Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "hospedagem"

Fernando de Noronha – primeiros passos

24 de outubro de 2011 0

  Cheguei sábado de Fernando de Noronha , foi minha primeira vez na super, hiper famosa ilha.   Tenhos vários amigos que já estiveram por lá, e pelos relatos deles, muita coisa mudou em Fernando de Noronha , e eu acredito que para melhor. Hoje em dia já é possível sair de Porto Alegre e chegar em FN no mesmo dia, então isto já é uma boa noticia para aqueles que não podem ficar muito tempo. Meu conselho é: leia muito, informe-se, pois hoje com tanta informação na internet não vale mais chegar lá verdinho, se você já sabe o que quer fazer/ver aproveita muito mais tudo o que a ilha pode oferecer. Chegamos no vôo da Gol, e aqui já lhe dou uma dica, tente marcar seu assento do lado esquerdo do avião, pois o comandante dá um vôo panôramico pela ilha e a vista é espetacular. Eu tinha lido que fazia muita diferença pagar a taxa de permanência pela internet poupava muito tempo e que as filas eram bem menores, como acho que toda a galera já sabe disso o que aconteceu é que a fila para quem não tinha pago era muito menor, de qualquer maneira você agora está no paraíso, portanto relaxe que tudo vai dar certo. Hoje Fernando de Noronha tem várias opções de hospedagem top, as diárias e tudo o mais custam uns 20% mais do que no resto do Brasil. Você vai jantar em um restaurante bom, mas simples, e vai pagar o preço de São Paulo. Tendo isso em mente você já pode ter uma noção de quanto vai gastar.      Da janela do avião eu já reconhecia as belezas naturais que fizeram a fama de Fernando, o Morro do Pico, a Praia do Sancho, esperei tanto pra conhecer este lugar mágico e juro para vocês que senti uma enorme emoção no aproach do avião.   Depois de algumas pesquisas optei por ficar na Pousada Teju – Açu , que é muito legal, tem todo o conforto necessário, são bangalôs com 2 pisos o andar de cima é um pouco mais caro, mas em compensação os de baixo tem mais privacidade. A vantagem da Teju é ser perto da Praia da Conceição , onde se pode ir à pé em 15 min, e foi para lá que fomos logo na chegada com direito a banho de mar e por do sol arrematado com uma  caipirinha bem gelada no bar do Duda Re      Minha escolha foi a Pousada Teju-Açu, e foi perfeito. O lugar é lindo, os quartos tem todo o conforto, tudo é feito com muito charme, e eles indicam e reservam todos os passeios, trilhas que tem na ilha. Confira as tarifas no site: http://www.pousadateju.com.br/ Por do sol na Praia da Conceição, com o morro do Pico à esquerda.       Uma das vantagens da Teju é ser perto da Praia da Conceição , onde se pode ir à pé em 15 min, e foi para lá que fomos logo na chegada com direito a banho de mar e por do sol arrematado com uma caipirinha bem gelada no bar do Duda Rei.    Tem também a opção de assistir ao por do sol a aqui neste barzinho na praia do meio, eles tem uma boa música e o lugar também tá valendo!          Como ainda não tínhamos alugado nosso buggy, voltamos à pé para a pousada depois de tomar umas caipirinhas no bar do Duda, a noite já tinha caido e o céu… ahhh o céu estava uma loucura, imaginem uma ilha isolada no oceano com muito pouca luz, imaginaram a quantidade de estrelas? Foi uma caminhada no mais absoluto escuro só observando as estrelas e pensando nas sociedades primitivas e seu conhecimento das constelações e movimentos celestes… foi daqueles momentos, dos muitos que se tem em Fernando de Noronha .    Assim terminou nosso primeiro dia, voltarei contando sobre os passeios, pousadas, praias etc

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Fernando de Noronha – primeiros passos

Sobre o novo cassino em Rivera

22 de outubro de 2011 0

Está sendo inaugurado hoje o Rivera Casino & Resort, do ladinho de Santana do Livramento, na fronteira oeste do RS,  e do free-shop de Rivera. O foco do local são os grandes jogadores, que têm vantagens na hospedagem: – Sextas-feiras e sábados, apenas jogadores de cassino podem reservar os quartos; – As diárias para o grupo custam U$90, enquanto que hóspedes não-jogadores pagam entre U$150 e U$170 de domingo a quinta-feira. Para se cadastrar no grupo de jogadores do cassino, é preciso depósito de U$5.000 em uma espécie de conta no local. O novo cassino deve atrair muitos brasileiros, não apenas pela proximidade, mas principalmente porque os chamados “jogos de azar” são proibidos no nosso país. Siga o Viaje Mais com Menos no Twitter: @viajemaiscmenos

Leia o post completo no blog Viaje mais com menos:
Sobre o novo cassino em Rivera

Novidade no mundo dos albergues, em Porto Alegre e por aí

11 de outubro de 2011 0

A Hostelling International Brasil deve inaugurar no próximo sábado, dia 15, o primeiro hostel boutique, em PORTO ALEGRE. Fica num casarão no Centro Histórico , num local considerado com fácil acesso ao aeroporto Salgado Filho e à Estação Rodoviária. O  PORTO ALEGRE HOSTEL BOUTIQUE (clique aqui para saber mais) terá 50 leitos em 11 apartamentos (todos com ar-condicionado quente/frio), a metade deles suítes com banheiro privativo e possibilidades de hospedagem para casais ou família. No térreo funcionará a sede da Associação Gaúcha de Albergues da Juventude e  bistrô e cafeteria. Há pouco, a HI comemorou a inauguração de mais um albergue associado: o Itaipava Hostel , no bairro de Nogueira, em Petrópolis. O local era uma antiga fazenda com o mesmo nome, com uma estação de trem histórica datada de 1908, transformada em centro cultural com o museu do trem e eventos durante o ano. Tem um lago próprio para caminhadas e passeios de bicicleta. Fica a cinco minutos de Itaipava e a 20 minutos de Petrópolis. De acordo com os proprietários do albergue, Elizabeth Watikns e Márcio de Paula, mochileiros de carteirinha, foram 18 meses de obras para deixar o espaço de acordo com todas as normas estabelecidas e com um toque especial. A preocupação ambiental foi um dos cuidados dos proprietários: aquecimento solar, sistema biodigestor de esgoto, reaproveitamento da água da chuva e separação de lixo para reciclagem e ainda uma a horta de temperos disponível para os hóspedes. São  45 leitos em 11 quartos , área de convivência, TV com DVD, cozinha equipada disponível para os hóspedes, guarda-volumes, biblioteca, estacionamento próprio, roupa de cama e banho. O Hostel disponibiliza informações turísticas sobre passeios, caminhadas em montanhas da Mata Atlântica, trilhas, cachoeiras, escaladas, cavalgadas e tranfers. Diárias a partir R$ 50 para associados à Hostelling International, em quarto coletivo, com café da manhã incluso.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Novidade no mundo dos albergues, em Porto Alegre e por aí

Dirigível sobre as Cataratas do Iguaçu e prêmios para quem votar nelas

10 de outubro de 2011 1

Quem estiver do lado brasileiro ou argentino das Cataratas do Iguaçu amanhã (dia 11) pode ficar de olho no céu para avistar o dirigível da Fundação New Seven Wonders , que promove o concurso 7 Novas Maravilhas da Natureza. A aeronave, de 40 metros de comprimento, está percorrendo o mundo e passando pelas 28 belezas naturais que são finalistas do concurso. A decolagem está programada para acontecer às 8h30min, no Parque Nacional Iguazú, o lado argentino das Cataratas. Às 10h, o dirigível deve pousar na margem brasileira, no Centro de Visitantes do Parque Nacional Iguaçu, onde autoridades locais e representantes da Fundação New Seven Wonders e do Comitê Local de Apoio à Candidatura das Cataratas do Iguaçu darão entrevista. O concurso mesmo se encerra em dia e hora simbólicos: às 11h11min do dia 11/11/2011. Até lá, vai de vento em popa a campanha para as CATARATAS DO IGUAÇU como finalista na escolha das 7 Novas Maravilhas da Natureza . Para incentivar as pessoas a votarem numa das mais famosas quedas d’água do mundo , um concurso cultural lançado nas redes sociais premiará as 20 frases mais criativas com viagens de três dias a Foz do Iguaçu com direito a acompanhante. O prêmio inclui passagens aéreas, hospedagem e ingressos para o Parque Nacional do Iguaçu, Macuco Safári e Circuito Especial da Itaipu Binacional. Além das redes sociais, quem quiser contribuir para a conquista do título pode votar nas Cataratas pelo site www.votecataratas.com ou ainda enviar SMS com a palavra Cataratas para o número 22046. O custo do envio é de R$ 0,31, mais impostos. Para participar do concurso cultural #VoteCataratas, basta acessar o link http://is.gd/votei7, no Facebook. Cada pessoa tem direito a concorrer com uma frase de até 130 caracteres, mas quem divulgar a ação para seus amigos participa com mais chances de ganhar. Para cada cinco tuitadas com a hashtag #voteicataratas, por exemplo, o internauta tem a oportunidade de enviar uma frase diferente. Quem “curtir” a página da campanha Vote Cataratas no Facebook t ambém poderá enviar mais uma frase. Já se o usuário aplicar o selo da campanha em seu perfil, no Facebook ou no Twitter, terá direito a mais cinco frases. Por fim, para cada cinco amigos convidados a participar do concurso, também vale mais uma chance de enviar uma frase.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Dirigível sobre as Cataratas do Iguaçu e prêmios para quem votar nelas

A 10 dias da Oktoberfest, há poucas vagas em hotéis de Blumenau

26 de setembro de 2011 0

Quem pretende deixar para a última hora reservar um quarto de hotel para curtir a Oktoberfest 2011 em Blumenau , pode ter uma má surpresa. É que, a 10 dias do início da festa, há pouquíssimas vagas disponíveis. Para facilitar a vida dos foliões, liguei para 30 hotéis e pousadas listados no site do Sindicato dos Hotéis de Blumenau . Destes, 20 estão lotados! A organização da Oktoberfest espera receber 600 mil visitantes para consumir 600 mil litros de chope . Falta lugar para tanta gente que virá para a Oktoberfest em Blumenau (Foto: Patrick Rodrigues) Ainda há vagas para a Oktoberfest nos seguintes hotéis (os telefones são sempre com código de área 47): No Centro – Hotel Rex (Rua 7 de Setembro, 640, telefone 3326-5877): há vaga no último fim de semana (R$ 180 a diária) - Grande Hotel Blumenau (Alameda Rio Branco, 21, telefone 3326-0145): só tem vaga entre segunda e quinta, menos na semana do feriado. Os finais de semana estão lotados - Himmelblau Palace Hotel Blumenau (Rua 7  de Setembro, 1.415, telefone 3326-5800): há vaga apenas para o segundo fim de semana, de 14 a 16. Diária a R$ 340 –  Pousada Max (Rua XV de Novembro, 257, telefone 3387-0598): há vagas para o primeiro fim de semana, de 7 a 9 de outubro. Diária a R$ 150 Para ir a pé à Vila Germânica – O Blu Terrace Hotel (Rua Mariana Bronnemann, 230, Bairro da Velha, telefone 3037-1012) fica a um minuto a pé da Vila Germânica, local que sedia os 18 dias de Oktoberfest . Não existe nenhum hotel mais perto do que isso. Ainda há vagas para o primeiro fim de semana, a R$ 450 um quarto para três pessoas – Hotel Estevam (Rua Antonio da Veiga, 364, Victor Konder, telefone 3340-1212): há vaga para o último fim de semana, a R$ 285 por casal Em bairros de Blumenau que exigem meio de transporte até o Parque Vila Germânica (nove lotados) – Hotel Steinhausen (Rua Buenos Aires, 275, Ponta Aguda, telefone: 3322-5276): há vagas nos três finais de semana, a R$ 280 a diária do casal - Hotel Salto do Norte (Rua Eng. Udo Deeke, 1.839, Bairro Salto do Norte, telefone: 3334-0443): há vagas para os três finais de semana. Diária a R$ 200 – Pousada Brigite Hostel (Rua Venezuela, 335, Ponta Aguda): só há vagas para acampar no quintal, por R$ 40 a diária por pessoa. Café da manhã custa adicional de R$ 15 - Hotel Sesc Blumenau (Rua Engº Udo Deek, 1.330, Salto do Norte, telefone 3334-8100): só há vaga nos dias 22 e 23, por R$ 285 o casal (sem a carteirinha de sócio do Sesc) A Oktoberfest Blumenau será no Parque Vila Germânica, de 6 a 23 de outubro. > > > Confira aqui informações sobre venda antecipada de ingresso para a Oktoberfest > > > O blog Esquenta da Oktober também traz notícias sobre os seis desfiles na Rua XV > > > Calcule quanto você gastará para comer nas noites de festa e também para beber e estacionar (se beber, não dirija!)

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
A 10 dias da Oktoberfest, há poucas vagas em hotéis de Blumenau

Machu Picchu revisitado em livro

22 de setembro de 2011 0

Passaram as comemorações dos cem anos da descoberta de Machu Picchu, em julho, e eu até já publiquei a dica sobre a reedição deste livro na coluna do caderno VIAGEM (sempre às terças), mas a Maristela Barrios, assessora da Artes e Ofícios Editora havia me enviado essa entrevista com um autor de um livro sobre a cidadela inca que vale a pena publicar. Lançado em 2001, Machu Picchu – na Trilha dos Incas , de Geraldo Abud Rossi, ganhou a terceira edição com atualização das informações de serviço – hospedagem, transporte, alimentação, população, temperatura local, eventos. Jornalista e mestre em design gráfico gaúcho radicado em Santa Catarina, Geraldo anexa ao relato de sua aventura rumo à cidade sagrada peruana informações históricas, geográficas e sociais. É, na minha opinião, uma viagem que todo mundo deveria fazer, pelo menos uma vez na vida. Leia a entrevista: Pergunta -  Você encerra seu relato com uma frase que mostra uma sensação de dever cumprido. Foi esta mesmo a sensação do final da viagem? Geraldo Abud Rossi – Exatamente. Tínhamos conseguido fazer um caminho desconhecido com sucesso, sem ferimentos. Tínhamos saltado no desconhecido e saímos vivos e felizes. Mais: a finalização da caminhada coroou o sucesso de todos os nossos preparativos físicos e mentais que fizemos nos dias anteriores no Vale Sagrado. Por fim, o dever foi cumprido e, com ele, houve muitos momentos maravilhosos, lugares incríveis e experiências que guardaremos para toda a vida. Pergunta – O que te surpreendeu, o que te decepcionou e o que faltou nesta viagem? Geraldo – O mais surpreendente é o visual, aquelas montanhas enormes criando vales inacreditáveis, de tirar o fôlego e, no meio disso, ruínas de cidades de pedras. Essas ruínas foram construídas em lugares muito altos, quase inacessíveis, com pedras enormes e pesadíssimas, isso nos deixa perplexos, surpreende. Nada me decepcionou, pois, quando viajo, tento me desprender de todos os desejos, de todas as manias, assim até os problemas, os perrengues, tudo, enfim, fazia parte da aventura e servia para ensinar algo. Dentro dessa concepção, nada faltou. Pergunta – Já refez este caminho? O que mudou no procedimento, nos trajetos, nas buscas? Geraldo – Não refiz. O que pude notar, atualizando o livro, é que pouca coisa mudou, parece que o tempo anda mais devagar lá. No entanto, o Caminho de Salcantay que era desconhecido, hoje já é frequentado por grupos e, em uma trilha paralela, já existem pousadas, proporcionando um maior conforto aos viajantes. Pergunta – Dez  anos depois, o que ficou na tua memória afetiva desta viagem? Geraldo – Me transporto para lá sempre que ouço músicas da região ou revejo fotos. As experiências voltam como se tivessem sido ontem. São lembranças de desafios, de surpresas, de amizades, de felicidade. São lembranças que renovam a alma. O que me emociona bastante também nesses 10 anos de livro são os relatos das pessoas que foram lá por causa do livro e que viveram experiências maravilhosas. Há também aqueles leitores que viajam sem sair da poltrona, se entusiasmam, trocam ideias comigo como se tivessem ido. Pergunta – Machu Picchu não foi, pelo que seu relato mostra, o objetivo maior da viagem, e sim a caminhada, a proposta de descobrir coisas novas em meio a terrenos já palmilhados. É correta esta impressão? Geraldo – O grande objetivo desde a saída do Brasil era chegar a Machu Picchu de alguma forma. Na verdade, nem tínhamos muita ideia de como chegaríamos lá. As caminhadas foram surgindo naturalmente durante a viagem, até porque os incas eram especialistas em construir trilhas e nós começamos a descobri-las. Até que descobrimos o Caminho de Salcantay, que era desconhecido. A partir daí, as caminhadas tornaram-se nossa atividade principal, nossa grande diversão.

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Machu Picchu revisitado em livro

Punta del Diablo, La Pedrera, Cabo Polônio -Praias alternativas do Uruguay

18 de setembro de 2011 0

Tenho uns amigos de Bagé que há anos nos falavam destes lugares perdidos no Uruguay. Eles que vão pra lá há anos nos contam que no inicio não havia luz elétrica, muitas vezes nem água encanada, o lugar era pra lá de rústico. Quem já leu outros posts meus aqui sabe que tenho esse lado mais alternativo e que acalentava uma ida a Punta del Diablo há muito tempo.     No carnaval  deste ano,decidimos alugar uma casa, o que hoje é muito fácil, é só acessar o site do portal  http://www.portaldeldiablo.com.uy/modules/inicio/mainFrame.php  e ali eles tem várias opções de hospedagem, casas, pousadas, etc. Nossa casa era na frente da praia em Punta del Diablo, 3 quartos, luz, banho maravilhoso, enfim todo o conforto, e a vista…. indescritível!!       Víamos o sol nascer no mar todas as manhãs da nossa sacada, um espetáculo diário. Eu adorei Punta del Diablo, é uma praia jovem, não só de idade, pois vi gente de todas as idades, mas de espirito, se é que vocês me entendem. Quem vai pra lá não pode esperar grandes restaurantes, nem aqueles lounges de beira de praia luxuosos de Punta del Este , tudo é muito simples, os barcos de pescadores chegam a tardinha na praia trazendo muitos frutos do mar fresquinhos que comprávamos ali mesmo numa grande variedade: berberechos, polvo, lula, camarões, enfim fizemos banquetes dignos dos melhores restaurantes estrelados Michelin. É muito interessante o jeito de ser dos uruguaios, me parece que tudo lá é permitido, muito liberado, ao mesmo tempo eles são organizados e mesmo naquela prainha perdida agente encontra queijos maravilhosos, carne de churrasco deliciosa, sem falar nos produtos derivados do leite, manteiga, requeijão, e no doce de leite é claro!!!       Punta del Diablo tem tudo o que a gente precisa; mini mercados, livraria, restaurantes, pizzarias, bares, internet  tem até um shoppinzinho, O Paseo del Rivero, que é bem legal.     Como passamos os 4 dias de carnaval lá, sobrou tempo para explorarmos as praias da região, saimos em direção ao sul e fomos até Cabo Polônio , que é uma prainha pequena onde não tem luz elétrica, mas vários lugares tem geradores. O lugar é lindo demais e tem uma populaçõa fixa muito pequena de pescadores, artistas e funcionários do farol. Em Cabo Polônio tem 3 ilhas em frente a praia que servem de morada para os lobos marinhos,  La Encantada, la Rosa e el islote. Automóveis não chegam em Cabo Polônio (somente os moradores tem permissão) então a gente vai nuns caminhões adaptados e leva uns 30 minutos até o ponto final, a espera é rápida e no verão eles transportam as pessoas até as 21h ao custo de R$ 15 por pessoa. Esperando a condução para Cabo Polônio, que tem este nome devido a um galeão espanhol que afundou lá em 1735.       Muito artesanato, feirinhas, bares, uma gurizada bonita, ateliers de artistas, o lugar tem um astral bárbaro   Até que chegamos no farol, que dá frente para as ilhas com os lobos marinhos, olha o visual!!       Explorarmos toda a região e ficamos um bom tempo na praia, e acreditem a água do mar estava tépida! O que já sei é uma coisa muito rara aqui por estas bandas.  Hora de abrir os trabalhos! Que tal começar com uma Patricia bem gelada, guacamole, saladas e porções de lulas fritinhas???       Cabo Polônio foi uma experiência bárbara, o lugar é muuuito rústico, selvagem mesmo, minha impressão é de ter voltado no tempo e estar em Santa Catarina há uns 50 anos atrás, uma sensação de lugar ainda intocado, que é cada vez mais raro hoje em dia. De Cabo Polônio fomos conhecer La Pedrera que fica uns 50 km mais ao sul. É uma praia bonita e dizem que os argentinos endinheirados estão comprando tudo por lá. Entrando em La Pedrera.   Surfe em La Pedrera. Foram 4 dias de muito sol, praia, descontração, sem a menor preocupação em todas as esferas, só biquini, havaianas, canga, um moleton, pois a noite com o vento nordeste pode ficar bem fresquinho… ideal para saborear um vinho tinto chileno comprado ali no Chui. A praia que realmente marcou meu coração indelevelmente foi Punta del Diablo e espero poder voltar muitas outras vezes. Eu deixo voces com mais algumas fotos deste lugar mágico, junto com um pedido de desculpas a esta minha amiga bageense que me apresentou estes lugares legais, pois quebrei minha promessa de não divulgar e les aqui no blog. Mas eu sei que quem opta por ir a lugar assim, são pessoas que se preocupam em conservar o mundo, não poluir, não desperdiçar, então gente fica registrado nosso compromisso.     Lojinhas e mais lojinhas.           Reliquias Uruguaias. Restaurante Cero Stress.

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Punta del Diablo, La Pedrera, Cabo Polônio -Praias alternativas do Uruguay

Roteiro gastronômico pela Champagne, Alsácia e Borgonha

16 de setembro de 2011 0

Nossa amiga e colaboradora Magda Garcia participa do projeto “A Vida é para ser compartilhada” com um relato de dar água na boca, acompanhem e se deliciem com as fotos do Rodrigo Garcia!     Em novembro de 2009 eu e meu esposo, Rodrigo, fomos conhecer na França as regiões da Champanhe, Alsácia – Lorena e Borgonha . Regiões famosas por seus vinhos e champanhe e de belezas naturais espantosas. Os bosques nestes meses ficam com um colorido alaranjado maravilhoso. Foi uma viagem tranqüila e pode-se dizer dedicada a boa gastronomia.   Em fins de novembro começam os Mercados de Natal ( Marché du Noël ) na maioria das cidades da região. Estes mercados estão cheios de barraquinhas onde se pode beber um vinho quente (vin chaud) para espantar o frio e comer bolos de amêndoas, churros com chocolate e comprar decorações e presentes de natal. São lugares alegres com música e onde as pessoas se encontram para aquecer as noites geladas do início do inverno . Começamos nosso tour no Chateau d’Ermenonville , que é um hotel localizada há uns 45 km de Paris, na pequenina cidade de Ermenonville. O Chateau fica a beira de um lago e é um lugar lindo, romântico e com um restaurante imperdível, a carta de vinhos é completa. ( Route A1 saida Ermenonville, N2 direção Paris Soisson )   Seguimos em direção a Reims que fica na região de Champanhe onde se encontram as mais famosas caves da França. O caminho estava lindo com os bosques outonais e o chão tapado de folhas, uma visão só possível nesta época do ano. Perto de Reims fica a cidadezinha de Chalons-en-champagne , destaco um restaurante, perto da catedral, que é muito conhecido pela sua comida francesa com toques de modernidade: “Au Carrillon Gourmand” ( 15,bis Place Monseigneur Tissier ). É um local muito procurado, portanto sugiro que façam reserva, mesmo nesta época do ano. É imprescindível visitar uma das caves onde nos mostram como se produz o champanhe e se pode degustar o produto ao final da visita. Eu conheci a cave Pommery , muito interessante com suas várias galerias.   Fomos de Reims para Verdun , emblemática cenário da 1ª Guerra Mundial onde os soldados franceses resistiram nas trincheiras tentando impedir o avanço alemão. A batalha de Verdun durou mais de 1 ano e centenas de milhares de soldados morreram, tanto franceses como alemães. Almoçamos no Hotel Prunellia , na zona peatonal no centro de Verdun . O lugar é muito charmoso e aconchegante, cheio de móveis de época e além de um cardápio apetitoso.   Seguimos para Wissembourg cidade que fica na fronteira com a Alemanha com forte influência alemã, casas com enxaimel, e onde está a segunda maior igreja da França. No caminho passamos por Lembach onde fica o restaurante “Auberge du Cheval Blanc” ( 4,rue de Wissembourg – Tel: 00 33 3 88 94 41 86 ) . Fantástico, a casa é antiga e foi um antigo posto de trocas de cavalo para o serviço de correio. É fácil de ser encontrado pois a cidade é minúscula e o Auberge se encontra no centro. Algumas especialidades são: robalo com molho de trufas, panache de foie gras, etc   Estrasburgo estava muito decorada e iluminada, e a oferta de restaurantes é grande. Uma boa sugestão é o L’Ancienne Douane , um restaurante tipicamente alemão e, apesar de estarmos na França, se come muito joelho de porco e chucrute e se bebe mirabelle, um licor digestivo que espanta o frio , Mirabeille .       Em Colmar , a “Hostellerie Le Marechal” foi a opção para hospedagem, o restaurante do hotel é ótimo criando um ambiente aconchegante à beira de um dos canais da cidade. E para finalizar a Borgonha , região conhecida como o estômago da França. Em Beaune sugiro o Hotel Le Cep e o restaurante “Loiseau des Vignes”. Este é um restaurante especial e um dos melhores de nossa viagem gastronômica. Tem um diferencial na forma como serve os vinhos, eles possuem uma adega onde oferecem 70 tipos de vinhos que são servidos em taças de acordo com a escolha gastronômica do cliente, um espécie de jantar harmonizado onde os vinhos estão guardados e conservados como se acabados de ser abertos. (31, rue des Maufoux)   Hotel Le Cep     Outra boa sugestão em Beaune é o Jardin De Remparts (10, rue de l’hotel Dieu ). O restaurante tem uma cozinha muito criativa com Tartar de Boeuf com Ostras ou Foie gras de canard poché , gellé aromatizada com hydromel .         Em Beaune sugiro visitar os Hospices de Beaune com suas telhas vitrificadas e sua farmácia e cozinhas muito bem conservados, foi construído pelos duques de Borgonha para servir como hospital e a farmácia funcionou até algumas décadas atrás.     Ainda na Borgonha a Abadia de Fontenay foi fundada em 1118 por São Bernardo de Clairvaux e incluída no Patrimônio Mundial da Unesco desde 1981. Fontenay é um dos exemplos mais completos e mais bem preservados da arte românica cisterciense, caracterizada por uma arquitetura austera e sem adornos, tanto nos edifícios dedicados à oração quanto nos edifícios consagrados ao trabalho dos monges.       Também na Borgonha , Vezelay é conhecida com a “eterna colina” onde se encontra a Basílica de Saint Madeleine . A subida até a Basílica é muito bonita, estacionamos na base da colina e antes de subirmos almoçamos em um pequeno restaurante digno de nota “Le Cheval Blanc”, é uma hospedaria além de restaurante. Boa comida, excelente vinho e românticas paisagens! O que poderíamos querer mais!!!!

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Roteiro gastronômico pela Champagne, Alsácia e Borgonha

Alhambra : na Espanha como os árabes

10 de setembro de 2011 0

A Espanha foi dominada pelos árabes por mais de 700 anos e em Granada , na Andaluzia, podemos ver o mais bem conservado exemplo de arquitetura moura presente na Europa. O Alhambra , a Vermelha em árabe, é uma fortaleza -palácio em formato de cidadela construída com luxo e requinte principalmente em seu interior. Alhambra A maior parte do complexo foi construído, principalmente, entre 1248 e 1354, no reino Nasrida , sendo um local onde os artistas e intelectuais procuravam refúgio no decurso das vitórias cristãs por todo o  Al Andalus , como os árabes chamavam a atual região da Andaluzia . Mistura elementos naturais com outros feitos pela mão do homem, sendo um testemunho da habilidade dos artesãos muçulmanos da época. Quando os Reis Católicos, Isabel e Fernando , conquistaram o Reino de Granada , expulsaram o último califa, o qual ficou muito triste por ter perdido o que chamava de “o Paraíso Terrestre”. Diz a lenda que o monarca teria chorado diante de sua mãe enquanto se afastava da cidade e que esta lhe teria dito :” não chora como uma mulher, o que não soubeste defender como um homem” . No caminho até à costa granadina existe um porto de montanha chamado “ El Suspiro del Moro “, nome que se obteve desta lenda, já que deste ponto se pode observar toda a cidadela de Alhambra. Palácio dos Arrayanes Alhambra é dividida em 2 setores, o Generalife onde localizam-se os jardins e o Palácio Násrida com estrutura posteriores construídas pelos reis católicos que reconquistaram a região em 1492. No Generalife as construções são mais abertas , era onde a corte vivia durante o verão escaldante do sul da Espanha. É totalmente cercada por nascentes e fontes , dando uma sensação de frescor. Poetas mouros descrevem o Alhambra como “uma pérola encrustrada em esmeraldas”, em alusão à cor dos seus edifícios e à dos bosques que os rodeiam. O seu elemento mais ocidental é a alcazaba (cidadela); uma posição  fortificada de proteção. O resto do planalto compreende vários palácios, cercados por uma muralha defensiva relativamente fraca, flanqueada por 13 torres, algumas defensivas e outras destinadas a providenciar vistas panorâmicas para os seus habitantes. O bairro de Albaizin, que fica logo abaixo , é uma verdadeira medina árabe encravada em plena Espanha, uma delícia caminhar em suas ladeiras e descobrir lojinhas e pequenos recantos. No Albaizin ficam os famosos restaurantes Carmen , com jardins particulares  e vistas deslumbrantes do Alhambra . Nós aproveitamos a tarde ensolarada e almoçamos no Carmen de Mirador de Moraima . Para Hospedagem no centro de Granada a dica é o AC  Hotel Palácio de Santa Paula, maravilhoso convento remodelado e muito bem localizado. http://www.espanol.marriott.com/hotels/travel/grxpa-ac-palacio-de-santa-paula-autograph-collection/ Uma dica muito importante é fazer a reserva para a visita ao Alhambra , sem a qual não é permitida a entrada no Harém e partes do Palácio Násrida . http://www.alhambradegranada.org/es/info/ventadeentradasalhambra.asp

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Alhambra : na Espanha como os árabes

Dormir em um iglu ou num castelo? Isso sim é hospedagem alternativa!

05 de setembro de 2011 0

Que hospedagem alternativa não é sinônimo de roubada, todo mundo já sabe. Há albergues bem melhores do que hotéis mundo afora, além de terem, inegavelmente, um clima propício para trocar ideias com gringos de todas as partes (ao contrário da frieza comum dos hotéis). Mas eu nunca tinha imaginado que era possível levar o termo “alternativo” a extremos, como reservar um quarto privativo em um iglu na Eslovênia ou em um castelo na Inglaterra. Tudo isso com segurança e conforto, promete a  Airbnb , ( Air Bed&Breakfast), primeira marketplace online do mundo, com sede nos Estados Unidos. Quarto privativo em um iglu na Eslovênia (Foto: Divulgação) Casa em avião na Costa Rica (Foto: Divulgação) Quarto privativo em castelo na Inglaterra (Foto: Divulgação) Casa na árvore na Itália (Foto: Divulgação) A  Airbnb reúne mais de 100 mil opções de hospedagem em 18 mil cidades no mundo. O mais recente serviço permite reservas mensais, o que facilita não só para turistas, como também para profissionais e estudantes que estão de mudança para uma cidade e precisam de um tempo para encontrar moradia definitiva. Quem tem interesse em oferecer sua casa, apartamento, quarto, sofá ou quintal para viajantes também pode se cadastrar. No site, o anfitrião cadastrado bloqueia as datas em que já há reserva, o que facilita as buscas. Também é possível pesquisar com filtros de “recomendado”, preço etc. Um quarto privativo no castelo inglês da foto acima, por exemplo, custa 135 euros por noite, o iglu sai por 189 euros a noite e a casa no avião da árvore pula para 400 euros a diária. Não é exatamente uma pechincha, mas com certeza é uma opção divertida, que pode se transformar em um diferencial de viagem.

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Dormir em um iglu ou num castelo? Isso sim é hospedagem alternativa!

Águas termais em Farroupilha?

24 de agosto de 2011 0

Olhem só esta matéria publicada hoje pelo jornal Pioneiro , de Caxias. Em dois meses começam escavações para verificar a existência de águas termais em Farroupilha. A cidade, que já é a capital nacional da malha, pode ganhar novo atrativo para turistas. Tem o lado bom e o lado ruim. O bom é que o RS pode ganhar mais uma estação de águas termais. O ruim é que certamente isso vai aumentar o preço dos hotéis… Farroupilha é, hoje, uma opção de hospedagem na Serra, com hotéis relativamente mais baratos. De qualquer maneira, vamos torcer para que as águas quentes existam no sub solo de Farroupilha. É mais uma forma para atrair turistas para a região da Serra Gaúcha. A matéria completa pode ser lida no site do Pioneiro. O link está lá em cima no texto, na primeira frase.

Leia o post completo no blog Viajando de Carro:
Águas termais em Farroupilha?

Aruba: oportunidade econômica para levar a família inteira

23 de agosto de 2011 0

Dá uma olhada nestas imagens: Aruba, centrinho (Foto: Divulgação) Aruba (Foto: Divulgação) Aruba (Foto: Divulgação) Pois o sonho de levar a família inteira para conhecer este verdadeiro paraíso está mais viável até setembro, com o projeto One Cool Family . Até dia 30, crianças de até 12 anos acompanhadas de adultos pagantes ganham hospedagem a café da manhã gratuitos em Aruba , no mar do Caribe . É preciso dividir o mesmo quarto que os responsáveis, mas dá para escolher entre os 15 hotéis abaixo (a ilha toda, de 90 mil habitantes ao Norte da Venezuela, tem 28 hotéis e resorts): – Amsterdam Manor Beach Resort - Aruba Marriott Resort & Stellaris Casino - Divi Aruba All Inclusive - Divi Aruba Phoenix Beach Resort - Divi Dutch Village - Divi Village Golf and Beach Resort - Holiday Inn Sunspree Aruba Beach Resort - Hyatt Regency Aruba Resort & Casino - MVC Eagle Beach - Radisson Aruba Resort, Casino & Spa - Renaissance Aruba Resort & Casino - Tamarijn Aruba All Inclusive - The Mill Resort & Suites - The Westin Aruba Resort - Tierra del Sol Resort, Spa & Country Club Alguns dos locais de hospedagem oferecem outras vantagens, como menu infantil especial para crianças. O Divi Aruba e o Tamarijn Aruba , por exemplo, estendem a estadia gratuita para adolescentes de até 17 anos no sistema all-inclusive e dão brindes. Estão incluídos no programa One Cool Family presentes para a família (que variam conforme o hotel) e serviço de recreação para as crianças. Como este já é um projeto turístico tradicional em Aruba , as agências de passeio aderiram e oferecem descontos para as famílias. Tem até locadora de carro com preços mais atrativos. A promoção já está em vigor. Para aproveitá-la, entre em contato com um agente de viagens ou com o hotel desejado. Mas, antes de arrumar as malas, confira aqui as dicas de como ter uma viagem tranquila com os filhos.

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Aruba: oportunidade econômica para levar a família inteira

Para ir no final de semana do Dia dos Pais

12 de agosto de 2011 0

Este Para ir no Final de Semana é especial. É que este, por acaso, é Dia dos Pais. Vou colocar aqui, por enquanto, três dicas que eu recebi. Se chegarem mais, vou acrescentando. Quadriciclos no Vila Ventura – Em Viamão (RS), o hotal prepara programação especial, que inclui quadriciclos motorizados para passeios.Para este final de semana, é possível fazer o check-in a partir das 14h do sábado, dia 13, com estrutura de lazer disponível a partir das 10h, e check-out no domingo, 14, às 12h, com as áreas de lazer disponíveis até 16h, encerrando as atividades. Os valores para a hospedagem são a partir de R$ 470. O hotel fica a 25 minutos do centro de Porto Alegre. Informações: www.vilaventura.com.br . Para almoçar, se você estiver na Serra – No interior de Gramado, se você quiser oferecer uma refeição especial para/com o seu pai, a Estalagem La Hacienda tem entre suas atrações a gastronomia, mas só o visual já é um baita presente. Informações:  www.lahacienda.com.br Para almoçar, se você estiver em Porto Alegre – Quem também tem um cardápio especial neste domingo é o Iaiá. Pulando a entrada, vamos ao prato principal: assado de tira com feijão mexido, aipim cozido com farofinha de pão e saladinha de tomate e cebola. Informações: www.iaia.com.br

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Para ir no final de semana do Dia dos Pais

Arvorezinha, terra do melhor chimarrão

08 de agosto de 2011 0

A semana começa com post sobre Arvorezinha, cidade do Vale do Taquari onde estive no fim de julho. Arvorezinha tem quase nenhuma infra-estrutura para receber turistas. Há pouca oferta de restaurantes, por exemplo. À noite, foi uma dificuldade para encontrar lugar para jantar. As fotos da cidade são poucas. A igreja São João é considerada patrimônio histórico e arquitetônico da região. É vista de toda a cidade. Quem sobe ao morro da igreja consegue observar quase toda a cidade de Arvorezinha. Estas casas de madeira servem de local para realização de feiras. No quesito hospedagem, Arvorezinha é bem servida. O Hotel Bei Monti é novo e possui ótima infra-estrutura. O dono é um ex-viajante. Ele disse que construiu o hotel com base na sua experiência de enfrentar dificuldades para achar um bom hotel. O Bei Monti tem tudo o que ele deixou de encontrar em hotéis onde se hospedou. Não há o que reclamar. É fácil achar o hotel, há placas por toda a cidade e na estrada. Não é por falta de informação que não se chega lá. Arvorezinha tem muitos pontos turísticos que ficam no interior, com acesso por estrada de chão. Mas como a maioria das cidades gaúchas, falta informar melhor o turista de como encontrar estes locais.

Leia o post completo no blog Viajando de Carro:
Arvorezinha, terra do melhor chimarrão

Promoção une pais e cinema no Facebook

06 de agosto de 2011 0

Começou o Festival de Cinema de Gramado e o tema toma conta da cidade serrana. Aproveitando o momento, o Bangalôs da Serra, que está sempre fazendo promocões oferece mais uma: Qual filme lembra o seu pai e por quê? Para quem responder a essa pergunta de forma criativa, o hotel oferece um fim de semana para uma família comemorar o Dia dos Pais e curtir a programação cinematográfica. Para participar, acesse www.facebook.com/bangalosdaserra . Os participantes devem curtir a página do hotel e postar no mural um filme que lembre o seu pai. Junto com o longa escolhido deve ser postado trailer ou foto do mesmo, com a resposta. O internauta que obtiver mais ‘likes’ ganha um fim de semana em um bangalô para quatro pessoas entre os dias 13 e 14 de agosto (uma ressalva: vale para todo o o Brasil, mas o hotel oferece só hospedagem e café da manhã). Informações: www.bangalosdaserra.com.br

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Promoção une pais e cinema no Facebook

Promoção oferece fim de semana em Gramado no Dia dos Pais

04 de agosto de 2011 0

O Hotel Bangalôs da Serra promove até 11 de agosto uma promoção no Facebook. É um concurso cultural em alusão ao Dia dos Pais e também ao Festival de Cinema de Gramado, que ocorre na cidade de 5 a 13 de agosto. Funciona assim: Os internautas devem acessar a página do hotel no Facebook ( www.facebook.com/bangalosdaserra ) e responder: Qual filme lembra o seu pai e por quê? Os participantes devem ‘curtir’ a página do hotel e postar no mural um filme que lembre o seu pai. Junto com o longa escolhido deve ser postado trailer ou foto do mesmo, com a resposta do questionamento do concurso. O internauta que obtiver mais ‘likes’ ganha um fim de semana em um bangalô para quatro pessoas entre os dias 13 e 14 de agosto. O vencedor ganha hospedagem e café da manhã. O transporte não está incluído. O Bangalôs ganhou três distinções do Guia Quatro Rodas 2010: Melhor Hotel para ir com Crianças e Melhor Hotel com Quartos com Lareira, além de ter recebido o Selo de Hotel Sustentável. Achei muito criativa a ideia do concurso, que mobiliza os participantes, homenageia os pais e promove o hotel em um fim de semana difícil de encontrar vagas em Gramado. Foto: Lineu Kern/divulgação Siga o Viaje mais com Menos no Twitter: @viajemaiscmenos

Leia o post completo no blog Viaje mais com menos:
Promoção oferece fim de semana em Gramado no Dia dos Pais

Porto Alegre , Minas de Currales , Montevideo: até o Uruguai de carro.

28 de julho de 2011 0

Nestes dias vitoriosos, o Uruguai está em festa e eu tive a sorte de andar por lá e comemorar junto o sucesso da Celeste! Partimos de Porto Alegre pela  BR 290 , a estrada que leva à fronteira do Uruguai e Argentina . Pode parecer muito óbvio para quem trilha estes pagos corriqueiramente mas vou dar umas dicas de onde parar na estrada, até porque as opções não são muitas e mesmo as que temos não são paradores muito bem estruturados . O primeiro ponto para um café da manhã , para quem sai ao alvorecer de Porto Alegre é a Raabelândia em Pantano Grande , foi recentemente reformada e pode ser também uma boa opção na volta , quando o cansaço já está pegando. O Papagaio , ou Constante para os de boa memória , é a parada de Cachoeira do Sul . Para quem está na estrada há duas horas . já é tempo de um café ou um banheiro limpo. Aqui pode-se também almoçar num buffet livre com churrasco. Como podem ver , tudo muito simples. O almoço mais famoso da 290 é o a la minuta de São Gabriel , no Batovi já a 320km da capital. Em Rosário do Sul desviamos a rota e saímos da BR 290 em direção a Santana do Livramento , uma cidade que cresceu com a co-irmã Riveira em função de ser zona franca. Pode ser uma parada interessante para compras e hospedagem, só não esqueçam de fazer reserva pois os hotéis ( Jandaia e Portal ) estão quase sempre lotados. Numa próxima prometo um post com mais detalhes de Livramento , guardo ótimas recordações do Clube Campestre. Em Rivera entramos no Uruguai , pela Ruta 5 vamos até nossa primeira parada 100 km adiante em Minas de Currales . O país é eminentemente agrário e as paisagens campestres encantam por serem bucólicas e simples. Pernoitamos numa fazenda de amigos e sinto informá-los que não esta aberta a visitação , o que é uma grande lástima.   A fazenda Los Ombues é assim denominada pelos umbus centenários que fazem parte da paisagem. Neste inverno frio, a casa em estilo espanhol, arde dia e noite com o fogo da lareira que também serve para assar uma carne e embalar a conversa até a madrugada. Durante o dia o programa é passear pelos campos queimados de geada e se encantar com o trabalho dos peões na mangueira ou encilhando seus cavalos para a lida. Tudo tem sua poesia e tradição. Olhem que maravilha esta parede decorada com utensílhos campeiros!   As árvores secas são a moldura perfeita para a paisagem invernal, no Uruguai ainda podemos apreciar todo o trabalho no campo como se fazia “antigamente” , mesmo para quem anda somente pelas estradas. Para quem não tem a sorte de ter amigos no Uruguai,  existe a possibilidade de hospedagem em Taquarembó no Hotel Carlos Gardel . Está região é famosa pelos Cerros , estas montanhas cortadas que delineiam a paisagem pelos caminhos. Seguimos pela Ruta 5 passando por Paso de los Toros, Durazno e Florida . Hotel Carlos Gardel em Taquarembó Chegamos a Montevideo pela Ruta 5 , passando pela região de Bodegas  ou vinhedos em  Canelones. Por este caminho rodamos 500 km até Minas de Currales e mais 450km para chegar em Montevideo de onde pegamos o Buquebus para Buenos Aires , tema do próximo post! Rambla de Montevideo

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Porto Alegre , Minas de Currales , Montevideo: até o Uruguai de carro.

Uma trágica história de amor aborígene

27 de julho de 2011 0

Quem vai para Sydney, na Austrália, e quer conhecer um pouco mais do que as belas praias desta interessante cidade cosmopolita, pode dar uma esticada à Blue Mountains. A cerca de uma hora do centro fica o Blue Mountains National Park . O parque tem formações rochosas instigantes, cachoeiras e muito verde. Vá preparado para caminhar, pois tem muita coisa pra ver. As trilhas levam a áreas propícias para um piquenique, por isso vá em um dia de sol. Há hospedagem e restaurantes na região, para quem não quiser fazer bate-e-volta a partir de Sydney. O cartão postal do parque são três formações rochosas (abaixo) chamadas Thress Sisters, ou Três irmãs. Conta a lenda que, há muitos anos, três irmãs aborígenes se apaixonaram por homens de uma tribo vizinha. Pela lei, casamentos entre pessoas de diferentes tribos eram proibidos. Os meninos, corajosos, tentaram sequestrar suas amadas, transformando o caso em uma enorme batalha. Para “proteger” as jovens, o pai teria trancado uma em cada rocha, de onde nunca mais saíram. Quando estive lá, ouvi também a seguinte versão: um senhor respeitado na tribo teria transformado as meninas em rochas durante o embate, para os guerreiros apaixonados não conseguirem capturá-las. Porém, ele teria morrido na batalha antes de transformá-las de volta.

Leia o post completo no blog Viaje mais com menos:
Uma trágica história de amor aborígene

Porto Alegre , Minas de Currales , Montevidéo: até o Uruguai de carro.

26 de julho de 2011 0

Partimos de Porto Alegre pela  BR 290 , a estrada que leva à fronteira do Uruguai e Argentina . Pode parecer muito óbvio para quem trilha estes pagos corriqueiramente mas vou dar umas dicas de onde parar na estrada, até porque as opções não são muitas e mesmo as que temos não são paradores muito bem estruturados . O primeiro ponto para um café da manhã , para quem sai ao alvorecer de Porto Alegre é a Raabelândia em Pantano Grande , foi recentemente reformada e pode ser também uma boa opção na volta , quando o cansaço já está pegando. O Papagaio , ou Constante para os de boa memória , é a parada de Cachoeira do Sul . Para quem está na estrada há duas horas . já é tempo de um café ou um banheiro limpo. Aqui pode-se também almoçar num buffet livre com churrasco. Como podem ver , tudo muito simples. O almoço mais famoso da 290 é o a la minuta de São Gabriel , no Batovi já a 320km da capital. Em Rosário do Sul desviamos a rota e saímos da BR 290 em direção a Santana do Livramento , uma cidade que cresceu com a co-irmã Riveira em função de ser zona franca. Pode ser uma parada interessante para compras e hospedagem, só não esqueçam de fazer reserva pois os hotéis ( Jandaia e Portal ) estão quase sempre lotados. Numa próxima prometo um post com mais detalhes de Livramento , guardo ótimas recordações do Clube Campestre. Em Rivera entramos no Uruguai , pela Ruta 5 vamos até nossa primeira parada 100 km adiante em Minas de Currales . O país é eminentemente agrário e as paisagens campestres encantam por serem bucólicas e simples. pernoitamos numa fazenda de amigos e sinto informá-los que não esta aberta a visitação , o que é uma grande lástima.   A fazenda Los Ombues é assim denominada pelos umbus centenários que fazem parte da paisagem. Neste inverno frio, a casa em estilo espanhol, arde dia e noite com o fogo da lareira que também serve para assar uma carne e embalar a conversa até a madrugada. Durante o dia o programa é passear pelos campos queimados de geada e se encantar com o trabalho dos peões na mangueira ou encilhando seus cavalos para a lida. Tudo tem sua poesia e tradição.   As árvores secas são a moldura perfeita para a paisagem invernal, no Uruguai ainda podemos apreciar todo o trabalho no campo como se fazia “antigamente” , mesmo para quem anda somente pelas estradas. Para quem não tem a sorte de ter amigos no Uruguai,  existe a possibilidade de hospedagem em Taquarembó no Hotel Carlos Gardel . Está região é famosa pelos Cerros , estas montanhas cortadas que delineiam a paisagem pelos caminhos. Seguimos pela Ruta 5 passando por Paso de los Toros, Durazno e Florida . Hotel Carlos Gardel em Taquarembó Chegamos a Montevidéo pela Ruta 5 , passando pela região de Bodegas  ou vinhedos em  Canelones. Por este caminho rodamos 500 km até Minas de Currales e mais 450km para chegar em Montevidéo de onde pegamos o Buquebus para Buenos Aires , tema do próximo post! Rambla de Montevidéo

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Porto Alegre , Minas de Currales , Montevidéo: até o Uruguai de carro.

A Quarta Colônia e o Festival de Inverno

20 de julho de 2011 0

PARA IR NO FINAL DE SEMANA Não é a primeira vez que o blog abre espaço para as duas coisas: a Quarta Colônia e o Festival de Inverno. A região, no centro do Estado, já figurou aqui e volta agora por sugestão de um morador da região, o  Gabriel Mathias Haag , que na verdade é de São Sepé e estudante de Jornalismo da Unifra em Santa Maria. Vamos deixar que ele mesmo fale sobre esses lugares tão particulares: “A região da Quarta Colônia reserva aos seus visitantes parte da história da imigração italiana no Estado. Trata-se de um lugar de gente hospitaleira e ótimas opções em gastronomia típica e hospedagem. Mais do que isso, a Quarta Colônia é um convite para um encontro do passado com o presente. O local é cercado por vales, e o cenário lembra aqueles de bons filmes. No final de julho também haverá por lá o “ Festival de Inverno” , na localidade de Vale Vêneto (que fica em São João do Polêsine e, na minha opinião, é o mais lindo lugar da colônia), com atividades gastronômicas e, especialmente, muita música. Vai de 24 a 31 de julho. A Quarta Colônia é um cantinho que sabe acolher. Não é consumista, sem o apelo do turismo de compras, mas um espaço para contemplação da história, da natureza e da gastronomia. O caminho, entre uma cidade e outra, é rápido, não levando mais do que cinco minutos (de carro), com boa sinalização, em português e italiano.”

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
A Quarta Colônia e o Festival de Inverno