Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "França"

Os eleitos do NYT para 2012

06 de fevereiro de 2012 0

Costumo dizer, assim que começa cada novo ano, brincando: “acabou o ano”. Mas, vá lá, é início de fevereiro apenas e tem muito 2012 pela frente , suficiente para programar muitas viagens e conhecer muitos lugares. No início de janeiro, o jornal americano New York Times publicou uma lista com 45 destinos mundiais para se conhecer em 2012. De cada um deles, acrescentou uma pequena ficha e os motivos pelos quais vale a pena visitá-lo. Do Brasil, o destaque é PARATY. Republico a lista inteira, ainda que com atraso, para inspirar suas viagens, para você fazer aquele X nos “esse eu já conheço”… Para ler o texto do New York Times, clique aqui. 1. Panamá 2. Helsinki (Finlândia) 3. Myanmar 4. Londres 5. Oakland (EUA) 6. Tóquio 7. Tanzânia 8. Patagônia chilena 9. Lhasa (Tibet) 10. Havana (Cuba) 11. Moscou 12. Glasgow (Escócia) 13. Puebla (México) 14. San Diego (EUA) 15. Halong Bay (Vietnã) 16. Florença (Itália) 17. St. Vincent (Caribe) 18. Moganshan (China) 19. Birmingham (Inglaterra) 20. O espaço (isso mesmo, viagens espaciais!) 21. Kerala (Índia) 22. Paraty 23. Koh Rong (Camboja) 24. Viena (Áustria) 25. Chattanooga (EUA) 26. Dakhla (Marrocos) 27. Maldivas 28. Malacca (Malásia) 29. Algarve (Portugal) 30. Tahoe (EUA) 31. País de Gales 32. Antártica 33. Uganda 34. Ucrânia 35. Península Samaná (República Dominicana) 36. Dubrovnik (Croácia) 37. Chiloé (Chile) 38. Jordânia 39. Crans-Montana (Suíça) 40. Montpellier (França) 41. Nosara (Costa Rica) 42. Coreia do Sul 43. Lodz (Polônia) 44. Dalarna (Suécia) 45. Portovenere (Itália)

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Os eleitos do NYT para 2012

Roteiro gastronômico pela Champagne, Alsácia e Borgonha

30 de janeiro de 2012 0

Nossa amiga e colaboradora Magda Garcia participa do projeto “A Vida é para ser compartilhada” com um relato de dar água na boca, acompanhem e se deliciem com as fotos do Rodrigo Garcia!     Em novembro de 2010 eu e meu esposo, Rodrigo, fomos conhecer na França as regiões da Champanhe, Alsácia – Lorena e Borgonha . Regiões famosas por seus vinhos e champanhe e de belezas naturais espantosas. Os bosques nestes meses ficam com um colorido alaranjado maravilhoso. Foi uma viagem tranqüila e pode-se dizer dedicada a boa gastronomia.     Em fins de novembro começam os Mercados de Natal ( Marché du Noël ) na maioria das cidades da região. Estes mercados estão cheios de barraquinhas onde se pode beber um vinho quente (vin chaud) para espantar o frio e comer bolos de amêndoas, churros com chocolate e comprar decorações e presentes de natal. São lugares alegres com música e onde as pessoas se encontram para aquecer as noites geladas do início do inverno .   Começamos nosso tour no   Chateau d’Ermenonville , que é um hotel localizada há uns 45 km de Paris, na pequenina cidade de Ermenonville. O Chateau fica a beira de um lago e é um lugar lindo, romântico e com um restaurante imperdível, a carta de vinhos é completa. ( Route A1 saida Ermenonville, N2 direção Paris Soisson )     Seguimos em direção a Reims que fica na região de Champanhe onde se encontram as mais famosas caves da França. O caminho estava lindo com os bosques outonais e o chão tapado de folhas, uma visão só possível nesta época do ano. Perto de Reims fica a cidadezinha de Chalons-en-champagne , destaco um restaurante, perto da catedral, que é muito conhecido pela sua comida francesa com toques de modernidade: “Au Carrillon Gourmand” ( 15,bis Place Monseigneur Tissier ). É um local muito procurado, portanto sugiro que façam reserva, mesmo nesta época do ano. É imprescindível visitar uma das caves onde nos mostram como se produz o champanhe e se pode degustar o produto ao final da visita. Eu conheci a cave Pommery , muito interessante com suas várias galerias.     Fomos de Reims para Verdun , emblemática cenário da 1ª   Guerra Mundial onde os soldados franceses resistiram nas trincheiras tentando impedir o avanço alemão. A batalha de Verdun durou mais de 1 ano e centenas de milhares de soldados morreram, tanto franceses como alemães. Almoçamos no Hotel Prunellia , na zona peatonal no centro de Verdun . O lugar é muito charmoso e aconchegante, cheio de móveis de época e além de um cardápio apetitoso.     Seguimos para Wissembourg cidade que fica na fronteira com a Alemanha com forte influência alemã, casas com enxaimel, e onde está a segunda maior igreja da França. No caminho passamos por Lembach onde fica o restaurante “Auberge du Cheval Blanc” ( 4,rue de Wissembourg – Tel: 00 33 3 88 94 41 86 ) .   Fantástico, a casa é antiga e foi um antigo posto de trocas de cavalo para o serviço de correio. É fácil de ser encontrado pois a cidade é minúscula e o Auberge se encontra no centro. Algumas especialidades são:   robalo com molho de trufas, panache de foie gras, etc       Estrasburgo estava muito decorada e iluminada, e a oferta de restaurantes é grande. Uma boa sugestão é o L’Ancienne Douane ,   um restaurante tipicamente alemão e, apesar de estarmos na França, se come muito joelho de porco e chucrute e se bebe mirabelle, um licor digestivo que espanta o frio , Mirabeille .           Em Colmar , a “Hostellerie Le Marechal” foi a opção para hospedagem, o restaurante do hotel é ótimo criando um ambiente aconchegante à beira de um dos canais da cidade.       E para finalizar a Borgonha , região conhecida como o estômago da França. Em Beaune sugiro o Hotel Le Cep e o restaurante “Loiseau des Vignes”. Este é um restaurante especial e um dos melhores de nossa  viagem gastronômica. Tem um diferencial na forma como serve os vinhos, eles possuem uma adega onde oferecem 70 tipos de vinhos que são servidos em taças de acordo com a escolha gastronômica do cliente, um espécie de jantar harmonizado onde os vinhos estão guardados  e conservados como se acabados de ser abertos. (31, rue des Maufoux)     Hotel Le Cep   Outra boa sugestão em Beaune é o Jardin De Remparts (10, rue de l’hotel Dieu ). O restaurante tem uma cozinha muito criativa com Tartar de Boeuf com Ostras ou Foie gras de canard poché , gellé aromatizada com hydromel .         Em Beaune sugiro visitar os Hospices de Beaune com suas telhas vitrificadas e sua farmácia e cozinhas muito bem conservados, foi  construído pelos duques de Borgonha para servir como hospital e a farmácia funcionou até algumas décadas atrás.       Ainda na Borgonha a Abadia de Fontenay foi fundada em 1118 por São Bernardo de Clairvaux e incluída no Patrimônio Mundial da Unesco desde 1981. Fontenay é um dos exemplos mais completos e mais bem preservados da arte românica cisterciense, caracterizada  por uma arquitetura austera e sem adornos, tanto nos edifícios dedicados à oração quanto nos edifícios consagrados ao trabalho dos  monges.     Também na Borgonha , Vezelay é conhecida com a “eterna colina” onde se encontra a Basílica de Saint Madeleine . A subida até a Basílica é muito bonita, estacionamos na base da colina e antes de subirmos almoçamos em um pequeno restaurante digno de nota “Le Cheval Blanc”, é uma hospedaria além de restaurante. Boa comida, excelente vinho e românticas paisagens! O que poderíamos querer mais!!!! Se você gostou deste post, curta nossa página no facebook para estar sempre em contato: https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Roteiro gastronômico pela Champagne, Alsácia e Borgonha

Paris... E para não dizer que não falei de flores

27 de janeiro de 2012 0

Paris tem de tudo. E repito caminhadas sobre a Cidade Luz porque gosto dela e por justiça, pois tem recebido, entre 65 e 70 milhões de visitantes/ano. Se não gostar dos lugares sobre os quais tenho escrito (duvido), você terá outros mil que valem a pena visitar. Por exemplo, se você gosta de incursões mais distantes, pode ir até o bairro chinês – que não é chinês, é vietnamita, mas tudo bem; para nós, se tiver olhos puxados, é chinês. Aproveite que faz frio e prove a sopa de tangerina (claro que esse não é o nome, mas assim eles entendem). Vale a pena, é única. Se quer emoções mais fortes, pode ir ao Bairro do Oriente Médio, onde, numa semana de protestos, incendiaram mais de 500 automóveis. Os bairros de origem afro são vários para você escolher, e assim por diante. Outra visita que posso recomendar – essa mais energizante – é ir ao mercado das pulgas (Porte de Clignancourt – sábado ou domingo é melhor). É a última estação de um metrô (que não lembro a cor), mas todos sabem, e o Semanário de Paris de A a Z está em todas as bancas por 5 Reais ; é ótimo, falando até em programas udigrudi , como daquele trompetista solitário que está se apresentando em um minúsculo teatro distante e conta, antes do show, a sua história, que, quando saíram de Cuba, formavam um sexteto, os Cuban Golden Boys . No México, com a primeira deserção, tornaram-se um quinteto; no Canadá do Pacífico, Vancouver, virou um quarteto e, ainda no Canadá, quando chegaram a Quebec, já eram um trio. De lá para a França foi um pulo, mas já chegaram como um dueto, e, em Paris, onde ele resolveu ficar, virou um solista. Mas não espere encontrar no mercado a confusão do passado. Entre o metrô e a entrada, tem de tudo – até armários, tapetes do Oriente médio e esculturas africanas. Lá dentro, você vai se encantar com tudo que você quiser e para qualquer bolso. Preços? Não sei, mas, como em toda feira, vá à luta, discuta e barganhe. Faz parte do negócio. É assim mesmo. Faca nos dentes e boa sorte, mas não exagere, é só uma expressão. Se quiser almoçar, jantar ou, simplesmente, beber alguma coisa, tem – bem no centro do marché , há um bar restaurante com comida de panela e uma pequena orquestra com músicos não muito jovens tocando músicas de Charles Trenet, Edith Piaf, e seu ex-namorado, Yves Montand, que, no seu início, cantava Country imitando cowboy com chapéu, botas, cinto e camisa xadrez. A orquestra, como disse, é pequena e o instrumento principal, obviamente, é o acordeon. Foto: Laerte Martins / arquivo pessoal

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Paris… E para não dizer que não falei de flores

Usando o Facebook para vender vinhos (e vinícola)

27 de janeiro de 2012 0

Além de fazer amigos, as redes sociais ajudam a fazer negócios. Podem, por exemplo, transformar qualquer internauta em winemaker . Exemplo disso foi a recente transação envolvendo o Chateau Réaut , na região de Bordeaux, França. Para concretizar a compra, o investidor Yannick Evenou fracionou a propriedade em 400 cotas e ofereceu sociedade a usuários do Facebook . Para participar, bastava aplicar 1500 euros na vinícola, o que deu direito a 165 vinhas e 36 garrafas por ano - devidamente rotuladas com o nome de cada novo sócio. A oportunidade chamou especial atenção de donos de lojas especializadas e de restaurantes , que contarão com “ vinhos da casa ” de alta qualidade. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Usando o Facebook para vender vinhos (e vinícola)

Bordeaux quer proteger suas marcas

23 de janeiro de 2012 0

Frente ao risco de falsificações , a França está pressionando o governo chinês a reconhecer a região de Bordeaux como uma marca inviolável . O maior medo nem é são as cópias baratas dos grandes vinhos franceses, mas a produção em larga escala de bebidas baratas que levem a denominação e manchem a reputação de Bordeaux. Hoje, mais de 60% do mercado de Hong Kong , considerado a porta de entrada dos vinhos na China , é dominado por marcas francesas. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Bordeaux quer proteger suas marcas

Bicicletas

19 de janeiro de 2012 0

Minha bicicleta continua na garagem, como muitas outras, coberta de poeira, os pneus ressecando e uma grande vontade de sentir outra vez o vento no rosto – coisa que só motociclistas e cachorros entendem (ou você já viu algum cão que, embarcado, não queira botar a cara na janela?). Bem, como disse, a minha continua pendurada. Por quê? Por falta de coragem para enfrentar nossas ruas! Covardia, quem sabe? Não é bem o meu caso. Não vou entrar em detalhes, mas, recentemente, na França, aluguei uma Velolib (acho que é isso) e andei pelo Quartier Latin sem capacete e sem medo. O tráfego é mais lento, mais respeitoso, e tem menos chapas brancas. Sim, são elas que tiram mais “finos” da gente – não me pergunte porquê; suba numa magrela aqui e você se certificará. Prefiro dizer que isso acontece porque nossos ex-prefeitos foram omissos e mentirosos. Por que mentirosos? Porque prometeram, repetidamente, quilômetros de ciclovias e nunca cumpriram. E quem diz que a “ciclovia” da Diário de Notícias é uma ciclovia é porque nunca usou nenhuma. Aliás, você pode constatar: os ciclistas preferem a pista de rolamento à ciclovia. Devo absolver, por enquanto, o Fortunati e o Sr. Capellari porque estão há pouco tempo no comando e já planejam o início de uma para dentro de 90 dias. Desta vez, move-se o Grupo Zaffari, em quem levo a maior fé por terem melhorado – e muito – o padrão dos supermercados em Porto Alegre e onde têm lojas (espero que os executores não venham com o papo de Copa do Mundo; aliás, o que tem a ver ciclovias com a Copa do Mundo?). A futura ciclovia será agregada ao tráfego de veículos e apresentará piso na cor vermelha, sinalização horizontal e vertical e semáforos específicos. Ótimo! Ótimo! Agora, Vamos cair na real. Ainda não fizeram nem um metro e já falam de um potencial de 495 quilômetros (dados do Jornal da Comunidade). “Menas, menas…” Os loirinhos do Vale do Sapateiro não falaram nada a ninguém, muito menos de Copa do Mundo e fizeram as suas. Bogotá – a confusa Bogotá de outra época – com as FARC, explosões e sequestros e um vizinho como o Chavez, já está com 360 quilômetros prontos . Nós não temos um quilômetro, mas já aventamos com a possibilidade de 495 (que corresponde a uma distância maior do que Porto Alegre-Florianópolis).

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Bicicletas

Bordeaux quer retomar a força do claret

19 de janeiro de 2012 0

Antiquários ainda guardam as antigas identificações das garrafas de claret No planeta vinho, os rótulos brasileiros são apontados como leves, frutados e fáceis de beber. Isso é ruim? De forma nenhuma. Nem sempre estrutura, tanicidade e alto teor de álcool são desejáveis. Tanto é que a mais famosa zona produtora do mundo, a francesa Bordeaux , está querendo resgatar para a próxima safra um termo que traduz justamente esse conjunto de características: claret . Por séculos, a Inglaterra usou a palavra claret para indicar qualquer tinto feito em Bordeaux. A denominação, surgida na Idade Média , nunca foi oficial, tampouco adotada pelos franceses. Mas como os bretões eram os que mais compravam a bebida, acabou pegando mundo afora. A origem do nome é a mesma do clairet , ou clarete em português, vinho ligeiro que fica no meio do caminho entre um rosé e um tinto e que é elaborado na França até hoje. Essa confusão e o passar do tempo estavam fazendo com que o termo claret ficasse fora de moda , mas agora produtores de Bordeaux querem transformá-lo em uma marca para identificar seus vinhos mais leves, aqueles degustados no dia a dia. A retomada está prevista já para a safra 2012 . Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Bordeaux quer retomar a força do claret

Menos açúcar e mais qualidade nos vinhos brasileiros

17 de janeiro de 2012 0

Na França, a luta por vinhos naturais é antiga, como mostra este postal de 1907 Um bom vinho depende essencialmente da qualidade das uvas. Porém, quando a colheita não cumpre sua parte, há vinícolas que apelam para ajustes dentro da cantina. Entre os meios mais controversos está a chaptalização , que é a adição de açúcar ao mosto para elevar o grau alcoólico da bebida. Seguindo uma tendência internacional, o Brasil vai restringir mais fortemente o uso desse método, o que vai resultar em vinhos nacionais ainda melhores. O primeiro passo para esse controle já foi dado. O Ministério da Agricultura enviou à Casa Civil a atualização das regras da chaptalização . Segundo o texto, os vinhos finos poderão ser corrigidos em apenas dois graus alcoólicos nos primeiros quatro anos após a publicação do decreto (o que pode ocorrer a qualquer momento) e em somente um grau a partir do quinto ano. Para os vinhos de mesa , a transição será de três graus até o quarto ano da publicação e dois graus depois disso. Hoje, a lei permite que qualquer vinho tenha seu teor de álcool elevado em, no máximo, três graus . O setor vitivinícola sabe a importância dessas restrições, tanto que apoia integralmente o novo texto. Mais do que isso: desde 2008 vem ajudando a escrevê-lo. A mudança vai exigir trabalho extra nos parreirais, que será compensado com maior qualidade dentro dos cálices. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Menos açúcar e mais qualidade nos vinhos brasileiros

Tendências enológicas apontadas pela Berry Bros & Rudd

16 de janeiro de 2012 0

Ao fim de 2011, a Berry Bros & Rudd (uma das mais tradicionais lojas especializadas da Inglaterra , que por sua vez é o mercado mais influente do mundo) fez um balanço de suas vendas ao longo do ano e elaborou um infográfico apontando as mudanças no comportamento do consumidor . Entre os dados estão as variedades mais populares entre os clientes, os países que mais têm saída no caixa e o gasto médio por garrafa. Veja a seguir algumas das conclusões, ou clique na arte abaixo para conferir o gráfico completo. Apontador de tendências - Na lista de países mais procurados pelos clientes, há apenas duas mudanças em relação a 2010: a Espanha ultrapassou a Nova Zelândia e conquistou o quarto lugar, e a Argentina tomou a nona posição da África do Sul. A França reina em primeiro. - Os Proseccos e os vinhos ingleses tiveram uma expressiva alta nas vendas, em torno de 25%. - Já a procura por rótulos orgânicos e biodinâmicos caiu expressivamente, mais de 50% em relação a 2010. - Cabernet Sauvignon segue sendo a uva mais popular entre os clientes, mas está perdendo espaço. Já Shiraz e Pinot Noir se destacam pelo crescimento nas vendas, de 56% e 50%, respectivamente. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Tendências enológicas apontadas pela Berry Bros & Rudd

Paris-Dakar ou Argentina-Peru? 2

12 de janeiro de 2012 0

A grande curiosidade entre os aficcionados é: por que saíram da África? Resposta simplificada: motivos políticos, guerrilha, roubos e sequestros. O roteiro cruzava várias vezes com a Frente Polisário, na região da Mauritânia – e, ao que parece, a Al-Qaida, aproveitando-se da islamização da região,  estava preparando algo de grande impacto. Numa outra ocasião, sem rali nenhum, fomos até lá com um jipe, sem outras armas que nossas câmaras fotográficas, mas, a partir de Essaouira (sul do Marrocos), em cada barreira tínhamos que esvaziar o Land Rover – no último dia, 4 vezes. Em cada operação, perdíamos uma hora. Enchemos o saco e voltamos. Acho que era isso que queriam (quando terminar o rali, prometo postar algo sobre a viagem; gosto de desertos, o que fazer…). Além disso, o evento tinha muita divulgação na França, muitos patrocínios franceses , mas, ao vivo, ninguém via (só camelos e beduínos). Agora, vieram para uma região que adora automobilismo – e os argentinos são especialistas neste tipo de competição, têm uma enorme tradição em estradas. Já há uns 50 anos, fizeram uma prova Buenos Aires-Caracas (ganhou Juan Manuel Fangio) e, como, de todo jeito, teriam que voltar, organizaram uma Caracas-Buenos Aires – ou seja, o que fizeram os atuais organizadores foi internacionalizar a competição , levando-a a um lugar em que adoram motores. Além disso, Argentina e Chile colocaram, no ano passado, 6 milhões de dólares cada um. Voltando ao Atacama… terminada a passagem ou abastecimento, os carros-oficina fechavam o baú e voltavam para a base. Muitos trabalhariam a noite toda para poder iniciar o próximo Prime com o carro ok. Às vezes, à noite, nos encontrávamos em algum restô com outros aficcionados ou chefes de equipe. Foi dessa forma que, com a equipe da Volks, fiquei sabendo que o Moacyr Scliar havia sofrido um problema grave. Ante a minha dupla surpresa, me falaram dos livros que haviam sido traduzidos para o alemão –  daí o interesse. Para que tenham ideia da internacionalização do rali, só nos caminhões, veículos com 5/6 toneladas, havia tchecos, russos, poloneses, chineses (guiados por argentinos), alemães, italianos,  austríacos, franceses, suecos e, claro, americanos e canadenses. Uma verdadeira babel. (Segue)

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Paris-Dakar ou Argentina-Peru? 2

Baguetes a qualquer hora?

06 de janeiro de 2012 0

Sim, isso já é possível. Os franceses de algumas cidades, ciosos das suas, já têm essa facilidade. Hoje, eles têm horário até para tostar as suas baguetes. Lá pelas 17 horas, o perfume se intensifica (tenho a impressão de que pela cidade toda, ou pelo país todo) e é difícil parar em frente a uma boulangerie e não ficar salivando, imaginando aquele pão quentinho e um pedaço de brie ou qualquer outro dos 250 tipos de queijo de que o país se orgulha de ter. Os inventivos americanos têm as suas fatias de pizza a qualquer hora (uma versão da pizza al taglio ), e, agora, graças a um francês do ramo, os parisienses já têm baguetes noturnas, o que é uma grande novidade, pois, quando se fala em vida noturna na França e na Europa, não é bem assim; deixando os notívagos espanhóis fora, não é como se alardeia… Mas, se você tem fiambres e queijos na geladeira, uma baguete quentinha muda tudo – e não precisará cozinhar ou fazer um omelete para sua esfomeada namorada. Por 1 euro (aproximadamente R$ 2,50), as “corujas noturnas” famintas de Paris e da cidade de Hombourg-Haut, no nordeste francês, já podem pegar uma deliciosa baguete – e quentinha – depois que as 33.000 padarias do país encerraram suas atividades. Jean-Louis Hecht informou à Associated Press que teve a idéia em virtude de morar em cima da sua padaria e, a toda hora, os clientes baterem à sua porta procurando um carboidrato para mantê-los de estômago cheio até a manhã seguinte. As máquinas, agora, podem estocar até 120 baguetes pré-cozidas ao mesmo tempo, o que equivale a 73 metros de baguetes (120 enfileiradas) . No primeiro mês, ele vendeu 1600, e, no seguinte, suas máquinas movimentaram 4500 unidades. Oh, la la!

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Baguetes a qualquer hora?

Irmãos Campana no Museu D´Orsay em Paris

05 de janeiro de 2012 0

  O tradicional Café d´Horloge   situado no Museu d´Orsay em Paris ganhou uma nova cara, muito mais moderna e colorida assinada pela dupla de sucesso brasileira – os irmãos Campana. Depois de várias galerias do museu passarem por uma renovação, chegou a vez do Café Campana, um lugar que inspira a imaginação. O cafe remete o visitante a uma atmosfera de sonhos em um ambiente que lembra em muito um oceano. Inspirados diretamente em Emile Gallé e um tributo a Art Noveau. Aqui o chef apresenta o menu clássico das brasseries parisienses, com refeições servidas na hora, ótimas saladas, woks e empanados.  Sendo assim, são várias boas razões para voltar ou descobrir o magnífico Musée d’Orsay , cuja arquitetura já é uma obra prima! Foto Museu d´Orsay / Sophie Boegly Onde : Museu d´Orsay 1, rue de la Légion d’Honneur 75007 Paris

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Irmãos Campana no Museu D´Orsay em Paris

Roteiros alternativos por Paris

05 de janeiro de 2012 0

Ex-colega de Zero Hora, o jornalista GABRIEL BRUST mora em Paris há três anos. Com uma outra jornalista gaúcha, a Dani Fetz, o Gabriel criou um blog chamado Paris Lado-B . Desde novembro, eles contam ali sobre seus lugares preferidos na cidade e , em especial, sobre o “circuito alternativo”, aqueles lugares que os turistas não costumam frequentar. A ideia é ajudar brasileiros que voltam à cidade e querem ir além da Torre Eiffel. Gabriel e Dani vivem em bairros fora do circuito, onde há uma vida própria parisiense bem diferente, moderna, exótica, distante do clichê, usando as palavras do próprio: “Além dos lugares “lado-b”, temos também dicas “lado-b” sobre lugares conhecidos, o que ajuda marinheiros de primeira viagem. Por exemplo, nestes dois posts ensinamos a entrar no Louvre e no Centre Pompidou sem pegar a fila . Ou seja, um “jeitinho” que só quem mora por aqui sabe. Temos também seções fixas como “shows que vêm por aí” e “exposições que vêm por aí”, para quem quiser se programar antes de viajar : Mas o forte do blog é mesmo o inusitado como “Onde Jogar Xadrez em Paris” ou “Onde ler mangás em Paris” . Pra encerrar, também destaco os roteirinhos prontos para fazer a pé, como o de galerias escondidas em Montmartre e das antiquidades no 11ème . Enfim, é Lado-B, mas tem também para todos os gostos.”

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Roteiros alternativos por Paris

Para compartilhar viagens no Facebook

04 de janeiro de 2012 0

Se você gosta de compartilhar vídeos de viagem, a dica é curtir o viajolandia.com , no Facebook. A ideia, do jornalista gaúcho Felipe Rech, permite que o usuário crie seu próprio canal para compartilhar seus vídeos com outros viajantes. Já há mais de 500 vídeos sobre diversos destinos: Estados Unidos, México, Brasil, Argentina, Inglaterra, França, Alemanha, Turquia. Como funciona o aplicativo? Acesso Qualquer pessoa pode acessar o aplicativo via www.viajolandia.com , ou pela barra de busca do Facebook. A visualização dos conteúdos é livre. Uploads e comentários são liberados a partir do momento em que o usuário adiciona o aplicativo no seu perfil do Facebook. Capa do aplicativo Na capa fica um mapa com os vídeos dos usuários destacados pela editoria do aplicativo e a TV Viajolândia, onde são veiculados semanalmente episódios profissionais. TV A seção TV Viajolândia funciona como um videolog e as séries são produzidas pela equipe do viajolandia.com: bate-papos com artistas, músicos, escritores, intelectuais etc Guia-Colaborativo Qualquer pessoa pode enviar vídeos com viagens e dicas, mostrando lugares interessantes. Páginas de Cidades O guia Destinos do viajolandia.com é formado por páginas de cidades, abastecidas com vídeos dos usuários. Minhas Viagens É o canal pessoal do usuário, onde ele pode arquivar todos os vídeos de suas viagens. Amigos Viajantes Filtro para que o usuário assista os vídeos de viagens dos seus amigos.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Para compartilhar viagens no Facebook

Os 10 Pores do sol mais lindos de 2011!

31 de dezembro de 2011 0

Alguns não entendem esta minha paixão, ou quem sabe fixação por por do sol. Uma das poucas coisas de que me ressinto de morar onde moro é que não consigo ver o sol se por, e tem vezes que saio de casa somente com o objetivo de assistir a este espetáculo diário. Quando eu viajo, logo vou perguntando onde é um bom lugar para se ver o por do sol, acho que as fotos mais bonitas são tiradas neste horário onde tudo se cobre com um manto sépia deixando um colorido perfeito. Com a chegada do final do ano, todos ficamos mais sensíveis, mais emotivos, e inevitavelmente fazemos um balanço geral da nossa vida. Traçamos planos para o ano que se aproxima. Eu sempre gostei mais dos anos pares, mas isso é pura superstição. Tenho um feeling muito forte que 2012 será um ano de muita luz, muito boa energia e, acredito acima de tudo que somos nós e nossas opções que fazem a diferença no balanço final da nossa felicidade, portanto se encararmos os meses vindouros com muita energia positiva, procurando sempre ver o lado bom das pessoas e das situações, com certeza daqui a 1 ano vamos ter muitas coisas boas para recordar. Deixo aqui para vocês, nossos leitores, amigos, alunos, viajantes de corpo e alma que nos acompanharam nesta jornada de 2011 um desejo de um 2012 repleto de passaportes carimbados, muitos encontros com as pessoas amadas, muita iluminação interior, MUITA LUZ!!! E nada melhor do que trazer aqui alguns dos pores de sol mais bonitos que consegui capturar, especialmente para vocês!! Um grande abraço do Viajando com Arte! Clarisse e Mylene Pampa Gaúcho Córsega, França Luxor, Egito Tamarindo, Costa Rica Kefalônia, Grécia Angkor, Cambodja Fernando de Noronha, Brasil Porto Alegre, Brasil Deserto Erg Chebbi, Marrocos Punta del Diablo, Uruguai

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Os 10 Pores do sol mais lindos de 2011!

Os 10 Pores do sol mais lindos de 2011!

30 de dezembro de 2011 0

Alguns não entendem esta minha paixão, ou quem sabe fixação por por do sol. Uma das poucas coisas de que me ressinto de morar onde moro é que não consigo ver o sol se por, e tem vezes que saio de casa somente com o objetivo de assistir a este espetáculo diário. Quando eu viajo, logo vou perguntando onde é um bom lugar para se ver o por do sol, acho que as fotos mais bonitas são tiradas neste horário onde tudo se cobre com um manto sépia deixando um colorido perfeito. Com a chegada do final do ano, todos ficamos mais sensíveis, mais emotivos, e inevitavelmente fazemos um balanço geral da nossa vida. Traçamos planos para o ano que se aproxima. Eu sempre gostei mais dos anos pares, mas isso é pura superstição. Tenho um feeling muito forte que 2012 será um ano de muita luz, muito boa energia e, acredito acima de tudo que somos nós e nossas opções que fazem a diferença no balanço final da nossa felicidade, portanto se encararmos os meses vindouros com muita energia positiva, procurando sempre ver o lado bom das pessoas e das situações, com certeza daqui a 1 ano vamos ter muitas coisas boas para recordar. Deixo aqui para vocês, nossos leitores, amigos, alunos, viajantes de corpo e alma que nos acompanharam nesta jornada de 2011 um desejo de um 2012 repleto de passaportes carimbados, muitos encontros com as pessoas amadas, muita iluminação interior, MUITA LUZ!!! E nada melhor do que trazer aqui alguns dos pores de sol mais bonitos que consegui capturar, especialmente para vocês!! Um grande abraço do Viajando com Arte! Clarisse e Mylene Pampa Gaúcho Córsega, França Luxor, Egito Tamarindo, Costa Rica Kefalônia, Grécia Angkor, Cambodja Fernando de Noronha, Brasil Porto Alegre, Brasil Deserto Erg Chebbi, Marrocos Punta del Diablo, Uruguai

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Os 10 Pores do sol mais lindos de 2011!

Pessoas, a melhor tradução de uma cultura.

28 de dezembro de 2011 0

Uma das coisas que mais me fascinam nas viagens, são as pessoas. Quando viajamos os estrangeiros somos nós, e uma das melhores maneiras de entender a cultura alheia é observar a sua gente. Como reajem ao seu sorriso, à sua presença. No nosso curso quando falamos para as pessoas sobre como tirar o melhor proveito de uma viagem, um conselho que eu sempre dou é que em alguma parte do roteiro elas contratem um guia local, não só para aprender que esta mesquita foi construida no século tal, que este quadro foi pintado por Vasnetsov e todas estas informações que vem de bonus, mas principalmente, para podermos conhecer os meandros desta cultura que se apresenta a nossa frente. Sempre lembro da primeira vez que estive na Russia, imaginem um pais que esteve num regime fechado por 70 anos, praticamente isolado , eu queria saber tudo, como estavam convivendo com o novo sistema, como era não ter religião, como eles se sentiam por não poder viajar além das fronteiras da Sibéria, estas conversas são muito ricas,  são as mais interessantes. Outra coisa  é sentar em um café qualquer de uma rua movimentada e observar o movimento das pessoas e se possível fotografá-las, pessoas são a melhor tradução de um pais, pensando nisso hoje eu trouxe para vocês aqui no blog uma seleção destes meus garimpos humanos pelo mundo, espero que vocês curtam! Norte da India Ayutthaya, Tailândia Chefchauen, Marrocos Cairo, Egito Mendoza, Argentina Libéria, Costa Rica Deserto Erg Chebbi, Marrocos Chang Mai, Tailândia Lima, Peru Madrid, Espanha San Martin de los Andes, Argentina Capadócia, Turquia Angkor, Cambodja Kostroma, Russia Neuburg, Alemanha Chang Mai, Tailândia Parque Kruger, Africa do Sul Sien Reap, Cambodja Eichesttat, Alemanha Florença, Itália Esteio, Brasil Marrakesh, Marrocos Cairo, Egito Paris, França Chang Mai, Tailândia

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Pessoas, a melhor tradução de uma cultura.

Descobrindo Roma: dias e noites no Campo de Fiori

25 de dezembro de 2011 0

Quando vamos pela segunda vez a uma cidade é sempre interessante ficarmos numa região diferente para descobrirmos novos recantos e inusitados pontos de vista. Visitando Roma  neste verão fiquei hospedada na Via Giulia , uma rua paralela ao Tibre que acaba de comemorar 500 anos em 2010, foi aberta pelo papa Julio II para sanear a região e acabou como endereço cobiçado pela aristocracia romana. Por isto abundam palácios do século XVI e XVII com belas e imponentes fachadas. O Hotel St George foi um achado , em Roma onde a hotelaria é cara e muitas vezes não faz jus ao preço ,  mantém características  de época e foi totalmente modernizado com bom gosto e sofisticação, recomendo! Oferece spa e um belo terraço com vista para os telhados de Roma e o Vaticano . Hotel St. George na Via Giulia A Via Giulia  é uma rua tranquila e estreita, o que ajuda a criar a sensação de viagem ao passado. Como o acesso é muito complicado e escondido, somente os locais transitam por ali, mas fica há apenas alguns passos do movimentado Corso Vittorio Emanuele II  . Passávamos todos os dias pela delegacia especializada  AntiMáfia e pelo  Palácio Farnese , que hoje abriga a Embaixada da França.  Afrescos dos irmãos Carracci enfeitam o interior do prédio, que é aberto à visitação uma vez por semana com horário previamente agendado. Palácio Farnese O Campo de Fiori muda de atitude com o passar do dia, amanhece como um grande mercado de Roma, com frutas , flores e muito mais e acaba a noite fervendo com o agito jóvem! Olhem quem encontramos fazendo compras no Campo de Fiori numa manhã de verão, Isabella Rossellini , um pouco diferente do glamour com que aparecia nas propagandas da Lancome. Ao anoitecer a praça é limpa e os restaurantes e bares tomam conta até  a madrugada, nas noites quentes de verão. Giordano Bruno cuida de tudo do alto de sua privilegiada localização. Não percam o tradicional restaurante Carbonara ou, para paladares mais exigentes,  Il Camponeschi , na praça com vista ao Palácio Farnese . Pelas ruas laterais, várias opções de bares descolados, uma região que merece uma passeio após o almoço ou uma noite prolongada. E tudo isto ainda fica bem perto deste belo visual do Tibre, visto do alto do Castel de Sant’Angelo ! Aproveitem a temperatura sempre amena em Roma e descubram recantos inesperados, mas não esqueçam de nos mandar as dicas! Roma e um roteiro na Itália fará parte de próximo curso Viajando com Arte em março de 2012.

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Descobrindo Roma: dias e noites no Campo de Fiori

Natal Luz- tradição europeia em Gramado

23 de dezembro de 2011 0

Sempre gostei muito desta época do ano , quando as cidades se enfeitam para as festas de fim de ano. Há alguns anos estive na Alsácia , região francesa que já foi alvo de várias disputas com a  Alemanha , justamente no mês de dezembro. Tirando o frio e a neblina, que me acompanharam quase todo o trajeto, não pude deixar de me encantar com as feiras de Natal e a decoração das cidades como Colmar , Strasbourg e Riquewhir .   Claro que a arquitetura local ajuda muito , pois por si só já cria um ambiente propício e colorido. Mas as delícias dos Dresden Stolen , biscoitos de natal e vinhos quentes temperados fizeram a alegria desta descendente de alemães de longínqua genealogia. Dresden Stolen     Fiz esta viagem em 2004 e desde esta época me alegro a cada ano em que vou a Gramado em dezembro e me deparo com o crescimento do Natal Luz . Apesar de problemas políticos , denúncias de corrupção, a população local não arrefeceu e fez uma festa maravilhosa. Este ano conta com a popularização da cidade na novela das 6h, “A Vida da Gente”.   T V GLOBO / Renato Rocha Miranda   A  profusão de cores já começa na estrada que parace enfeitada para as festas, os tobogãs de hortências emolduram os caminhos sugestivamente! São um presente da natureza que começam a florecer no início de dezembro onde predominam os tons de azul .     Numa versão local , este evento recria o clima germânico em plena Serra Gaúcha, com uma mistura de bom gosto e participação comunitária com resultados surpreendentes.   Avenida Borges de Medeiros , Gramado 2007   Além das ruas decoradas pelo poder público, os estabelecimentos comerciais se esmeram em criar um ambiente harmônico com uma proposta mais ampla de utilização de materiais recicláveis e confecção de enfeites pelas comunidades locais. Hotel Casa da Montanha 2007   O que impera é a ideia de que se todos participarem todos ganham, ninguém destrói, nenhuma luzinha desaparece das ruas! O cuidado com a cidade é motivo de orgulho para seus moradores.   Gramado  é tradicionalmente conhecida pelo seu ótimo chocolate e é o terceiro destino turístico mais visitado no Brasil. Mas dezembro não era tradicionalmente uma época movimentada, um exemplo de que turismo se cria com belezas naturais, História,  mas principalmente com ideias inteligentes e execução cuidadosa, além é claro de boa infraestrutura. Hoje é quase impossível conseguir hotéis durante o Natal Luz que vai do início de novembro até o meio de janeiro. Decoração 2011 Para as crianças são muitos atrativos, meus filhos sempre acreditaram que o Bom Velhinho morasse em Gramado, pois a Aldeia do Papai Noel funciona o ano inteiro como uma fábrica que se prepara para o Natal.   Estes candelabros em “cristal” confeccionados com as poluidoras garrafas pet são um exemplo do que a criatividade aliada à organização podem fazer!   Passeando pelas ruas pode-se encontrar Papai Noel dirigindo seu próprio carro ou conversando com com as crianças nas calçadas. A  Vila de Natal , com banquinhas decoradas é uma cópia das européias e este ano foi transferida para o Lago Joaquina Bier , onde tem mais espaço e atrações. Na antiga localização fica a árvore gigante e a parte mais típica, que  fica por conta da casa colonial que vende pães e cucas feitas na hora por habitantes das muitas linhas de imigrantes que formam a “Colônia” , nos arredores de Gramado . Ali também oferecem artigos produzidos artesanalmente nas hortas e pomares da região. Veio dali o melhor morango que já provei na vida, doce e suculento tingia a mão e a boca de vermelho , tão natural que era como se tivesse anilina. Pode-se visitar a região em passeios nestes simpáticos ônibus antigos!   A Igreja de Gramado decorada, parece aquela de nossos desenhos infantis , toda em pedra e num tamanho que cabe exatamente em qualquer sonho encantado! Logo em frente está a Rua Coberta, mais que um luxo uma necessidade no clima úmido e frio da cidade. Aqui a atração é a  Árvore Cantante e as patinadoras.   Só para constar , na  sexta-feira 2 de dezembro chegamos a cidade com uma temperatura de oito graus! Os turistas do norte do Brasil estavam de luvas e cachecóis e os nós, gaúchos, oficialmente acostumados com o frio, os invejando. Já passei as Festas na cidade com a lareira acesa e uma neblina que parecia a Lapônia. Decoração  Natal de 2011 Desde 2011 , uma inovação são a renas pintadas , inspiradas CowParade, evento que já circulou por 28 países onde esculturas de vacas são pintadas por artistas locais. http://www.cowparade.com/   O evento é coroado por shows de luz e som no Lago Joaquina Bier, o “Nativitaten” e por desfiles nas ruas principais da cidade “Desfile de Natal”. Nativitaten http://www.natalluzdegramado.com.br/atrativos/nativitaten     Desfile de Natal http://www.natalluzdegramado.com.br/atrativos/grande-desfile-de-natal “Fantástica Fábrica de Natal” O musical é uma das maiores atrações da cidade, com produção inspirada nos musicais da Disney, conta a aventura de uma criança levada por um anjo até a fábrica do Papai Noel. “Nesse mundo mágico, brinquedos e decoração ganham vida, enquanto ajudantes do bom velhinho trabalham freneticamente. Mais de 40 personagens integram este universo lúdico, que combina atuação, dança, acrobacias e efeitos especiais”. Não consegui ingresso para assistir a este espetáculo na Carrieri em Gramado . O mesmo espetáculo foi encenado em São Paulo em 2011, em versão pocket,  em comemoração a abertura da Super Loja das Casas Bahia, no Pavilhão do Anhembi. Um sucesso!   Fonte: Gramadosite.com.br  Confira a programação geral do Natal Luz no site:   http://www.natalluzdegramado.com.br/   A natureza também dá o seu show, olhem quem veio fazer um mini ninho na minha janela! Um lindo beija-flor.   ONDE FICAR Casa da Montanha . Muitíssimo bem localizado e, além disso, tem atendimento impecável. O charme do hotel alimenta ainda mais o clima de encanto da cidade. Fica na Borges de Medeiros que é a rua onde se pode circular a pé, sem carro. Além disso, tem arquitetura típica da região. http://www.hotelcasadamontanha.com.br/ Varanda das Bromélias Hotel Boutique . Tem quartos enormes, super bem decorados, com lareira e calefação. Localiza-se num bairro mais residêncial , relativamente perto do centro. http://www.varandadasbromelias.com.br/ St. Hubertus Estalagem. Um dos hotéis mais charmosos da cidade. Tem um visual lindo do lago e os quartos são deliciosos, com um astral muito aconchegante, fica ao lado do famoso Lago Negro. Rua Carrieri, 974. Telefone (54) 3286.1273. http://www.sthubertus.com/ Pousada La Hacienda. Tem seis charmosas e bem equipadas cabanas restauradas dentro do espítrito de preservação, numa fazenda em Várzea Grande. A localização é o ponto fraco , pois fica bem longe do centro da cidade , mas a beleza do lugar compensa quem prefere ficar bem isolado.   http://www.lahacienda.com.br/ Hotel Serrano . Fica no alto de um morro próximo ao centro, num lugar lindo. Foi reformado recentemente e está sendo administrado pela CVC. É um hotel enorme e sempre recebe muitos grupos. http://www.gjphoteis.com.br/hotel?alias=serrano-resort   Hotel Alpen Haus . Localiza-se no final da Borges de Medeiros , não muito longe do centro. O estilo é bem serrano com ótima infraestrutura, apartamentos grandes com mini copa. http://www.gjphoteis.com.br/hotel?alias=hotel-alpenhaus   Se gostaram deste post curtam a página do Viajando com Arte ( https://www.facebook.com/pages/Viajando-com-Arte/ )  no facebook para receber nossas atualizações.  

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Natal Luz- tradição europeia em Gramado

Conheça a versão branca de seu tinto favorito

15 de dezembro de 2011 0

Em um bate papo com produtores de vinho há pouco tempo, ouvi algo muito animador. Segundo eles, está crescendo a curiosidade dos brasileiros por vinhos brancos . O que pode frear esse interesse é a dúvida de por onde começar a degustação, levando em conta que as opções são numerosas e muitas vezes desconhecidas do grande público. Um bom caminho talvez seja buscar uma variedade branca que tenha ligação com seu tinto favorito . Nem todas as uvas vêm em duas versões, mas em alguns casos isso é possível. Por exemplo: a tinta Cabernet Sauvignon , que é amplamente consumida no mundo todo, surgiu a partir do cruzamento de duas castas, uma delas a Sauvignon Blanc , uva branca que gera grandes rótulos. Há também o caso da Grenache Blanc , versão branca da Grenache , que dá origem a ótimos produtos na França e na Espanha. Mas o melhor exemplo desse contraste enológico provavelmente é a relação entre a Pinot Noir , tinta, e a Pinot Grigio , branca. Os vinhos gerados com a segunda – também conhecida por Pinot Gris – são sucesso absoluto em bares e restaurantes dos Estados Unidos, sendo recordistas no consumo em doses menores, por cálice. O principal motivo é que a versão tinta teve sua popularidade alavancada depois do filme Sideways – Entre Umas e Outras (foto), o que acabou refletindo nas vendas da variedade branca. Compartilhar

Confira o post completo no Enoblog:
Conheça a versão branca de seu tinto favorito