Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Florianópolis"

Rio dos Cedros: refúgio de inverno para um fim de semana no Vale do Itajaí

01 de maio de 2012 0

Quem chega ao Centro de Rio dos Cedros não tem como se sentir atraído. Em comparação aos municípios vizinhos, faltam a organização e a limpeza de Timbó, o charme colonial de Pomerode, a força industrial de Jaraguá do Sul. Mas a cidade de 10,3 mil habitantes, que fica a 40 quilômetros de Blumenau e 190 quilômetros de Florianópolis, esconde um paraíso ainda pouco explorado, a mil metros de altitude . São 538 km² de área rural ao redor das barragens de Pinhal e Rio Bonito, a chamada Região dos Lagos . Rio dos Cedros, trilha a cavalo na Barragem do Rio Bonito (foto: Letícia da Silva) No verão, o caminho do Centro até Alto Cedros é ladeado por hortênsias, as barragens ficam cheias de gente praticando esportes náuticos, as duas principais cachoeiras tornam-se disputadas! Mas é no inverno que Rio dos Cedros fica ainda mais convidativo, principalmente em dias de frio e sol. Com a represa cheia, o dia é para reunir amigos ao redor do fogão a lenha, pedalar pelas estradas de chão ( Rio dos Cedros é um dos principais destinos de cicloturismo do Vale Europeu ) ou passear a cavalo pelas trilhas  no meio do mato (com apoio de um guia nativo, claro!).  À noite, fondue, lareira e vinho são ótima pedida antes de encarar a coberta quentinha! Tá achando muito marasmo? De fato, Rio dos Cedros é para fugir da agitação da semana. Mas, se você é daqueles viciados em internet, saiba que a tecnologia já subiu a serra. O telefone não pega, mas o Wi-Fi está em alta. É possível alugar casa (há opções excelentes, com quartos mobiliados, cozinha e sala equipadas, de frente para a represa) ou se hospedar em alguma pousada/chalé (ver lista abaixo). Há apenas um hotel estrelado, que é  o Parador da Montanha , no Pinhal. Se esquecer de algum artigo de primeira necessidade, na Barragem Rio Bonito tem mercado (Bar do Faustino). Mas vá preparado, principalmente se alugar casa ou chalé, porque o ideal é descer até o Centro só na hora de voltar para casa. Dicas de hospedagem em Rio dos Cedros (na Região dos Lagos): -  Paraíso das Ilhas , no Pinhal -  Hotel Lindnerhof , em Alto Cedros -  Vale dos Ventos , no Rio Bonito -  Parador da Montanha , no Pinhal – Bar do Faustino, em Palmeira, informe-se sobre casas para alugar: (47) 3322-0997 – Ilha Camping (também tem chalés para alugar e restaurante): (47) 3386-1050 / 9973-9000 E já que o frio está chegando (confira a previsão no Blog do Puchalski ), programe-se!  Tem outra dica de roteiro de fim de semana para os dias frios ? Divida com a gente!

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Rio dos Cedros: refúgio de inverno para um fim de semana no Vale do Itajaí

O Brasil na opinião de um australiano

20 de março de 2012 0

Conheci ontem um australiano que passou pouco mais de dois meses viajando pelo Brasil. O Ross foi a Fortaleza, Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Florianópolis e Rio Grande do Sul entre janeiro e março deste ano. Como opinião geral, ele disse que gostou muito! Claro que eu quis saber o que exatamente ele gostou e o que não gostou. Começando pela parte boa: – Ele adorou as praias no Rio, Fortaleza e Florianópolis; – Achou Torres/RS muito legal; – Gostou bastante de Curitiba, disse que, apesar de ser uma cidade grande, tem bastante natureza; – Comeu muito churrasco (australianos comem bastante carne como nós, gaúchos); – Aproveitou o Carnaval em Salvador. Porém… – Não gostou do litoral gaúcho. Ele foi de Florianópolis para o Rio Grande do Sul, apenas passou por Porto Alegre, foi até o litoral sul do estado e voltou “Brasil acima”. Não soube dizer porque não parou em Porto Alegre (o trajeto foi feito de carro); – Não achou graça nenhuma em São Paulo; – Ele ficou decepcionado com o café no Brasil. Disse que não entende como um país que é conhecido no mundo como produtor de café oferece um produto de baixa qualidade. Eu expliquei que, infelizmente, o nosso melhor café é exportado e que, possivelmente, o café brasileiro aqui na Austrália é muito melhor do que o que ele provou no Brasil; – Em geral, não gostou do estilo de café-da-manhã brasileiro. Disse que nós “só comemos pão e queijo, todos os dias”. Achei isso bem engraçado, pois o café da manhã aqui na Austrália é realmente diferente do nosso. Ou as pessoas comem pratos fartos com bacon frito, ovos fritos, torrada e catchup ou molho barbecue (bem comum aqui) e não almoçam; ou comem apenas frutas ou torrada com manteiga cedo da manhã e o mesmo prato descrito acima na hora do almoço.

Leia o post completo no blog Viaje mais com menos:
O Brasil na opinião de um australiano

Caro Flavio:

12 de março de 2012 0

Fui a Porto Alegre e lembrei de uma postagem tua há mais ou menos três ou quatro meses. Não sei bem, mas, como tu, passei pela BRIOI – que é como chamamos a BR 101 aqui – e te dou razão. Não sei onde estava com a cabeça quando decidi ir de automóvel. Sempre se pensa que Porto Alegre é grande e o veículo próprio nos facilita. E, com as malas da “Frau”, só de carro – e com porta-malas grande. Também acho que, quando terminarem, já vão lançar o edital para a reforma. Quando vi o teu blog, lembro de ter lido também que os chineses inauguraram a mais longa ponte sobre o mar do mundo. Com 42 km de extensão, liga duas cidades e permite que a viagem entre as duas localidades seja feita em cerca de meia hora. Levou 4 anos para ser construída e tem 5000 pilares – isso mesmo, 5000. O custo não sei, mas o tempo, 4 anos, é bem menor que a nossa BR 101, que ainda não está pronta – e, pelo que dizes, nunca ficará. Mas a D. Ideli já virou ministra, o PR continua mandando no transporte e nós pagando a conta. Desculpe o meu desabafo e obrigado por me acolher. J. Schmidt, de Florianópolis.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Caro Flavio:

Luxo no Carnaval

10 de fevereiro de 2012 0

Falta pouco pro Carnaval… Muita gente vai ao encontro dele… M uita gente foge dele… Pra quem é desse último time, sugestões que eu recebi nos últimos dias, para bolsos mais abastados. BENTO GONÇALVES Entre os dias 17 e 21, o Hotel & Spa do Vinho Caudalie tem uma programação especial, misturando colheita das uvas, jantares temáticos, brunch e um baile de Carnaval veneziano, com o tradicional uso de máscaras. SANTA CATARINA Localizado na região de Governador Celso Ramos, a poucos quilômetros de Florianópolis, o resort oferece pacotes de quatro a sete noites para o período de Carnaval. É considerado um dos resorts mais românticos da América do Sul, segundo o guia britânico Condé Nast. São 25 bangalôs luxuosos com vista para a Costa Esmeralda. Para a época de Carnaval, os hóspedes poderão participar das sessões de Sunset Yoga, todos os dias, no pôr do sol.  Informações:   www.pontadosganchos.com.br VIETNÃ E CAMBOJA Não sei se ainda dá tempo, mas vá lá, se não pra esse, pra outros carnavais: a proposta é navegar pelo Rio Mekong, passando por cenários que misturam natureza e tradição milenar, a bordo de um navio luxuoso com capacidade para 124 passageiros. As paradas incluem workshop para pintura em seda, em Tan Chau, ou visitas a um vilarejo de pescadores, mercados flutuantes e um templo budista. Ou ainda ao Palácio Real e Museu Nacional em Phnom Penh, a capital cambojana, e passeio guiado ao Parque Arqueológico de Angkor. A saída para o cruzeiro é em 20 de fevereiro. Informações:  info@firstar.tur.br

Confira o post completo no blog Recortes de Viagem:
Luxo no Carnaval

Duas cidades bem diferentes

07 de fevereiro de 2012 0

Um dos FACEiros mandou este bilhete. Disse-me ele que foi publicado nas “Cartas do Leitor”.  “Andei por Florianópolis, Blumenau, Porto Belo e Bombinhas. Voltei impressionado com o cuidado dos catarinenses com suas cidades. Calçadas e praças limpas, ruas com asfalto de boa qualidade, e por aí vai. Até o trânsito é muito bem organizado. Agora, volto a Porto Alegre e me dirijo ao Centro, pela Protásio, como sempre fiz. O mato está florindo no canteiro central do corredor de ônibus. E, no próprio corredor, o asfalto parece um campo de guerra; nas estações de passageiros, as proteções de concreto nunca foram pintadas e os gradis estão, na sua maioria, apodrecendo. Chego ao Centro e vejo a situação (nossa!) das calçadas. Assinado: José A. B. de Oliveira, aposentado.” Li consternado. Gosto da “minha” cidade e vou a Santa de vez em quando (fui na recente virada do ano – chuva e mais chuva!), mas sou obrigado a reconhecer que ele está certo e, quem sabe, como eu, gosta de Porto Alegre, tendo, portanto, preferido “esquecer” de dizer que a antiga “Desterro” não tem carroças com animais.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Duas cidades bem diferentes

No dia do Ano Novo chinês, o post é sobre a... China!

23 de janeiro de 2012 0

No dia em que se comemora o Réveillon chinês , com entrada no Ano do Dragão (que vai até 9 de fevereiro de 2013), a dica do Viajar Eu Preciso é sobre… a China , claro! A jornalista Manuela Lenzi, que é de Jaraguá do Sul e se formou em Florianópolis,  está morando em Pequim pra estudar mandarim. Pra contar um pouco da experiência no outro lado do mundo, ela criou o   China In Blog . Muralha da China, um clássico turístico (Foto: Manuela Lenzi/Acervo pessoal) A Manuela embarcou pra China no dia 1º de janeiro e volta de lá na segunda quinzena de fevereiro. Ela aproveita o blog pra contar sobre hábitos alimentares dos chineses, tradições culturais e religiosas que são bem diferentes das nossas. Mas também revela que o consumismo tem crescido um bocado por lá e é prato cheio pra nós, ocidentais, que adoramos uma comprinha, principalmente se o preço é convidativo. Vale a pena conferir!

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
No dia do Ano Novo chinês, o post é sobre a… China!

Bicicletas

19 de janeiro de 2012 0

Minha bicicleta continua na garagem, como muitas outras, coberta de poeira, os pneus ressecando e uma grande vontade de sentir outra vez o vento no rosto – coisa que só motociclistas e cachorros entendem (ou você já viu algum cão que, embarcado, não queira botar a cara na janela?). Bem, como disse, a minha continua pendurada. Por quê? Por falta de coragem para enfrentar nossas ruas! Covardia, quem sabe? Não é bem o meu caso. Não vou entrar em detalhes, mas, recentemente, na França, aluguei uma Velolib (acho que é isso) e andei pelo Quartier Latin sem capacete e sem medo. O tráfego é mais lento, mais respeitoso, e tem menos chapas brancas. Sim, são elas que tiram mais “finos” da gente – não me pergunte porquê; suba numa magrela aqui e você se certificará. Prefiro dizer que isso acontece porque nossos ex-prefeitos foram omissos e mentirosos. Por que mentirosos? Porque prometeram, repetidamente, quilômetros de ciclovias e nunca cumpriram. E quem diz que a “ciclovia” da Diário de Notícias é uma ciclovia é porque nunca usou nenhuma. Aliás, você pode constatar: os ciclistas preferem a pista de rolamento à ciclovia. Devo absolver, por enquanto, o Fortunati e o Sr. Capellari porque estão há pouco tempo no comando e já planejam o início de uma para dentro de 90 dias. Desta vez, move-se o Grupo Zaffari, em quem levo a maior fé por terem melhorado – e muito – o padrão dos supermercados em Porto Alegre e onde têm lojas (espero que os executores não venham com o papo de Copa do Mundo; aliás, o que tem a ver ciclovias com a Copa do Mundo?). A futura ciclovia será agregada ao tráfego de veículos e apresentará piso na cor vermelha, sinalização horizontal e vertical e semáforos específicos. Ótimo! Ótimo! Agora, Vamos cair na real. Ainda não fizeram nem um metro e já falam de um potencial de 495 quilômetros (dados do Jornal da Comunidade). “Menas, menas…” Os loirinhos do Vale do Sapateiro não falaram nada a ninguém, muito menos de Copa do Mundo e fizeram as suas. Bogotá – a confusa Bogotá de outra época – com as FARC, explosões e sequestros e um vizinho como o Chavez, já está com 360 quilômetros prontos . Nós não temos um quilômetro, mas já aventamos com a possibilidade de 495 (que corresponde a uma distância maior do que Porto Alegre-Florianópolis).

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Bicicletas

Ponta dos Ganchos - O paraíso é aqui do lado

14 de janeiro de 2012 0

Este ano eu decidi que não ia fazer grandes festas no meu aniversário, que o que mais eu queria era desfrutar de uma bela praia tranquila, descansar e aproveitar a natureza. Como o meu aniversário é em outubro, nestes tempos de “El niño”achei mais seguro  marcar a minha ida para dezembro onde a garantia de sol seria bem maior. Alguns amigos já tinham me dado as melhores referências deste Resort Ponta dos Ganchos, que fica perto da cidade de Governador Celso Ramos, uns 30km ao norte da entrada de Florianópolis. Saimos de Porto Alegre sexta de manhã de carro eu e Paulinho, chegamos lá à tardinha. O resort é filiado a super exclusiva rede de hoteis Relais & Chateaux, e me corrijam se eu estiver errada, que no Brasil só tem este na Ponta dos Ganchos e em Trancoso na Bahia. Nosso carro ficou no estacionamento e fomos levados de carrinho elétrico até o nosso bangalô, que saliento eram os bangalôs mais “simples” a escolher, se é que podemos chama-los assim. O resort fica numa ponta onde tem uma praia pequena totalmente privada e protegida, a natureza é exuberante, os bangalôs ficam no meio das arvores e a privacidade das varandas é total. O resort tem opções para todos os desejos, velejar, jogar tênis,mergulhar, Spa com diversos tipos de massagens, relaxar na piscina térmica, bilhar, mais de 700 titulos de filmes à sua disposição, ou simplesmente não fazer nada, ficar só na praia descansando. O atendimento deles na minha opinião é um dos seus pontos  fortes, as pessoas que trabalham lá estão sempre sorrindo, sempre perguntando se queremos alguma coisa, eu sei que pessoal as vezes pode ser uma parte delicada do todo, e o que me deu muita satisfação foi ver que muitos funcionários eram locais, uma gurizada bem disposta e com noções de inglês suficientes para bater um papo com os hóspedes estrangeiros, que durante nossa estadia, eram vários. Acima a praia do hotel, que tem todas as refeições incluidas na diária, com exceção das bebidas alcólicas, mas se você pedir sucos, aperitivos e outras tetéias não se preocupe está tudo na conta, ou mesmo tudo que está no seu bangalô, refris, barras de cereal, chocolates, etc. As refeições são um capitulo à parte, como você pode conferir pela foto acima, este prato é umas das opções oferecidas no almoço de sábado, grelhados de frutos do mar ,várias porções pequenas tipo menu degustação, uma delicia! Tudo isso com uma bela música brasileira ao fundo tocada ao vivo. Para aqueles mais inquietos, tem uma trilha de mais ou menos 1 hora, saindo do hotel pela praia de “Ganchos de fora” seguindo por um caminho no meio do mato até se chegar a uma praia completamente deserta! (isso é uma raridade hoje em dia!!) onde a paisagem emoldurada por bromélias floridas é um espetáculo da natureza. Lugar perfeito para uma lua de mel, mas também para se ir com os amigos, também vi reunião de familia, ou seja Ganchos é um lugar abençoado, pretendo voltar lá muitas outras vezes, e se eu puder fazer um pedido ao pessoal lá do resort seria só que da próxima vez eles convocassem o sol a comparecer mais seguido!     

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Ponta dos Ganchos – O paraíso é aqui do lado

Costa da Lagoa: um refúgio ao agito de Florianópolis

27 de dezembro de 2011 0

Passear de barco por Florianópolis é sempre uma delícia. Praias lotadas, gente bonita, as festas diurnas regadas à chamapanhe vistas de um ângulo diferente, mais próximo da natureza. Mas tem um canto da Ilha de Santa Catarina que foge à regra. O percurso até a Costa da Lagoa nada tem glamouroso ou badalado. Você vai junto com os nativos em uma embarcação simples da Cooperbarco, que custa R$ 5 ida e volta. Tem de hora em hora e é baratinho porque há moradores no local que usam o transporte aquático pra ir do povoado à escola, ao trabalho ou às compras (eles pagam ainda mais barato). Os pescadores artesanais, nativos da Costa da Lagoa (Foto: Divulgação) O ponto de embarque/desembarque é na Lagoa da Conceição , embaixo da ponte que liga o Centrinho à Avenida das Rendeiras. O percurso até a Costa da Lagoa leva cerca de 30 minutos. Se quiser pra fazer um passeio exclusivo e chegar mais rápido, alugue uma lancha com piloto habilitado, mas esteja disposto a gastar muuuuito mai$$$. Como este blog é para os viajantes econômicos, vamos manter o plano de ir com o barco dos nativos, ok? No caminho você aprecia o movimento de pessoas e carros na Rendeiras de um lado e, do outro, as mansões construídas em área de preservação ambiental; divide o espaço náutico com velejadores, kitesurfistas e outros tipos esportistas que escolhem a Lagoa da Conceição pra se exercitar. Em determinado momento parece que a civilização sumiu, a paisagem tem pouca intervenção do homem. E aí surgem as vilas de pescadores, com “pontos de barco” (como se fossem pontos de ônibus). Em cada um destes pontos da Costa da Lagoa , um pequeno povoado com um restaurante na beira da água. Mesas na areia ou em deques embaixo de sombreiros. Perfeito pra matar aquela fome de frutos do mar fresquinho e cerveja gelada. Costa da Lagoa: cenário perfeito para ficar de preguiça à base de frutos do mar e cerveja gelada Depois do almoço, explore as trilhas, converse com os nativos, visite a igrejinha, fique de bobeira olhando o trecho pouco frequentado da Lagoa da Conceição ou refresque-se na cachoeira. Costa da Lagoa: casas de pedra, mansões coloniais e ranchos de pescadores Costa da Lagoa: antigo refúgio de escravos Costa da Lagoa: cachoeira refrescante e perigosa Mas cuidado, obedeça a sinalização e o aviso de quem mora neste paraíso: mortes de turistas desavisados ou teimosos são comuns no verão, quando se desrespeita as pedras escorregadias da cachoeira. Com responsabilidade, aproveite a Costa da Lagoa ! Este é certamente um passeio recomendadíssimo pra quem está de passagem por Florianópolis . Bom para os olhos, para o estômago e para o bolso. Abaixo, você confere uma reportagem que saiu nesta segunda-feira, no RBS Notícias, destacando os encantos da Costa da Lagoa .

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Costa da Lagoa: um refúgio ao agito de Florianópolis

Os companheiros de escalada

03 de dezembro de 2011 0

(continuação do relato de Manoel Morgado): O líder da expedição é um neo zelandês de ao redor de 50 anos com sete cumes de Everest, dois de Vinson e muitas outras montanhas. Típico kiwi, ele tem um sorriso fácil, um bom humor invejável e uma maneira tranqüila de lidar com tudo. Imediatamente me identifiquei com ele e, creio, é recíproco. O fato de sermos ambos guias e de vivermos nas montanhas cria um vínculo imediato. Tem o Peter, um australiano de 53 anos, triatleta que apesar de não ter um currículo de montanhas muito expressivo, escalada em rocha e gelo e participa de competições de iron man ao redor de mundo e assim escolhe suas férias. Já esteve no Brasil para fazer a de Florianópolis e acaba de chegar do México onde fez uma. Como boa parte dos australianos, o Peter é simpático, falador e boa gente. A Marion é francesa, tem 40 anos e está acabando um ano sabático de escaladas ao redor do mundo. Tem um vasto currículo de montanhas difíceis como o Pumori no inverno e o Cholatse, ambos no Nepal e não se interessa por completar os Sete Cumes ou mesmo de escalar o Everest. Prefere montanhas com menos gente. Depois de escalar o Vinson, na sequência fará o chamado Last Degree, a travessia dos últimos 120 km do grau 89 de latitude sul até o pólo sul. Como coincidência, fará esta travessia junto com a Andrea Cardona que está chegando na Antártica dia 16 de dezembro e com quem possivelmente encontrarei. Depois disso ela fará o Vinson a caminho de também terminar os Sete Cumes e se tornar a segunda latino americana a completar este feito. Marion é muito simpática e também acredito que será uma ótima companheira de expedição.(continua amanhã)

Confira o post completo no blog Todomundo:
Os companheiros de escalada

Inundações em SC – de novo

09 de setembro de 2011 0

Não é a primeira nem será a última vez, claro, que Santa Catarina enfrenta problemas com a chuva, especialmente no Vale do Itajaí. Pesquei algumas fotos que a Metsul está colocando no twitter. A situação em Blumenau é caótica, mas Brusque também tem problemas. O rio praticamente atravessa a cidade, daí os alagamentos. Brusque é aquela cidade catarinense que tem o hotel Monthez, que fica no alto de uma colina com vista para toda a cidade e que já foi assunto de post aqui no blog. Quem está hospedado no hotel com certeza tem uma vista privilegiada da enchente sem se preocupar. Outra cidade com problemas é Ituporanga, mais no centro de SC, na Grande Florianópolis. O site do Diário Catarinense faz boa cobertura da enchente. Também há informações no site da Defesa Civil . Ou no Jornal de Santa Catarina , que é de Blumenau. A boa notícia é que a chuva para hoje. Os próximos dias serão de sol no Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Leia o post completo no blog Viajando de Carro:
Inundações em SC – de novo

Turista de Rio do Sul conta a experiência de enfrentar as cinzas do Vulcão Puyehue, no Chile

19 de junho de 2011 0

O vulcão chileno Puyehue , que entrou em erupção dia 4 de junho, não dá trégua. As cinzas vulcânicas chegaram até a África do Sul, inclusive impedindo viagem do presidente de lá. A expectativa é que o vulcão continue ativo, prejudicando a atividade em aeroportos, por pelo menos mais uma semana . Neste domingo, as argentinas Villa La Angostura e Villa Traful, na fronteira com o Chile, ficaram cobertas por espessa camada cinzenta. A região está sem água e sem luz. O turismo, claro, é diretamente prejudicado pelo caos nos aeroportos, decorrente da erupção. E, quem conseguiu chegar ao destino de férias na Argentina ou no Chile, enfrenta insegurança na hora de voltar para casa, porque os voos são frequentemente adiados , dependendo do comportamento do Puyehue. O  vendedor Mateus Stédile, de Rio do Sul, enfrentou as intempéries vulcânicas com a esposa, Tamires, e contou para o blog como foi se virar com pouco dinheiro em Ushuaia, sendo obrigado a estender o período de descanso além do previsto: Era uma quarta-feira quando embarcamos para Buenos Aires com destino a Ushuaia. Retornaríamos na segunda-feira seguinte. Estávamos prontos para voltar para casa, passagens na mão a caminho do aeroporto. À  frente havia mais um turista que, de repente, olhou para nós e disse que nosso voo estava cancelado . Fomos ao aeroporto conferir, e constatamos que realmente era verdade. Marcaram nosso voo para quinta-feira, dia 9. Voltamos para o hotel e avisamos nossos familiares pelo msn. Não havia nada a fazer, o jeito era esperar, aproveitar mais um pouco aquele lugar maravilhoso. Mas com o passar dos dias começamos a perceber que nossa volta ao Brasil não tinha data prevista . Na quinta-feira, nosso voo foi cancelado novamente. Então começamos a economiza r . Para comer íamos ao mercado e comprávamos comida pronta, lanche, salgadinho e água. As roupas eram lavadas na pia do banheiro do hotel, secávamos no aquecedor, quase não saíamos, ficando no hotel quase o dia inteiro. O voo marcado para sábado, na sexta pela manhã já tinha sido cancelado novamente. Fomos até a companhia aérea Aerolíneas Argentinas. Estava muito cheio, tinha que pegar senha para ser atendido . Começamos a ouvir gritos, havia uma mulher no balcão desesperada. Ela chorava, gritava com o atendente, era constrangedor, mas ninguém podia fazer nada, e a mulher só queria ir pra casa. Nosso voo foi remarcado para terça-feira, dia 14. Já seriam quase duas semanas de viagem. Durante a tarde a recepcionista do hotel recebeu um e-mail que tinha um ônibus que ia sair de Ushuaia para Buenos Aires. Eram 50 horas de viagem, não parava nem para comer. Já estávamos comprando passagens. Foi aí que fomos avisados que tinha um voo às 20h45min de sábado. Concordamos na hora, cancelando o ônibus. Conferíamos pelo site a todo momento a situação do voo. Arrumamos as malas e esperamos. O dia parecia que não acabava . Enfim fomos para o aeroporto, a expectativa era grande, pois era o primeiro voo depois de tantos cancelamentos. Tinha muita gente com medo . Graças a Deus deu tudo certo. Desembarcamos em Buenos Aires. Nosso voo para o Brasil era só às 23h10min de domingo. Às 6h fomos até o balcão da Gol tentar despachar as bagagens. Foi aí que fomos informados que às 7h15min havia um voo para Belo Horizonte, com escala em Florianópolis, mas para isso tinha que trocar as passagens. Com sorte, conseguimos trocar. Já em casa, finalmente, ficamos sabendo que o voo das 23h10min havia sido cancelado também. Foi por pouco! Ainda bem que já estávamos aqui. Mesmo com o transtorno de não saber quando íamos voltar para casa, com certeza foi uma viagem inesquecível !

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
Turista de Rio do Sul conta a experiência de enfrentar as cinzas do Vulcão Puyehue, no Chile

Por do sol nota 10

13 de junho de 2011 0

É bem possível que alguns porto alegrenses estejam a beira de um ataque de nervos. Me refiro a notícia de um jornal há alguns meses atrás. Eu estava fora e só agora o leio. Refere-se a um espetáculo que acontece todos os dias e mesmo assim não diminui o seu encanto. Diz o Estado de São Paulo que alguns dias tem até trilha sonora: o aplauso dos aficionados ao sun set. Eles colocaram os que consideram nota 10, lá de cima até o Chui aqui em baixo.   O primeiro da lista? Jericoacara . Não importa o vento nem a areia que bate com força nas pernas. Subir a Duna do Pôr do Sol para assistir de lá o espetáculo da natureza faz parte do roteiro de todos que a visitam.   Búzios teve a segunda nominação para este Oscar da natureza. A praia da Armação não é boa para banho. No entanto não há lugar melhor na região dos lagos para curtir o fim do dia.   Cabedelo foi o terceiro na praia fluvial do Jacaré.É que todos os dias às 17h surge o Jurandy do sax. Pontualmente. Ele sobe num barco e toca o Bolero de Ravel. Dito assim parece um tanto brega, mas acentua que o clima é tão legal com tanta gente nos bares da Beira Rio que não há porque se constranger. Aplauda também.   Florianópolis foi a próxima da lista. Falam de uma praiazinha próxima da Barra da Lagoa no fim de uma trilha de 20 minutos, com piscinas que convidam etc.. Já estive lá , mas provavelmente eu estava uma taça abaixo do meu limite e não vi nada tão impactante.   Boiçucanga – Duvido que alguma coisa com este nome possa ser deslumbrante ou ter um por do sol imperdível. Diz que as areais estão sempre lotadas e o show termina em aplausos. Até aí, tudo bem, mas e o nosso? O melhor do Muuuuundo! Nem uma citação? O que vão fazer os nossos “ sun set lovers” porto alegrenses? Empastelar o jornal, invadir São Paulo? Se queixar ao Bispo? Com a palavra os amigos do Viajando!  

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Por do sol nota 10

Aparados da Serra: aprecie sem moderação

15 de abril de 2011 0

Nosso chamado está dando frutos! Recebemos este post maravilhoso de nosso leitor Luciano Leoneti. Na verdade um relato super completo sobre a região dos Aparados da Serra com fotos que transmitem toda a força da natureza local, uma ótima dica para o próximo feriado que se aproxima! O que você vai fazer no próximo feriadão? Se sua resposta for: quero ir para um local calmo, isolado (porém perto de Porto Alegre), quero natureza em toda sua plenitude, quero mato, quero água e cachoeira. Também quero conforto, boa comida, momentos de deleite e até mesmo de aventura, creio que você deveria conhecer São José dos Ausentes nos campos de cima da serra do Rio Grande do Sul. A mais de 1000 m de altitude, São José dos Ausentes é um daqueles lugares onde você é integrado imediatamente a sua magia e atmosfera. Imagine um lugar onde o silêncio só é interrompido pelo chacoalhar das folhas que insistem em se manter em seus galhos mesmo com a impaciência de um vento que não para de passar e seguir seu caminho. Um vento que pode vir do litoral ou do oeste, que pode ser suave porém que muitas vezes assola e gela essas terras de tanta história. Os campos de cima da serra são mágicos. Lá você sente que está mais próximo do céu, as nuvens passam e parece que você consegue tocá-las. Nessa região os declives e aclives não são tão intensos como em outras regiões de serra, porém não se engane, você está no “topo de tudo.” O tempo em Ausentes é temperamental como em qualquer região do sul do país, aqui um dia pode estar um calorzinho gostoso, porém entra uma frente fria, chove e logo o frio invade essas terras. Então venha preparado para enfrentar fortes emoções, venha preparado para se deixar levar por uma natureza forte e delicada. Deixe seus olhos absorverem toda essa beleza e deixe seu coração repousar nas suas paisagens. Aqui você só não pode vir com receio de se apaixonar, de se entregar! O silêncio tem que ser externo e interno , deixe suas preocupações e dia a dia “lá embaixo ”. Suba a serra até o topo e de lá zarpe por um mundo de dimensões gigantescas, de canions monumentais e de vistas estonteantes! Deixe-se levar por essa atmosfera e, ao final de sua jornada, desça para sua rotina com total energia e pronto para seguir a vida no mundo real. Porém jamais esqueça: Ausentes estará sempre lá lhe esperando com sua hospitalidade, sua beleza e sua energia. Quando der, dê outra “subidinha”.     A HISTÓRIA A região de São José dos Ausentes está ligada a muitos fatos históricos do século 18 e lá se encontrava o maior latifúndio do Rio Grande do Sul. Com mais de 1.000 Km 2 a Fazenda dos Ausentes compreendia uma grande parte dos campos de cima da serra. Segundo alguns registros  da época esse nome se deve a que seus primeiros proprietários nunca assumiram essas terras e as mesmas foram enfim leiloadas. Sendo assim, a região passou a ser chamada de Ausentes. A CIDADE Por muitos anos Ausentes perteceu a Bom Jesus, cidade que fica hoje a 40 Km de distância, e apenas em 1992 se emancipou. O maior status dessa cidade, e por isso conhecida nacionalmente, é de ser a cidade mais fria do Rio Grande do Sul e uma das mais frias do país. Com aproximadamente 3.100 habitantes em seus 1.156,78 Km 2 São José dos Ausentes fica a 1200 metros de altitude e nela se encontra o     ponto mais alto do estado do Rio Grande do Sul: o pico do Monte Negro . Nessa cidade você irá encontrar aquele jeito pacato de uma cidade pequena e longe dos grandes centros. Se você procura por agitação, baladas, compras e todo um mundo consumista, não vá para lá. Porém, se você procura tranquilidade, boa conversa, amizade e hospitalidade, um final de tarde com um cair do sol tranquilo e silencioso, um cheiro de mato e natureza que há muito você não sente, então corra para lá e deixe-se seduzir por essa cidade e seu povo. CLIMA (VESTUÁRIO): Se você for no inverno leve MUITO agasalho , já que São José dos Ausentes é uma das cidades mais frias do Brasil. Porém se for em estações mais amenas não ache que vai encontrar um calor tropical. Em Ausentes sempre faz um friozinho gostoso, mesmo no verão, então leve um agasalho para as noites frias e estreladas. Você irá caminhar muito, e muitas vezes por leito de rios e campos que podem estar molhados, então não deixe de levar mais de 01 par de calçados. Com uma roupa confortável e uma mochila com alguns lanchinhos e água você irá poder aproveitar tudo o que Ausentes tem a lhe oferecer; muita natureza, aventura e contemplação.   O QUE FAZER EM UM FERIADÃO   Final de tarde em um dos riachos de São José dos Ausentes. Umas das atrações deste roteiro é a viagem até o destino por si só. Sendo assim, o ideal é ir por uma rota e voltar pela outra, com isso você poderá apreciar paisagens distintas e se deliciar com essa diversidade de vistas de tirar o fôlego. Para melhor aprecia-las você tem que viajar durante o dia, já que à noite você não poderá curtir as montanhas ao longe, ou até mesmo a vista de cima da serra em direção ao litoral. Então, durma cedo no dia anterior e acorde ao amanhecer do outro dia já com as malas prontas e o carro pronto para partir. Se você sair bem cedo, poderá aproveitar todo o trajeto e ainda chegar a Ausentes para o almoço. Se quiser almoçar na sua pousada é só avisar com antecedência que eles o esperarão com tudo pronto! Porém se preferir poderá almoçar na cidade e depois já aproveitar o caminho até a pousada (que geralmente fica no interior do município) para fazer o seu primeiro passeio. Por outro lado, se você estiver vindo de outras localidades que não sejam próximas, o ideal é começar a viagem um dia antes, seja de avião até Porto Alegre, ou de carro até uma das cidades ao pé da serra, dormir em uma delas e começar a sua viagem de carro no outro dia cedo conforme já comentado. Em São José dos Ausentes, como em qualquer destino de natureza e aventura, planejar os seus passeios é fundamental, porém se dê o direito de ir conforme sua vontade o levar. Tire esses dias de descanso para sair da rotina e isto inclui não planejar o dia a dia, e sim escolher o passeio na noite anterior e sair sem destino. A beleza dos campos, das montanhas, dos cânions, riachos, cachoeiras, vão fazer com que você queira ir com calma e apreciando cada detalhe, sentindo a força da natureza e suas belezas. Lembre: o silêncio tem que ser exterior e interior, ou seja, não adianta estar no paraíso, rodeado de lugares fantásticos, calmos e deliciosos, se seus sentimentos estiverem tumultuados e você estressado com o próximo passeio, a próxima parada, o dia seguinte! Permita-se mergulhar na magia de Ausentes sem amarras e sem estresse, deixe-se levar pelo dia, pelas horas, fluindo em harmonia com a natureza ao seu redor e com a sua própria natureza. Chegue à hora que der e a partir daí entregue-se até o último dia à tarde apenas à contemplação, ao deleite e à magia de estar no topo da serra, rodeado de trilhas ao longo de riachos, que por sua vez estarão repletos de cachoeiras e corredeiras. Faça tudo no seu ritmo e sem pressa, apenas curta esses dias e harmonize-se interiormente. Tenho certeza que na volta você irá agradecer esse tempo “fora da realidade”. Para que você possa começar a entrar na realidade de São José de Ausentes a seguir algumas sugestões de lugares que você poderá aproveitar algumas horas do seu final de semana prolongado:     CACHOEIRÃO DOS RODRIGUES – Situado a 33 Km da cidade fica dentro da propriedade da Pousada de mesmo nome (Cachoeirão dos Rodrigues – 54-3237-2337) é formado por uma sucessão de grandes quedas, sendo que a maior tem 28 m de altura. A trilha que leva até o pé da cachoeira é fácil e a maioria das pessoas pode fazê-la. A mesma incluir passar por dentro do rio, então vá preparado para molhar os pés! Se estiver quente o banho de cachoeira é  permitido e delicioso.       PICO  E CÂNION DO MONTE NEGRO   Cânion do Monte Negro – veja que no alto há uma “minúscula pessoa” na borda O Pico do Monte Negro é o ponto mais alto do Rio Grande do Sul (1.403 metros) e fica no borda do Cânion Monte Negro, a 45 Km do centro da cidade. O acesso é fácil e você pode chegar bem perto de carro através da estrada municipal Silveira e passando por dentro de uma fazenda. A partir desse ponto a caminhada é curta e plana. Um dica para este passeio é ir bem cedo da manhã. A luz é muito mais bonita e você encontrará o mesmo deserto. Por outro lado muito cuidado já que não há infraestrutura no local e com isso é tudo por sua conta e risco. A caminhada pela borda do Cânion é de tirar o fôlego e tenho certeza que você irá fazer excelentes fotos. Algumas pousadas têm passeios a cavalo até o local, porém o passeio a pé tem o seu valor e para um bom aventureiro não há melhor maneira de desbravar um novo local. O acesso ao topo do Monte Negro exige um pouco mais do aventureiro, mas nada demais. Vá com calma, leve uma água e siga em frente. A subida é íngreme e a trilha não é muito sinalizada, mas é só ir subindo que não tem erro. A vista lá de cima é de tirar o fôlego e você poderá ver o cânion em sua total plenitude.     Cânion Monte Negro visto do topo do Pico do Monte Negro DESNíVEL DOS RIOS Uma das mais interessantes curiosidades de São José dos Ausentes é este local inusitado. Aqui os rios Divisa e Silveira transportam suas águas juntos, porém com uma diferença de 18 metros de altura. Quando há fortes chuvas, que fazem com que o rio “mais alto” transborde, há formação de corredeiras entre um e outro aumentando ainda mais o espetáculo. Se você for um pouco aventureiro, poderá subir até o topo do morro próximo e ter uma das vistas mais bonitas dos campos de cima da serra. O final de tarde aqui é de tirar o fôlego. Se você estiver hospedado em uma das pousadas próximas, pode ir caminhando até o local (fica dentro da propriedade da Pousada Fazenda Potreirinhos).   Desnível dos Rios   Vista dos campos de cima da Serra  a partir do morro do Desnível dos Rios   OUTRAS ATRAÇÕES; – Parque de Rodeios de São José dos Ausentes – Pesca esportiva de Truta – Museu Waldemar dos Santos Boeira – Passeios a cavalo e mula – Passeios a pé sem destino pré fixado.   POUSADAS As pousadas de Ausentes são um espetáculo a parte. A hospitalidade de seus donos, a comida caseira preparada com carinho de mãe, o chimarrão ao pé do fogão à lenha, a lareira sempre acesa e todo o charme de fazendas transformadas em hotéis de uma forma simples mas confortável. Escolha a sua e aproveite cada momento de sua permanência. Algumas pousadas ficam mais próximas dos cânions e outras mais para o lado das cachoeiras. Você poderá circular por todas elas sem estresse e todas as propriedades estão abertas à visitação. Umas têm uma vista mais grandiosa, porém outras ficam à beira de um riacho e o barulhinho das corredeiras durante à noite tem o seu valor. O ideal seria poder experimentar uma de cada vez, porém se você não for esse felizardo, escolha a que mais vier de encontro às suas necessidades.   Segue a lista de algumas delas: POUSADA FAZENDA CACHOEIRÃO DOS RODRIGUES Reservas e informações: Telefones: (54) 9905.9522 / (54) 9905.9520 Endereço: Fazenda Lajeadinho, s/n Bairro / Localidade: Distrito de Silveira Cidade: São José dos Ausentes – RS POUSADA FAZENDA POTREIRINHOS Reservas e informações: Telefone: (54) 9977.3482 Coordenadas geográficas: S 28.59577° W 49.97864° Endereço: Estrada Fazenda Potreirinhos Bairro / Localidade: Distrito de Silveira Cidade: São José dos Ausentes – RS Email: potreirinhos@hotmail.com POUSADA FLOR DE AÇUCENA Reservas e informações: Telefone: (54) 3504.5365 Endereço: Encruzilhada das Antas s/n – Fazenda São Gonçalo Cidade: São José dos Ausentes – RS Email: reservas@flordeacucena.com.br Site: www.flordeacucena.com.br   POUSADA FAZENDA MONTE NEGRO Reservas e informações: Telefones: (54) 9978.2299 / 9905.6456 Endereço: Estrada Monte Negro, 100 (Distrito de Silveira) Cidade: São José dos Ausentes – RS Email: fazendamontenegro@gmail.com Site: www.fazendamontenegro.com.br POUSADA FAZ. MORRO DA CRUZINHA Reservas e informações: Telefones: (54) 3234.1291 / (49) 9118.1901 Endereço: Estrada Chapadão, 1900 Cidade: São José dos Ausentes – RS POUSADA FAZ. APARADOS DA SERRA Reservas e informações: Telefone: (54) 3504.5478 / (54) 9614.0952 Endereço: Estrada do Monte Negro Cidade: São José dos Ausentes – RS Email: pousadaaparadosdaserra@yahoo.com.br POUSADA FAZENDA DAS ARAUCÁRIAS Reservas e informações: Telefone: (54) 9977.1871 Endereço: 2º Distrito Silveira Bairro / Localidade: Distrito de Silveira Cidade: São José dos Ausentes – RS     APRECIE SEM MODERAÇÃO             Agora que você têm várias dicas de como chegar, ficar, comer, passear em São José dos Ausentes, é tudo com você. A mais valiosa dica que pode-se dar sobre esse lugar encantador é: DEIXE-SE ENCANTAR por essa região magnífica e de uma força descomunal. A beleza e a energia desse lugar são maravilhosas, você irá sentir por dentro a força da natureza. Porém novamente, se você não se deixar encantar, não se abrir para o novo, para o que Ausentes tem para lhe oferecer, poderá voltar de lá totalmente frustrado, mas se você respirar fundo e deixar que o ar puro, a água cristalina, o friozinho e os campos sem fim penetrem nas suas entranhas, voltará de lá reabastecido, saciado, em estado de êxtase. COMO CHEGAR Partindo de Porto Alegre você pode tomar dois caminhos principais: indo em direção a São Francisco de Paula e depois indo por Cambará do Sul ou por Bom Jesus , ou ainda indo pelo litoral e subindo a serra da Rocinha já em Santa Catarina. Aconselho ir por um dos caminhos da serra gaúcha e voltar pela Serra da Rocinha . A vista é maravilhosa e você poderá conhecer um pouco mais dessa região do Sul de Santa Catarina.     Placa de orientação na BR 285 As rotas são as seguintes: Porto Alegre / Ausentes Saindo de Porto Alegre pela BR 116 passe por Canoas e continue em direção a Novo Hamburgo. Logo adiante entre a direita na RS 239, e vá até a cidade de Taquara, lá troque de estrada e entre na RS 020 até a São Franscisco de Paula e vá pela mesma RS 020 até a localidade de Tainhas. Lá pegue à direita, na RS 453, e logo à frente entre à esquerda, na RS 020, em direção a Cambará do Sul. Chegando em Cambará siga mais 50 Km de estrada de chão até chegar a São José dos Ausentes. Distância: 250 km . Outra opção é seguir a mesma rota acima até São Franscico de Paula e lá deixar a RS 020 e tomar a RS 110 em direção a Bom Jesus. Após aproximadamente 97 km (deixe a entrada de Jaquirana à direita e siga sempre pela RS 110) você chegará no entroncamento com a BR 285 em Bom Jesus. Lá tome à direita e rode mais 42 Km até São José dos Ausentes. Porto Alegre / Ausentes (Via BR 101 / Litoral) Saindo de Porto Alegre pegue a BR 290 no sentido de Osório. Até lá são quase 100 Km de pista tripla. Passando Osório siga na mesma estrada, mas com outro nome: BR 101 e aí é só seguir em frente até a fronteira do RS com SC (outra opção é virar a esquerda no final da BR 290 e tomar a estrada do mar, que é praticamente paralela à BR 101. Tem diversos pardais, porém não há caminhões e isso torna a sua viagem bem mais segura. No final dessa rodovia, tome à esquerda no acesso a Torres e em poucos quilômetros você encontrará novamente a BR 101 quase em SC). Após cruzar a divisa do RS com SC  vá até o acesso da cidade catarinense de Ermo. Da BR 101 até Ermo são 7 Km. O acesso fica à esquerda, no km 427. De lá rode mais 8 Km até chegar em Turvo. Siga por mais 21 Km até Timbé do Sul, ainda território catarinense. Daí para frente o percurso é feito por estrada de chão subindo a Serra da Rocinha. Serão mais 36 Km até  a cidade gaúcha de São José dos Ausentes. Distância: 313 Km   Florianópolis / São José dos Ausentes De Florianópolis pegue a BR 101 Sul e rode até o acesso da cidade catarinense de Ermo. Passe por Turvo e Timbé do sul. Até São José dos Ausentes serão 36 Km de estrada de chão. Distância: 350 Km Lages (SC) e São Joaquim (SC) / São José dos Ausentes De Lages, um caminho bastante utilizado, segundo a Secretaria Municipal de Turismo, é via São Joaquim, pela localidade de Luizinho/SC. Atravessa-se o Rio Pelotas, passa-se pelas localidades gaúchas de Palheiro, Faxinal Preto e Silveira. Até São Joaquim tem asfalto, depois o percurso é feito por estrada de chão. Distância: 138 Km . Lages / São José dos Ausentes (Via Vacaria) Um outro caminho é pela BR 116 no sentido para Vacaria. Rode até a RS 285. Lá dobre a esquerda, no sentido de Bom Jesus. Seguindo na RS 285 tem-se mais 45 Km de estrada, agora, asfaltada até Ausentes. Distância: 197 Km Bom Jardim da Serra (SC) / São José dos Ausentes Partindo de Bom Jardim da Serra o caminho usado é via Várzea, atravessando o Estado no Rio das Contas. O trajeto é feito em 80 Km de estrada de chão. Gramado e Canela / São José dos Ausentes Saindo de Gramado pela RS-235 passe por Canela e siga até São Francisco de Paula aí pegue a RS 020 no sentido de Tainhas. Ao chegar em Tainhas pegue à direita e logo em frente à esquerda, pela RS-020, em direção a Cambara do Sul. De Cambará a Ausentes são 50 Km de estrada de chão, sempre pela RS 020. Distância: 166 Km Caxias do Sul / São José dos Ausentes Partindo de Caxias pegue a RS 453, a Rota do sol, no sentido do litoral. Passe pela localidade de Lajeado grande e Tainhas. Logo em frente pegue, à esquerda, a RS 020, rumo a Cambará do Sul. De lá até Ausentes são 50 Km de estrada de chão. Distância: 160 Km Fonte: Mapa Daer, Mapa Quatro Rodas, Site www.cambaraonline.com.br

Leia o post completo no blog Viajando com Arte:
Aparados da Serra: aprecie sem moderação

O guia completo para dormir em aeroporto

14 de outubro de 2010 0

Conheci o Sleeping in Airports esta semana, por meio do @mistapaka , ilustrador aqui do Santa. O link foi direto para os favoritos.

Leia o post completo no blog Viajar eu preciso:
O guia completo para dormir em aeroporto

Relógios

13 de outubro de 2010 0

Os relógios estão de volta.

Leia o post original no blog Viajando por Viajar:
Relógios

Frio , surf e charme no feriado em Garopaba

13 de outubro de 2010 0

Passar feriado em Santa Catarina na primavera é quase uma obrigação para gaúchos sedentos de praia ao final do inverno. Como sou da turma dos “sem casa na praia” sempre escolho pousadas que sejam charmosas e caibam no orçamento de casal , filhos , noras e genros! Quando tínhamos crianças pequenas escolhíamos sempre praias com mar calmo , que permitíssem o descanço de uma mãe à beira de um ataque de nervos. Muitas vezes tiramos férias na Lagoinha , na Ilha de Florianópolis que é um paraíso de tranquilidade.

Leia o post completo no blog Viajando com Arte: Frio , surf e charme no feriado em Garopaba

Descontão CVC

22 de setembro de 2010 0

A CVC está com uma superpromoção de passagens aéreas Gol e pacotes. Descontos de até 50% em 10X. Veja algumas, com saída de Porto Alegre: Florianópolis Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 35,70 À vista R$ 357,   São Paulo Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 40,90 À vista R$ 409,   Rio de Janeiro Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 43,90 À vista R$ 439,     Porto Seguro Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 69,60 À vista R$ 696,   Salvador Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 75,90 À vista R$ 759,   Natal Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 78,60 À vista R$ 786,   João Pessoa Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 80,60 À vista R$ 806,   Maceió Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 83,30 À vista R$ 833,   Fortaleza Saídas terças e quartas 3 noites  …… A partir de 10x de R$ 83,50 À vista R$ 835,   Porto de Galinhas Saídas terças e quartas 3 noites …… A partir de 10x de  R$ 83,60 À vista R$ 836, A oferta é válida para compras de até 27/setembro, com retornos até 11/11/2010

Leia o post completo no blog Viaje mais com menos:
Descontão CVC

Gente pelo mundo

15 de setembro de 2010 0

Reproduzo aqui a última coluna publicada no DC. Para ler a versão online do jornal clique aqui . Durante minhas viagens, encontro muita gente que decidiu mudar e largou tudo: uma vida comum, emprego dos sonhos, família, amigos e saiu pelo mundo em busca de algo.

Leia o post completo no blog O mundo que eu vi:
Gente pelo mundo

Surf de sofá?

26 de agosto de 2010 0

Participo de um projeto mundial chamado CouchSurfing. A ideia do “CS” é que moradores de qualquer lugar possam hospedar viajantes ao redor do mundo

Leia o post completo no blog O mundo que eu vi:
Surf de sofá?