria cobriu menos de 1% das áreas de cultivo de uva e que o relatório não representa a realidade. O governo local pediu que a HRW desse nome às fazendas visitadas para tomar as medidas necessárias , mas a entidade recusou o pedido para proteger os trabalhadores de possíveis retaliações . Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Investigação nos vinhedos da África do Sul

África do Sul é um grande destino enoturístico

04 de janeiro de 2012 0

Bem amigos, depois de uma pausa para as festas de fim de ano, retomamos as atividades aqui no Enoblog. Mas nossa interrupção não ocorreu apenas por causa dos brindes de Natal e Ano Novo . Só agora estamos voltando de uma viagem pela África do Sul , e a partir de hoje vamos compartilhar com os leitores alguns detalhes desse grande destino enoturístico. Visitar vinícolas e vinhedos é um programa obrigatório pra quem viaja até a África do Sul. E o bacana é que as principais atrações ficam concentradas basicamente entre duas cidades, Stellenbosch e Paarl . Essa região vinícola fica cerca de 50 quilômetros da Cidade do Cabo , então é fácil combinar o roteiro enológico com outros programas. Pra mais autonomia, o melhor é alugar um carro, mas é preciso ter em mente que beber e dirigir também é crime na África do Sul. Pra quem não quiser se arriscar nem perder as degustações, existem serviços de van que partem dos hotéis e percorrem as cantinas . Bom, mas pelo que procurar? Em Stellenbosch, a Vergelegen e a Morgenster são boas pedidas, com bons vinhos e que ficam uma ao lado da outra. E na Morgenster ainda dá pra combinar a prova dos vinhos com uma degustação de azeites . Pra quem bosta dessas experiências combinadas, a dica é ir até a Fairview , em Paarl, pra degustar os vinhos e os queijos feitos na propriedade. Um pouco fora desse roteiro, mas que vale a visita, é a Steenberg , nos arredores da Cidade do Cabo, uma das vinícolas mais bonitas que eu já visitei. Última dica: se alguém estiver na Cidade do Cabo e não conseguir visitar nenhuma vinícola, vale ao menos dar um pulo na Caroline’s Fine Wine Cellar , uma loja com todos os principais rótulos da África do Sul e ótimo atendimento. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
África do Sul é um grande destino enoturístico

Seu Olhar: África

27 de dezembro de 2011 0

Leitores enviaram suas fotos visitando o continente africano, confira:

 

——————————

Próximo Destino: Pernambuco
Quer participar do Seu Olhar? Mande suas fotos.

Cataratas e Amazônia na lista provisória das 7 maravilhas da natureza

11 de novembro de 2011 0

Ainda não é definitivo mas, por enquanto , as Cataratas do Iguaçu e a Amazônia estão entre as 7 Maravilhas da Natureza na votação promovida pela New 7 Wonders of Nature . O resultado foi divulgado na tarde de hoje (a votação se encerrou às 11h de hoje, 11/11). A lista definitiva será divulgada em 2012. As demais maravilhas: Baía Ha Long (Vietnã), Jeju-do (Coreia do Sul), Komodo (Indonésia), Rio Subterrâneo de Porto Princesa (Filipinas) e Table Mountain (África do Sul).

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Cataratas e Amazônia na lista provisória das 7 maravilhas da natureza

Artesanato em Porto Alegre

05 de agosto de 2011 0

PARA IR NO FINAL DE SEMANA Para quem ficar em Porto Alegre no final de semana, uma dica é ir ao Cais do Porto para a 5ª edição do Salão Mundial do Artesanato. A já tradicional feira estará montada a partir desta sexta-feira nos Armazéns A e B, com de 90 expositores de 25 países, além de nove Estados brasileiros. Além de objetos de decoração e acessórios, os visitantes vão poder assistir apresentações de danças e cantorias típicas de uma tribo de índios pataxós. Serviço 5ª Edição do Salão Mundial do Artesanato Porto Alegre 5 a 14 de agosto Diariamente, das 14h às 21h Países expositores: África do Sul, Argentina, Bali, Bolívia, Chile, Dubai, Egito, Equador, Filipinas, Gana, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Marrocos, Nepal, Palestina, Paquistão, Portugal, Quênia, República Tcheca, Senegal, Tailândia, Tunísia, Turquia. Estados expositores: Ceará, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo Ingresso a R$ 8 (idosos e estudantes pagam meia entrada) http://salaomundialdoartesanato.blogspot.com/

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Artesanato em Porto Alegre

O vôo de balão na Capadócia.

11 de julho de 2011 0

Em nosso última edição do Viajando com Arte fizemos um roteiro muito legal na Turquia.  Foram 12 dias descobrindo um país repleto de História, Arte e paisagens desconcertantes.     Para fechar esta viagem tão maravilhosa escolhemos algumas imagens marcantes , principalmente dos momentos mais emocionantes! Na Capadócia , entre formações rochosas milenares , fizemos o primeiro vôo matinal de balão. Foi uma noite tempestuosa, rara por aqui. Passamos um bom tempo sem luz , ilumidaos pelos clarões dos raios e curtindo o som dos trovões. Nada mal se ao amanhecer a clamaria estivesse instalada. Mas não era este o panorama. Um vento insistente nos perseguia e os balões só decolam se as condições são ideais. Acordamos as 4:30h e às 5h a van nos esperava na porta do Hotel . Ao chegar no campo de decolagem um café com bolachinhas nos aqueceu, pois a temperatura beirava os 15 graus. Depois da primeira meia hora de espera a angústia começou a pegar, seria uma frustração se não pudéssemos voar! Mas nenhum balão tinha sido inflado até às 6:30h, o vento persistia e nosso coração se apertava. Soltaram pequenos balões de gás e observaram sua trajetória, ainda muito turbulenta. Nó mirávamos a biruta como que se volta para um ícone religioso, como se nosso olhar fosse pará-la. E o milagre aconteceu, a biruta murchou e os balões começaram a nascer como cogumelos , juro que contei mais de 50 neste dia. A movimentação era frenética e nosso coração começou a disparar. O vôo ia sair. Dividiram nosso grupo em dois balões, cabem 20 pessoas em cada cesto. Ás 7h já estávamos a postos , ecarapitados cada um em seu compartimento. Os marinheiros de primeira viagem, mais ansiosos, eram reconfortados pelos já experientes , com histórias de vôos no Egito e na África do Sul. O vôo foi mais baixo que o normal, mas pudemos ver o sol nascer e curtir o visual do Vale do Amor , Goreme , Utshisar desde o alto. As expressões de encanto e perplexidade se repetiam, os semblantes falam por si! Depois o silêncio de um vôo calmo, o som das torrentes de fogo inflando e dirigindo nosso balão. O pouso foi mais turbulento que em outras experiências, acho que o comandante nâo era tão experiente, afinal , nem usava uniforme como bem observou a Nícias. Mas ao final estávamos deleitadas pela sublime experiência e após os tradicionais certificados brindamos com champagne, os deuses conspiraram a favor mais uma vez!

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
O vôo de balão na Capadócia.

Ilhas Mauritius (III parte)

08 de julho de 2011 0

Cerca de metade da população da Ilha Mauritius ( 1 milhão de pessoas) se declara hindu. Mas as minorias cristã e muçulmana são toleradas, bem como o budismo e as religiões animistas. Para a boa convivência religiosa entenda-se  também aproveitar os feriados das outras crenças, a ponto de famílias hindus celebrarem o Natal com presentes e árvores enfeitados e o primeiro dia do ano ser comemorado 3 vezes em datas diferentes. Saindo da cidade fica fácil ver as estradas e os templos. O motorista do táxi locado por nós explicou como reconhecê-los. Os hindus são vermelhos e brancos, os tamis, multicoloridos, com elaboradas divindades e animais esculpidos. As mesquitas são brancas e verdes. Após uma curva surge uma estátua de uma figura com cabelos compridos e de uns 30 metros de altura com uma cobra ao redor do pescoço e um tridente na mão. É Shiva, a divindade hindu que reina sobre o lago rodeado por templos. Trata-se da Gran Bassin, o lugar mais sagrado de Mauritius. De acordo com a lenda, fadas costumavam se banhar no lago e ali secar os cabelos. Nos pontos usados por elas foram erguidos santuários. Dentro dos templos, ao som de hinos e envoltos pelo aroma de incenso, fiéis fazem fila para ter sua testa ungida com uma mancha vermelha, (tika), sinal que o fiel foi ao templo e já rezou naquele dia. Mulheres grisalhas com brincos no nariz e vestidos brilhantes preparam oferendas: pratos cheios de frutas e velas. Este país é marcante não apenas por causa de suas praias absolutamente fantásticas e águas de uma transparência inacreditável com corais e peixes coloridos a muito pouca profundidade, mas também por causa dos mauricianos, das tradições, da cultura e do patrimônio. Enquanto lá fora o sol começa a se por, penso que os resorts litorâneos não deveriam estar tão distantes.   Nota: A foma mais fácil de se ir  é  via São Paulo/África do Sul/Ilha Mauricios. Como está sobrando dinheiro aos brasileiros, sugiro que você continue até Seychelles. É outro lugar paradisíaco, se duvidar, pergunte ao Collor.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Ilhas Mauritius (III parte)

Turista de Rio do Sul conta a experiência de enfrentar as cinzas do Vulcão Puyehue, no Chile

19 de junho de 2011 0

O vulcão chileno Puyehue , que entrou em erupção dia 4 de junho, não dá trégua. As cinzas vulcânicas chegaram até a África do Sul, inclusive impedindo viagem do presidente de lá. A expectativa é que o vulcão continue ativo, prejudicando a atividade em aeroportos, por pelo menos mais uma semana . Neste domingo, as argentinas Villa La Angostura e Villa Traful, na fronteira com o Chile, ficaram cobertas por espessa camada cinzenta. A região está sem água e sem luz. O turismo, claro, é diretamente prejudicado pelo caos nos aeroportos, decorrente da erupção. E, quem conseguiu chegar ao destino de férias na Argentina ou no Chile, enfrenta insegurança na hora de voltar para casa, porque os voos são frequentemente adiados , dependendo do comportamento do Puyehue. O  vendedor Mateus Stédile, de Rio do Sul, enfrentou as intempéries vulcânicas com a esposa, Tamires, e contou para o blog como foi se virar com pouco dinheiro em Ushuaia, sendo obrigado a estender o período de descanso além do previsto: Era uma quarta-feira quando embarcamos para Buenos Aires com destino a Ushuaia. Retornaríamos na segunda-feira seguinte. Estávamos prontos para voltar para casa, passagens na mão a caminho do aeroporto. À  frente havia mais um turista que, de repente, olhou para nós e disse que nosso voo estava cancelado . Fomos ao aeroporto conferir, e constatamos que realmente era verdade. Marcaram nosso voo para quinta-feira, dia 9. Voltamos para o hotel e avisamos nossos familiares pelo msn. Não havia nada a fazer, o jeito era esperar, aproveitar mais um pouco aquele lugar maravilhoso. Mas com o passar dos dias começamos a perceber que nossa volta ao Brasil não tinha data prevista . Na quinta-feira, nosso voo foi cancelado novamente. Então começamos a economiza r . Para comer íamos ao mercado e comprávamos comida pronta, lanche, salgadinho e água. As roupas eram lavadas na pia do banheiro do hotel, secávamos no aquecedor, quase não saíamos, ficando no hotel quase o dia inteiro. O voo marcado para sábado, na sexta pela manhã já tinha sido cancelado novamente. Fomos até a companhia aérea Aerolíneas Argentinas. Estava muito cheio, tinha que pegar senha para ser atendido . Começamos a ouvir gritos, havia uma mulher no balcão desesperada. Ela chorava, gritava com o atendente, era constrangedor, mas ninguém podia fazer nada, e a mulher só queria ir pra casa. Nosso voo foi remarcado para terça-feira, dia 14. Já seriam quase duas semanas de viagem. Durante a tarde a recepcionista do hotel recebeu um e-mail que tinha um ônibus que ia sair de Ushuaia para Buenos Aires. Eram 50 horas de viagem, não parava nem para comer. Já estávamos comprando passagens. Foi aí que fomos avisados que tinha um voo às 20h45min de sábado. Concordamos na hora, cancelando o ônibus. Conferíamos pelo site a todo momento a situação do voo. Arrumamos as malas e esperamos. O dia parecia que não acabava . Enfim fomos para o aeroporto, a expectativa era grande, pois era o primeiro voo depois de tantos cancelamentos. Tinha muita gente com medo . Graças a Deus deu tudo certo. Desembarcamos em Buenos Aires. Nosso voo para o Brasil era só às 23h10min de domingo. Às 6h fomos até o balcão da Gol tentar despachar as bagagens. Foi aí que fomos informados que às 7h15min havia um voo para Belo Horizonte, com escala em Florianópolis, mas para isso tinha que trocar as passagens. Com sorte, conseguimos trocar. Já em casa, finalmente, ficamos sabendo que o voo das 23h10min havia sido cancelado também. Foi por pouco! Ainda bem que já estávamos aqui. Mesmo com o transtorno de não saber quando íamos voltar para casa, com certeza foi uma viagem inesquecível !

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Turista de Rio do Sul conta a experiência de enfrentar as cinzas do Vulcão Puyehue, no Chile

Guaiba vai…Guaiba vem…

09 de junho de 2011 0

Em breve será possível ir e voltar da margem esquerda do Guaiba para a margem direita por via aquática como nos “ ditos” bons tempos. Eu discordo. (Acho bom o hoje ) Será ótimo para quem irá navegar e para quem se beneficiará com a diminuição do transito, menos monóxido etc..mas acho sensato que eu troque o “em breve” para “um dia”. De Ipanema ao centro também há uma esperança. A verdade é que em matéria de transporte andamos sempre atrasados, seja em estradas, trens, metros, barcos ou aeroportos. Trens nem se fala. Não os temos, mas quem sabe numa ânsia de recuperar o tempo perdido, nossas autoridades querem os mais rápidos do mundo . O nome é claro, trem bala , copiando os japoneses até no nome  “shincanzen” ( bala de prata) Menos gente, menos…para que tanta pressa?Senhor, para que tanto orgulho? Bem como o samba. Pessoalmente, preferiria que os mesmos bilhões fossem gastos com trens e metrôs normais como os da Europa ou da América, menos velozes que os nossos sonhos, mas com menos custo e em compensação… rotas mais longas, servindo mais regiões. Não seria vergonha nenhuma, aliás na África do Sul ainda rodam muitos trens a vapor, impecáveis, diga-se de passagem e prestando ótimos serviços de carga. Sobre os catamarãs que um dia devem trafegar, ouvi uma perola “ temos que dragar o rio ”  Ora! É sabido por todos que catamarãs tem varias vantagens, uma delas justamente “ calar pouco ” ou seja, conseguem andar em profundidades mínimas. Mas o poder publico que anda sempre atrasado não quer pagar mico nenhum. Não fez o combinado: os atracadouros então lançaram uma máxima: temos que dragar o rio. Para mim acho que será bom quando o dia vier, mas não se sabe quando. Quando chegar a hora os que acordam cedo poderão até dormitar no trajeto e com o balanço das ondas reviver as canções de ninar da infancia…enquanto isto “ la nave é ferma ”.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Guaiba vai…Guaiba vem…

Aves migratórias

08 de junho de 2011 0

Já escrevi aqui que gosto de aves migratórias. Aliás, não só de aves, mas de animais migratórios em geral. Isto inclui os GNUS que saem do norte da África do Sul em direção a Tanzânia, passando pelo Malawi. São mais ou menos uns 2500 quilômetros, literalmente, em “ desabalada carreira “, passando por rios infestados com crocodilos, atacados por leopardos, chitas, tigres e leões. São milhões deles, milhões mesmo. Um GNU é uma vaca menor, preta e indomesticável. Outra migração interessantíssima são as renas que quando acaba o pasto na Laponia vão para a praia. Vão se agrupando e ficam olhando para uma outra margem que existe, mas que não se vê no horizonte. De uma hora para outra todas se jogam na água e vão nadando as cegas até a margem distante que o seu DNA diz que existe e que o pasto está intocado. As mortes eram tantas que hoje o exército da Noruega decidiu colocar em lanchões de desembarque, destes que vemos no cinema e as carrega até a praia da sua  imaginação. É uma coisa extraordinária, tanto das renas como do governo norueguês . Aliás, se você como eu gosta de aves migratórias, não deixe de ver o documentário ” Migration birds “. Existe em DVD e no cinema ficou poucos dias. Além das migrações  que falamos, existem migrações de muitos animais como as baleias que passam pelas nossas praias a caminho de Abrolhos. É claro, que de uma baleia, com aquele tamanho se espera qualquer coisa, inclusive que nade 7/8 mil quilômetros, só de ida. E de um beija flor? E de caranguejos o que se poderia esperar? Lembre que ambos migram também. Ver os ” nossos” maçaricos aqui na praia decolarem para o Canadá é ainda mais surpreendente. Um maçarico pesa 350 gramas. Os patos da Patagônia que aqui são abatidos a tiros, no Canadá, em Vancouver, são esperados com festa e viram artistas de TV. Eu os vi placidamente atravessando o Stanley Park em direção a praia, com um guarda de transito dando-lhes a preferência e ninguém buzinando.  Mas, acho que mais surpreendente ainda são as borboletas. Borboletas? Também migram? Sim, migram. A Monarca pelo menos. E quanto pesa uma borboleta? Sei lá, mas a verdade é que elas têm um roteiro inacreditável. Todos os anos partem do Canadá e dos EUA para passar o inverno no México. Só que agora andam diminuindo o que felizmente preocupou os cientistas. Vários fatores, tais como alterações climáticas, secas e outras mudanças no clima, bem como os pesticidas podem ser as razões para a queda significativa no número das que chegam ao México. Em um fenômeno pouco compreendido e quem sabe pouco estudado, as Monarcas migram em massa a cada ano e pousam nos galhos das árvores de áreas de floresta ao oeste das montanhas da Cidade do México. As árvores fornecem proteção contra chuva e vento, mas as florestas estão sendo abatidas e o clima aumentou com os estragos feitos pelo homem. A maior parte dos danos deve-se aos ventos, mas nós também temos parte da culpa.  +

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Aves migratórias

Dicas para quem vai à África do Sul

22 de março de 2010 0

Dicas para quem vai viajar à África do Sul durante a Copa do Mundo

Estouro de canhão

Quem se programa para visitar a África do Sul durante a Copa do Mundo, não se assuste com os estouros que acontecem sempre ao meio-dia na Cidade do Cabo. Diariamente, nesse horário, a pólvora de um canhão é detonada para anunciar o almoço. Essa tradição é centenária. Foi trazida pelos marinheiros para ajustar o relógio do porto e avisar aos estivadores que era hora de dar uma parada nos serviços.

Carne seca

Na África do Sul, os supermercados oferecem carnes secas de animais como avestruz e também de veado. Ela podem ser compradas em pedaços grandes ou pequenos. E já vem embaladas em sacos. Fica muito bom acompanhado por cerveja.

Subida

Um dos vários passeios na Cidade do Cabo, na África do Sul, é subir a pé a colina do monte Lions Head – 669 metros. O morro de pedra lembra uma cabeça de leão e proporciona uma bela visão das praias de Camp’s Bay, Clifton e também do bairro Sea Ponte, no lado oeste da cidade. A caminha dura quatro horas, entre subida e descida. O legal é descer um pouco antes do final da tarde, lá pelas 4h30 horas, para curtir o pôr do sol no mar numa posição privilegiada. Inesquecível.