Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Estados Unidos"

Em busca de um marido

16 de dezembro de 2011 0

Caros FACEiros e blogueiros: Em viagens, temos, com freqüência, contatos com hábitos surpreendentes. Esta carta é um exemplo. Estava sendo distribuída numa rua de Nova York e estarreceu o arquiteto Marcos Heckman e a mim. Não que a atitude fosse desconhecida, eu já havia visto em um parque em Pequim, onde os pais procuram, entre centenas, o pretendente certo para seus filhos/filhas. E dizem claramente que seus filhos trabalham tantas horas que não têm tempo para uma vida social que possa resultar em casamento. Às vezes, entra ainda um profissional casamenteiro, o matchmaker . A carta é clara e explicativa. Vale a pena ser lida. E nos ajuda a conhecer um pouco este país de tanto sucesso e tão pouco entendido. “Estou procurando um marido. Sou a “estrela” mais ardente da China. Meu nome é Luoyufeng; os chineses me chamam de Fengjie. Nasci em 1985. Quero que meu marido seja muito interessado em política e economia; que ele deseje dominar o mundo. Quero que meu marido seja assim: Deve ter entre 25 e 31 anos de idade; sua altura deve ser entre 1,75 m e 1,86 m; solteiro, sem filhos; deve ser formado em uma universidade renomada como Harvard, Yale, MIT, West Point, Stanford, Oxon, etc.; deve ter mestrado; não pode ser asiático; melhor se tivesse uma casa e um carro. Nasci em uma família pobre em Chongqing. Aos 16 anos, passei a freqüentar uma escola pública, da qual nunca gostei. Dos 9 aos 20 anos, li muitos livros. Conheço muito de poesia e prosa. Em 2006, quando tinha 21 anos, tornei-me professora de idiomas. Em 2008, aos 23 anos, pedi demissão e fui para Xangai em busca de um futuro melhor, mas não consegui um bom emprego lá. Não havia outra forma de aumentar a minha renda, a não ser que me prostituísse; portanto, tornei-me a “estrela” mais ardente da China em 2010, aos 25 anos. Vim para os Estados Unidos no mesmo ano. Desde então, mais de 30.000 chineses me pediram em casamento, mas nenhum deles serviu. Veja bem: tenho apenas 1,47 m de altura, mas costumo usar sapatos de salto alto, portanto, sempre pareço ter 1,55 m; venho da China, país que tem como política fundamental o programa de planejamento familiar; seguirei isso; portanto, quero ter apenas 2 filhos quando casar. e-mail: shanhailuoyufeng@163.com Celular: 646-220-8171 MSN: shanghailuoyufeng@163.com Facebook:  shanghailuoyufeng@163.com ” Recolhido em uma rua de Nova York (reprodução acima), no mês passado, pelo arquiteto Marcos David Heckman, a quem agradeço.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Em busca de um marido

Promoção em hotéis de luxo de Nova York

16 de dezembro de 2011 0

Para promover a cidade no inverno, a A NYC & Company, escritório oficial de marketing, turismo e organização de parcerias para a cidade de Nova York, anunciou que todos os 20 hotéis da The Signature Collection, um grupo de hotéis de luxo da cidade, participarão da promoção The Signature Collection Third Night. O programa oferece aos visitantes uma terceira noite cortesia nos hotéis participantes depois de reservadas e pagas duas noites consecutivas entre 2 de janeiro e 29 de fevereiro de 2012. Além disso, a NYC & Company, os clientes da terceira noite receberão a Chave para a Madison Avenue, um cartão que dá acesso a ofertas especiais nas lojas de luxo do Upper East Side de Manhattan. Informações: www.nycgo.com/thirdnight Confira a lista dos hotéis participantes: The Carlyle, A Rosewood Hotel; The Chatwal New York; Hôtel Plaza Athénée New York; Jumeirah Essex House; Loews Regency Hotel; The London NYC; Mandarin Oriental, New York; The New York Palace; The Peninsula New York; The Pierre New York; The Plaza Hotel; The Ritz-Carlton New York, Battery Park; The Ritz-Carlton New York, Central Park; The Setai Fifth Avenue; The Sherry-Netherland; The St. Regis New York; The Surrey; Trump International Hotel & Tower New York; Trump SoHo New York; e The Waldorf Towers.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Promoção em hotéis de luxo de Nova York

Conheça a versão branca de seu tinto favorito

15 de dezembro de 2011 0

Em um bate papo com produtores de vinho há pouco tempo, ouvi algo muito animador. Segundo eles, está crescendo a curiosidade dos brasileiros por vinhos brancos . O que pode frear esse interesse é a dúvida de por onde começar a degustação, levando em conta que as opções são numerosas e muitas vezes desconhecidas do grande público. Um bom caminho talvez seja buscar uma variedade branca que tenha ligação com seu tinto favorito . Nem todas as uvas vêm em duas versões, mas em alguns casos isso é possível. Por exemplo: a tinta Cabernet Sauvignon , que é amplamente consumida no mundo todo, surgiu a partir do cruzamento de duas castas, uma delas a Sauvignon Blanc , uva branca que gera grandes rótulos. Há também o caso da Grenache Blanc , versão branca da Grenache , que dá origem a ótimos produtos na França e na Espanha. Mas o melhor exemplo desse contraste enológico provavelmente é a relação entre a Pinot Noir , tinta, e a Pinot Grigio , branca. Os vinhos gerados com a segunda – também conhecida por Pinot Gris – são sucesso absoluto em bares e restaurantes dos Estados Unidos, sendo recordistas no consumo em doses menores, por cálice. O principal motivo é que a versão tinta teve sua popularidade alavancada depois do filme Sideways – Entre Umas e Outras (foto), o que acabou refletindo nas vendas da variedade branca. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Conheça a versão branca de seu tinto favorito

Thanksgiving Day / Dia de Ação de Graças

14 de dezembro de 2011 0

O Dia de Ação de Graças é comemorado por norte-americanos nativos e imigrantes – menos os perus, que são abatidos aos milhões, mas não sei se por humor, bondade ou hipocrisia, um deles costuma ser salvo pelo Presidente. Diz o texto que recebi: Tudo começou assim: Em 1620, para escapar da perseguição por suas crenças religiosas, um grupo de pessoas deixou a Europa em busca de um novo continente para se estabelecer. Um ano mais tarde, metade deles havia morrido e o restante vislumbrava um futuro incerto… Graças ao auxílio dos nativos americanos, que viviam ao longo da Costa Atlântica dos Estados Unidos, os europeus sobreviveram. Quase quatro séculos mais tarde, pessoas de todas as partes do mundo vão aos Estados Unidos para buscar refúgio em relação a algum tipo de situação ameaçadora, e todos são bem-vindos. No Dia de Ação de Graças , os americanos agradecem por todas as coisas boas em suas vidas e lembram o quanto eles têm sorte de viver naquele grande país. Lembram, também, que todos, de certa forma, são imigrantes e devem dar o melhor de si para ajudar os menos afortunados. O Dia de Ação de Graças já passou, é sempre na quarta quinta-feira de novembro. Um dia após o “Thanksgiving Day”, tem início a temporada de compras de fim de ano. As lojas e restaurantes vão estar muito movimentados até o Natal e o início do novo ano. O novo imigrante que nos mandou este tocante resumo chama-se Raul Daudt . Fotógrafo reconhecido que tem ali o seu único filho, e, aos 75, recomeça nos States uma nova vida. Felicidades, Raul. A resposta vai com atraso, mas que os próximos dias de Ação de Graças preencham todos os teus anseios e também as saudades mútuas – a que temos de ti e a que sentes dos amigos queridos. E que a vida te sorria onde estás. Abraços.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Thanksgiving Day / Dia de Ação de Graças

Receita gringa com espumante brasileiro

10 de dezembro de 2011 0

O consumo de peru nas festas de final de ano não é uma tradição originalmente brasileira, mas se adaptou bem por aqui e vem fazendo sucesso. Há quem diga que um país tropical como o nosso também não deveria fazer vinhos, mas a qualidade dos rótulos nacionais vem desmentindo essa teoria. Para provar que no universo enológico não cabe preconceito , a revista norte-americana Wine Enthusiast trouxe em uma edição recente a seguinte dica de harmonização: peru com espumante brasileiro . A publicação sugere preparar a ave ao estilo do sudoeste dos Estados Unidos e acompanhar com o Ca sa Valduga 130  - aliás, mesmo espumante que na última edição brasileira da revista Playboy ficou em primeiro lugar no ranking de espumantes nacionais. Para encontrar a receita do peru que combina com esse espumante, visite o site Vinhos do Brasil , que em sua seção Enogastronomia traz essa e várias outras dicas. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Receita gringa com espumante brasileiro

Ótima dica para quem vai a Miami

05 de dezembro de 2011 0

A Graziela Corbellini é uma amiga de longa data que se estabeleceu em Miami há alguns anos. Ao longo deste tempo ela recebia os amigos brasileiros que iam passear por Miami e de tanto circular pelas lojas, galerias, museus e demais atrações da cidade a Grazi percebeu que a decorrência natural e prazeirosa disso era montar uma empresa de “personal guide”, ou seja ela acompanha as pessoas dependendo do perfil de cada cliente. Isso traz enormes vantagens e uma economia de tempo incrível. Fora que a Grazi é uma pessoa super querida, educada e sensível. Ela me mandou este textinho para explicar melhor o seu trabalho:   A GPS MIAMI foi idealizada como uma empresa de prestação de serviços feita sob medida para aqueles brasileiros que são apaixonados por Miami.   Minha empresa foi criada para facilitar a vida das pessoas, em especial a vida dos brasileiros que vem visitar Miami e arredores com o objetivo de passear e fazer compras neste paraíso de shoppings centers e oulets.   A idéia é de ser um “personal guider”, “boutique guider” que oferece um roteiro inteligente considerando o interesse e os objetivos de viagem  do cliente. A GPS reúne as melhores dicas para passeios, lazer e compras.   GPS Miami tem a missão de ser o norte, sul, leste oeste dos brasileiros que aportam aqui no sul da Flórida – Miami, South Beach, Aventura, Fort Lauderdale, Boca Raton . Fala-se Inglês, português e espanhol.   O serviço básico é planejar a viagem de forma que o cliente tire o melhor proveito. Sem perder tempo nem dinheiro.   Alguns dos clientes gaúchos que já experimentaram a GPS GPS GASTRONOMIA – Planeja-se um roteiro gastronômico a partir de uma lista variada dos melhores e mais charmosos restaurantes, bares, boates e shows do sul da Flórida. Sugere-se cardápio – de acordo com o gosto do cliente. Custo: U$ 100    GPS PASSEIOS – Dicas especiais de passeios turísticos com acompanhante se necessário. Custo varia de acordo com o destino e o valor do ticket do passeio.   GPS PESQUISA – Assistência na pesquisa e escolha de imóveis para comprar e/ou alugar para férias.     Para contato use o email: grazicorb@yahoo.com.br e o telefone 1-9543365301. Graziella Corbellini

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Ótima dica para quem vai a Miami

20 dias sem banho

04 de dezembro de 2011 0

( última parte do relato do guia de montanha Manoel Morgado, a caminho da montanha mais alta da Antártida): …O último companheiro de expedição conhecerei amanhã, se voarmos amanhã,. Também australiano, tem trinta e poucos anos e está já na Antártica correndo uma ultra maratona de 100 km. Punta Arenas é uma cidade sem muita personalidade. A beira de um mar gelado e encrespado, com casas nem bonitas nem feias, não deixa muita impressão em quem a visita. Normalmente ponto de partida para as atrações da Patagônia, principalmente as lindíssimas Torres Del Paine, é um lugar de passagem. Mas, apesar disso, o fato de cruzar na rua com muitos mochileiros me faz imediatamente sentir-me em casa. O grupo todo está em um hotel bacana, mas como sempre, me sinto mais a vontade em um simpático hostal para onde pretendo voltar ao final da expedição. Ontem sai caminhando para comprar um gravador desses pequenos para registrar meus pensamentos durante a expedição. O céu estava azul com poucas nuvens, mas como sempre por aqui, soprava um vento gelado. Apesar disso estava de camiseta e sem gorro. Acabo de cortar meus cabelos bem curtos para não dar trabalho na montanha onde ficaremos até 20 dias sem banho e sentia o vento na minha cabeça. Um leve cheiro de maresia vinha do mar batido e me sentia vivo e feliz. A poucos dias estava nos Estados Unidos percorrendo o oeste americano em um confortável carro, depois estava em São Paulo por 3 dias vendo amigos e família e agora estou próximo a sair do planeta rumo a Última Fronteira….amo minha vida!  

Confira o post completo no blog Todomundo:
20 dias sem banho

Wine'n'blues Hall of Fame

02 de dezembro de 2011 0

Nascido nos campos de algodão do sul dos Estados Unidos, o blues dificilmente é associado ao vinho. Os escravos que cantavam suas lamúrias e deram origem ao ritmo nunca haviam pisado em um parreiral. Aliás, eram poucos os norte-americanos que conheciam o cultivo da uva naquela época, o distante início do século passado. Acontece que a coluna Enoteca é partidária da ideia de que não há o que não combine com vinho. Por isso, na semana que sucede mais uma edição do Moinho da Estação Blues Festival, vamos dar sugestões de rótulos que harmonizam perfeitamente com grandes nomes do blues. Músico: Robert Johnson Vinho: Casa Valduga Premium Cabernet Franc (Brasil) O que eles têm em comum: Cru, direto, fala ao coração Músico: B.B. King Vinho: Wente Beyer Ranch Zinfandel (EUA) O que eles têm em comum: Redondo, irreverente, canta as tristezas com alegria Músico: Eric Clapton Vinho: Champagne Deutz Cuvée William Brut (França) O que eles têm em comum: Habilidoso, sofisticado, confiável Músico: Jimi Hendrix Vinho: Antinori Tignanello (Itália) O que eles têm em comum: Transgressor, arranca novidade da tradição Músico: Stevie Ray Vaughan Vinho: Cims de Porrera Classic (Espanha) O que eles têm em comum: Emocional, reverencia o passado, teria muito mais a mostrar Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Wine’n'blues Hall of Fame

Jogando pra torcida

01 de dezembro de 2011 0

O futebol é, cada vez mais, a paixão do brasileiro. E o último fim-de-semana contribuiu mais para isso. Para quem acompanhou, a cada minuto mudava a classificação do Campeonato Brasileiro. O Corinthians  foi campeão antecipado por poucos minutos. O Inter estava na Libertadores, por pouco tempo. Foi um troca-troca de posições para deixar qualquer um com o coração na mão. Eu estava no Rio de Janeiro e acompanhei de perto essa emoção. Participei de um evento chamado Soccerex, organizado por ingleses, que acontece a cada ano em um lugar do mundo. Tudo de futebol é discutido, tudo é vendido em uma feira que acontece em paralelo. Clubes e empresas do mundo todo. Na prática, a Copa de 2014 já começou a bastante tempo. Neymar já ficou, empresas estão sendo montadas, governos se mobilizam. O efeito “organizador e priorizador” da Copa já está nas ruas. Porque ela é um sonho, com prazo. O que a Copa já está mexendo na economia, é impressionante.  Temos que ficar atentos para a transformação que é a Copa.  No evento, arenas sendo mostradas, cidades se vendendo como possibilidades de hospedar seleções, estádios inteiros podendo ser comprados ali, com múltiplas opções de cadeiras, gramas, iluminações, softwares de gestão. Tudo para que essa paixão mundial, cada vez mais, se profissionalize e cresça. Pelo que está sendo feito nos Estados Unidos, por exemplo, já em 2014 o futebol será o quarto maior esporte naquele enorme país, que nunca deu bola para o futebol. Eu, particularmente, gosto muito de acompanhar o comportamento das torcidas. Acho mágica essa paixão, que chega a extremos de fazer pais darem de presente a filhos recém-nascidos, camisetas do seu time. Que faz torcedores pedirem pra serem enrolados na bandeira do seu clube até mesmo quando morrem. Paixão que faz com que um clube como o Real Madrid tenha mais de 500 milhões de torcedores no mundo todo. Quando vou ao campo gasto muito tempo observando as pessoas. Chego a perder gol, por estar de costas para o gramado. Torço pelas torcidas. Os sentimentos mais primários das pessoas estão ali, em estado mais “puro”. No Brasil, futebol é mais do que futebol. É a cultura brasileira que se move em torno do futebol. Mexe com valores que vão além desse esporte. Por isso é importante que pensemos no que queremos construir que vá além da Copa. O legado que fica, além de estádios e turistas. O que nossas crianças vão ganhar com tantas escolinhas sendo montadas. Por tudo isso é que, no  próximo final de semana, o Brasil todo vai ficar enlouquecido.

Confira o post completo no blog Todomundo:
Jogando pra torcida

Para ajudar a entender o cardápio

24 de novembro de 2011 0

Podia contar milhares de histórias envolvendo cardápios, comidas, restaurantes e etc. Vou falar só de uma pra ilustrar esse post que dá uma DICA DE BLOG : Estávamos, uma amiga e eu, na Carnegie Deli (que o cineasta Woody Allen eternizou como locação do filme Broadway Danny Rose ), em Nova York, e resolvemos, seguindo os passos de nosso ídolo, experimentar um sanduíche de pastrami (carne bem temperada e às vezes defumada, agora mais comum nos nossos cardápios). Parecia simples, mas na descrição do sanduíche havia uma observação que não conseguíamos entender: “lotsa pastrami”. Esse tipo de pastrami nem ela nem eu conhecíamos. Fomos recorrer a uma garçonete que parecia estar farta de turistas (dizem que essa é a deli mais visitada dos Estados Unidos). – Por favor, senhorita, o que é lotsa? – Lotsa é lotsa, ora – respondeu a bem-humorada. – Sim, mas que tipo de ingrediente é esse? – Minha querida, isso não é um ingrediente. É com MUITO pastrami. Foi então que entendemos que o LOTSA do cardápio (esse que aparece abaixo) era uma contração de  ”lots of pastrami”, ou seja, um sanduíche com MUITO pastrami. Quando ele chegou, uma montanha de pastrami recheando o pão, entendemos ainda melhor. Faz uma década, mas até hoje rimos disso. Ou seja, cardápios em geral reservam surpresas, por mais que estejamos acostumados a restaurantes internacionais ou de comidas ditas contemporâneas. E aí é por isso que me chamou a atenção o blog da professora e tradutora Andrea Martins . O Inglês Gourmet ( inglesgourmet.com ) aborda a língua inglesa voltada para culinária e gastronomia. Como isso é parte (para mim) fundamental das viagens, a proposta do blog de ajudar os viajantes me parece ótima. – Conheço muitas pessoas que voltam frustradas de uma viagem dizendo que não comeram bem pelo fato de não entenderem os cardápios – diz a Andreia. Entre o que o blog se propõe está não só ajudar a entender cardápios de restaurantes, mas também nas idas a supermercados e nas compras de utensílios de cozinha durante a viagem. Confira em: inglesgourmet.com

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Para ajudar a entender o cardápio

Recortes de Nova York

31 de outubro de 2011 0

As meninas do blog 2 na Estrada , há não muito tempo, andaram por Nova York, e enviaram uns recortes de coisas legais que viram por lá. Vai um pequeno resumo enviado pela Solange, e os links pra conferir no blog que está de cara nova, aliás. o primeiro é sobe o New Museum, um museu de arte contemporânea . o segundo é sobre o Museu do Sexo (nem sabia que existia), bastante curioso . o terceiro é sobre o Cooper Square Hotel, um hotel que anda em alta por lá.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Recortes de Nova York

Programa de férias com intercâmbio

29 de outubro de 2011 0

O English Days at Disney é um dos programas mais procurados na Experimento Intercâmbio Cultural (Rua Dona Laura, 475, em Porto Alegre) , que acabou de lançar os programas de férias de 2012 para adolescentes e programou uma palestra para o próximo dia 3, às 19h, a respeito dos programas de férias para pais e adolescentes, dos 13 aos 18 anos. O intercâmbio na Disney tem duração de duas semanas e prevê o aprendizado do inglês de forma interativa, aliando a imersão no idioma à vivência da cultura americana nos parques temáticos da Disney. Além desse, há outros destinos possíveis como Vancouver Youth ELS, Oxford e Paris, California Experience, ski na Suíça e Itália, Beach Australia e Nova Zelandia. Informações: portoalegre@experimento.org.br

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Programa de férias com intercâmbio

Haloween vem de longe.

27 de outubro de 2011 0

Ainda durante a hegemonia de Roma, os invasores adotaram as práticas célticas como se fossem suas. Porém, na medida em que a crença na possessão foi perdendo terreno, o hábito de se vestir como espantalho, fantasma e bruxa foi transformado de uma crença religiosa para apenas mais uma. A comemoração foi trazida para os Estados Unidos lá por 1840 pelos imigrantes irlandeses. Nessa época, a travessura favorita na Nova Inglaterra, como é chamado o nordeste dos Estados Unidos, era escrever sobre as paredes das casas e retirar as trancas dos portões, virar bancos de praça. Criou-se o costume do “trick-or-treating” ( travessuras-ou-gostosuras : dê-nos coisas gostosas ou faremos travessuras – mais ou menos como um grupo de músicos mambembes do Rio que passam o chapéu nos bares com um cartaz: “ Se não der [gorgeta] , nóis canta ”) parece não ter origem nos célticos, mas sim no “souling”, um costume europeu do Século IX. No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas ou Dia dos Mortos, os cristãos andavam de vila em vila para ganhar as chamadas “Soul Cakes”, ou tortas feitas com pedaços quadrados de pão e groselha. Quanto mais tortas recebiam, mais orações eles prometiam em memória dos parentes mortos daqueles que doavam as tortas. Naquela época, acreditava-se que os mortos permaneciam num limbo por um período de tempo após a morte (mais ou menos como no purgatório, criado posteriormente pela Igreja Católica) e que as orações – e doações, principalmente – mesmo de estranhos, acelerariam a passagem do falecido para o céu. A Abóbora-lanterna, (em inglês, “Jack-o-lantern”), esta sim, tem origem no folclore irlandês. Segundo a estória, um homem chamado Jack, notório beberrão e trapaceiro, vendo o diabo em cima de uma árvore, esculpiu nela a imagem de uma cruz, impedindo-o de descer. Jack fez, então, um acordo com o diabo: se ele nunca o tentasse ou atormentasse, apagaria a cruz, o que o deixaria livre. Quando Jack morreu, sua entrada no céu foi negada por causa do seu trato com o diabo, e também não lhe foi permitido entrar no inferno por ter enganado o diabo. Este, porém, lhe deu uma vela para iluminar o seu caminho. Então, Jack colocou a vela dentro de uma grande abóbora trabalhada para ficar oca e com buracos para mantê-la acesa por mais tempo e, assim, dar passagem à claridade emitida pela luz da vela. Na sua terra natal, os irlandeses usavam nabos para fazerem suas Lanternas de Jack, mas, quando nos Estados Unidos, encontraram as abóboras, muito mais bonitas do que os nabos, trocaram, e, até hoje, são o símbolo mais marcante do Halloween. De lá para cá, alguns cultos e trabalhos satânicos adotaram o Halloween como seu feriado, mas o dia não teve origem em nenhuma prática demoníaca. Ele cresceu a partir dos rituais de celebração do ano novo pelos celtas e pelos europeus na Idade Média. Hoje, o Halloween é apenas o que cada um faz dele. A você, que leu até aqui, gostando ou não, eu pergunto: que diferença fez se o conto é europeu ou nosso? Amanhã tem mais.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Haloween vem de longe.

Halloween – proteja-se, faça barulho e distribua doces.

26 de outubro de 2011 0

Nacionalistas acerbados dizem que não devemos importar baboseiras estrangeiras, que já temos as nossas lendas: pai João, saci pererê, boitatá, etc. Não tenho uma definição sobre isto, e, com mais freqüência, imagino que a vida sem papais noéis, sem Valentine’s Day ou o dia do Red Nose ficaria mais sem graça. São importados? Sim, e daí? Por acaso o coelho da Páscoa, que põe ovos, é nacional? São Nicolau, um pouco conhecido bispo russo (ou dali por perto), só teve sucesso depois que um publicitário, a pedido da Coca-Cola, lhe deu uma roupagem nova – desde então nunca mais parou de alegrar as crianças e de… drenar os cartões de crédito dos pais. Em alguns lugares, inclusive em estradas do interior, roupas, desenhos e quinquilharias do Natal são vendidos doze meses por ano em lojas especializadas e cheias dos badulaques natalinos (é claro que falo dos Estados Unidos). Acho é que gostamos de acreditar (eu, pelo menos, gosto). Querem um exemplo? O do Adão, sua costela, Eva, a maçã e a serpente. Querem roteiro mais esdrúxulo? Nem o ótimo “carolão”, Nelson Rodrigues, faria melhor. E é ensinado até nas escolas!!! Passaram, até, a existir duas linhas de pensamento: a dos criacionistas e a dos evolucionistas (darwinianos, no caso). Portanto, vamos aproveitar a que vem aí: a festa das bruxas . O Halloween é uma celebração anual muito comum em vários países. Mas que celebração é essa? E onde esse evento tão peculiar teve origem? Será um tipo de culto às coisas do mal? Ou será somente a continuidade de um rito pagão? Apesar de ser um acontecimento tradicional em paises anglo-saxônicos, o Halloween no Brasil começou a ser comemorado somente há poucos anos e, mesmo hoje, ainda está restrito às grandes cidades. A palavra “Halloween” tem sua origem na Igreja Católica e vem da contração feita de maneira errada da expressão “All Hallows Eve” que significa Dia de Todos os Santos , e corresponde ao dia Primeiro de Novembro – que, no catolicismo, é o dia de reverência aos santos mortos. Mas no 5o.Século antes de Cristo, na Irlanda Céltica, o verão terminava oficialmente no dia 31 de outubro. Daí a confusão. A história diz que, naquele dia, os espíritos desencarnados de todos aqueles que haviam morrido no decorrer do ano voltavam na busca de corpos de pessoas vivas, nos quais eles habitariam durante o ano que se iniciava. Acreditava-se que essa era a única esperança de vida após a morte (Panati). Os celtas acreditavam que todas as leis de tempo e espaço ficavam suspensas durante este tempo, permitindo aos espíritos um inter-relacionamento com os vivos. (Gahagan). Naturalmente, os que estavam vivos não queriam ser possuídos pelos espíritos dos mortos. Então, na noite de 31 de outubro, os habitantes dos vilarejos apagavam os lampiões em suas casas para torná-las escuras, frias e indesejáveis. E eles se vestiam com roupas fantasmagóricas e realizavam desfiles barulhentos, sendo tão destrutivos quanto possível, de maneira a assustar os espíritos que estavam à procura de seus corpos (Panati). Portanto, participe, proteja-se, assuste-os, faça barulho e distribua doces!

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Halloween – proteja-se, faça barulho e distribua doces.

Mordendo a Big Apple como criança . Dicas preciosas de NYC para os pequenos.

07 de outubro de 2011 0

Eu já havia viajado para NYC cinco vezes, e por isso julgava que conhecia relativamente bem a cidade, até que, em 2009, resolvemos levar as crianças para uma semana na Big Apple. O João Vítor estava com 9 anos e a Helena, com 4. Foi realmente uma surpresa descobrir que existe uma NYC totalmente feita para eles. Aí vão algumas dicas: Passeios Um dos passeios mais baratos (custa US$ 1.50) e que faz o maior sucesso é o The Tram , que liga Manhattan a Ilha Roosevelt . A vista é linda, a travessia dura 4 minutos e, a todo momento, você espera que o Homem Aranha apareça como no filme… Outro passeio (já não tão barato) é de barco até a Estátua da Liberdade e se quiser “com emoção” escolha a lancha rápida The Beast .. o nome já diz tudo, não? Ir a Manhattan e não visitar o Empire State ? Com as crianças conjugue a visita com o Skyride , simulador que faz um voo pela cidade. (Compre os tickets na internet antes para evitar as filas no local). Visite também o Sony Wonder Tech Lab, que propõe experiências educativas sobre tecnologia e comunicação. As crianças (e adultos) podem, por exemplo, experimentar instrumentos musicais, montar filmes e dirigir robôs. Se você gosta de esportes (ou quer gastar a energia dos pequenos), não deixe de conhecer o Chelsea Piers , um complexo esportivo que conta com patinação no gelo, boliche, quadras esportivas, simuladores para beisebol e até escaladas. Museus American Museum of Natural History ! Depois do filme ( Uma Noite no Museu ), o museu virou a principal atração para crianças na cidade. E mais, o museu agora oferece a oportunidade de realmente passar a noite no museu. São os Sleepovers , que acontecem em datas específicas. Você leva o saco de dormir, faz um tour com lanternas e assiste um show no IMAX. Junto ao Museu de História Natural está o complexo Rose Center , onde está o planetário Hayden . Visitar os dois no mesmo dia pode ser muito cansativo para as crianças. Uma opção é reservar um dos filmes no planetário para um outro dia, com baterias recarregadas, se você não quiser assistir ao filme com alguém dormindo no seu colo .. Já no Children’s Museum of Manhattan , a seção interativa sobre Grécia antiga já vale a visita. Depois para os pequenos, até 5 anos, existem outros três andares de brincadeiras educativas. As crianças também adoram o Madame Tussauds , que rende fotos divertidas ao lado dos Beatles, Obama, Harrison Ford, Madonna ou Miley Cirus, a Hannah Montana! Lojas Não adianta, até para quem diz que não gosta de compras, a cidade é uma tentação. E não é diferente para os pequenos. Na Dylan’s Candy Bar , especializada em doces são dois andares de sonho, com todos os tipos de balas, chocolates e pirulitos que já inventaram. Para as meninas (e mães, e avós) a American Girl Place é parada obrigatória com suas bonecas lindas, acessórios e roupinhas iguais para bonecas e meninas. Para os meninos, que ficam super entediados com as bonecas, vai a dica: a Nintendo Store com os últimos lançamentos para o Wii fica a poucas quadras das bonecas! E depois, as tradicionais FAO Schwarz e Toys’R’Us . Reserve algumas horas, pois além dos brinquedos você vai encontrar roda gigante, T-Rex em tamanho real, legos e pelúcias maiores que as crianças, demonstrações dos lançamentos de video games …   Central Park Se puder, reserve um dia inteiro para jogar bola, passear, talvez alugar bicicletas, conhecer o zoológico, fazer um piquenique… Uma das vantagens em viajar com crianças é que elas te obrigam a sair daquele ritmo alucinado de querer ver milhões de coisas em um dia só, e você pode se permitir um dia inteirinho de parque. Shows e Esportes Um jogo de basquete ou hockey no Madison Square Garden (meu filho parecia que a vida toda havia torcido para os Rangers ). A incrível percussão do Stomp . O novo musical Spider-Man na Broadway, com músicas do Bono e The Edge . Um brunch no B.B.King Blues Club com cover dos Beatles. O calendário da cidade é cheio e muitas opções são ótimas para os pequenos. Planeje com antecedência para organizar ingressos e bons lugares para eles. Com tudo isso, acabamos voltando em 2010 para mais uma semana com as crianças na Big Apple e ainda não conseguimos dar conta de todas as atrações. Se você não tem filhos, pense no sobrinho ou afilhado que pode ser a desculpa perfeita para você realizar esta viagem surpreendente e divertida. Ana Claudia Costa , Diretora da Porto Brasil, agência que oferece roteiros personalizados para famílias em NYC.  

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Mordendo a Big Apple como criança . Dicas preciosas de NYC para os pequenos.

Cancun , diversão garantida com crianças por Ana Cláudia Costa

06 de outubro de 2011 0

Em abril aproveitando um feriado prolongado estive revisitando Cancun . É muito bom quando um destino te surpreende. Da primeira vez em que estive lá (em 1995) eu já havia gostado, mas foi uma viagem exclusivamente a trabalho, visitando muitos hotéis. Desta vez foi uma viagem em férias e a sensação foi “puxa, não lembrava que era tão bom!” HOTÉIS A península é em formato de um número 7. A opção por ficar no RIU PALACE que fica na parte da península em frente a Isla Mujeres , com águas bem calmas é ótima! No mar se viu até arraias pequenas e muitos peixes. Eu gosto também do Fiesta Americana Coral Beach , mas se a viagem é com crianças, o sistema all inclusive sempre vale a pena. Piscina do Riu Palace   Praia do Hotel RIU Palace Nos outros hotéis o mar já tem mais ondas, mas não perde as vários tons de azul. Se viajar no spring break , evite o Oasis Cancun , a menos que queira encontrar muitos jovens americanos dormindo pelo jardim… PASSEIOS X-Caret continua sendo uma ótima opção para um passeio de dia inteiro, com seus rios subterrâneos, praias, animais e um excelente show noturno. Chichen Itzá vale a pena, apesar do calor e da distância. É uma aula sobre a cultura maia e a pirâmide (El Castillo ) impressiona pela disposição astronômica perfeita. Recomendo alugar um carro e no pedágio já comprar o passeio com almoço que é oferecido  (Empresa Mayaland ). O guia você também contrata no local . Você chega primeiro em um hotel, almoça e depois faz a visita, que dura em torno de 2h30. A estrada é ótima e com o GPS não tem erro! Família em frente ao El Castillo   Artesanato local Para quem gosta de snorkeling outros dois passeios são interessantes: Xel-Ha e Isla Mujeres. Aquaworld – é uma empresa super organizada que oferece diversos passeios em Cancun. Os que testamos (e aprovamos) foram o Jungle Tour (uma combinação de jet ski com snorkeling pela lagoa e mar) e o Skyrider (parasailing com uma vista inacreditável da península!). Vista do Skyrider O Skyrider – vai a família toda (2 adultos + 2 crianças) Atenção: se você contratou o serviço com uma operadora brasileira será oferecido no primeiro dia um city tour com a única intenção de vender todos os passeios da semana toda. Se você se sente mais tranqüilo já garantindo tudo em grupo, é uma boa oportunidade de organizar a semana. Se prefere fazer um roteiro independente, não precisa ir no city tour, mas é importante já alugar o carro antes no Brasil para evitar surpresas. MOEDA Você não precisa ir com pesos mexicanos. Todos os lugares aceitam dólares. Leve sim notas pequenas, para evitar receber troco muito alto em pesos. Troque no hotel no primeiro dia algo como US$ 20,00 em pesos só para algum eventual táxi ou estacionamento. Cuidado com o cartão! Ouvimos falar de golpes de clonagem – pague com cartão somente em lojas onde você veja a maquineta. SHOPPING Não é Estados Unidos, então não vale perder muito tempo em compras. Prefira o Shopping LA ISLA , na zona hoteleira, com lojas a céu aberto e no final da tarde aproveite para ver o pôr-do-sol no pier do shopping. Também no La Isla está o AQUARIUM , que é uma visita bem interessante para quem vai com crianças. Eles podem ver muitos peixes, tubarões, arraias, tartarugas gigantes e um show de golfinhos. Se você gosta muito de shopping, então vá até o centro de Cancun no Shopping Plaza Las Americas , que é o maior da cidade. Los Pericos E eles continuam lá! No centro de Cancun, assim como em 1994, o restaurante continua servindo uma ótima comida cheia de diversão. Os garçons brincam, cantam e dançam o tempo todo. Você também acaba rindo e dançando, tirando fotos típicas e não escapa de experimentar a tequila!

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Cancun , diversão garantida com crianças por Ana Cláudia Costa

“Fall into color”- Dallas Arboretum comemorando a entrada do outono

27 de setembro de 2011 0

A Marília Clark, querida amiga e colaboradora silenciosa nos manda estas fotos maravilhosas de sua cidade de adoção! Para entrar no clima de belos jardins pelo mundo , o Dallas Arboretum   em sua festividade de outono foi o recanto eleito. O linck para maiores informações : http://www.dallasarboretum.org/ Depois de um verão escaldante o Texas comemora os dias mais frescos com uma explosão de cores em imagens deliciosas. A Vila de Abóboras de Cinderela foi o tema escolhido para esta exposição.       Abraços e que a gente não vire abóbora antes da entrada do verão!

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
“Fall into color”- Dallas Arboretum comemorando a entrada do outono

“Fall into color”- Dallas Arboretum comemorando a entrada do outono

26 de setembro de 2011 0

A Marília Clark, querida amiga e colaboradora silenciosa nos manda estas fotos maravilhosas de sua cidade de adoção! Para entrar no clima de belos jardins pelo mundo , o Dallas Arboretum   em sua festividade de outono foi o recanto eleito. O linck para maiores informações : http://www.dallasarboretum.org/ Depois de um verão escaldante o Texas comemora os dias mais frescos com uma explosão de cores em imagens deliciosas. A Vila de Abóboras de Cinderela foi o tema escolhido para esta exposição.       Abraços e que a gente não vire abóbora antes da entrada do verão!

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
“Fall into color”- Dallas Arboretum comemorando a entrada do outono

Recife, Olinda, Porto de Galinhas e a oportunidade de tirar o visto americano

13 de setembro de 2011 0

A amiga e nutricionista Mariana Machado divide aqui seu roteiro de viagem para Recife e arredores. Ela aproveitou a necessidade de tirar o visto americano para conhecer um lugar diferente dos tradicionais Rio de Janeiro e São Paulo, onde a maioria pega o documento. Melhor ainda: reduziu o tempo de espera por atendimento no consulado em quase dois meses!!!! Planejamento Viagem aos Estados Unidos marcada e comprada, só faltava a mim e meu noivo o visto . Resolvemos então ir um pouco mais longe e escolhemos a capital pernambucana Recife . A necessidade de fazer o visto americano se juntou à vontade de fugir dos dias gelados de junho em Blumenau e a oportunidade de conhecer um pouco do Nordeste. Fuçando os sites das companhias aéreas, encontramos passagens bem em conta (cerca de R$ 400 ida e volta). A busca por estadia foi pelo site www.alugueltemporada.com.br, onde encontramos um apart hotel ótimo, com vista para o mar da praia de Boa Viagem por R$140 a diária . Primeiro dia de viagem Chegamos ao Recife na madrugada de sexta-feira. Ao desembarcar do avião, já deu pra perceber que nenhum casaco que estava na mala seria usado por lá. Segundo o taxista, aquela era uma noite típica do outono/inverno recifense (por volta de 25°C às 3h da manhã!), quente e muito abafada! Na manhã seguinte acordamos tarde e fomos andar pela praia de Boa Viagem atrás de um restaurante com frutos do mar para almoçar. Como era primeiro dia, não pesquisamos nenhum lugar e tivemos que trocar o peixe com vista para a praia por uma picanha com vista pra rua! Dica: a praia é bem extensa, então melhor pesquisar o destino antes de sair andando sem rumo. Praia de Boa Viagem, em Recife (Foto: Alba Marinho/Divulgação) Como era época de Festa Junina, sexta-feira à noite fomos a um evento chamado Arraiá da Capitá, uma espécie de Planeta Atlântida do Forró, com shows de grupos como Kalipso, Calcinha Preta, Garota Safada, Aviões do Forró… Na entrada havia um cenário de  cidadezinha, com prefeitura, igreja, casa da luz vermelha, delegacia e outras coisas bem legais que caracterizavam a Festa Junina. E dá-lhe forró! Segundo dia Sábado, alugamos um carro e fomos para Olinda , a 10 km de Recife . Logo que chegamos, um batalhão de guias veio se oferecer para conduzir nosso passeio. Como queríamos caminhar e parar onde desse vontade, resolvemos ir sozinhos. Andamos pelas estreitas ruas, entramos em casarões, igrejas, lojas de artesanatos, paramos em barzinhos. Tudo é muito bonito e conservado. Na metade do passeio, mesmo sem pedirmos, um rapaz começou a nos contar várias histórias da cidade. O menino era bom de papo e, quando percebemos, havíamos andando meia Olinda com ele. Bem, as explicações foram ótimas e muito válidas, mas jamais saia andando com um destes guias sem antes combinar o preço!!! Ao final do passeio, a surpresa pode ser desagradável. Pagamos 60 reais, depois de nos negarmos a pagar o valor de 100 reais (ou mais, se pudéssemos!) estipulado pelo rapaz. Olinda, em Pernambuco, Patrimônio da Humanidade (Foto: Divulgação) Terceiro dia No dia seguinte acordamos cedinho e fomos para Porto de Galinhas, a 50 minutos de Recife. A idéia era chegar antes das 8h, para aproveitar as piscinas naturais que se formam com a maré baixa. Aquele dia a maré subiu mais cedo e, quando chegamos, as jangadas que levam até as piscinas não estavam mais fazendo o passeio. O jeito foi sentar na areia e ficar pegando sol de frente para aquele mar verde esmeralda. Atenção novamente! Logo que você chega, vai ser mais uma vez abordado por várias pessoas oferecendo cadeiras, com a propaganda que você só paga o que consome, o que é verdade em partes. Lá nas letrinhas miúdas do cardápio diz que o consumo deve ser de pratos, ou seja, se sentar e tomar só uma cerveja você paga 60 reais por um kit com 4 cadeiras e 1 guarda sol. Contudo, o atendimento é muito bom. Pedimos um peixe bem gostoso, algumas cervejinhas e ficamos debaixo daquele sol escaldante de inverno. Mais tarde passeamos por praias próximas, andamos pelo lindo centrinho e voltamos no final do dia, quando a maré baixa novamente, para pegarmos a jangada. As piscinas são realmente lindas, cheias de peixinhos de todas as cores, que você enxerga com os óculos de mergulho oferecidos pelos jangadeiros. As piscinas naturais e jangadas de Porto de Galinhas, em Pernambuco (Foto: Divulgação) Quarto dia Segunda – feira era o dia de tirar o visto americano. Com a documentação em mãos, chegamos às 8h ao consulado e às 10h já estávamos indo embora. Eles fizeram duas ou três perguntas e disseram que nosso visto havia sido aprovado, tudo bem tranquilo. Fomos, então, passear pelos pontos turísticos de Recife , como o Marco Zero, o Mercado São José, Casa dos Bonecos Gigantes, Recife antigo. Casarões coloridos do Recife antigo (Foto: Divulgação) Quinto dia Último dia do passeio, sentamos na areia branquinha da Praia de Boa Viagem . O esquema de cadeiras é parecido com Porto de Galinhas , ou seja, cadeiras pela praia e garçons disputando a tapa cada turista. A diferença é que não há consumo mínimo. Na praia passa de tudo, desde queijo coalho, coco e camarões a ovos de codorna e lagostas. Brincos, cangas, chapéus, caipirinhas, açaí… até versos de repente nos fizeram! Eles te oferecem de tudo o tempo todo, e isso é um pouco chatinho. Mas, mesmo com os infortúnios, voltamos para o inverno de Blumenau com a cor do verão, várias lembrancinhas, nosso visto americano e com uma vontade enorme de voltar e conhecer muito mais do Nordeste brasileiro ….

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Recife, Olinda, Porto de Galinhas e a oportunidade de tirar o visto americano

Um espetáculo em Providence (EUA)

13 de setembro de 2011 0

O ALEXANDRE CHINI , conterrâneo e colaborador do blog, envia uma dica de sua última passagem pelos Estados Unidos. Ele relata um espetáculo visto em PROVIDENCE. Tudo com o Alexandre: “Conforme te prometi, vou te escrever sobre o WATERFIRE PROVIDENCE , que vi na cidade de Providence , Rhode Island, nos Estados Unidos, em junho passado. O evento acontece durante a temporada de verão, principalmente, e em algumas outras datas. Trata-se do seguinte: no centro da cidade há um rio canalizado onde, em um determinado trecho, estão dispostas tochas com lenha que começam a ser acesas ao pôr do sol. Estas tochas são acesas por pessoas vestidas de preto, dentro de barcos da mesma cor. Em um trecho menor há um muro, em partes submerso, por onde um homem caminha, fazendo malabarismos com algo parecido com “boleadeiras” de fogo, e acendendo as tochas em seguida. A partir desse momento, até a meia-noite, as tochas são permanentemente alimentadas com mais lenha para que não apaguem em momento algum. Esta madeira exala um aroma muito agradável. Ao longo do trecho há caixas de som que tocam música clássica e outras não muito “barulhentas”. Resumindo bem é isto, mas como eles mesmo definem no site, o waterfire é uma experiência sensorial. É muito interessante também observar o envolvimento de toda a comunidade de Providence na realização do evento e, em cada dia que acontece, há um patrocinador diferente. As fotos e o site são bem explicativos. Quem me deu a oportunidade de visitar Providence foram meus queridos amigos e afilhados, a Laura e o Gabriel, que moram em Boston.”

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Um espetáculo em Providence (EUA)